Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Analgesia preemptiva com cloridrato de tramadol em ovariohisterectomia de cadelas

LUCIANA SCHNEIDER.
Tese em Português | VETTESES | ID: vtt-217275

Resumo

A dor no pós-operatório é uma das principais complicações e seu controle é essencial para aumentar o bem-estar e facilitar a recuperação do paciente. Um dos meios mais eficazes no controle da dor é a analgesia preemptiva e o analgésico mais utilizado é o cloridrato de tramadol. Neste estudo objetivou-se avaliar o efeito preemptivo do cloridrato de tramadol na dose de 6 mg/kg. Para tal foram selecionadas 29 cadelas sem raça definida, de idades variadas e peso médio de 10 kg, as quais foram submetidas a ovariohisterectomia eletiva. Distribuídas aleatoriamente em três grupos, o primeiro grupo (CT-MPA) recebeu Cloridrato de tramadol apenas na medicação pré-anestésica (MPA), segundo grupo (CT-6) recebeu uma dose do fármaco 6 horas antes da MPA e o terceiro grupo (CT-24) a cada 6 horas, durante 24 horas antes da MPA. A avaliação álgica pós-operatória foi realizada com as escalas de Glasgow e Escala Visual Analógica (EVA), por dois observadores, em intervalos de uma hora, iniciando-se uma hora após a extubação do animal. Para analgesia resgate foi utilizado 6 mg/kg de tramadol por via intramuscular e 1 mg/kg de Cetoprofeno por via subcutânea, seis horas após extubação ou quando a EVA atingia 33%, indicando dor. Os grupos CT-6 e CT-24 obtiveram os menores índices de dor, apresentando um maior efeito analgésico devido a administração repetida. Entretanto no final da avaliação o grupo CT-24 se manteve constante, não apresentando diminuição dos índices de dor, devido a administração repetida de tramadol levou ao desenvolvimento da tolerância de seu efeito, e o grupo CT-6 que recebeu apenas uma dose antes da MPA teve seu efeito potencializado. Com isso concluiu-se que o uso de Cloridrato de tramadol de forma preemptiva, com apenas uma dose anterior à medicação pré-anestésica, resulta em maior efeito analgésico no período pós-operatório imediato.
Post-operative pain is one of the main complications and its control is essential to increase well-being and facilitate patient recovery. One of the most effective means of pain control is preemptive analgesia and the most commonly used analgesic is tramadol hydrochloride. The aim of this study was to evaluate the preemptive effect of tramadol hydrochloride at a dose of 6 mg / kg. For that, 29 female dogs with no defined breed, of different ages and average weight of 10 kg were selected, which were submitted to elective ovariohysterectomy. Randomly distributed into three groups, the first group (CT-MPA) received tramadol hydrochloride only on preanesthetic medication (MPA), the second group (CT-6) received one dose of the drug 6 hours before MPA and the third group (CT-24) every 6 hours, for 24 hours before MPA. Postoperative pain assessment was performed with the Glasgow Scales and Visual Analogue Scale (EVA) by two observers at one hour intervals, starting one hour after the animal extubation. For salvage analgesia, 6 mg / kg of intramuscular tramadol and 1 mg / kg of ketoprofen were used subcutaneously, six hours after extubation or when EVA reached 33%, indicating pain. The CT-6 and CT-24 groups had the lowest pain rates, presenting a greater analgesic effect due to repeated administration. However, at the end of the evaluation, the CT-24 group remained constant, with no decrease in pain indexes, because repeated administration of tramadol led to the development of tolerance of its effect, and the CT-6 group received only one dose before of MPA had its effect enhanced. With this, it was concluded that the use of tramadol hydrochloride preemptively with only one dose prior to pre-anesthetic medication results in a greater analgesic effect in the immediate postoperative period.
Biblioteca responsável: BR68.1