Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Aspectos clínico-laboratorias e inflamatórios da injeção intraperitoneal de lipopolissacarídeo (LPS) em equinos : efeitos da lidocaína

Peiró, Juliana Regina.
Jaboticabal; s.n; 14/08/2002. 74 p.
Tese em Português | VETTESES | ID: vtt-2453

Resumo

A endotoxemia é a maior causa de mortalidade em eqüinos. O desencadeamento da endotoxemia clínica nos eqüinos é freqüente em decorrência da elevada sensibilidade desta espécie aos lipopolissacarídeos (LPS) da membrana externa de bactérias Gram-negativas liberados para a circulação durante o processo de choque séptico. Em resposta a esta agressão, o organismo libera substâncias pró-inflamatórias, as citocinas, na corrente circulatória. Dentre estas, o fator de necrose tumoral (TNF) tem sido implicado como a principal citocina no desencadeamento do quadro endotoxêmico dos eqüinos, sendo encontrados níveis elevados desta citocina, tanto séricos como peritoneais, em eqüinos com cólica. Os anestésicos locais, com o grupamento amídico em sua estrutura molecular, têm exibido ação inibitória sobre a resposta inflamatória por bloqueio da resposta funcional da atividade dos polimorfonucleares na liberação das citocinas. A lidocaína tem sido utilizada com sucesso, como anestésico local, na prevenção da vasoconstrição mesentérica durante o choque endotóxico em cães, assegurando proteção a esta agressão e demonstrando ser efetiva no tratamento de processos inflamatórios localizados no intestino delgado quando aplicada topicamente na serosa, ou na forma de "bolus" seguida de infusão contínua para o tratamento do ileus adinâmico. O principal objetivo deste ensaio foi estudar os efeitos da infusão contínua de lidocaína, sobre a resposta clínica, laboratorial e na resposta inflamatória, avaliados através da produção do TNF alfa, antes e após a injeção intraperitoneal de LPS em eqüinos, e avaliar a segurança desta dose de lidocaína neste modelo experimental. Com base nos achados clínicos e laboratoriais deste estudo, concluiu-se que a utilização da lidocaína após a administração do LPS foi mais efetiva na inibição da produção...
Endotoxemia is the major cause of mortality in horses. The onset of signs of endotoxemia in horses occurs frequently due to their sensitivity to the release of lipopolysaccharides (LPS) of the outer membranes of gram negative bacteria during the septic shock. In response, the host releases proinflammatory cytokines into the bloodstream. Tumor necrosis factor-a is an important cytokine released during the onset of endotoxemia and increased levels of TNF can be found in peritoneal fluid as in serum of colicky horses. Amide local anaesthetics have shown to inhibit polymorphonuclear release of cytokines. Lidocaine has also been shown to be an effective method for treating small intestine inflammatory conditions when injected as an intravenous "bolus" followed by continuous infusion or acting as a prokinetic drug during postoperative ileus. The main goal of this study was to evaluate the effects of lidocaine continuous infusion on clinical, laboratory responses and inflammatory response, in terms of TNF-alpha activity, before and after intraperitoneal injection of lypopolisaccharides in horses. Based on the clinical and laboratory findings in this study, we concluded that lidocaine administered after LPS was more effective in inhibiting TNF-alpha activity, although it was not able to avoid the increasing of inflammatory cells in the peritoneal fluid
Biblioteca responsável: BR68.1