Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Biodestoxificação do farelo de mamona (Ricinus communis L.)

KARINE CLAUDIA ALESSI.
Tese em Português | VETTESES | ID: vtt-200136

Resumo

presença da proteína tóxica ricina limita o uso do farelo e torta de mamona na alimentação animal. Assim, objetivou-se desenvolver um novo processo de biodestoxificação da ricina, e avaliar seu efeito sobre a composição química do farelo não tratado para uso na alimentação animal. Para desenvolver o processo de destoxificação, 30 amostras de 1 kg de farelo de mamona não tratado (contendo ricina e com 40% de proteína bruta, base da matéria seca) foram distribuídas em um delineamento experimental inteiramente casualizado, com seis procedimentos de biodestoxificação e cinco repetições. A avaliação da eficácia de destoxificação da ricina foi realizada por meio de eletroforese em gel SDS-PAGE, utilizando colorações com Coomassie Blue Brilhant e com nitrato de prata. Dos seis procedimentos de biodestoxificação testados, em apenas um ocorreu o completo desaparecimento das duas sub unidades de ricina (29 e 36 kDa, aproximadamente) do gel. Foi enviado pedido de depósito de patente deste método ao Escritório de Inovação Tecnológica da UFMT e ao INPI (Processo EIT: 23108.704545/14-4; Oliveira A.S. et al. 2014). Por questões de proteção de propriedade intelectual os procedimentos de biodestoxificação não foram apresentados. O método proposto de biodestoxificação causou perdas de apenas 2,95% de matéria seca (P<0,001) do farelo de mamona, e reduziu (P<0,001) o pH do farelo de mamona não tratado (de 6,0 para 4,4). Todavia, não afetou os teores de matéria seca (P=0,913), matéria orgânica (P=0,864), fibra em detergente neutro (P=0,640), proteína bruta (P=0,983), extrato etéreo (P=0,274), nitrogênio insolúvel em detergente neutro (P=0,192) e nitrogênio insolúvel em detergente ácido (P=0,149) do farelo de mamona não tratado. O tratamento de biodestoxificação desenvolvido é eficaz na inativação da ricina e não ocasiona perdas na composição química do farelo de mamona
Biblioteca responsável: BR68.1