Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Avaliação de parâmetros oftálmicos, eletrofisiológicos, ecobiometria ocular em modo B e dopplervelocimetria da artéria oftálmica em Rupornis magnirostris (Gmelin, 1788)

ELTON HUGO LIMA DA SILVA SOUZA.
Tese em Português | VETTESES | ID: vtt-202718

Resumo

O Rupornis magnirostris, uma ave de rapina silvestre abundante em todo território nacional, comumente encontrado em cativeiro, pelos mais variados motivos, como traumas, mutilações e apreensões do trafico de animais, onde sofrem com problemas que podem acometer o sistema visual. Desta forma, objetivou-se avaliar os parâmetros clínicos oftálmicos, eletrofisiológicos, ecobiometria ocular em modo B e dopplervelocimetria da artéria oftálmica. Foram avaliados os dados do exame oftálmico como, a produção lacrimal (teste lacrimal de Schirmer), sensibilidade corneal (estesiometria de Cochet Bonnet) e pressão intraocular (tonometria de rebote), em relação a idade. Também foram realizadas analises quantitativa da função retiniana sob a luz branca e com diferentes comprimentos de onda (eletrorretinograma de campo total), das vias visuais (Potencial Visual Evocado por Flash de Luz), da biometria ultrassônica (ecobiometrica ocular em modo B) e foram definidos os índices Doppler de resistência e pulsatilidade dos da artéria oftálmica (ultrassonografia triplex). Nos parâmetros oftálmicos só o teste Schirmer não modificou na faixa de idade estudada, há uma relação direta entre ele e o limiar de sensibilidade corneano, levando em consideração a idade. Na eletrofisiolofia ocular os potenciais visuais evocados por flash de luz variam significativamente com o aumento da idade, na sensibilidade espectral verificou-se resposta aos seis comprimentos de ondas estudados e no eletrorretinograma a anestesia aumentou significativamente os tempos implícitos da onda fotópica e as amplitudes da onda b fotópica e do flicker 30 Hz. Na ecobiometria em modo B constatou-se uma relação entre a câmara anterior e a lente assim como com a lente e a câmara vítrea e na dopplervelociméta da artéria oftálmica verificou-se uma relação significativa entre o índice de pulsatilidade e índice de resistibilidade, assim como deles com a pressão intraocular e uma relação significativa do pico de velocidade sistólica e da velocidade diastólica final. Estes resultados abrem novos horizontes para a oftalmologia ornitológica, no que diz respeito a seus parâmetros clínicos oftálmicos, eletrofisiológicos, ecobiométricos em modo B e dopplervelocimétricos.
Biblioteca responsável: BR68.1