Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

CAUSAS DE ENCALHES DE AVES MARINHAS NO NORDESTE DO BRASIL

DANIELA BUENO MARIANI.
Tese em Português | VETTESES | ID: vtt-202634

Resumo

O objetivo dessa dissertação compreendeu descrever os encalhes, os achados clínicos, necroscópicos e histopatológicos das aves marinhas encontradas debilitadas na região Nordeste do Brasil, entre o litoral de Piaçabuçu-Alagoas (-10.34455 S / -36.30185 W) até o litoral do Conde-Bahia (-12.09639 S / 37.68624W), no período de abril de 2012 a setembro de 2014. As aves encontradas vivas durante o monitoramento foram registradas e encaminhadas a reabilitação e após o óbito submetidas a necropsia e histopatológico. Foram resgatadas 163 aves marinhas, pertencentes a quatro ordens, seis famílias e 15 espécies. Calonectris borealis, foi a ave mais registrada com 92 indivíduos entre os meses de março e julho, seguida de Puffinus gravis com 29 indivíduos entre os meses de maio e junho, períodos correspondendo a migração dessas aves no litoral brasileiro. Mais de 73% (119/163) dos animais morreram em menos de um dia do encalhe. Á análise clínica, grande parte apresentava inapetência 99,06% (106/107), apatia 98,13% (105/107), escore corporal abaixo da média para espécie 97,19% (104/107), hipotermia 93,45% (100/107) e infestação por ectoparasitos 76,63% (82/107). Esses sinais refletiram em quadros secundários de debilitação semelhante ao das aves marinhas encontradas debilitadas em outros locais do mundo. As alterações patológicas mais relevantes foram as gastrointestinais e respiratórias. As gastrointestinais representaram 71,77% (117/163) e consistiram em diferentes graus de severidade de gastrites e enterites, a maioria relacionado a infestação parasitaria, ingestão de corpos estranhos e artefatos de pesca. As alterações respiratórias representaram 26,99% (44/163) com diagnósticos histopatológicos classificados em pneumonias e broncopneumonias correlacionadas a infecções decorrentes da aspiração de conteúdo alimentar e de origem fúngica. Alguns traumas, lesões subcutâneas e musculares puderam ser relacionadas a interações antrópicas por serem sugestivos de colisões com embarcações e por emaranhamento em rede de pesca que causaram lesões irreversíveis. Após análise dos dados e dos resultados obtidos, constatou-se que o encontro desses animais é um fenômeno sazonal, associado ao fluxo migratório que leva a um desgaste a saúde das aves, potencializando os quadros de doenças. Entretanto, as ações antrópicas foram representativas e merecem atenção da sociedade. Desta maneira, o monitoramento de praias associado às investigações epidemiológicas, clínicas e patológicas são importantes para a compreensão do estado de saúde das aves marinhas e servem como indicador da saúde dos oceanos.
Biblioteca responsável: BR68.1