Your browser doesn't support javascript.

Biblioteca Virtual em Saúde

BVS - Literatura Científico-Técnica

Home > Pesquisa > ()
XML
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Perfil Clínico-Epidemiológico dos Pacientes Diagnosticados com Hanseníase na Paraíba e no Brasil, 2008 ­ 2012 / Clinical and Epidemiological Profile of Patients Diagnosed with Leprosy in Paraíba State and Brazil, 2008 - 2012

Campos, Maria Regina Macêdo; Batista, Ana Virgínia Araújo; Guerreiro, Jória Viana.
Rev. bras. ciênc. saúde; 22(1): 79-86, 2018. tab
Português | LILACS | ID: biblio-881615

Objetivo:

Descrever e comparar o perfil dos pacientes diagnosticados com hanseníase na Paraíba (PB) e no Brasil, entre 2008 e 2012.

Metodologia:

Trata-se de estudo epidemiológico, quantitativo, realizado por meio da análise de dados secundários obtidos do SINAN, via DATASUS. A variável de investigação correspondeu aos casos de hanseníase notificados na PB e no Brasil, no período definido. As variáveis exploratórias foram sexo, cor da pele, escolaridade, faixa etária, forma clínica, classificação operacional e esquema terapêutico.

Resultados:

Foram notificados 207.831 casos de hanseníase no Brasil, sendo 4.069 na PB. Predominaram pacientes do sexo masculino (51,38%) e (56,57%); cor parda (54,67%) e (51,58%); com ensino fundamental incompleto (44,11%) e (49,13%), na PB e Brasil, respectivamente. A forma dimorfa foi a mais prevalente (PB 25%) e (Brasil 36%), com a maioria dos pacientes multibacilares (PB 52,93%) (Brasil 62,04%). A poliquimioterapia com 12 doses foi a terapêutica preferencial (52,29%) (61,53%). As maiores incidências foram em 2009, 23,28 casos/100.000 habitantes, na PB e, em 2008, no Brasil 24,35 casos/100.000 habitantes. Também em 2008 identificouse maior incidência em menores de 15 anos para ambas as localidades.

Conclusão:

Constatou-se perfil clínicoepidemiológico semelhante para ambas as localidades, sendo observada a redução da incidência de hanseníase no período estudado. Entretanto, a endemicidade continua alta e alerta para o fortalecimento das ações de controle epidemiológico para esta enfermidade. Estudos como este, que traçam o perfil clínico-epidemiológico dos pacientes, possibilitam o planejamento de estratégias mais direcionadas para realidade encontrada. (AU)
Biblioteca responsável: BR8.1
Localização: BR8.1, v.22