Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Toxigenic mycobiota and mycotoxins in shrimp feed / Micobiota toxígena e micotoxinas em ração de camarão

Calvet, Rodrigo Maciel; Pereira, Maria Marlúcia Gomes; Costa, Amilton Paulo Raposo; Torres, Adriana Mabel; Muratori, Maria Christina Sanches.
Ci. Rural; 45(6): 1021-1026, June 2015. tab, graf
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: vti-76315

Resumo

The objective of this study was to identify the toxigenic mycobiota and the occurrence of aflatoxins in shrimp feed products intended for shrimp cultivated in the coastal area of the state of Piauí, Brazil, in three farms ("A", "B" and "C"). The toxigenic capacity of the fungal species isolated was tested for aflatoxins (AF) and ochratoxin A production. The fungal counts of shrimp feed were similar for the "A" and "B" farms at all cultivation phases, collection sites, in closed and opened packages (1.33 to 2.66CFU g-1 log10 -1). The lowest fungal counts were found in feed from "C" farm (0.65CFU g-1 log10 -1) from closed packages. Thirty-four strains of Aspergillus were detected with a greater prevalence of A. flavus. Two strains produced B1, B2, G1 and G2 aflatoxins at concentrations from 0.39 to 0.42ng g-1; 0.18 to 0.27ng g-1; 1.78ng g-1 and 0.09ng g-1 respectively and were classified as atypical A. flavus. Two strains of A. niger aggregate were OTA producers. Fifteen samples (13.88%) presented AFB1 contamination at levels ranging from 0.25ng to 360ng g-1. This study demonstrates the presence of toxigenic fungi in shrimp feed used at different phases of cultivation and farms. Atypical strains of A. flavus were isolated which produced AF B1, B2, G1 and G2 in shrimp feeds. Only AFB1 was detected in the analyzed feed.(AU)
O objetivo deste estudo foi identificar a micobiota toxigênica e a incidência de aflatoxinas em rações comerciais para camarão cultivado no litoral do Estado do Piauí, Brasil, em três fazendas ("A", "B" e "C"). Foi realizada a capacidade toxigênica das espécies de fungos isolados e a produção de aflatoxinas (AF) e ocratoxina A (OTA). As contagens fúngicas da ração foram semelhantes nas fazendas "A" e "B" e em todas as fases de cultivo, locais de coleta e de embalagens fechadas e abertas (1,33-2,66UFC g-1 log10 -1). As mais baixas contagens de fungos foram encontradas nas rações de embalagens fechadas da fazenda "C" (0,65UFC g-1 log10 -1). Foram isoladas trinta e quatro cepas de Aspergillus com maior prevalência de A. flavus e duas linhagens eram produtoras de aflatoxinas B1, B2, G1 e G2 em concentrações 0,39-0,42ng g-1; 0,18-0,27ng g-1; 1,78ng g-1, e 0,09ng g-1, respectivamente, e foi classificado como A. flavus atípico, sendo necessária posteriormente a classificação filogenética desta cepa. Duas cepas de A. niger agregados eram produtoras de OTA. Quinze amostras de ração (13,88%) apresentaram contaminação AFB1 em níveis que variam de 0,25ng a 360ng g-1. Este estudo demonstra a presença de fungos toxigênicos em rações de camarão nas fazendas analisadas e nas diferentes fases de cultivo. Foram isoladas, em rações de camarões, cepas atípicas de A. flavus, produzindo AF B1, B2, G1 e G2. Apenas AFB1 foi detectada na ração analisada.(AU)
Biblioteca responsável: BR68.1
Localização: BR68.1