Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 20 de 1.619
Filtrar
Mais filtros











Filtros aplicados
Intervalo de ano de publicação
1.
São Paulo; s.n; 2021. 69 p. ilust, tabelas.
Tese em Português | LILACS, PrevCan | ID: biblio-1222633

RESUMO

O carcinoma epidermóide (CEC) é a neoplasia maligna mais frequente em cavidade oral, representando aproximadamente 90% de todos os cânceres da boca. Esta neoplasia tem origem no epitélio de revestimento bucal, e a depender do subtipo e da sua localização, pode apresentar tendência marcante de invasão do tecido ósseo adjacente. Existe uma interação entre osso e neoplasia, e atenção principal deve ser dada aos reguladores relacionados à osteoclastogênese. As moléculas RANK/RANKL/OPG são fundamentais neste processo, e juntamente com a IL-6, promovem formação e ativação de osteoclastos, com consequente promoção da invasão mandibular. Neste sentido, o objetivo do estudo foi avaliar as características clínicas, radiográficas e histopatológicas dos pacientes submetidos a mandibulectomia para tratamento do carcinoma epidermóide oral, e correlacionar/associar com a expressão gênica na neoplasia de marcadores reguladores da invasão óssea. Foi realizado um estudo retrospectivo de pacientes tratados com algum tipo de mandibulectomia no A.C. Camargo Cancer Center durante o período de1990 a 2015. Um total de 220 casos foi selecionado, e destes, foram extraídos 40 casos, posteriormente submetidos as etapas de análise molecular. A análise molecular foi realizada por PCR quantitativa em tempo real (qPCR), por meio da mensuração de mRNA para os genes estudados, calibrados pelo gene endógeno GAPDH e por um pool de controle composto por RNA não neoplásico. Dos 220 pacientes incluídos na pesquisa, 161 eram do sexo masculino, a idade média foi de 60 anos, e 53,6% eram etilistas e 66,8% tabagistas. A invasão óssea da mandíbula foi observada através do laudo anatomopatológico em 77 pacientes, e foi associada à presença de margens comprometidas/exíguas e a localização da lesão (gengiva inferior, rebordo e região retro-molar). Ao final do estudo, 127 pacientes foram a óbito, e a média de sobrevida foi de 96,92 meses. Parâmetros clínicos, dos exames de imagem e histopatológicos foram significantemente associados com a sobrevida global, principalmente - tamanho do tumor, infiltração perineural, invasão óssea (imagem e anatomopatológico). Na análise multivariada, apenas invasão óssea e infiltração perineural aumentaram risco de óbito nos pacientes. Na análise molecular de expressão gênica foi possível avaliar que das 36 amostras do gene RANK, 16 eram downreguladas. Para RANKL, das 37 amostras, 28 estavam super expressas. Das 35 do gene da IL-6, 19 amostras eram downreguladas. E por fim, das 37 amostras do gene da OPG, 16 tinham expressão normal. A avaliação de associação entre a expressão dos genes analisados demostrou que o gene da IL-6 está associado a presença de invasão óssea, e que existe uma associação significativa entre as expressões do RANK, RANKL, OPG e IL-6. Maior sobrevida dos pacientes foi associada significativamente a uma expressão mais baixa de IL-6 (108,5 meses). Conclui-se que a invasão mandibular interfere na sobrevida global dos pacientes, e que este mecanismo de invasão óssea está associado com a expressão gênica dos genes RANK, RANKL, OPG e IL-6. A IL-6 downregulada nas células malignas está associada com maior sobrevida


Oral Squamous Cell Carcinoma (OSCC) is the most frequent malignant neoplasm in the oral cavity, representing 90% of all oral cancers. The tumor usually arises within the epithelium lining of the oral cavity, and in cases of certain subtype or location may reveal a tendency for invasion of the surrounding bone tissue. There is a relation between tumor and bone, and more attention should be given to the events related to osteoclastogenesis. The molecules RANK/RANKL/OPG are crucial in this process, and together with IL-6, promotes the formation and activation of osteoclasts, with influence on the mandibular invasion process. In this way, the aim of this study was to evaluate the clinical, demographic, imaging, and histopathology data of patients diagnosed with OSCC treated by mandibulectomy. Also, analyze the gene expression condition of the genes RANK, RANKL, OPG, and IL-6 on the tumor. A retrospective study was conducted on patients treated with mandibulectomy at the A.C. Camargo Cancer Center, between 1990 and 2015. Two hundred and twenty cases were retrieved, and 40 of them were selected for gene expression analysis. The mRNA expressions of the selected genes were determined by real-time polymerase chain reaction, extracted from the tumor, and calibrated by endogenous GAPDH and a control pool of non-neoplastic RNA. Among 220 patients, 161 were male, with a mean age of 60 years. 53.6% were alcohol users and 66.8% tobacco users. Mandible bone invasion was reported on 77 histopathology reports and associated with compromised margins and the site of the lesion (gingiva, alveolar ridge, and retromolar region). One hundred and twenty-seven patients died of the disease, and the mean overall survival rate was 96.92 months. Overall survival was associated with clinical, imaging, and pathological parameters, especially, tumor size, perineural growth, and bone invasion (both imaging and pathologic). Multivariate analysis revealed higher risk of death only to bone invasion and perineural growth. Gene expression analysis revealed - 16 downregulation of 36 RANK samples evaluated; 28 overexpression of 37 RANKL samples evaluated; 19 downregulation of 35 IL-6 analyzed, and 16 normal expression of 37 OPG samples evaluated. Association analysis revealed that IL-6 expression is associated with bone invasion, and there is also a significant association among the expression of RANK, RANKL, OPG, and IL-6. Higher overall survival rate was associated with an IL-6 down expression (108;5 months). In conclusion, mandibular invasion interferes with the patient's overall survivall rate, and the bone invasion mechanism is associated with gene expression of RANK, RANKL, OPG, and IL-6 on the tumor. IL-6 in downregulation expressed by malignant cells is associated with higher overall survivor rates


Assuntos
Humanos , Feminino , Gravidez , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Prognóstico , Carcinoma de Células Escamosas , Interleucina-6 , Receptor Ativador de Fator Nuclear kappa-B , Osteoprotegerina , Mandíbula
2.
São Paulo; s.n; 2021. 53 p. ilust, tabelas.
Tese em Português | LILACS, PrevCan | ID: biblio-1178974

RESUMO

INTRODUÇÃO: cuidado paliativo é uma abordagem multidisciplinar que propõe uma melhoria na forma de cuidar do paciente e de seus familiares, que enfrentam doenças que ameacem a manutenção da vida. Os profissionais precisam estar aptos a prestar uma assistência holística. OBJETIVO: analisar as ações de intervenção sobre cuidados paliativos oncológicos na capacitação de profissionais de saúde da atenção básica, de um município do Nordeste. MÉTODO: estudo quantitativo realizado com enfermeiros e médicos, com aplicação de formulário semiestruturado. Na análise dos dados foi utilizado o teste de McNemar-Bowker, para avaliação das proporções pré e pós-curso. Estudo qualitativo realizado com cuidadores de pacientes em cuidados paliativos da atenção básica do município de Juazeiro-BA, através de entrevistas com roteiro norteador e análise de conteúdo temático. RESULTADOS: incluíram-se 69 profissionais (56% da população estimada), sendo 29 (42%) médicos e 40 (58%) enfermeiros. A maioria dos participantes (71%) era do sexo feminino, tinha idade entre 31 e 40 anos (62%), era casada/união estável (64%) e se declarou católica (65%). Destes, 71% possuíam algum tipo de pós-graduação, apenas 3% tinham capacitação em cuidados paliativos, sendo todos enfermeiros. E 10 cuidadoras familiares, todas do sexo feminino, idade entre 20 e 70 anos, 60% eram casadas e 40 % cursaram o ensino fundamental. Destas, 50% eram esposas, 30% filhas e 10% irmãs e mães. Quanto à compreensão dos profissionais sobre cuidados paliativos, antes da capacitação, 80% dos profissionais responderam correto; após, esse número subiu para 99%, o que representa um aumento de 19% depois do curso. Em habilidades, a maior parte dos profissionais optou pela alternativa 'ter a visão integral do paciente'. O percentual de respostas afirmativas variou de 82%, antes da capacitação para 95% depois, representando um aumento de 13% nas respostas. Os profissionais consideraram que devem ser disponibilizados os cuidados paliativos oncológicos, 100% dos profissionais responderam que seria por meio do plano de cuidados orientado pelo médico, antes da capacitação e após 99%. Quanto aos aspectos prioritários para disponibilizar os cuidados paliativos oncológicos, antes da capacitação, 47% responderam físicos, espirituais e emocionais e após 58% responderam o mesmo item, havendo um aumento de 11% no item correto. Com relação à percepção das cuidadoras familiares, apresentada por meio da parte qualitativa do estudo, demonstrou-se que as equipes prestam, mesmo com escassez de recursos humanos e materiais, uma assistência humana com disponibilização do acesso ao serviço e satisfação no atendimento. CONCLUSÃO: os resultados evidenciam que a capacitação foi efetiva em relação aos conhecimentos sobre cuidados paliativos, o que pode ser corroborado através da percepção das cuidadoras familiares sobre a modificação de condutas da equipe


INTRODUCTION: Palliative care is a multidisciplinary approach that proposes an improvement in the way of caring for patients and their relatives, who face diseases that threaten the maintenance of life. Professionals need to be able to provide holistic care. OBJECTIVE: To analyze the intervention actions about palliative oncologic care in the training of primary care health professionals, in a town in the Brazilian Northeast. METHOD: Quantitative study performed with nurses and physicians, using a semi-structured form. For data analysis, the McNemar-Bowker test was used in order to assess the pre- and post-course proportions. Qualitative study conducted with caregivers of pacients in palliative care in primary care patients from the town of Juazeiro-BA, through interviews with guiding script and thematic content analysis. RESULTS: A total of 69 professionals (56% of the estimated population) were included, 29 (42%) physicians and 40 (58%) nurses. Most participants (71%) were female, aged between 31 and 40 years old (62%), were married/in a stable relationship (64%) and declared themselves Catholic (65%). Of these, 71% had some kind of graduate degree, only 3% had training in palliative care, being all nurses. Moreover, 10 family caregivers, all female, aged between 20 and 70 years, where 60% were married and 40% attended elementary school. Of these, 50% were wives, 30% daughters and 10% sisters and mothers. As for the professionals' understanding of palliative care, before training, 80% of the professionals answered appropriately; after that, that number rose to 99%, which represents an increase of 19% after the course. In terms of skills, most professionals opted for the alternative 'having a comprehensive view of the patient'. The percentage of affirmative answers ranged from 82% before training to 95% afterwards, representing a 13% increase in answers. The professionals considered that palliative oncologic care should be made available, Where 100% of the professionals answered that it would be through the care plan guided by the physicians, before training and 99% after. Regarding the priority aspects to provide palliative oncologic care, before training, 47% answered physical, spiritual and emotional and after 58% answered the same item, with an increase of 11% in the correct item. Regarding the perception of family caregivers, introduced through the qualitative part of the study, it was proved that the teams provide, even with a shortage of human and material resources, a human care, thus providing access to the service and satisfaction in the service. CONCLUSION: The results show that the training was effective in relation to knowledge about palliative care, which can be corroborated through the perception of family members about the modification of the team's conduct


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Cuidados Paliativos , Atenção Primária à Saúde , Capacitação em Serviço , Neoplasias
3.
São Paulo; s.n; 2021. 92 p. ilust, tabelas.
Tese em Português | LILACS, PrevCan | ID: biblio-1223738

RESUMO

Mutações somáticas não sinônimas podem iniciar a tumorigênese e, também, uma resposta citotóxica antitumoral. Com o desenvolvimento das tecnologias de sequenciamento, tornou-se possível identificar as mutações em todos os genes humanos e, consequentemente, as variantes que induzem uma resposta imune (neoantígenos), representando uma oportunidade para pacientes que possam se beneficiar de imunoterapias, mas também um desafio com a necessidade de várias camadas de informações e a integração computacional de vários tipos de dados. Neste trabalho, foi desenvolvido o pipeline de identificação de neoantígeno neo2P, o qual realiza a integração completa de todos os passos necessários para a detecção e neoantígenos e apresentou uma eficiência computacional superior de até seis vezes em comparação com outro método. Além disso, foi proposto um score para priorizaração das mutações somáticas a partir da distribuição dos níveis da expressão gênica de 9.679 pacientes de 32 projetos do TCGA, o qual apresentou um poder de discriminação (AUC) próximo ou superior a 0.7 na maioria das coortes avaliadas. O neo2P foi aplicado em um conjunto de dados de pacientes com melanoma e foram identificados aspectos adicionais da relação de neoantígenos e aspectos imunes, como a expressão de alguns genes marcadores que podem estar relacionados com a resposta ao tratamento. Adicionalmente, a carga de neoantígenos detectados pelo neo2P estratificou, de maneira significativa, pacientes respondedores (R) e não respondedores (NR) quando comparado com o marcador TMB


