Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Management practices to control gastrointestinal parasites in sheep farms in Minas Gerais, southeastern Brazil / Práticas de manejo para controle de parasitas gastrointestinais em fazendas com ovinos em Minas Gerais, Sudeste do Brasil

Gouveia, Aurora M. G; Molento, Marcelo B; Silva, Marcos X; Brandão, Humberto M; Gouveia, Gabriela C; Morlán, Jorge B; Guimarães, Alessandro S.
Pesqui. vet. bras; 33(4): 464-468, Apr. 2013. ilus, tab
Artigo em Inglês | VETINDEX | ID: vti-8733

Resumo

Parasite related problems are considered one of the major health problems for sheep breeding, causing considerable economic losses to commercial husbandry. The aim of this study was to determine the technological level and the level of knowledge of farmers regarding management practices to control gastrointestinal parasites in sheep in Minas Gerais state, southeastern Brazil. The analysis was based on 213 questionnaires applied by official veterinarians of the State Government Agency for Animal Health (Instituto Mineiro de Agropecuária, IMA), covering 16.6% of all counties. From two hundred and thirteen sheep farms sampled, 117 farms had their technological level determined. From the samples, 0.9% were characterized as high level, 45.3% as medium, and 53.0% as low technological level. The flock size ranged from 2 to 1843 with an average of 80.5 sheep per farm. The majority of the sheep production systems was extensive/semi-extensive (74.5%). The management practices adopted by the farmers to reduce parasitism were: split young and adult animals (5.6%), change pasture after deworm the animals (5.2%), use quarantine for incoming animals (2.3%), deworm newly arrived sheep (1.5%), and have regular technical assistance (31.9%). Although 76.5% of the farmers medicate the animals, treatments were performed without any major technical criteria, with an average interval of 4.6 months. The most commonly used drug families were macrocyclic lactones (38.5%) and benzimidazoles (24.9%). The management practices adopted in Minas Gerais are based on old recommendations and may not return in a good set of strategies to prevent parasite infections. Field observations reinforce the finding where farmers have obtained unsatisfactory results in maintaining the health and productivity level of their enterprises.(AU)
Problemas relacionados com parasitas são considerados um dos principais problemas sanitários na criação de ovinos, causando consideráveis perdas econômicas para criação comercial. O objetivo deste estudo foi determinar o nível tecnológico e o nível de conhecimento dos criadores sobre práticas de manejo para o controle de parasitas gastrintestinais em ovinos no estado de Minas Gerais, sudeste do Brasil. A análise foi baseada em 213 questionários aplicados pelos veterinários oficiais da Agência de Governo Estudal de Saúde Animal (Instituto Mineiro de Agropecuária, IMA), cobrindo 16,6% de todos os municípios. Duzentos e treze propriedades com ovinos foram amostradas e 117 tiveram o seu nível tecnológico determinado. A partir da amostra, 0,9% foi caracterizado como nível elevado, de 45,3%, como de médio e 53,0% como baixo nível tecnológico. O tamanho do rebanho variou de 2 a 1843 com uma média de 80,5 ovinos por propriedade. A maioria dos sistemas de produção de ovinos eram extensivos/semi-extensivos (74,5%). As práticas de manejo adotadas pelos criadores para reduzir o parasitismo foram: separar animais jovens e adultos (5,6%), mudança de pastagem após vermifugar os animais (5,2%), uso de quarentena para animais recem adiquiridos (2,3%), vermifugação de ovelhas recém-chegadas (1,5%) e assistência técnica regular (31,9%). Apesar de 76,5% dos criadores vermifugarem os animais, os tratamentos foram realizados sem qualquer critério técnico importante, com um intervalo médio de 4,6 meses. As famílias de drogas mais comumente usadas foram lactonas macrocíclicas (38,5%) e benzimidazóis (24,9%). As práticas de manejo adotadas em Minas Gerais são baseadas em recomendações antigas e não em estratégias para prevenir infecções parasitárias. As observações de campo reforçam os achados em que os proprietários obtiveram resultados insatisfatórios na manutenção dos níveis de saúde e produtividade de seus empreendimentos.(AU)
Biblioteca responsável: BR1.1
Localização: BR68.1