Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

AVALIAÇÃO DA TOXICIDADE PRÉ-NATAL: ESTUDO DE TERATOGENICIDADE DO INSETICIDA PIRIPROXIFENO EM RATOS WISTAR

AMANDA SANTOS SARTORI.
Tese em Português | VETTESES | ID: vtt-216441

Resumo

RESUMO O piriproxifeno é um pesticida análogo ao hormônio juvenil de insetos. A molécula age mimetizando o hormônio regulador de crescimento, impedindo que os insetos atinjam a maturidade ao interromper o desenvolvimento larval, o que resulta em sua morte. Recomendado pela Organização Mundial da Saúde para uso em água potável no controle da dengue, o piriproxifeno foi definido pelo Governo Brasileiro no ano de 2014, como uma das formas de controle focal das larvas do mosquito Aedes aegypti, após a detecção de populações de mosquitos resistentes aos inseticidas comumente utilizados no país. Contudo, o inseticida foi apontado como uma das possíveis causas da epidemia de microcefalia no Brasil ao final do ano de 2015. Considerando-se os escassos dados disponíveis sobre a toxicidade do piriproxifeno e a sua possível relação com o aumento da incidência de microcefalia em recém-nascidos, este estudo investigou a toxicidade reprodutiva do inseticida em ratos Wistar, avaliando seus efeitos no desenvolvimento fetal da progênie, bem como a presença de malformações externas e alterações esqueléticas nos animais expostos durante a fase da organogênese. Os animais foram divididos em quatro grupos experimentais: 1P (piriproxifeno 100 mg.kg-1), 3P (piriproxifeno 300 mg.kg-1), 5P (piriproxifeno 500 mg.kg-1) e CN (controle negativo). As fêmeas foram tratadas por gavagem, com auxílio de sonda orogástrica, do 6° ao 15° dia de gestação, conforme segmento II, recomendados pela Organization for Economic Cooperation and Development (2001) e Food and Drug Administration (1994). Durante a gestação, as progenitoras foram monitoradas quanto às alterações de massa corporal relativa, consumo de água e ração. No 21° dia de gestação, as fêmeas foram eutanasiadas para avaliação reprodutiva, teratogênica e de variáveis sistêmicas. Os fetos foram avaliados quanto à embriotoxicidade e à presença de malformações externas e alterações esqueléticas. Os resultados demonstraram que a administração do piriproxifeno não provocou toxicidade materna sistêmica, uma vez que não foi evidenciada alteração no consumo de água e ração, nem no peso dos órgãos. Além disso, não foi detectada presença de diarreia, piloereção, tremores, hemorragia ou outras alterações sistêmicas. O inseticida também não causou perdas nos índices reprodutivos, como no número de fetos por progenitora e perdas pós-implantação. A administração do piriproxifeno pode ter determinado aumento na média da massa corporal dos fetos, na maior dose testada (500 mg.kg- 1), contudo, não demonstrou interferência nos demais índices fetais. Não foram detectadas alterações teratogênicas, nem malformações externas nos fetos avaliados, no entanto, pode-se perceber que os animais expostos ao inseticida apresentaram aumento significativo de alterações esqueléticas sugestivas de retardo de desenvolvimento, especialmente nas doses mais altas testadas (300 mg.kg-1 e 500 mg.kg-1). Diante dos resultados encontrados, conclui-se que a administração do inseticida piriproxifeno em ratas Wistar possa interferir na gestação de fêmeas tratadas no período organogênico, no que se refere ao desenvolvimento fetal. Por fim, diante da situação complexa de risco para a saúde humana, mostra-se importante a execução de investigações adicionais por meio de estudos em outras espécies animais, juntamente com estudos epidemiológicos, de forma a contribuir com a adequada avaliação de risco para o uso do piriproxifeno em água potável.
Pyriproxyfen is a pesticide analogous to the juvenile hormone of insects. The molecule acts mimicking the growth regulating hormone, preventing the insects from reaching maturity by disrupting larval development, which results in their death. Recommended by the World Health Organization for use in drinking water for dengue control, pyriproxyfen was defined by the Brazilian Government in 2014 as one of the forms of focal control of larvae of the Aedes aegypti mosquito in the country, after the detection of populations of mosquitoes resistant to commonly used insecticides in the country. However, the insecticide was pointed out as one of the possible causes of the microcephaly epidemic in Brazil in the end of the year 2015. Considering the few data available on the toxicity of pyriproxyfen and its possible relation with the increase of the incidence of microcephaly in newborns, this study investigated the reproductive toxicity of the insecticide in Wistar rats, evaluating their effects on the fetal development of the progeny, as well as the presence of external malformations and skeletal changes in exposed animals during the organogenesis phase. The animals were divided in four experimental groups: 1P (pyriproxyfen 100 mg.kg-1), 3P (pyriproxyfen 300 mg.kg-1), 5P (pyriproxyfen 500 mg.kg-1) and CN (negative control). The females were treated by gavage an orogastric tube, from the 6th to the 15th day of gestation, according to segment II, recommended by the Organization for Economic Cooperation and Development (2001) and Food and Drug Administration (1994). During the gestation, the females were monitored for relative body mass, water and feed consumption. On the 21st day of gestation, the progenitors were euthanized for reproductive, teratogenic and systemic evaluation. Fetuses were evaluated for embryotoxicity and presence of external malformations and skeletal abnormalities. The results demonstrated that the administration of the insecticide pyriproxyfen can not induce systemic maternal toxicity, since there was no change in water and feed consumption or in the mass of the progenitor organs. In addiction, diarrhea, piloerection, tremors, hemorrhage or other systemic alterations were not detected. The insecticide also did not cause losses in the reproductive indexes, such as number of fetuses per parent and losses after implantation. No external malformations were detected in the evaluated fetuses, however, it was observed that the animals exposed to the insecticide showed a significant increase in skeletal abnormalities suggestive of developmental delay and variations, especially in the highest doses tested (300 mg.kg-1 and 500 mg.kg-1). In view of the results found, it is concluded that the administration of the insecticide pyriproxyfen in Wistar rats can interfere in the gestation of females treated in the organogenic period, regarding fetal development. Finally, in view of the potential risk situation for human health, it is important to carry out additional studies by means of studies in other animal species, together with epidemiological studies, in order to contribute to risk assessment for the use of pyriproxyfen in drinking water. Key
Biblioteca responsável: BR68.1