Somatic non-synonymous mutations can initiate tumorigenesis and, conversely, anti-tumor cytotoxic T cell (CTL) responses. With the development of next-generation sequencing, it has become feasible to detect mutation-derived neoantigens within exome and thereby predict potential neoantigens, which represents an opportunity to patients that may be treated with immunotherapies, but also a challenge due to multiple layers of information and a computational integration of several types of data. In this work, it was developed a neoantigen identification pipeline called neo2P, which integrates all the necessary steps involved for neoantigen detection and presented a six-times superior computational efficiency compared to another method. In addition, a score was proposed to prioritize somatic mutations based on the distribution of gene expression levels in 9,679 patients from 32 TCGA projects, which showed a stratification ability (AUC) close to or greater than 0.7 in most evaluated cohorts.neo2P was applied to a dataset of patients with melanoma and additional aspects of the relationship between neoantigens and immune aspects were identified, such as the expression of some marker genes that may be related to the treatment response. Additionally, the neoantigen load detected by neo2P significantly stratified responders (R) and non-responders (NR) patients when compared to the TMB marker


Assuntos
Prognóstico , Expressão Gênica , Biologia Computacional , Imunoterapia , Melanoma
4.
São Paulo; s.n; 2021. 67 p.
Tese em Português | LILACS, PrevCan | ID: biblio-1147577

RESUMO

Introdução - Os cânceres orais são componentes do grupo de câncer de cabeça e pescoço que representa o sexto tipo de neoplasia maligna de maior incidência no mundo e com tendência de incremento das taxas de mortalidade para os próximos anos. Sua incidência está relacionada a fatores socioeconômicos e sua evolução está associada com a provisão de serviços de saúde. Apesar do esforço dispensado pelos sistemas de saúde, o câncer de cavidade bucal e de orofaringe ainda exerce grande impacto na morbimortalidade, sendo necessário manter a vigilância e prevenção constante. Objetivos - 1) Descrever a magnitude e a tendência das taxas de mortalidade por câncer de cavidade bucal e de orofaringe nos Estados do Brasil e Distrito Federal, entre os anos de 1996 e 2016. 2) Analisar a associação destas taxas com o desenvolvimento humano nos Estados do Brasil e Distrito Federal, 3) Comparar a tendência da mortalidade por câncer de orofaringe, que a literatura indica como sendo relacionada ao HPV, com a tendência da mortalidade por câncer de cavidade bucal, que a literatura indica como não sendo relacionada ao HPV, nos Estados do Brasil e Distrito Federal, entre os anos de 1996 e 2016. Métodos - Este é um estudo ecológico que avaliou dados oficiais georreferenciados sobre população, mortalidade e desenvolvimento humano. O Índice de Desenvolvimento Humano foi obtido através do Programa das Nações Unidas no Brasil. As taxas de mortalidade foram padronizadas por sexo e faixa etária utilizando como padrão a população mundial. Foi utilizada a regressão linear generalizada pelo método de Prais-Winsten. A classificação das taxas de mortalidade foi ascendente (p<0,05 e coeficiente de regressão positivo), declinante (p<0,05 e coeficiente de regressão negativo) ou estacionária (p>0,05). Resultados - A magnitude e as taxas de mortalidade do câncer de cavidade bucal e de orofaringe foram mais elevadas nos estados das regiões sul e sudeste. A tendência para ambos os tipos de câncer teve crescimento mais elevado da mortalidade nos estados das regiões norte e nordeste. A correlação entre os dois tipos de câncer foi positiva. Conclusão - As taxas de variação anual da mortalidade para os dois tipos de cânceres se mostraram análogas. No período inicial e final da série histórica a magnitude das taxas de mortalidade foi mais elevada nos estados das regiões Sul e Sudeste tanto para o câncer de cavidade bucal quanto para o câncer de orofaringe. Porém quando observada a tendência, aos estados das regiões Norte e Nordeste mostraram valores mais elevados.


Introduction - Oral cancers are components of the group of head and neck cancer that represent the sixth type of malignant neoplasia with the highest incidence in the world and with an increase on the trend of mortality rates for the next years. Its incidence is related to socioeconomic factors and its evolution is associated with the provision of health services. Despite the efforts made by health systems, cancer of the oral cavity and oropharynx still has a great impact on morbidity and mortality, and it is necessary to maintain constant surveillance and prevention. Objectives - 1) To describe the trend of mortality rates due to oral cavity and oropharyngeal cancer in the States of Brazil and the Federal District, between the years 1996 and 2016. 2) To analyze the association of these rates with human development in the States of Brazil and the Federal District. 3) Compare the trend of mortality from oropharyngeal cancer, which the literature indicates as being related to HPV, with the trend of mortality from oral cavity cancer, which the literature indicates as not being related to HPV, in the States of Brazil and the Federal District, between 1996 and 2016. Methods - This is an ecological study that evaluated official georeferenced data on population, mortality and human development. The Human Development Index was obtained through the United Nations Program in Brazil. Mortality rates were standardized by sex and age group using the world population as standard. Generalized linear regression by the Prais- Winsten method was used. The classification of mortality rates was ascending (p <0.05 and positive regression coefficient), declining (p <0.05 and negative regression coefficient) or stationary (p> 0.05). Results - The magnitude and mortality rates of cancer of the oral cavity and oropharynx were higher in the states of the South and Southeast regions. The trend for both types of cancer had a higher increase in mortality in the states of the North and Northeast regions. The correlation between the two types of cancer was positive. Conclusion - The annual percent rates in mortality for both types of cancers were analogous. In the initial and final period of the historical series, the magnitude of mortality rates was higher in the states of the South and Southeast regions for both oral cavity and oropharyngeal cancer. However, when the trend was observed, the states of the North and Northeast regions showed higher values.


Assuntos
Papillomaviridae , Neoplasias Bucais , Neoplasias Orofaríngeas , Mortalidade
5.
São Paulo; s.n; 2021. 48 p. ilust, tabelas.
Tese em Português | LILACS, PrevCan | ID: biblio-1247912

RESUMO

Introdução: A prevalência do câncer de pulmão tem aumentado cerca de 2% ao ano e é considerado um problema de saúde pública mundial, sendo a principal causa de morte por câncer entre homens e mulheres. O Câncer de Pulmão de Células Não Pequenas (CPCNP) representa 85-90% dos cânceres de pulmão. A detecção do rearranjo do gene ROS1, considerada um importante fator preditivo para direcionamento terapêutico, constitui uma etapa crítica no tratamento de CPCNP. Objetivo: Avaliar a prevalência do rearranjo do gene ROS1 em pacientes portadores de CPCNP não escamoso, sem mutação de EGFR ou rearranjo de ALK, diagnosticados na Região da Foz do Rio Itajaí, Estado de Santa Catarina, Brasil, no período de 02/01/2019 a 27/07/2020. Materiais e Métodos: Estudo observacional, retrospectivo e prospectivo, descrito e analítico com 95 pacientes que possuíam material de biópsia suficiente para a realização de novas análises e que não apresentavam mutação de EGFR ou rearranjo de ALK. Os pacientes com imuno-histoquímica positiva para a proteína ROS1 foram testados pelo método de FISH, utilizando-se uma sonda de DNA do tipo break-apart para o gene ROS1. Foi realizada uma análise descritiva da amostra, e os resultados foram apresentados em números absolutos e porcentagens, representados por tabelas. O teste de qui-quadrado (χ2) foi empregado para comparação das frequências entre os grupos analisados. Resultados: 52,6% foram pacientes do sexo masculino; a idade mediana foi de 64 anos; 54,7% declararam-se tabagistas; 40,0% apresentavam doença estágio IV; 29,5% apresentaram tumores com alta expressão de PD-L1. Quanto a expressão de ROS1 por imuno-histoquímica: 89,5% foram identificados como ROS1+ em 0% das células tumorais, 4,2% como ROS1+ em <70% das células, e 6,3% como ROS1+ em ≥70% das células do tumor; portanto, 10,5% apresentaram resultados positivos para expressão de ROS1. Estes pacientes foram submetidos à análise de rearranjo de ROS1 pelo método de FISH e 7 (7,4%) apresentaram resultados positivos. Conclusão: Na população estudada, a análise pelo método de FISH mostrou uma prevalência de 7,4% para rearranjos do gene ROS1


Introduction: Lung cancer prevalence has been increasing at rate of 2% per year and is considered a major public health concern worldwide, being the main cause of cancer death among women and men. Non-small cell lung cancer (NSCLC) represents 85-90% of total lung cancer. Detecting the rearrangement of the ROS1 gene is critical to the treatment of NSCLC. Objective: To assess the prevalence of the ROS1 gene rearrangement in patients diagnosed with non-squamous NSCLC patients diagnosed between January 2019 to July 2020 at Foz do Rio Itajaí, in the state of Santa Catarina, Brazil. Materials and Methods: This is a retrospective and prospective observational study Ninety-five NSCLC whose tumors were negative for EGFR mutation and ALK rearrangement and who had enough tumor tissue to carry out additional molecular analysis. Patients whose tumors were positive for ROS1 by immune-histochemistry were tested using by FISH using a break-apart DNA probe (Abbot Molecular) for the ROS1 gene. A descriptive analysis was performed and results were presented as absolute frequencies and percentages and depicted in charts. Frequencies were compared with the chi-squared test (χ2). Results: 52,6% were male, mean and median age were 65,10 and 64 years, respectively. 54,7% self-declared as smokers; 40,0% had stage IV disease; 29,5% had tumours with high expression of PD-L1. Regarding the expression of ROS1 by immunohistochemistry: 89,5% were identified as ROS1+ in 0% of cells, 4,2% as ROS1+ in <70% of cells, and 6,3% as ROS1+ in ≥70% of the cells; therefore, 10,5% displayed positive results for the expression of ROS1+. These tumors were subjected to the analysis of ROS1 rearrangement by FISH and 7 (7,4%) were positive. Conclusion: We observed 7,4% prevalence for ROS1 gene rearrangements in this pre-selected population


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Idoso de 80 Anos ou mais , Imuno-Histoquímica , Rearranjo Gênico do Linfócito B , Carcinoma Adenoescamoso/diagnóstico , Carcinoma Pulmonar de Células não Pequenas , Receptores ErbB , Quinase do Linfoma Anaplásico
6.
São Paulo; s.n; 2021. 53 p. ilust, tabelas.
Tese em Português | PrevCan | ID: biblio-1224545

RESUMO

Introdução: O tratamento padrão das pacientes com câncer de colo de útero estadio IIB a IVA é a quimiorradioterapia definitiva. Apesar do ganho de sobrevida global mostrado pelos estudos de fase III a adição de gencitabina à cisplatina na fase concomitante da radioterapia no tratamento do colo de útero localmente avançado ainda é controverso. Um dos principais motivos dessa controvérsia é o aumento da toxicidade hematológica. Objetivos: Descrever toxicidade hematológica da quimiorradioterapia com cisplatina e gencitabina em pacientes com câncer de colo de útero estadio IIB a IVA e comparar a toxicidade hematológica da cisplatina e gencitabina com cisplatina isolada, tratamento padrão. Casuística e Método: Estudo observacional, transversal e retrospectivo, com abordagem quantitativa. A amostra composta por prontuários de pacientes que foram atendidos no ambulatório do Centro de Oncologia da Santa Casa de Misericórdia de Maceió. Os dados foram inseridos e analisados através do programa estatístico SPSS. Resultados: Foram incluídas neste estudo 380 pacientes tratadas durante o período de janeiro de 2012 a dezembro de 2017, que preencherem os critérios de inclusão. A toxicidade hematológica de qualquer grau foi mais frequente no esquema de cisplatina com gencitabina que no esquema com cisplatina isolada (90,7% v 79,5%, respectivamente; P =0,03). A toxicidade grau 3 ou 4 foi mais frequente no esquema de cisplatina com gencitabina que com cisplatina isolada (18,1% v 11,7%, respectivamente; P =0,09). A sobrevida livre de progressão (SLP) em 3 anos foi de 77,3% para as pacientes que fizeram cisplatina semanal e 78% para cisplatina com gencitabina (P =0,58). Conclusão: A quimiorradioterapia com gencitabina associada à cisplatina apresentou uma maior toxicidade hematológica, quando comparada ao tratamento padrão


Introduction: The standard treatment of patients with cervical cancer from stage IIB to IVA is definitive chemoradiotherapy. Despite the improves overall survival shown by phase III studies the addition of gemcitabine to cisplatin in the concomitante phase of radiotherapy in the treatment of locally advanced cervical cancer is still controversial. One of the main reasons for this controversy is the increase in hematological toxicity. Objectives: Describe the hematologic toxicity of chemoradiotherapy with cisplatin and gemcitabine in patients with cervical cancer stage IIB to IVA and compare the hematologic toxicity of cisplatin and gemcitabine with isolated cisplatin, standard treatment. Method: Observational, cross- sectional and restrospective study with quantitative approach. The sample consists of the patient's medical records that were admitted at the ambulatory of the Oncology Center of Santa Casa de Misericórdia de Maceio. The data were inserted and analysed by the stastistical software SPSS. Results: A total of 380 treated patients during the period of january 2012 to december 2017, who met the inclusion criteria were included in this study. The hematologic toxicity of any grade was more frequent in the cisplatin with gemcitabine than isolated cisplatin (90,7% v 79,5%, respectivelly; P =0,03). The grade 3 or 4 of toxicity was more frequent in the cisplatin with gemcitabine than isolated cisplatin (18,1% v 11,7%, respectivelly; P =0,09). The progression-free survival (SLP) in 3 years was 77,3% to patients who used weekly cisplatin and 78% to cisplatin with gemcitabine (P= 0,58). Conclusion: The chemoradiotherapy with gemcitabine associated with cisplatin showed higher hematologic toxicity when compared to standard treatment


