Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Uso de complexo enzimático em rações fareladas e peletizadas para frangos de corte

Souza, Renata Mara De.
Tese em Português | VETTESES | ID: vtt-7778

Resumo

Dois experimentos foram conduzidos para avaliar os efeitos da suplementação enzimática em rações de frangos de corte à base de milho e farelo de soja sob duas formas físicas (farelada e peletizada) sobre desempenho, características de carcaça, morfometria intestinal e digestibilidade dos nutrientes. Os tratamentos constituíram-se de rações à base de milho e farelo de soja sem adição de enzimas ou com 200 ou 400 g de enzimas por tonelada de ração e em duas formas físicas (farelada e peletizada). Dois tratamentos adicionais foram constituídos da ração basal com energias do milho e farelo de soja valorados em 2 e 9%, respectivamente, e digestibilidade de aminoácidos em 4% para ambos ingredientes. Foram avaliados dois períodos, um de 1 a 21 dias e outro de 1 a 42 dias de idade das aves. O consumo de ração diminuiu de maneira linear (P<0,05) com o aumento dos níveis de suplementação nos dois períodos avaliados. A ração peletizada proporcionou melhor ganho de peso no período de 1 a 21 dias (P<0,05). Houve interação significativa (P<0,05) entre suplementação e forma física para o ganho de peso no período de 1 a 42 dias. A ração peletizada sem enzima foi a que proporcionou melhor ganho de peso (P<0,05). Houve aumento linear (P<0,05) no ganho de peso no período de 1 a 42 dias nas aves alimentadas com os diferentes níveis de enzimas. A suplementação enzimática proporcionou melhoria na conversão alimentar no período de 1 a 21 dias (P<0,05). De 1 a 42 dias houve interação significativa (P<0,01) entre nível de suplementação e forma física, sendo a ração peletizada sem adição de enzimas a que proporcionou melhor conversão alimentar (P<0,05). Ocorreu melhoria linear (P<0,05) na conversão alimentar nos dois períodos avaliados com o aumento dos níveis de suplementação. A forma física da ração influenciou o rendimento de caraça, o qual foi maior nas aves alimentadas com ração peletizada. O teor de gordura abdominal aumentou linearmente com o aumento dos níveis de suplementação (P<0,05). Ocorreram efeitos lineares para altura de vilosidade e profundidade de cripta (P<0,05) com o aumento dos níveis de suplementação. A altura de vilosidade aumentou linearmente (P<0,05) e a profundidade de cripta diminuiu (P<0,05) de forma linear. Ocorreu um aumento linear na energia metabolizável verdadeira (EMV) das rações à medida que se aumentou o nível de suplementação enzimática (P<0,05). Os contrastes feitos entre os tratamentos com rações basais normais versus as valoradas não apresentaram diferenças significativas (P>0,05). Conclui-se que a suplementação enzimática, em ração a base de milho e farelo de soja melhorou o desempenho dos frangos de corte e a energia metabolizável verdadeira das rações. A estabilidade do complexo enzimático em rações peletizadas é influenciada pelo processo de peletização. O aumento das vilosidades e a diminuição da profundidade de cripta no jejuno das aves favoreceram a melhoria da digestibilidade dos nutrientes. As energias metabolizáveis do milho e do farelo de soja podem ser valoradas em 2 e 9%, respectivamente, e a digestibilidade de aminoácidos, em 4%, sem afetar o desempenho
Biblioteca responsável: BR68.1