Your browser doesn't support javascript.

Biblioteca Virtual em Saúde

BVS - Literatura Científico-Técnica

Home > Pesquisa > ()
XML
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Perfil epidemiológico da tuberculose no serviço de referência do estado de Rondônia / Epidemiological profile of tuberculosis in the reference service of the state of Rondônia / Perfil epidemiológico de la tuberculosis en el servicio de referencia del estado de Rondonia

Silva, Lorena Teixeira da; Felipini, Maria Cecília Costa; Oliveira, Thaís Bomfá de; Brunello, Maria Eugênia Firmino; Orfão, Nathalia Halax.
Rev. epidemiol. controle infecç; 9(1): 48-54, 2019. ilus
Português | LILACS | ID: biblio-1021166
Justificativa e

Objetivos:

Apesar da Atenção Primária à Saúde (APS) configurar-se como coordenadora e ordenadora do cuidado, grande parte do diagnóstico da tuberculose (TB) é realizado nas unidades de Pronto-Atendimento e serviços de referência. Neste sentido, este estudo teve como objetivo analisar os casos de TB que foram diagnosticados e notificados no serviço de referência do estado de Rondônia no período de 2014 a 2016.

Métodos:

Trata-se de um estudo descritivo, do tipo transversal e abordagem quantitativa. Os dados foram coletados por meio de um levantamento das variáveis sociodemográficas e clínicas no SINAN e analisado por meio da estatística descritiva, após atender os preceitos éticos.

Resultados:

No período estudado, foram diagnosticados e notificados 2.230 casos de TB em Rondônia, dos quais 67,40% foram em Porto Velho, e destes 50,30% no serviço de referência. No que concerne ao perfil, verificou-se que a média de idade foi de 38 anos (±16), sendo a maioria do sexo masculino, raça/cor parda, com menos de 8 anos de escolaridade, residia em Porto Velho, zona urbana, caso novo, forma clínica pulmonar, baciloscopia de escarro positiva, radiografia de tórax suspeito de TB, HIV negativo e cultura de escarro não realizada. Observou-se baixa taxa de cura e elevada para transferência e abandono. O tempo médio de tratamento foi de 160 dias (±103).

Conclusão:

Tais achados são semelhantes com a literatura, o que demonstra a fragilidade da APS em relação as ações estratégicas para detecção precoce, tratamento oportuno e acompanhamento dos casos de TB.(AU)
Biblioteca responsável: BR1314.1