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Neoplasias do Colo do Útero , Tratamento Farmacológico , Toxicidade/efeitos adversos
7.
São Paulo; s.n; 2021. 27 p. ilust, tabelas.
Tese em Português | PrevCan | ID: biblio-1178900

RESUMO

Introdução: A neoplasia colorretal é a terceira neoplasia maligna mais diagnosticada no mundo e a quarta principal causa de mortalidade por câncer. A perda de massa muscular em pacientes oncológicos é o principal aspecto da desnutrição associada ao câncer. Associações entre sarcopenia e desfechos ruins, como mortalidade pós operatória elevada, toxicidade quimioterápica e sobrevida reduzida vem sendo descritas recentemente. Segundo o Grupo Europeu de Trabalho sobre Sarcopenia, a sarcopenia é caracterizada por baixa massa muscular associado a baixa força muscular e/ou baixo desempenho físico. É possível encontrar na literatura estudos que avaliam o impacto da baixa massa muscular diagnosticada pela tomografia computadorizada no prognóstico do paciente, porém poucos com avaliação de força muscular e desempenho físico na população oncológica. Objetivo: Avaliar a prevalência de sarcopenia em pacientes com câncer colorretal em estadiamento no A.C.Camargo Cancer Center. Metodologia: Foram avaliados os pacientes com câncer colorretal em estadiamento oncológico no A.C.Camargo Cancer Center, no período de maio de 2019 a março de 2020. Foram incluídos pacientes que realizaram exame de tomografia computadorizada de abdome e que possuíam imagens disponíveis para análise da composição corporal. Foi realizada a avaliação do teste de força muscular, desempenho físico, fadiga referida e foram coletados dados clínicos e nutricionais. Resultados: 31 pacientes foram incluídos, a maioria era do sexo masculino (54,8%) e com mediana de idade de 58 anos. A maior parte dos pacientes apresentava como diagnóstico a neoplasia maligna de cólon (77,4%) e estadio clínico II em 41,9% dos casos. A prevalência de provável sarcopenia foi de 22,6%, destes pacientes foram confirmados sarcopenia em 19,4% e por fim foram classificados 9,7% da amostra como sarcopênicos graves. Não encontramos associação significativa entre a presença de sarcopenia na nossa casuística com idade, sexo, estadiamento do tumor, características nutricionais, fadiga referida do paciente e complicações pós operatórias. Conclusões: Considerando os critérios estabelecidos pela Grupo Europeu de Trabalho sobre Sarcopenia, a prevalência de sarcopenia pré-operatória em pacientes com câncer colorretal em estadiamento no nosso estudo foi de 19,4%


Introduction: Colorectal cancer is the third most diagnosed malign neoplasm in the world and the fourth leading cause of cancer mortality. The loss of muscle mass in oncological patients is the main aspect of cancer-related malnutrition. Associations between sarcopenia and poor outcomes, such as high postoperative mortality, chemotherapy toxicity and reduced survival have been recently described. According to the European Working Group on Sarcopenia, sarcopenia is characterized by low muscle mass associated with low muscle strength and / or low physical performance. It is possible to find in literature studies that assess the impact of low muscle mass diagnosed by computed tomography on the patient's prognosis, however just a few with an assessment of muscle strength and physical performance in the oncological population. Objective: to evaluate the prevalence of sarcopenia in patients with colorectal cancer undergoing staging at A.C.Camargo Cancer Center. Methodology: Patients with colorectal cancer undergoing oncological staging at the A.C.Camargo Cancer Center, from May 2019 to March 2020, were evaluated. Patients who underwent abdominal CT scan and had images available for analysis of body composition. The evaluation of the muscle strength test, physical performance, referred fatigue and clinical and nutritional data were collected. Results: 31 patients were included, most were male (54.8%) and with a median age of 58 years old. Most patients were diagnosed with colon cancer (77.4%) and clinical stage II in 41.9% of cases. The prevalence of probable sarcopenia was 22.6%, of these patients sarcopenia was confirmed in 19.4% and ultimately 9.7% of the sample was classified as severe sarcopenia. We did not find a significant association between the presence of sarcopenia in our sample with age, sex, tumor staging, nutritional characteristics, referred patient fatigue and postoperative complications. Conclusions: Considering the criteria established by the European Working Group on Sarcopenia, the prevalence of preoperative sarcopenia in patients with colorectal cancer undergoing staging in our study was 19.4%


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Idoso de 80 Anos ou mais , Neoplasias Colorretais/cirurgia , Neoplasias Colorretais/diagnóstico , Sarcopenia/diagnóstico , Sarcopenia/epidemiologia , Complicações Pós-Operatórias , Cuidados Pré-Operatórios , Tomografia Computadorizada por Raios X , Estado Nutricional , Prevalência , Estudos Transversais , Estudos Prospectivos , Músculo Esquelético/diagnóstico por imagem , Fadiga Muscular , Força Muscular , Desempenho Físico Funcional , Estadiamento de Neoplasias
8.
São Paulo; s.n; 2021. 45 p. ilust, tabelas.
Tese em Português | PrevCan | ID: biblio-1247911

RESUMO

INTRODUÇÃO: Câncer de mama é a forma mais frequente de câncer feminino. Com a melhora gradativa dos métodos de diagnóstico e de tratamento, espera-se aumento da sobrevida e do crescimento das doenças cardiovasculares nessa população. O tratamento dessa neoplasia pode levar à cardiotoxicidade. OBJETIVOS: Avaliar a evolução cardiovascular em pacientes submetidas à radioterapia para tratamento de tumores primários da mama, acompanhadas no A.C.Camargo Cancer Center. MÉTODOS: Estudo de coorte retrospectivo, a partir de dados de prontuários, com análise em amostra de conveniência e não sequencial. Incluídas pacientes com neoplasia de mama, com idade maior ou igual a 65 anos e de qualquer tipo histológico e estadiamento no momento do diagnóstico, tratadas de 2002 a 2013, que permaneceram vivas após 1 ano do diagnóstico, e que tiveram, no mínimo, 1 ano de acompanhamento na instituição. RESULTADOS: Do total de 201 pacientes, a idade média no momento do diagnóstico foi de 72,2 + 4,8 anos e o tempo médio de seguimento de 68 + 32 meses. Fatores de risco para desenvolvimento de doença cardiovascular (DCV) estavam presentes em 165 pacientes (82,1%) ao diagnóstico do câncer e 31 pacientes (15,4%) já apresentavam histórico de DCV. A Fração de Ejeção do Ventrículo Esquerdo (FEVE) média após tratamento foi de 66 + 8 (p<0,001). Trinta e cinco pacientes (17,4%) apresentaram pelo menos um Evento Cardiovascular (ECV). O tempo médio entre diagnóstico do câncer e ocorrência de ECV foi de 34,6 + 35,6 meses. A mortalidade total foi de 9% (n=18), sendo de causa cardiovascular em 3 pacientes (1,5%). A sobrevida estimada pelo método de Kaplan-Meier foi significantemente afetada pela ocorrência de ECV (p=0,012). Na análise por regressão logística simples, hipertensão arterial sistêmica (HAS) provocou significante aumento da chance de ECV (OR=3,4; 95% IC 1,3-9,4; p=0,014), bem como a presença de doença cardíaca prévia (OR=4,03; 95% IC 1,7-9,4; p=0,001). Em regressão logística múltipla, HAS apresentou OR=2,7 (95% IC 0,9-7,6; p=0,057) para ocorrência de ECV, enquanto que presença de doença cardíaca prévia resultou em uma OR=3,1 (95% IC 1,3-7,6; p=0,009). Uso de drogas cardioprotetoras ao diagnóstico do câncer não apresentou relação com a incidência de ECV. A frequência de ECV foi maior nos pacientes submetidos ao tratamento com antracíclicos (n=64), porém sem diferença estatística em relação a quem não o fez (42,9% vs 30,2 %; p=0,2). A frequência de queda da FEVE maior do que 10% nos ecocardiogramas pré- e pós-tratamento foi mais alta nos pacientes que utilizaram antraciclina (9,3% vs 4,7%; p=0,004). A frequência de ECV foi significantemente maior entre aqueles com quedas maiores do que 10% na FEVE (16,6% vs 9%, p=0,033). Lateralidade, dose total de radiação e uso de terapia hormonal não afetaram a frequência de ECV. CONCLUSÕES: A frequência encontrada de novos eventos cardiovasculares em pacientes portadoras de doença cardiovascular antes do início do tratamento oncológico reforça a importância da presença de um time de especialistas em cardio-oncologia em centros oncológicos, com elaboração de rotinas para atuação em todos os níveis de cuidado com os pacientes com câncer


INTRODUCTION: Breast cancer is the most common form of female cancer. With the gradual improvement of diagnostic and treatment methods, it is expected to increase the survival and growth of cardiovascular diseases in this population. The treatment of this cancer can lead to cardiotoxicity. OBJECTIVES: To assess cardiovascular evolution of patients that underwent radiotherapy for the treatment of primary breast cancer and are followed up at the A.C.Camargo Cancer Center. METHODS: Retrospective cohort study, based on the review of from medical records from a convenience and non-sequential non-breast cancer patient sample. We included patients with breast cancer, aged 65 years or older, and with any histological breast carcinoma subtype and staging at the time of diagnosis, treated from 2002 to 2013, who remained alive after 1 year of diagnosis, and who had, at least, 1 year of follow-up at the institution. RESULTS: Among 201 patients, the average age at the time of diagnosis was 72.2 + 4.8 years and the average follow-up time was 68 + 32 months. Risk factors for the development of cardiovascular disease (CVD) were present in 165 patients (82.1%) at the time of cancer diagnosis and 31 patients (15.4%) already had a history of CVD. The mean left ventricular ejection fraction (LVEF) after treatment was 66 + 8 (p<0.001). Thirty-five patients (17.4%) had at least one Cardiovascular Event (ECV). The average time between cancer diagnosis and the occurrence of ECV was 34.6 + 35.6 months. Total mortality was 9% (n=18), being of cardiovascular cause in 3 patients (1.5%). The estimated overall survival was significantly affected by the occurrence of ECV (p=0.012). In the analysis by simple logistic regression, hypertension caused a significant increase in the chance of ECV (OR=3.4; 95% CI 1.3-9.4; p=0.014) and the presence of previous heart disease increased chance of ECV (OR=4.03; 95% CI 1.7-9.4; p=0.001). After multivariate logistic regression, hypertension resulted in an OR=2.7 (95% CI 0.9-7.6; p=0.057), while the presence of previous heart disease resulted in an OR=3.1 (95% CI 1.3-7.6; p=0.009). Use of cardioprotective drugs at the diagnosis of cancer was not associated with the incidence of ECV. The frequency of ECV was higher in patients undergoing treatment with anthracycline (n=64), but this difference was not statistically different (42.9% vs 30.2%; p=0.2). The frequency of LVEF fall greater than 10% in pre and post-treatment echocardiograms was higher in patients who used anthracycline (9.3% vs 4.7%; p=0.004). The frequency of ECV was significantly higher among those with falls greater than 10% in LVEF (16.6% vs 9%, p= 0.033). Laterality, total radiation dose and use of hormone therapy did not affect the frequency of ECV. CONCLUSIONS: The frequency found of new cardiovascular events in patients with cardiovascular disease before the start of cancer treatment reinforces the importance of the presence of a team of specialists in cardio-oncology in oncology centers, with the elaboration of routines to work at all levels of care for cancer patients


Assuntos
Humanos , Feminino , Idoso , Idoso de 80 Anos ou mais , Radioterapia , Neoplasias da Mama/terapia , Doenças Cardiovasculares/complicações , Sobreviventes/estatística & dados numéricos
9.
São Paulo; s.n; 2020. 87 p. ilust, tabelas, quadros.
Tese em Português | LILACS, PrevCan | ID: biblio-1179672

