Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

HISTOPATOLOGIA, PERFIL BIOQUÍMICO E DESEMPENHO ANIMAL COMO FERRAMENTAS DE PROGNÓSTICO PRODUTIVO NA INTOXICAÇÃO POR Senecio spp

Liston, Marcos Agenor.
Tese em Português | VETTESES | ID: vtt-7209

Resumo

A toxicidade do gênero Senecio é amplamente conhecida e seus efeitos foram descritos em vários países, sob diversas denominações. A intoxicação por alcalóides pirrolizidínicos, princípio ativo destas plantas, ocasionam perdas econômicas devido à queda na produtividade, morte dos animais e custos com o manejo e controle da planta. Métodos histopatológicos e bioquímicos têm seu uso aplicado ao diagnóstico da intoxicação, porém, estes métodos ainda apresentam deficiência quando se trata de prognóstico produtivo em um rebanho intoxicado pelo Senecio spp. Portanto, o objetivo deste trabalho foi comparar variáveis hitopatológicas, bioquímicas e de desempenho, e estabelecer limites dentro destas variáveis que auxiliem no prognóstico individual de animais pertencentes a um rebanho afetado pela intoxicação por Senecio spp. Foram utilizados 49 bovinos remanescentes, após a ocorrência e confirmação de mortes na propriedade devido a intoxicação por Senecio. No dia 1 do experimento, realizou-se a pesagem dos animais, avaliação da condição corporal (CC), biópsias hepáticas e colheita de sangue para determinar: gama glutamiltransferase (GGT), hematócrito (HT1), albumina (ALB1), proteína total (PT1), globulinas (GLOB1) e relação albumina:globulinas (A:G1). Foram realizadas 4 pesagens, com intervalo médio de 35 dias. No momento da terceira pesagem, foram também determinados CC70, HT70, PT70, ALB70, GLOB70 e A:G70. Os animais chegaram ao final do experimento, sadios (n=20), doentes (n=12) e mortos (n=17). A histopatologia hepática identificou 59,5%, enquanto que GGT, 92,8% dos animais mortos ou doentes, após 150 dias de observação. As médias ? epm para GGT (UI/L), para os animais sadios foram 27,94 ? 2,96, para os animais doentes 56,1 ? 9,03 e para os animais mortos 64,64 ? 7,03. Valores de GGT ? 30 UI/L indicaram prognóstico desfavorável. As médias de PT1, PT70 e ALB1, não diferiram da literatura. As médias de ALB70 foram abaixo daquelas descritas em literatura, e por conseguinte, as de GLOB70 acima. Entre a 1ª e 3ª pesagem, os animais mortos ao final do experimento apresentaram menor ganho médio diário (GMD). A GGT apresenta melhor valor prognóstico que a análise histopatológica. Valores de GGT ? 30 UI/L apresentam-se como prognóstico desfavorável. O GMD pode auxiliar no prognóstico de animais intoxicados
Biblioteca responsável: BR68.1