Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Frequência de anticorpos anti-Anaplasma phagocytophilum em equídeos no Estado do Rio de Janeiro e seus fatores de risco

Rolim, Marcia Farias.
Tese em Português | VETTESES | ID: vtt-619

Resumo

Anaplasma phagocytophilum é um hemoparasita, transmitido por carrapatos, causador da anaplasmose granulocítica, patógeno emergente no Brasil e diagnosticado em diversas espécies de animais domésticos, silvestres e humanos. Com o objetivo de investigar a frequência de anticorpos anti- Anaplasma phagocytophilum em equídeos do estado do Rio de Janeiro e associar aos possíveis fatores de risco para a infecção foram coletadas 612 amostras de sangue provenientes de equídeos de 15 municípios do estado e aplicado um questionário epidemiológico no qual foram avaliados aspectos ligados a propriedade, manejo sanitário, a enfermidade e ao estado individual do animal avaliado. Para o diagnóstico realizou-se a Imunofluorescência Indireta. No presente trabalho foram detectados 124 animais (20,26%) com anticorpos IgG anti- A.phagocytophilum com títulos de 1:80. Pela análise de regressão logística multivariável observou-se que a propriedade (P<0,0001), procedência (P=0,0095) e a idade (P=0,0236) dos animais são os reais fatores de risco para a infecção do estado do Rio de Janeiro. O que permitiu inferir que o parasita está distribuído em todas as mesorregiões do estado do Rio de Janeiro e que os focos em propriedades são importantes na permanência do parasita nos equídeos. Foi observado também que animais oriundos de outros estados podem introduzir a infecção e tornar as propriedades foco de doença. Os muares, pela primeira vez, foram identificados também como importantes hospedeiros da infecção. Animais jovens e adultos devem ser o foco da investigação quando se pretende monitorar a doença nos plantéis de equídeos com atenção as doenças de caráter sistêmico para o diagnóstico diferencial
Biblioteca responsável: BR68.1