RESUMO

Introdução: O câncer de mama triplo negativo (CMTN) corresponde de 10 a 20% dos carcinomas invasivos de mama, é altamente agressivo e na maioria das vezes tem apenas a quimioterapia padrão como tratamento. As citocinas inflamatórias são um grupo heterogêneo de proteínas solúveis produzidas por diferentes tipos de células, que medeiam e regulam o sistema imune. A resposta imune celular é regulada por proteínas acessórias denominadas receptores co-estimuladores e co-inibidores, como 4-1BB e TIM-3, respectivamente. A procura por biomarcadores que possam predizer resposta à quimioterapia neoadjuvante (QT neo) ainda é um desafio na medicina. Objetivo: Avaliar os níveis solúveis de sTIM-3 e s4-1BB, e de citocinas inflamatórias no sangue de mulheres com câncer de mama triplo negativo localmente avançado e associá-los à sobrevida livre de doença e com o tipo de resposta patológica à QT neo. Métodos: O estudo foi realizado entre os anos de 2015 e 2017 no Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP) e Laboratório de Pesquisa Translacional do Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira (IMIP). Foram incluídas 29 mulheres, entre 18 e 60 anos de idade, com diagnóstico de CMTN localmente avançado e submetidas à QT neo, e um grupo de 30 mulheres saudáveis. Coletas de sangue periférico foram realizadas antes e após a QT neo. A dosagem dos níveis solúveis de s4-1BB e sTIM-3 foi realizada por enzyme linked immunonoSorbent assay (ELISA). As dosagens de IL-1ß, IL-6, IL-8, TNF-α e IL-10 foram realizadas pela técnica de Cytometric Bead Array por citometria de fluxo. O nível de significância estatística foi de p<0,05. Resultados: Níveis mais elevados de IL-6 e de IL-10 foram observados no grupo de pacientes com tumor T4 com relação as grupo T2-T3 (p<0.05). Níveis elevados de IL-6, IL-8, IL-10 e TNF-α no grupo CMTN com status linfonodal N2 versus N0 e N1 (p<0,05). Os níveis de IL-1ß, IL-6, IL-10 e TNF-α foram elevados no grupo com resposta patológica parcial (RP) quando comparado aos grupos com resposta patológica completa (RC) e controles (p<0,05). Com relação aos níveis de IL-8, os grupos de pacientes RC e RP apresentaram níveis elevados quando comparados aos controles (p<0,05). Não foi observada diferença significativa de IL-8 entre os grupos RC e RP. Não foram observadas diferenças significativas em níveis de s4-1BB E sTIM-3 de acordo com o tumor primário e status linfonodal. Elevados níveis de s4-1BB foram observados no grupo RC comparado aos grupos RP e de controles (p<0,0004 e p<0,0001, respectivamente). Da mesma forma, os níveis de sTIM-3 foram mais elevados nas pacientes com RC e RP em relação aos controles (p<0,0001 e p<0,0003, respectivamente). Para análise da sobrevida livre de doença (SLD) em 24 meses de seguimento, utilizamos como ponto de corte o valor da mediana (< ou ≥ percentil 50) dos níveis solúveis de sTIM-3 e s4-1BB. Não houve diferenças significativas na SLD entre os grupos com níveis de s4-1BB ≥ 122 e < 122 pg/mL. A SLD foi de 93,33% no grupo com níveis de sTIM-3 < 2874 pg/mL e de 60% no grupo com níveis ≥ 2874 pg/mL (p=0,03). Conclusão: O s4-1BB foi um bom indicador preditivo de resposta à QT neo, enquanto elevação de sTIM-3 mostrou estar associado ao risco de recidiva loco-regional e metástases à distância. Ambos, TIM-3 e 4-1BB, parecem ser potenciais alvos terapêuticos no CMTN localmente avançado por estarem associadas ao desfecho clínico da doença


Introduction: Triple negative breast cancer (TNBC) corresponds to 10 to 20% of invasive breast carcinoma with high aggressiveness and in most cases has only standard chemotherapy as treatment. Inflammatory cytokines are heterogeneous group of soluble proteins produced by different types of cell, that mediate and regulate the immune system. The cellular immune response is regulated by accessory proteins called co-stimulatory and co-inhibitory receptors, such as 4-1BB and TIM-3, respectively. The search for biomarkers that can predict response to neoadjuvant chemotherapy (NAC) is still a challenge to medicine. Objective: To evaluate the soluble levels of sTIM-3 and s4-1BB, and inflammatory cytokines in the blood of women with locally advanced triple negative breast cancer, and to associate them with disease-free survival and the type of pathological response to NAC. Methods: The study was carried out between the years 2015 and 2017 at the Hospital de Cancer de Pernanbuco (HCP) and Translational Research Laboratory of the Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira (IMIP). Twenty-nine women, between 18 and 60 years old, diagnosed with locally advanced TNBC, and submitted to NAC, and 30 healthy women were included. Peripheral blood samples were taken before and after neo QT. The determination of the soluble levels of s4-1BB and sTIM-3 was performed by enzyme linked immunonosorbent assay (ELISA). The measurements of IL-1ß, IL-6, IL-8, TNF-α and IL-10 were performed using the Cytometric Bead Array by flow cytometry. The level of statistical significance was p <0.05. Results: There were higher levels of IL-6 and IL-10 in the group of patients with tumor size T4 compared to groups T2-T3 (p <0.05). High levels of IL-6, IL8, IL-10 and TNF-α were found in the TNBC group with lymph node status in N2 in relation to N0 and N1 (p <0.05). High levels of IL1ß, IL-6, IL-10 and TNF-α were observed in the group with partial pathological response (PR) when compared to groups with complete pathologial response (RC) and controls (p <0.05). With regard to IL-8 levels, the groups of CR and RP patients showed high levels when compared to controls (p <0.05). There was no significant difference in IL-8 between the CR and PR groups. No significant differences were observed in the levels of s4-1BB and sTIM-3 in accordance with primary tumor and lymph node status. High levels of s4-1BB were observed in the RC group compared to the PR and control groups (p <0.0004 and p <0.0001, respectively). As well, the levels of sTIM-3 were higher in patients with CR and PR compared to controls (p <0.0001 and p <0.0003, respectively). In the analyses of disease-free survival (DFS) with 24 months of follow-up, we used as a cut-off point the median value (< or ≥ 50th percentile) of the soluble levels of sTIM-3 and s4-1BB. There were no significant differences in DFS at 24 months between groups with levels of s4-1BB ≥ 122 and <122 pg/mL. The DFS was 93.33% in the group with sTIM-3 levels <2874 pg/mL and 60% in the group with levels ≥ 2874 pg/mL (p = 0.03). Conclusion: s4-1BB was a good predictive indicator of response to NAC, while elevation of sTIM-3 levels was shown to be associated with the risk of locoregional recurrence and distant metastases. Both TIM-3 and 4-1BB appear to be potential therapeutic targets in locally advanced TNBC because they were associated with the clinical outcome of the disease


Assuntos
Humanos , Feminino , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Linfócitos T , Terapia Neoadjuvante , Citosina , Neoplasias de Mama Triplo Negativas , Sistema Imunitário
10.
São Paulo; s.n; 2020. 81 p. ilust, tabelas.
Tese em Português | LILACS, PrevCan | ID: biblio-1178924

RESUMO

Introdução: O mieloma múltiplo é uma desordem clonal das células plasmocitárias e, responde por 10-15% das neoplasias hematológicas. Apresenta diversas alterações no sistema imune, caracterizadas por déficits na produção de anticorpos; alterações do perfil imunológico das células T; aumento da expressão do PD-L1; modificações no microambiente medular favorecendo o recrutamento de populações imunossupressoras como as Treg e disfunção nas células dendríticas. Manter um sistema imune ativo é fundamental para o controle da doença, pacientes com manutenção de células T efetoras apresentam maiores taxas de remissão e sobrevida. Receptores coestimuladores como o OX40, CD40/CD40L e 4-1BB, participam na ativação, proliferação e amplificação da resposta imune. Objetivo: Avaliar os níveis de linfócitos B e T e das moléculas coestimuladoras OX40, CD40, CD40L e 4-1BB no sangue e medula óssea dos pacientes com mieloma múltiplo. Métodos: Trata-se de estudo exploratório, realizado entre 2016 e 2019 no Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP) e Laboratório de Pesquisa Translacional do Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira (IMIP). Foram incluídas 40 pacientes, até 79 anos de idade, com diagnóstico de Mieloma Múltiplo. Coletas de sangue periférico e medula óssea foram realizadas ao diagnóstico. As mensurações dos níveis de expressão de proteínas de membrana CD20, CD3, OX40, CD40/CD40L foram detectadas pela técnica de Cytometric Bead Array por citometria de fluxo. A dosagem dos níveis solúveis de s4-1BB, sOX40 e sCD40L foi realizada por enzyme linked immunonoSorbent assay (ELISA). Foi realizada análise de curva Receiver Operating Characteristic (ROC) para determinar o melhor valor de acurácia de cada marcador estudado assim como, a ocorrência de óbito. A análise estatística foi realizada no programa GraphPadPrism v8.0. O nível de significância estatística foi de p<0,05. Resultados: Em sangue periférico, comparando-se pacientes e controles, verificou-se níveis menores de CD20 (p<0,0001) e CD20low (p<0,0001), CD40+ em leucócitos totais (p=0,0005), CD40+ em linfócitos (0,0006) e CD40/CD3+ (p<0,0001) no grupo de pacientes. Mas, em contrapartida, os pacientes apresentaram níveis mais elevados de OX40+ (p=0,0012), CD40L+ em leucócitos totais (p=0,002) e OX40+/CD3+ (p<0,0001). Os níveis séricos de s4-1BB (p=0,03) e sOX40 (p=0,01) estavam reduzidos no grupo de MM quando comparado aos controles. Na análise segundo o ISS, somente os níveis de expressão de CD40L+ em leucócitos (p=0,01) e de CD40+ em linfócitos (p=0,0045), mostraram níveis superiores nos pacientes com ISS1-2 em relação ao ISS-3. As medidas de expressão de OX40+ e CD40L+ em leucócitos totais eram inferiores nos casos com evolução para óbito (p<0,0006 e p=0,002, respectivamente). Os pacientes que apresentavam níveis de expressão de OX40 em leucócitos totais ≥2,93% tiveram maior sobrevida em relação àqueles com valores <2,93% (p=0,03), bem como aqueles com CD40L em leucócitos totais com valores ≥3,09% (p=0,001). Na análise da medula óssea, segundo o ISS, somente os níveis de expressão de OX40/CD3+, mostraram níveis superiores nos pacientes com ISS1-2 em relação ao ISS-3 (p<0,0017). Não foram observadas diferenças significativas entre os valores de expressão dos diversos marcadores em medula óssea, com relação ao desfecho óbito. Na análise de correlação de Spearman, os valores de CD20 em sangue e medula óssea, apresentam uma correlação moderada entre si (r=0,64 e p<0,0001). Conclusão: Os resultados deste estudo permitem concluir que existem alterações de mecanismos celulares envolvidos na regulação e ativação da resposta imune no MM quando comparados aos controles. A manutenção de níveis mais elevados de moléculas coestimuladoras (OX40 ≥2,93% e CD40L≥ 3,09%), foi preditiva de melhor sobrevida no MM


Introduction: Multiple myeloma (MM) is a malignant plasma cell (PC) disorder, accounting for approximately 10-15% of all hematological cancers. Multiple myeloma presents several immune system alterations, characterized by deficits in antibody production, disruption of the T-cell immune profile, increased expression of cell death ligand 1 (PD-L1), changes in the bone marrow microenvironment favoring the recruitment of immunosuppressive populations such as Tregs and dysfunction in dendritic cells. It is important to preserve the integrity of the active immune system for the control of disease progression and patients with maintenance of T-cell cytotoxic activities improve rates of remission and overall survival. Co-stimulating receptors such as OX40, CD40/CD40L and 4-1BB, cooperate in the activation, proliferation, and amplification of the immune response. Objective: To evaluate T and B lymphocyte levels as well as co-stimulating molecules OX40, CD40, CD40L and 4-1BB in the blood and bone marrow of multiple myeloma patients. Methods: This is a cross-sectional and exploratory study, conducted between 2016 and 2019 at Pernambuco Cancer Hospital (HCP) and Translational Research Laboratory of Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira (IMIP). Forty patients, up to 79 years of age, diagnosed with Multiple Myeloma were included. Peripheral blood and bone marrow samples were collected at diagnosis. Serum concentrations of CD20, CD3, OX40, CD40/CD40L were detected through the Cytometric Bead Array technique by flow cytometry, and the soluble forms of s4-1BB, sOX40 e sCD40L by enzyme linked immunosorbent assays. Receiver Operating Characteristic (ROC) curve analysis was performed to determine not only the best accuracy value of each studied marker but also, mortality. Statistical analysis was performed in the GraphPadPrism v8.0 program and the level of statistical significance was p <0.05. Results: In peripheral blood, comparing patients and controls, there were lower levels of CD20 (p<0.0001) and CD20low (p<0.0001), CD40+ in total leukocytes (p=0.0005), CD40+ in lymphocytes (0.0006) and CD40/CD3+ (p<0.0001) in the patient group. However, on the other hand, patients had higher levels of OX40+ (p=0.0012), CD40L+ in total leukocytes (p=0.002) and OX40+/CD3+ (p<0.0001). Serum levels of s4-1BB (p=0.03) and sOX40 (p=0.01) were reduced in the MM group compared to controls. According to the ISS, CD40L+ in leukocytes (p=0.01) and CD40+ in lymphocytes (p=0.0045) showed higher levels in patients with ISS1-2 compared to ISS-3. Regarding the outcome death, levels of OX40+ and CD40L+ in total leukocytes were lower (p<0.0006 and p=0.002, respectively). In survival analyses, patients who had OX40+ levels in total leukocytes ≥2.93% had higher survival compared to those with levels <2.93% (p=0.03), as well as those with CD40L+ in total leukocytes with values ≥3.09% (p=0.001). In the bone marrow only the OX40/CD3+ levels were higher in patients with ISS1-2 compared to ISS-3 (p<0.0017). No significant differences were observed between values of other bone marrow markers in relation to the outcome death. In Spearman's correlation analysis, CD20 levels in blood and bone marrow present moderate correlation between them (r=0.64 and p<0.0001). Conclusion: This study shows differences in cellular mechanisms involved in the regulation and activation of immune response in MM patients in comparison to healthy controls. The maintenance of higher levels of co-stimulating molecules (OX40 ≥2.93% and CD40L≥ 3.09%) is associated with better survival in multiple myeloma


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Antígenos CD40 , Ligante de CD40 , Membro 9 da Superfamília de Receptores de Fatores de Necrose Tumoral , Receptores OX40 , Mieloma Múltiplo
11.
São Paulo; s.n; 2020. 33 p.
Tese em Português | LILACS, PrevCan | ID: biblio-1178933

