Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Urochloa brizantha cv. Marandu presents a better response to in vitro salt stress than other commercial cultivars / Urochloa brizantha cv. Marandu apresenta uma melhor resposta ao estresse salino in vitro comparada a outras cultivares comerciais

Guimarães, Paula Beatriz Ramos; Figueiredo, Mayara de Oliveira Vidotto; Santos, Tiago Benedito dos; Ribas, Alessandra Ferreira.
Colloq. agrar.; 17(04): 74-82, jul.-ago 2021. ilus, graf
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: vti-764637

Resumo

Urochloa brizantha is the main forage grass to raise cattle in Brazil, but salt stress can reduce yield. Physiological and molecular mechanisms of adaptation to salt stress remain poorly understood in this species. The objective of this study was to evaluate the responses of three cultivars of U. brizantha to in vitro salt stress. Seeds of three cultivars (Piatã, Marandu, and Xaraés) germinated in filter paper and then transferred to growth on culture mediain vitro containing 0, 50, 100, and 200 mg L-¹ of sodium chloride (NaCl). Biometric parameters and proline content were determined after 28 days. The data were subjected to analysis of variance and the separation of means was performed by the LSD test (p<0.05). Semi-quantitative expression of the Δ¹-pyrroline-5-carboxylate synthase (P5CS1) gene was performed. In all cultivars, increase of NaCl concentration in the media affected roots and shoots growth. Xaraes cultivar presented the greater biomass reduction while Marandu cultivar was the least affected. Salt stress increased by approximated 0.6folds transcription of the P5CS1gene in all cultivars. However, Marandu cultivar presented a higher proline content and least biomass reduction suggesting a better response to in vitro to salt stress.(AU)
Urochloa brizantha é a principal gramínea forrageira para a pecuária no Brasil, mas o estresse salino pode reduzir a produtividade. Os mecanismos fisiológicos e moleculares de adaptação ao estresse salino permanecem pouco conhecidos nesta espécie. O objetivo desse estudo foi avaliar as respostas de três cultivares de U. brizantha ao estresse salino in vitro. Sementes de três cultivares (Piatã, Marandu e Xaraés) germinaram em papel filtro e foram transferidas para cultivo em meio in vitro contendo 0, 50, 100 e 200 mg L-¹ de cloreto de sódio (NaCl). Os parâmetros biométricos e o conteúdo de prolina foram determinados após 28 dias. Os dados foram submetidos à análise de variância e separação de médias realizada pelo teste LSD (p <0,05). Foi realizada a expressão semi quantitativa do gene da Δ¹-pirrolina-5-carboxilato sintase (P5CS1). Em todas as cultivares, o aumento da concentração de NaCl no meio afetou o crescimento das raízes e da parte aérea. A cultivar Xaraes apresentou a maior redução na biomassa enquanto Marandu foi a menos afetada. O estresse salino foi aumentado pela transcrição de aproximadamente 0,7 vezes do gene P5CS1em todas as cultivares. No entanto, a cultivar Marandu apresentou maior teor de prolina e menor redução de biomassa, sugerindo melhor resposta ao estresse salino in vitro.(AU)
Biblioteca responsável: BR68.1
Localização: BR68.1