Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

DOENÇA GRANULOMATOSA SISTÊMICA EM BOVINOS NO RIO GRANDE DO SUL ASSOCIADA AO PASTOREIO DE ERVILHACA (Vicia spp.)

Fighera, Rafael Almeida.
Tese em Português | VETTESES | ID: vtt-7210

Resumo

Descrevem-se 8 surtos de uma doença associada ao pastoreio de duas espécies de ervilhaca (predominantemente Vicia villosa e, em menor grau, V. sativa) na região noroeste do Rio Grande do Sul, de setembro a novembro de 2001 e em agosto de 2002. De um total de 219 bovinos envolvidos, 17 adoeceram e morreram espontaneamente ou foram sacrificados e 10 foram necropsiados. Os bovinos afetados eram fêmeas, Holandês ou cruza Holandês e Jersey, com idades que variavam de cinco a 12 anos. Todos eles haviam permanecido por um período de dois a cinco meses em pastagem com ervilhaca. Os sinais clínicos observados em 10 das vacas afetadas incluíam, em ordem decrescente de prevalência, febre (10/10), queda brusca na lactação (10/10), lesões cutâneas (10/10), prurido (10/10), secreção ocular (7/10), secreção nasal (7/10), diarréia (6/10), emagrecimento (6/10), tosse (4/10), salivação (1/10), apetite depravado (1/10) e abortamento (1/10). O curso clínico da doença foi de aproximadamente duas semanas, variando de 10 a 30 dias, nos bovinos que morreram espontaneamente. As 10 vacas necropsiadas apresentavam um padrão de lesão semelhante, que variava principalmente quanto à intensidade e localização. As lesões se caracterizavam pela formação de listras ou nódulos branco-amarelados ou cinza-pálidos, multifocais ou coalescentes, salientes, macios ou moderadamente firmes, que infiltravam vários órgãos, por vezes causando aumento de volume e obliteração da arquitetura normal. Os locais mais afetados foram: pele (10/10), linfonodo (10/10), adrenal (5/10), rim (5/10), baço (6/10), fígado (5/10) e coração (5/10). Microscopicamente, as lesões eram semelhantes em todos os órgãos e se caracterizavam por infiltrado inflamatório constituído predominantemente por macrófagos epitelióides, linfócitos, plasmócitos e células gigantes multinucleadas. Proporções variáveis de eosinófilos ocorriam associadas ao infiltrado inflamatório em diferentes tecidos, mas principalmente no coração. Os locais mais afetados foram: pele (8/8), linfonodo (10/10), adrenal (8/8), rim (8/10), baço (9/9), fígado (9/10) e coração (7/9). Infiltrado inflamatório podia ser visto ainda na glândula mamária (2/5), intestino delgado (1/4), bexiga (1/4), pulmão (2/4) e encéfalo (7/8)
Biblioteca responsável: BR68.1