RESUMO

Introdução: A quimioterapia perioperatória e cirurgia são o padrão de tratamento para pacientes com câncer gastroesofágico avançado, entretanto, seu impacto entre aqueles tratados com cirurgia radical carece de avaliação mais detalhada. Apresentamos os resultados desta abordagem de tratamento multimodal em uma coorte de pacientes com câncer gástrico tratados com linfadenectomia D2. Objetivo: identificar fatores prognósticos associados à melhora da sobrevida e resposta patológica associados ao tratamento neoadjuvante. Pacientes e métodos. Este estudo de coorte retrospectivo envolveu pacientes tratados com quimioterapia perioperatória e ressecção em um único centro oncológico no Brasil entre 2006 e 2016. Indivíduos com tumores do coto gástrico, tumores de esôfago ou tratados com quimioterapia intra-peritoneal foram excluídos. A análise de sobrevivência com intenção de tratar foi realizada para todos os indivíduos que iniciaram a quimioterapia neoadjuvante, e os fatores prognósticos foram determinados entre aqueles que tiveram ressecção R0. Resultados. Este estudo incluiu 239 pacientes, dos quais 198 tiveram ressecção R0. A média de idade foi de 59,9 anos e a maioria apresentava doença em estágio clínico IIB ou III (88%). Entre os 239 pacientes que iniciaram quimioterapia neoadjuvante, 207 (86,6%) completaram todos os ciclos de tratamento neoadjuvante, e a ressecção cirúrgica foi realizada em 225 indivíduos (94,1%). As taxas gerais de morbidade e mortalidade em 60 dias foram de 35,6% e 4,4%, respectivamente. Para toda a coorte, a sobrevida mediana foi de 78 meses e a taxa de sobrevida em 5 anos foi de 55,3%. Os fatores associados à pior sobrevida foram estágio ypT3­4, ypN, estágio, ressecção estendida e sem quimioterapia adjuvante. Conclusões. A quimioterapia perioperatória resultou em resultados muito bons para pacientes tratados com cirurgia radical, e o downstaging após a quimioterapia mostrou ser um determinante principal do prognóstico


Background. Perioperative chemotherapy and surgery are the standard of care in advanced gastroesophageal cancer patients, but its impact among those treated with radical surgery still needs further assessment. We present the results of this multimodality treatment approach in a gastric cancer patients cohort treated with D2 lymphadenectomy. We aimed to identify prognostic factors associated with improved survival. Patients and Methods. This retrospective cohort study enrolled patients treated with perioperative chemotherapy and resection in a single cancer center in Brazil between 2006 and 2016. Subjects presenting tumors of the gastric stump, esophageal tumors, or treated with intraperitoneal chemotherapy were excluded. Intention-to-treat survival analysis was performed for all subjects who started neoadjuvant chemotherapy, and prognostic factors were determined among those who had R0 resection. Results. This study included 239 patients, of whom 198 had R0 resection. The mean age was 59.9 years, and most had clinical stage IIB or III disease (88%). Among the 239 patients who started neoadjuvant chemotherapy, 207 (86.6%) completed all neoadjuvant treatment cycles, and surgical resection was performed in 225 subjects (94.1%). Overall 60-day morbidity and mortality rates were 35.6% and 4.4%, respectively. For the entire cohort, median survival was 78 months and the 5-year survival rate was 55.3%. Factors associated with worse survival were ypT3­4 stage, ypN stage, extended resection, and no adjuvant chemotherapy. Conclusions. Perioperative chemotherapy resulted in very good outcomes for patients treated with radical surgery, and downstaging after chemotherapy was shown to be a major determinant of prognosis


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Prognóstico , Neoplasias Gástricas/terapia , Sobrevida , Quimioterapia Adjuvante/efeitos adversos
12.
São Paulo; s.n; 2020. 57 p. ilust, tabelas.
Tese em Português | LILACS, PrevCan | ID: biblio-1178934

RESUMO

Introdução: Cerca de 5 a 10% de todos os melanomas ocorrem em famílias com predisposição hereditária. A Síndrome do Melanoma Familial (SMF) é síndrome de câncer hereditário que confere predisposição ao melanoma cutâneo e caracteriza-se pela presença de múltiplos casos de melanoma na família ou múltiplos casos de melanoma no mesmo indivíduo, podendo estar associada a outras neoplasias como o carcinoma de pâncreas. Os genes de alta penetrância mais conhecidos, relacionados a SMF, são CDKN2A e CDK4. Ambos atuam no controle negativo do ciclo celular. As variantes patogênicas em CDKN2A correspondem a 10% das famílias com dois casos de melanoma e a 30 a 40% das famílias com 3 ou mais casos, apresentando associação com câncer de pâncreas. Na SMF a prevalência de variante em CDK4 varia de 1 a 3%. Mais recentemente, variantes patogênicas em novos genes de alta penetrância foram identificadas contribuindo com a caracterização de diferentes vias de susceptibilidade ao melanoma, incluindo genes relacionados a diferenciação celular, resposta a dano do DNA e manutenção dos telômeros, como os genes BAP1, POT1, ACD, TERF2IP e TERT. São ainda de grande importância na determinação de risco para o melanoma cutâneo, variantes em genes de baixa a moderada penetrância relacionados a pigmentação da pele e diferenciação dos melanócitos como os genes MC1R e MITF. Objetivos: Identificar variantes germinativas em genes de alta e baixa a moderada penetrância associados a risco aumentado para melanoma em pacientes com critérios clínicos para a SMF, associando os achados às características clínicas dos pacientes. Material e Métodos: Seleção de pacientes com três ou mais melanomas (melanomas primários múltiplos ­ MPM) ou pacientes com diagnóstico de melanoma com dois ou mais casos de melanoma ou câncer de pâncreas em parentes de primeiro ou segundo graus (melanoma familial ­ MF). O DNA genômico foi isolado a partir de sangue periférico ou saliva e realizado teste genético com painel customizado incluindo os genes ACD, BAP1, CDK4, CDKN2A, POT1, TERT, TERF2IP, MC1R e MITF. Foi realizada análise dos dados clínicos dos pacientes e histopatológicos dos seus tumores além de comparação entre os diferentes grupos (MPM x MF) e comparação das frequências de variantes no gene MC1R com grupo controle. Resultados: Foram incluídos 37 pacientes com média de idade ao diagnóstico de 40,1 anos, prevalência do fenótipo de pele clara (89,2%), cabelos e olhos claros (> 50% dos casos), além de grande número de pacientes com história de queimadura solar na infância (89,2%) e múltiplos nevos (> 75% com > 50 nevos). Total de 148 melanomas primários, com predomínio do tipo extensivo superficial (85,8%), localização mais frequente no tronco (52,7%) e maior prevalência de melanomas finos (96,7%). Foram encontrados dois pacientes (5,6%) com variantes patogênicas (P) e quatro (11,1%) com variantes de significado incerto (VUS), nos genes de alta penetrância estudados. As variantes P foram detectadas nos genes CDKN2A e BAP1. Variantes no gene MC1R foram encontradas em 33 casos (89,2%) com predomínio das variantes classificadas como RHC ou alelos R ­ variantes de moderada penetrância (51,4%). As variantes RHC, assim como as variantes MC1R de risco desconhecido (chamados alelos u), foram mais frequentes em nossa coorte quando comparados ao grupo controle. Discussão: A frequência de variantes patogênicas nos genes de alta penetrância estudados foi baixa, considerando-se os critérios utilizados para seleção dos probandos e do número de melanomas nos pacientes e seus familiares. Em algumas famílias, o risco aumentado para melanoma pode estar relacionado à presença dos alelos R ou dos alelos u de MC1R, combinação de duas variantes distintas de MC1R em alguns casos, associado muitas vezes a fenótipo e comportamento de risco. Conclusão: A baixa frequência de variantes nos genes de alta penetrância e a alta prevalência de variantes de MC1R encontradas em nossa coorte mostra a importância do genótipo de MC1R na determinação do risco de melanoma nas famílias brasileiras com critérios clínicos para a Síndrome do Melanoma Familial


Introduction: Approximately 5 to 10% of all melanoma cases occur in a familial context. Familial melanoma syndrome confers hereditary predisposition to cutaneous melanoma and other malignancies such as pancreatic carcinoma. It is characterized by families with multiple melanoma cases or individuals with multiple primary melanomas. CDKN2A and CDK4 were the first and second high-penetrance melanoma gene identified, respectively, both acting in cell cycle regulation. In general, CDKN2A pathogenic variants are found in 10 % of melanoma-prone families with two melanoma cases and in 30 to 40% of families with 3 or more cases, being associated with pancreatic cancer. The prevalence of CDK4 pathogenic variants varies from 1 to 3%. More recently, pathogenic variants in new high-penetrance genes have been identified, contributing to characterization of distinct melanoma susceptibility pathways, including genes related to cellular differentiation, response to DNA damage and maintenance of telomeres, such as BAP1, POT1, ACD, TERF2IP and TERT. Variants in low- to moderate-penetrance genes related to skin pigmentation and melanocytes differentiation, such as MC1R and MITF, are also of great importance in determining risk for cutaneous melanoma. Objectives: To identify germline variants in high and low- to moderate-penetrance genes associated with increased risk for melanoma in patients with clinical criteria for familial melanoma syndrome, and to correlate the findings with clinical features of the patients. Material and Methods: Patients diagnosed with three or more melanomas (multiple primary melanomas - MPM) or melanoma patients with two or more cases of melanoma or pancreatic cancer in first or second degree relatives (familial melanoma - FM). The genomic DNA was isolated from peripheral blood or saliva and genetic testing was performed using a panel including ACD, BAP1, CDK4, CDKN2A, POT1, TERT, TERF2IP, MC1R and MITF genes. We analyzed patients' clinical features and tumors' histopathological characteristics, comparing these findings between the two groups (MPM x FM). In addition, we performed comparison of MC1R variants frequencies between the cohort and the control group. Results: Thirty seven patients were included, with a mean age at diagnosis of 40.1 years, prevalence of the fair skin phenotype (89.2%), blond/red hair and light eyes (> 50%), history of childhood sunburn (89.2%) and multiple nevi (> 75% with > 50 nevi). A total of 148 primary melanomas were identified with a predominance of superficial spreading histological subtype (85.8%), location on the trunk (52.7%) and thin melanomas (96.7%). We identified two patients (5.6%) with pathogenic (P) variants and four patients (11.1%) with variants of uncertain significance (VUS) n the high-penetrance genes studied. The P variants were detected in CDKN2A and BAP1 genes. MC1R variants were found in 33 cases (89.2%) with a predominance of RHC variants or R alleles ­ moderate-penetrance variants (51.4%). The RHC variants as well as the unknown risk variants (the so-called u alleles) were more frequent in our cohort when compared to the control group. Discussion: The frequency of pathogenic variants in the high-penetrance genes studied was low, considering the proband selection criteria and the number of melanomas found in the patients and their families. In some families, the increased risk for melanoma may be related to the presence of the R alleles or the u alleles of MC1R, a combination of two distinct MC1R variants in some cases, both conditions often associated with phenotype and behavior of risk. Conclusion: The low frequency of pathogenic variants in the high-penetrance genes and the high prevalence of MC1R variants found in our cohort show the importance of MC1R genotype in determining the risk of melanoma in the Brazilian melanoma-prone families


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Pessoa de Meia-Idade , Neoplasias Cutâneas , Hereditariedade , Suscetibilidade a Doenças , Melanoma/genética
13.
São Paulo; s.n; 2020. 59 p. ilust, tabelas.
Tese em Português | LILACS, PrevCan | ID: biblio-1178935

RESUMO

Introdução: O câncer de mama (CM) está associado ao aumento contínuo na incidência, com altas taxas de mortalidade em vários países. Existem quatro imunofenotipos de CM, luminal A, Luminal B, triplo negativo e HER2+. Algumas proteínas que estão presentes nas células tumorais e no microambiente tumoral fazem parte do processo da tumorigênese e metástases. A molécula de CD44 é considerada um importante marcador de resposta inflamatória e está presente em todos os leucócitos e na superfície de células tronco tumorais, estando envolvido com invasão tumoral e metástase. Alguns autores demonstraram que o signal transduce randactivator of transcription 3 (STAT3) e sex determining region Y related group box 2 (SOX2) estão relacionados com a regulação da divisão celular de células somáticas e com a tumorigênese e a metástase no CM. Objetivo: Avaliar a expressão de CD44+, SOX2 e STAT3 no sangue de pacientes com câncer de mama localmente avançado e metastático. Métodos: É um estudo de coorte transversal realizado no Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP) e no Laboratório de Pesquisa Translacional do Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira (IMIP) no período de março de 2017 a abril de 2018. Participaram deste estudo, 65 pacientes do sexo feminino com diagnóstico de câncer de mama e idade entre 28 a 64 anos. Destas, 51 mulheres tinham tumor de mama em estádio III (localmente avançado) e 14 com doença metastática (estágio IV). Como grupo controle, foram 24 mulheres clinicamente saudáveis com idade entre 18 anos a 65 anos. As análises da expressão de CD44+, SOX2 e STAT3 foi realizada por citometria de fluxo. Resultados: foram observados níveis elevados de células CD44+, CD24neg e CD44+/CD24neg CD44+/CD24negSOX2+ no sangue das pacientes com tumores de mama LB, HER2+ e Triplo negativos comparados aos controles (p<0,0001). Níveis baixos CD44+/CD24negSTAT3+ no sangue das pacientes comparado aos controles. Foram observados níveis elevados de células CD44+/CD24neg e CD44+/CD24negSTAT3+ no com CM localmente avançado comparado a CM metastático (p<0,05). As pacientes com CM triplo negativo apresentaram níveis elevados de linfócitos TCD3+SOX2+ comparado aos grupos com subtipos LB e HER2+ (p<0,05). O grupo de pacientes CM HER2+ apresentou baixos níveis de TCD3+SOX2+ comparado aos controles e LA (p<0,05). Níveis elevados de linfócitos TCD3 totais p=0,0007 e baixos de TCD3+SOX2+ p=0,02 no CM localmente avançado comparado a doença metastática. Níveis elevados de linfócitos TCD3+SOX2+ em pacientes linfonodos negativos quando comparado aos grupos N1 (p=0,004) e N2 (p<0,0001). Foram observados níveis elevados de células CD24neg e CD44+/CD24negSTAT3+ e de linfócitos TCD3+, e baixos níveis de TCD3+STAT3+ no CMTM localmente avançado comparado ao metastático. Conclusão: Os níveis das moléculas CD44, CD24, SOX2+ e STAT3+ no sangue mostraram ser alterados nas pacientes com CM em estágios mais avançados independente do imunofenótipo


Introduction: Breast cancer (BC) is associated with a continuous increase in incidence, with high mortality rates in several countries. There are four immunophenotypes of BC, luminal A, Luminal B, triple negative (TNBC), and HER2 +. Some proteins that are present in tumor cells, and the tumor microenvironment are part of the process of tumorigenesis and metastases. The CD44 molecule is considered an important marker of the inflammatory response. It is present in all leukocytes and on the surface of tumor stem cells, being involved with tumor invasion and metastasis. Some authors have demonstrated that the signal transducer and activator of transcription 3 (STAT3) and sex determining region Y related group box 2 (SOX2) are related to the regulation of somatic cell division and tumorigenesis and metastasis in BC. Objective: To evaluate the expression of CD44 +, SOX2, and STAT3 in the blood of patients with locally advanced and metastatic breast cancer. Methods: A cross-sectional study was carried out at the Pernambuco Cancer Hospital (HCP) and at the Translational Research Laboratory of the Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira (IMIP) from March 2017 to April 2018. 65 female patients diagnosed with breast cancer participated in this study, aged between 28 and 64 years. Of these, 51 women had stage III (locally advanced) breast tumor, and 14 with metastatic disease (stage IV). As a control group, there were 24 clinically healthy women aged 18 to 65 years. The analysis of CD44 +, SOX2, and STAT3 expression was performed by flow cytometry. Results: elevated levels of CD44 +, CD24neg and CD44+/CD24neg, CD44+/CD24neg SOX2+ cells were observed in the blood of patients with LB, HER2+ and TNBC compared to controls (p<0.0001). Low CD44+/CD24negSTAT3+ levels in patients' blood compared to controls. Elevated levels of CD44+/CD24neg and CD44+/CD24negSTAT3 + cells were observed in locally advanced compared to metastatic BC (p <0.05). Patients with TNBC had elevated TCD3+SOX2+ lymphocytes compared to groups with subtypes LB and HER2+ (p <0.05). HER2+ patient had low levels of TCD3+ SOX2+ compared to controls and LA (p <0.05). High levels of total TCD3 (p= 0.0007) and low levels of TCD3 + SOX2 + (p = 0.02) in locally advanced BC compared to metastatic disease. Elevated levels of TCD3+SOX2+ in negative lymph node patients compared to groups N1 (p = 0.004) and N2 (p <0.0001). High levels of CD44+/CD24negSTAT3+ cells and TCD3+ were observed, and low levels of TCD3+ STAT3+ in locally advanced TNBC compared to metastatic. Conclusion: the levels of CD44, CD24, SOX2 +, and STAT3 + molecules in the blood were altered in breast cancer more advanced independent immunophenotype


Assuntos
Humanos , Feminino , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Fatores de Transcrição , Neoplasias da Mama , Linfócitos T , Receptores de Hialuronatos , Citometria de Fluxo
14.
São Paulo; s.n; 2020. 85 p. ilust, tabelas.
Tese em Português | LILACS, PrevCan | ID: biblio-1178936

RESUMO

Introdução: Apenas 5-10% dos casos de câncer de mama estão relacionados a variantes genéticas herdadas e mutações nos genes BRCA1 e BRCA2, relacionadas à Síndrome do câncer de mama e ovário hereditário (SMOH), são identificadas na maioria desses casos. Além dos genes BRCA1 e BRCA2, outros genes também estão associadas a um risco elevado e moderado para o câncer de mama, como TP53, STK11, CDH1, PTEN, ATM, CHEK2 e PALB2 e fazem parte do grupo de genes acionáveis com estratégias de manejo clínico e prevenção bem estabelecidos. A implementação do Sequenciamento de Nova Geração (NGS) vem permitindo a análise simultânea de múltiplos genes através dos painéis multigenes com maior rapidez na análise e menor custo quando comparada ao sequenciamento de um gene único e, atualmente, vem sendo amplamente utilizado em Oncologia para identificação das síndromes de predisposição hereditária ao câncer. Objetivo: O objetivo desse estudo é avaliar a contribuição do painel multigenes na detecção de mutações germinativas em outros genes, além de BRCA1 e BRCA2, em pacientes com critérios clínicos para câncer de mama hereditário. Pacientes e Métodos: Um painel NGS de 94 genes foi realizado em 321 pacientes com diagnóstico atual ou prévio de câncer de mama que apresentavam critérios clínicos para SMOH, e que realizaram o teste genético para os genes BRCA1 e BRCA2 no Laboratório de Diagnóstico Genômico do A.C.Camargo Cancer Center, entre agosto de 2016 e maio de 2018. Resultados: A análise dos dados do painel das 321 pacientes resultou em um total de 84 variantes patogênicas/provavelmente patogênicas (VP/PP) que foram identificadas em 81 pacientes e a positividade do teste genético foi de 25,2% (n=81/321). Três pacientes (n=3/81 ­ 3,7%) apresentaram duas VP/PP em genes distintos e foram diagnosticadas com Síndrome da Neoplasia Hereditária Multialélica (MINAS). Do total de VP/PP, 42,9% (n=36/84) foram identificadas em genes de alta penetrância para câncer de mama (BRCA1, BRCA2 e TP53) e 21,4% (n=18/84) em genes de penetrância moderada (ATM, PALB2 e CHEK2). O restante, correspondente a 35,7% (n=30/84) das VP/PP, foram identificadas em genes de baixa penetrância para câncer de mama e foram considerados como achados incidentais, uma vez que não apresentaram correlação genótipo-fenótipo. Em relação ao subtipo molecular do câncer de mama, o subtipo triplo negativo apresentou frequência de VP/PP de 31,6% (n=25/79), com predomínio de mutações no gene BRCA1 (12,6% - n=10/79). Entre o subtipo luminal, 18,7% (n=29/155) apresentavam VP/PP e destes, mutações em genes não-BRCA1/2 predominaram com frequência de 12,2% (n=19/155). Para o subtipo Luminal B HER2, 40% (n=16/40) apresentaram uma VP/PP, com predomínio do gene ATM (12,5% - n=5/40). Finalmente, o subtipo hiperexpressor de HER2 apresentou frequência de VP/PP de 30,8% (n=4/13), sem predominância de genes específicos. Variantes de significado incerto foram identificadas em 77,6% (n=249/321) das pacientes e dessas, 24,5% (n=61/249) apresentaram também ao menos uma VP/PP. Conclusão: O painel 94 genes contribuiu para identificar VP/PP em outros genes além de BRCA1/2, aumentando a positividade do teste genético de 9,9% (BRCA1/2) para 25,2%. Considerando-se apenas os genes acionáveis, o aumento na positividade do teste em nossa coorte foi de 6,9%. Esses resultados indicam que mulheres com critérios clínicos para SMOH podem se beneficiar da realização de um painel multigenes, pois o mesmo permite identificar variantes patogênicas em outros genes de predisposição ao câncer de mama, incluindo os genes acionáveis, que impactam diretamente no acompanhamento desses pacientes e familiares, uma vez que são genes com estimativas de risco para câncer estabelecidas e estratégias de rastreamento e prevenção bem definidas


Introduction: Only 5-10% of breast cancer are related to inherited genetic variants and BRCA1 and BRCA2 mutations, associated to the Hereditary Breast and Ovarian Cancer Syndrome (HBOC), are responsible for the majority of cases. In addition to BRCA1 and BRCA2, other genes are also associated with a high and moderate risk for breast cancer, such as TP53, STK11, CDH1, PTEN, ATM, CHEK2 and PALB2, considered actionable genes, once they have well-established guidelines for clinical management and prevention. The implementation of Next Generation Sequencing (NGS) has allowed to sequence multiple genes simultaneously, faster and lower-cost when compared to the sequencing of a single gene and, currently, it has been widely used in Oncology for identification of hereditary cancer predisposition syndromes. Objective: The aim of this study is to evaluate the contribution of the multigene panel in detection of germline mutations in other genes besides BRCA1/2 in patients with clinical criteria for hereditary breast cancer. Patients and Methods: A NGS panel of 94 cancer predisposition genes was performed on 321 patients with current or previous diagnosis of breast cancer and clinical criteria for HBOC, who were referred for BRCA1/2 testing between August 2016 and May 2018. Results: Panel analysis of 321 patients resulted in a total of 84 pathogenic/likely pathogenic (P/LP) variants were identified in 81 patients and the positivity rate of the genetic test was 25.2% (n=81/321). Three patients (n=3/81 - 3.7%) had two P/LP variants in different genes and were diagnosed with the multilocus inherited neoplasia alleles syndrome (MINAS). Of the total deleterious mutations, 42.9% (n=36/84) were identified in high-risk breast cancer genes (BRCA1/2 and TP53) and 21.4% (n= 8/84) in moderate-penetrance genes (ATM, PALB2 and CHEK2). The remainder of the mutations, corresponding to 35.7% (n=30/84), were identified in low-risk genes and were considered unexpected findings, since they did not demonstrate a genotype-phenotype correlation. Regarding the molecular subtype of breast cancer, triple negative breast cancer had a mutation frequency of 31.6% (n=25/79), with a predominance in BRCA1 (12.6% - n=10/79). Among the luminal subtype, 18.7% (n=29/155) had deleterious mutations and of these, mutations in non-BRCA1/2 genes predominated with a frequency of 12.2% (n=19/155). For Luminal B HER2-positive subtype, 40% (n=16/40) had a P/LP variants, with a predominance of ATM gene (12.5% - n=5/40). Finally, HER2-enriched subtype presented a mutation frequency of 30.8% (n=4/13). Variants of uncertain significance were identified in 77.6% (n = 249/321) of the patients and of these, 24.5% (n=61/249) also had at least one P/LP variant. Conclusion: The NGS panel contributed to identify P/LP variants in genes other than BRCA1/2, increasing the positivity of the genetic test from 9.9% (BRCA1/2) to 25.2%. Considering only the actionable genes, the increase in positivity in our cohort was 6.9%. These results indicate that women with clinical criteria for HBOC may benefit from a multigene panel testing, as it allows to identify P/LP variants in other breast cancer susceptibility genes, including actionable genes, that directly impact the clinical management of these patients and family members, since they are genes with established risk assessment and well-defined screening and prevention strategies


Assuntos
Humanos , Feminino , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Neoplasias da Mama , Testes Genéticos , Sequenciamento de Nucleotídeos em Larga Escala , Síndrome Hereditária de Câncer de Mama e Ovário
15.
São Paulo; s.n; 2020. 87 p. ilust, tabelas.
Tese em Português | LILACS, PrevCan | ID: biblio-1178967

RESUMO

O carcinoma escamoso de vulva (CEC) é uma neoplasia rara que corresponde a cerca de 3 a 5% dos tumores ginecológicos malignos. Seu surgimento é mais comum entre a sétima e oitava década de vida, entretando, nos últimos anos observou-se um aumento em sua incidência em mulheres jovens, possivelmente decorrente do crescimento do número de infecções por HPV. Duas vertentes dividem o carcinoma de vulva em vias distintas: uma relacionada à presença de infecção por HPV e a outra, associada a mutações no gene p53 e processos inflamatórios crônicos, sendo ambas precedidas por lesões precursoras (lesões intraepiteliais vulvares ­ VINs). O sistema imunológico atua com finalidade garantir a homeostase, entretanto, o contexto de inflamação e infecção costumam estar associadas ao desenvolvimento e progressão do câncer. A análise do microambiente imune do tumoral e seu impacto no resultado clínico podem prover informações preciosas para uma melhor compreensão dos mecanismos celulares envolvidos e evidenciar marcadores com valores preditivos de resposta terapêutica e/ou diagnóstica. Objetivo: Ampliar a caracterização dos componentes celulares do infiltrado inflamatório da primeira linha de defesa (imunidade inata) associados ao tumor em carcinoma vulvar, relacionar esses componentes ao status de infecção pelo HPV. Métodos: Quarenta e quatro amostras de tecido fixados em formalina e incluídas em parafina foram selecionadas de forma retrospectiva dos arquivos do Departamento de Anatomia Patológica do A.C.Camargo Cancer Center no período de 1990 a 2015. Para a identificação dos marcadores imunológicos, foram realizados experimentos de imunohistoquímica e, posteriormente, esses marcadores foram quantificados através do programa APERIO®. Resultados: Com base nos padrões de infiltração de células imunológicas, a maior expressão ocorreu na região peritumoral nas duas vias de CEC vulvar (HPV independente e HPV associado) para os marcadores CD68, granzima B, perforina, S100, CD1a e PD-L1 (p<0,05). A expressão de perforina foi maior em CEC HPV independente nas regiões peri- (p=0,004) e intratumoral (p=0,021). Em CEC HPV independente, a expressão intensa de S100 na região peritumoral foi associada a ausência de metástase linfonodal (p=0,008); a expressão forte de S100 na região intratumoral foi associada a ausência de invasão vascular (p=0,007) e ausência de metástase linfonodal (p=0,043). Na via de CEC HPV associado, a expressão intensa de perforina esteve relacionada a menor profundidade de invasão nas regiões peri- (p=0,013) e intratumoral (p=0,022). As expressões dos marcadores de células inflamatória apresentaram associação com sobrevida global e livre de doença para as vias do CEC de vulva. Em CEC HPV independente, a expressão intensa de CD1a na região intratumoral, correlacionou-se ao menor tempo de sobrevida livre de doença (p=0,045). Na via de CEC HPV associado, o aumento da expressão de CD56 foi associada ao menor tempo de sobrevida global (p=0,043); as expressões aumentadas de CD1a e PD-L1 na região peritumoral se correlacionaram a maior tempo de sobrevida livre de doença (p=0,008 e p=0,021, respectivamente). Conclusão: Esse é um estudo que caracteriza o infiltrado inflamatório tumoral correspondente a primeira linha de defesa (imunidade inata) do organismo nas duas vias do carcinoma escamoso de vulva. Nossos dados sugerem que o principal papel da imunidade inata em ambas as vias de CEC vulvar seja como mecanismo de defesa, na tentativa de impedir a progressão tumoral


INTRODUCTION: Vulva squamous carcinoma (VSCC) is a rare neoplasm that corresponds around 3 to 5% of malignant gynecological tumors. Its incidence is more common between the seventh and eighth decade of life, however, recently it has increased in young women, possibly due to an increasing number of HPV infections. Two strands divide vulvar carcinoma into different way: one related to the presence of HPV infection and on the other hand, associated with mutations in p53 gene and chronic inflammatory processes, both of them are preceded by precursor lesions (vulvar intraepithelial lesions - VINs). The immune system acts to guarantee homeostasis, however, the context of inflammation and infection is usually associated with the development and progression of cancer. The analysis of the tumor microimmune environment and its impact on the clinical outcome can provide valuable information for a better understanding of the cellular mechanisms involved and evidence markers with predictive values of therapeutic and / or diagnostic response. AIMS: To expand the characterization of the cellular components of the inflammatory infiltrate of the first line of defense (innate immunity) associated with the tumor in vulvar carcinoma, relating these components to the status of HPV infection. METHODS: Forty-four tissue formalin fixed paraffin embedded samples were retrospectively selected from the archives of the Department of Anatomic Pathology of A.C.Camargo Cancer Center from 1990 to 2015. For the identification of immunological markers, experiments were carried out immunohistochemistry and, later, these markers were quantified using the APERIO® program. RESULTS: Based on the infiltration patterns of immune cells, the greatest expression occurred in the peritumoral region in both vulvar CPB pathways (independent HPV and dependent HPV) for the markers CD68, granzyme B, perforin, S100, CD1a and PD-L1 (p < 0.05). Perforin expression was higher in independent VSCC HPV in the peri- (p = 0.004) and intratumoral (p = 0.021) regions. In an independent VSCC HPV, the intense expression of S100 in the peritumoral region was associated with the absence of lymph node metastasis (p = 0.008); the strong expression of S100 in the intratumoral region was associated with the absence of vascular invasion (p = 0.007) and absence of lymph node metastasis (p = 0.043). In the VSCC HPV-dependent pathway, the intense expression of perforin was related to a lesser depth of invasion in the peri- (p = 0.013) and intratumoral (p = 0.022) regions. The expressions of the inflammatory cell markers were associated with global and disease-free survival for the VSCC pathways. In an independent VSCC HPV, the intense expression of CD1a in the intratumoral region, it was correlated with the shorter disease-free survival (p = 0.045). In the VSCC HPV-dependent pathway, increased CD56 expression was associated with shorter overall survival time (p = 0.043); the increased expressions of CD1a and PD-L1 in the peritumoral region correlated with longer disease-free survival (p = 0.008 and p = 0.021, respectively). CONCLUSIONS: Conclusion: This is a study that characterizes the inflammatory tumor infiltrate corresponding to the first line of defense (innate immunity) of the organism in the two pathways of squamous carcinoma of the vulva. Our data suggest that the main role of innate immunity in both pathways of VSCC is a mechanism defense, in an attempt to prevent tumor progression


Assuntos
Humanos , Feminino , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Papillomaviridae , Neoplasias Vulvares , Imuno-Histoquímica , Biomarcadores , Síndrome de Resposta Inflamatória Sistêmica
16.
São Paulo; s.n; 2020. 50 p. ilust.
Tese em Português | LILACS, PrevCan | ID: biblio-1178971

RESUMO

Introdução: A matriz extracelular (MEC) desempenha um papel importante na função celular, sendo que seu componente mais importante são as fibras de colágeno (COL). Nos últimos anos, a Microscopia de Geração Segundo Harmônico (em inglês, second harmonic generation microscopy; SHG) tem sido utilizada para a análise de COL em vários tipos de cânceres ginecológicos, como o da mama e ovário. Desta forma, tem-se enfatizado o valor da quantificação do colágeno por este método como meio de aprofundar o conhecimento da fisiopatologia e do prognóstico na avaliação destas neoplasias. Objetivo: No presente estudo caracterizamos as fibras de COL utilizando-se a microscopia de SHG objetivando avaliar diferenças entre carcinoma de células escamosas e lesões pré-neoplásicas da vulva, bem como verificar se há relação entre características dessas fibras com parâmetros clinicopatológicos associados a prognóstico. Método: Trata-se de um estudo de coorte horizontal e retrospectivo. Foram incluídos 52 pacientes, entre os anos de 2000 a 2010, sendo 40 com Carcinoma de Células Escamosas (CCE) Vulvar; 12 pacientes com Neoplasia Intraepitelial Vulvar (NIV); e, para o controle de comparação interna, foram considerados tecidos distantes ao tumor sem presença de lesão tumoral e/ou NIV. Para análises laboratoriais, foi selecionado um espécime representativo do processo patológico para revisão diagnóstica; e, posteriormente, submetido ao estudo do COL usando a microscopia de SHG. Os tecidos adjacentes normais e intratumorais foram selecionados em secções, para a avaliação do COL, e corados em Hematoxilina/Eosina (H&E) e analisados por microscopia confocal. Parâmetros relacionados ao colágeno, como quantidade, organização e uniformidade, em áreas de lesões neoplásicas e pré-neoplásicas da vulva, foram comparados com áreas distantes de aspecto normal das mesmas pacientes. Resultado/conclusão: Foi observado um evidente decréscimo nos valores dos parâmetros do COL no estroma associado às lesões pré-neoplásicas e neoplásicas da vulva. Além disto, aumentos na quantidade e uniformidade das fibras do colágeno tumorais se associaram à presença de metástases linfonodais, um reconhecido parâmetro de pior prognóstico no carcinoma de vulva


Background: The extracellular matrix (ECM) plays an important role in cellular function, being collagen fibers its most important component. Over the last few years, second harmonic generation (SHG) microscopy has been used for the analysis of collagen fibers in several types of cancers, including breast and ovarian cancer. The value of collagen parameters obtained using this technique has been advocated to gain insights on the physiopathology and on the prognostic evaluation of cancer. Objective: Herein, we have characterized collagen fibers using the SHG microscopy, to evaluate differences between vulvar cancer and preneoplastic lesions, and to find possible associations between characteristics of collagen fibers with clinicopathological parameters related to prognosis. Methods: This is a retrospective and horizontal cohort study. Were included 52 patients, between the years 2000 to 2010, 40 of whom with Vulva Squamous Cell Carcinoma (VSCC); 12 patients with Vulvar Intraepithelial Neoplasia (VIN); and, for the control of internal comparison, tissues distant to the tumor without tumor lesion and / or VIN were considered. For laboratory analysis, a specimen representative of the pathological process was selected for diagnostic review and subsequently subjected to the study of collagen using SHG microscopy. The normal and intratumoral adjacent tissues were selected in sections, for collagen evaluation, and stained in Hematoxylin/Eosin (H&E) and analyzed by confocal microscopy. Collagen parameters, quantity, organization, and uniformity, of stroma adjacent to neoplastic or preneoplastic lesions were compared with values obtained in normal appearing tissue distant from those lesions from the same patients. Results/Conclusion: There was an evident decrease in the values of collagen fiber parameters in the stroma associated to tumors. Increased quantity and uniformity of tumor associated collagen fibers were associated with the presence of lymph node metastases, which suggest a prognostic value of such parameters in the evaluation of vulvar cancer


Assuntos
Humanos , Feminino , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Lesões Pré-Cancerosas , Neoplasias Vulvares , Colágeno , Matriz Extracelular , Microscopia de Geração do Segundo Harmônico , Metástase Neoplásica
17.
São Paulo; s.n; 2020. 76 p.
Tese em Português | LILACS, PrevCan | ID: biblio-1147558

RESUMO

Introdução: A inflamação crônica, sistêmica e de baixa intensidade, para a qual a dieta é um importante fator de risco, está presente na fisiopatologia de doenças crônicas não transmissíveis, as quais figuram entre as principais causas de morte no mundo. Além da dieta isolada, a interação entre os padrões dietéticos e o genoma pode explicar variações na resposta inflamatória entre indivíduos. Objetivo: Verificar a associação de padrões alimentares e de polimorfismos de nucleotídeo único (SNP) presentes nos genes da adiponectina, do receptor do tipo Toll (TLR)-4, da interleucina (IL)-1ß, da IL-6, da IL-10, do fator de necrose tumoral (TNF)-α, da quimiocina ligante de C-C motif (CCL)-2 e da proteína C reativa (PCR) com um escore de inflamação sistêmica. Métodos: Dados secundários de 269 indivíduos adultos (20 a 59 anos) e 172 idosos (60 a 75 anos) do estudo de base populacional ISA-capital, edição de 2008, e 284 adultos e 217 idosos do ISA-capital de 2015 foram utilizados pelo presente estudo. A coleta dos dados dietéticos foi realizada por meio de recordatório de 24 horas, aplicado em duplicata e um questionário de frequência alimentar. A partir do plasma, foram determinadas as concentrações plasmáticas de adiponectina, PCR, IL-1ß, IL-6, IL-8, IL-10, TNF-α, IL-12p70, CCL-2, molécula de adesão intercelular solúvel (sICAM)-1 e molécula de adesão celular vascular solúvel (sVCAM)-1, os quais compõem o escore de inflamação sistêmico. A partir do DNA genômico foi realizada a genotipagem de 31 SNP dos genes ADIPOQ, TLR4, IL1B, IL6, IL10, TNFA, CCL2 e CRP pelo sistema Taqman Open Array. Os padrões dietéticos analisados foram o índice de qualidade da dieta revisado (IQD-R) e o padrão empírico de inflamação da dieta (EDIP), o qual foi adaptado para uso na população do ISA-capital (EDIP-SP). Resultados: O escore de inflamação foi associado com perfil lipídico plasmático, glicemia e pressão arterial sistêmica. São fatores associados ao escore de inflamação, em um modelo múltiplo, ter maior índice de massa corporal; ter mais de 50 anos de idade; fazer menos de 150 min/semana de atividade física como meio de transporte; ter menor IQD-R, ter maior EDIP-SP, ser homozigoto selvagem para o SNP TLR4 rs5030728 G>A e para o SNP ADIPOQ rs1501299 G>T após ajuste para uso de medicamento, super- e sub-relato da ingestão energética e fumo. O EDIP-SP, composto por "carnes processadas", "frutas e hortaliças" e "arroz e feijão", foi replicado em uma amostra independente apenas em homens. Nenhuma interação foi encontrada entre os SNP TLR4 rs5030728 G>A e ADIPOQ rs1501299 G>T e os padrões dietéticos IQD-R e EDIP-SP. Conclusão: Maiores escores para o IQD-R, e menores valores para o padrão alimentar EDIP-SP, estão inversamente associados à inflamação sistêmica e de baixa intensidade, independente de outros fatores de risco, na população de adultos da cidade de São Paulo. Os genótipos GG para os SNP TLR4 rs5030728 G>A e ADIPOQ rs1501299 G>T predispõem essa população a maior inflamação sistêmica e de baixa intensidade. Os padrões dietéticos e polimorfismos genéticos não são capazes de modificar os efeitos uns dos outros sobre a inflamação.


Introduction: Chronic and systemic low-grade inflammation, for which diet is an important risk factor, is present in the pathophysiology of chronic non-communicable diseases that are among the main causes of death worldwide. Besides diet, the interaction between dietary patterns and the genome can explain variations in the inflammatory response across individuals. Objective: To verify the association of dietary patterns and single nucleotide polymorphism in the genes of adiponectin, Toll-like receptor (TLR)-4, interleukin (IL)-1ß, IL-6, IL-10, tumor necrosis factor (TNF)-α, C-C motif chemokine ligand (CCL)-2 and C-reactive protein (PCR) with a systemic inflammation score. Methods: Secondary data of 269 adults (20 to 59 y.o.) and 172 elderly (60 to 75 y.o.) from the population-based study Health Survey of Sao Paulo (HS-SP), 2008 edition, and 284 adults and 217 elderly individuals from HS-SP 2015 edition were used in the present study. Dietary assessment was done through two 24-hour recalls and one validated food frequency questionnaire. From the blood, plasma concentration of adiponectin, CRP, IL-1ß, IL-6, IL-8, IL-10, TNF-α, IL-12p70, CCL-2, soluble intercellular adhesion molecule (sICAM)-1 and soluble vascular cell adhesion molecule (sVCAM)-1 were determined, all of which composed the systemic inflammation score. From extracted DNA, 31 SNPs in ADIPOQ, TLR4, IL1B, IL6, IL10, TNFA, CCL2 e CRP genes were genotypes using the Taqman Open Array system. The two analyzed dietary patterns were the Brazilian Health Eating Index-revised (IQD-R) and the Empirical Dietary Inflammatory Pattern (EDIP), which was further adapted to be used in the Sao Paulo population (EDIP-SP). Results: The systemic inflammation score was associated with blood lipid levels, glycemia and blood pressure. The systemic inflammatory score independently associated factors were: having higher BMI; being in the highest category of age (> 50 years); doing less than 150min/week of commuting physical; having lower IQD-R and higher EDIP-SP, being GG homozygous for SNP TLR4 rs5030728 G>A e and SNP ADIPOQ rs1501299 G>T, even after adjustments for medication use, misreporting of energy intake and smoking status. EDIP-SP, composed of "processed meat", "fruits and vegetables" and "rice and beans" groups, was replicated only in men. No interaction was observed between SNP TLR4 rs5030728 G>A and ADIPOQ rs1501299 G>T and the dietary patterns, IQD-R and EDIP-SP. Conclusion: Higher score for IQD-R, and a lower score for EDIP-SP, were inversely associated with systemic low-grade inflammation, independently of confounders, in the Sao Paulo population. The GG genotype for SNP TLR4 rs5030728 G>A and for ADIPOQ rs1501299 G>T predispose this population to systemic low-grade inflammation. Neither the dietary patterns nor the SNP modify the effect of one another on inflammation.


Assuntos
Polimorfismo de Nucleotídeo Único , Dieta , Adiponectina , Inflamação
18.
São Paulo; s.n; 2020. 67 p. ilust, tabelas.
Tese em Português | LILACS, PrevCan | ID: biblio-1178388

RESUMO

INTRODUÇÃO: O câncer é considerado uma das principais causa de morte no mundo e, entre as mulheres, o tumor de mama é o mais prevalente. Para o Brasil, estimam-se 66.280 casos novos de câncer de mama, para cada ano do triênio 2020-2022, com um risco estimado 61,61 casos novos a cada 100 mil mulheres, sendo 44,29 na Região Nordeste. Em Pernambuco, a estimativa é de 2.390 casos. Dentre as estratégias para a detecção do câncer de mama, estão o rastreamento e diagnóstico precoce. OBJETIVO: Avaliar o rastreamento do câncer de mama na VIII Região de Saúde de Pernambuco ­ PE, através de indicadores de Processo quanto a Cobertura e adesão às diretrizes técnicas nacionais e Qualidade com dados do Siscan. MÉTODO: Estudo observacional, descritivo do tipo ecológico. Foram analisados exames de mamografias e histologias realizados por mulheres residentes nos municípios da VIII Região de Saúde de Pernambuco-PE: Petrolina, Cabrobó, Afrânio, Dormentes, Lagoa Grande, Orocó e Santa Maria da Boa Vista, no período de janeiro de 2014 a dezembro de 2019. O levantamento dos dados ocorreu na base de dados do Siscan-DataSus com posterior cálculo dos indicadores. RESULTADOS: Foram realizadas 43.013 mamografias. Em Petrolina foram 31.709 mamografias, destas 99,84% (N= 31.659) eram de rastreamento, dentre as mamografias de rastreamento 56,65% (N= 17.934) foram realizadas em mulheres entre 50 a 69 anos. Nos outros municípios foram realizadas 11.304 mamografias, sendo 99,66% (N=11.266) de rastreamento destas, 57,28% (N=6.454) foram de mulheres de 50 a 69 anos. A Cobertura de mamografia de rastreamento em Petrolina foi de 31,14% (N=5.234) no biênio 2014-2015, 38,67% (N=6.611) em 2016-2017, e 30,06% (N=5.139) em 2018-2019. Os outros municípios apresentaram o mesmo padrão de decréscimo: 20,12% (N=1.710) no biênio 2014-2015, 31,83%(N=2.704) em 2016-2017 e 22,24% (N=1.890) em 2018-2019. Na Cobertura por faixa etária detalhada, as mulheres mais jovens (50 a 55 anos), obtiveram maior cobertura em Petrolina 42,51% (N=2.550) e nos Outros 38,32% (N=1065). A faixa etária de 65 a 69 anos apresentou menor cobertura nos sete municípios, com 31,52% (N=864) em Petrolina e 20,84% (N=319) nos Outros. No indicador de Razão os maiores valores foram 0,43 em Petrolina e 0,34 nos outros municípios (<0,01). As mamografias de rastreamento com resultados alterados (BI-RADS® 0, 4 ou 5) em Petrolina foi de 9,27% (N=1.663) já nos outros municípios foi de 16,76% (N=1.082). Dos resultados alterados nas mamografias de rastreamento de Petrolina 8,43% (N=1.513) tiveram resultado BI-RADS® 0 (inconclusivo) e 0,83% (N= 150) resultados com BI-RADS® 4 ou 5, já nos Outros 15,81% (N=1.021) foram BI-RADS® 0, e 0,94% (N=61) com BI-RADS® 4 ou 5. Em relação ao indicador percentual de mamografias de rastreamento com resultado entregue em até 30 dias, Petrolina entregou 98,47% dos exames em até 30 dias e os Outros 92,88%. O percentual de resultado dos exames histopatológicos entregues em 30 dias foi de 42,20% (N=46) em Petrolina e 45,75% (N=27) nos Outros municípios, destes, eram provenientes de lesão palpável 86% (N=28) em Petrolina e 48,14% (N= 13) nos Outros. CONCLUSÃO: Nos municípios que integram a VIII Região de Saúde de Pernambuco as ações de controle do câncer de mama referentes a Cobertura e adesão às diretrizes técnicas nacionais e Qualidade mamografia não atendem, em sua maioria, as recomendações do Programa de Rastreamento preconizadas pelo Ministério da Saúde.


INTRODUCTION: Cancer is considered the biggest cause of death in the world and, among women, the breast tumor is the most prevalent. For Brazil, there are an estimated 66,280 new cases of breast cancer, for each year of the 2020-2022 three-year period, with an estimated risk of 61.61 new cases per 100,000 women, 44.29 in the Northeast. In Pernambuco, the estimate is 2,390 cases. Among the strategies for the detection of breast cancer are early screening and diagnosis. OBJECTIVE: To evaluate breast cancer screening in the 8th Health Region of Pernambuco - PE, through Process indicators regarding coverage and adherence to national technical guidelines and quality with data from Siscan. METHOD: Observational, descriptive study of the ecological type. mammography exams and histology performed by women residing in the cities of the 8th Health Region of Pernambuco-PE were considered as the object of research: Petrolina, Cabrobó, Afrânio, Dormentes, Lagoa Grande, Orocó and Santa Maria da Boa Vista, from January 2014 to December 2019. Data collection took place in the Siscan-DataSus database with subsequent calculation of the indicators. RESULTS: From 2014 to 2019 43,013 mammograms were performed in the 8th Health Region of Pernambuco. In Petrolina there were 31,709 mammograms, of which 99.84% (N = 31,659) were for screening, among the screening mammograms 56.65% (N = 17,934) were performed in women between 50 and 69 years old. In the other six municipalities, 11,304 mammograms were performed, of which 99.66% (N = 11.266) were screened, 57.28% (N = 6,454) were women aged 50 to 69. The coverage of screening mammography in Petrolina was 31.14% (N = 5,234) in the 2014-2015 biennium; 38.67% (N = 6,611) in 2016-2017 and 30.06% (N = 5,139) in 2018-2019. The other cities showed the same oscillation pattern: 20.12% (N = 1,710) in the 2014-2015 biennium; 31.83% (N = 2,704) in 2016-2017 and 22.24% (N = 1,890) in 2018-2019. In the coverage of mammography by detailed age group, younger women (50 to 55 years), had greater coverage in Petrolina 42.51% (N = 2,550) and in the others 38.32% (N = 1,065). The 65-69 age group had the lowest coverage in the seven cities, with 31.52% (N = 864) in Petrolina and 20.84% (N = 319) in others. In the ratio indicator, the highest values were 0.43 in Petrolina and 0.34 in other cities (<0.01). The screening mammograms with altered results (BI-RADS® 0, 4 or 5) in Petrolina was 9.27% (N = 1,663) whereas in other cities it was 16.76% (N = 1,082). From the altered results in the Petrolina screening mammograms 8.43% (N = 1,513) resulted in BI-RADS® 0 (inconclusive) and 0.83% (N = 150) results with BI-RADS® 4 or 5, in the other 15.81% (N = 1,021) were BI-RADS® 0, and 0.94% (N = 61) with BI-RADS® 4 or 5. Regarding the percentage indicator of screening mammograms with results delivered in up to 30 days, Petrolina delivered 98.47% of the exams within 30 days and the others 92.88%. The percentage of results of the histopathological exams delivered in 30 days was 42.20% (N = 46) in Petrolina and 45.75% (N = 27) in the other cities, of these, they came from a palpable lesion 86% (N = 28) in Petrolina and 48.14% (N = 13) in others. CONCLUSION: In the cities that make up the 8th Health Region of Pernambuco, breast cancer control actions related to coverage and adherence to national technical guidelines and mammography quality do not meet, for the most part, the recommendations of the Screening Program recommended by the Ministry of Health.


Assuntos
Humanos , Feminino , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Idoso de 80 Anos ou mais , Neoplasias da Mama , Mamografia , Programas de Rastreamento , Educação em Saúde , Sistemas de Informação em Saúde
19.
São Paulo; s.n; 2020. 77 p. ilus.
Tese em Português | LILACS, PrevCan | ID: biblio-1116247

RESUMO

Introdução: O Câncer de Pênis configura-se como uma neoplasia maligna do sistema urogenital, diretamente associado ao desenvolvimento socioeconômico de uma população, refletindo dificuldades no acesso ao sistema de saúde e falta de medidas preventivas. Traz consigo sérias implicações de ordem física, emocional, social e familiar. Apresenta desproporcional distribuição geográfica mundial, nacional e regional, com maior magnitude em regiões economicamente desfavorecidas. Sua incidência é maior em homens com idade acima de 50 anos. No Brasil concentra 2% de todos os tipos de câncer masculino, sendo mais frequente nas regiões norte e nordeste. Desta forma, é uma questão de interesse para a saúde pública pelo seu potencial de prevenção por meio de medidas, comportamentais, assistenciais. Seu prognóstico favorável depende da precocidade do diagnóstico em função da estreita relação das características histopatológicas para o adequado tratamento. O conhecimento das características epidemiológicas nacionais, regionais deste câncer é primordial para a proposição de políticas de saúde pública para o seu controle. Objetivos: Conhecer o perfil epidemiológico do Câncer de Pênis no estado de Mato Grosso e os seus aspectos histopatológicos nos pacientes diagnosticados em Mato Grosso e no Hospital do Câncer de Mato Grosso na série histórica de 2010 a 2015 (janeiro a dezembro), estabelecendo associações entre as variáveis analisadas: variáveis demográficas; hábitos de vida e variáveis referentes ao tumor; tratamento, seguimento dos casos e mortalidade por Câncer de Pênis. Materiais e Métodos: Estudo observacional, longitudinal, analítico de caso-controle (série histórica de 2010 a 2015) com a utilização de dados do Registro Hospitalar de Câncer (RHC), prontuários, laudos histopatológicos. A amostra foi composta por homens com Câncer de Pênis diagnosticados em Mato Grosso e especificamente na Fundação Hospital do Câncer de Mato Grosso. A análise dos dados foi por meio do Teste χ2 com significância de 5% (p < 0,05). Resultados: Os resultados da análise dos dados do RHC, revelaram que no período em análise houve o registro de 61 casos de Câncer de Pênis em Mato Grosso sendo 0,68% do total das neoplasias entre os homens, estando aquém dos resultados divulgados pelo INCA que apresenta o Câncer de Pênis com 2,0% do total de câncer entre os homens. Os indígenas no Mato Grosso foram representados por 1,64% dos casos de Câncer de Pênis, resultado superior ao encontrado em vários outros estudos. Os resultados demostraram que 91,8% dos casos foram classificados como Câncer de Pênis SOE, portanto acima do recomendado (< 3,0%). Houve diagnóstico microscópico, em 100%, dos diagnósticos, sendo um indicador positivo (≥ 95,0) pautado nas padronizações nacionais e internacionais do INCA e da Candian Cancer Surveillance. Em relação à mortalidade por Câncer de Pênis em homens residentes em Mato Grosso, o ano de 2012 foi o que apresentou a maior taxa bruta de mortalidade 0,43/100.000 homens), estando acima da taxa bruta de mortalidade por Câncer de Pênis no Brasil no ano de 2018 com 0,33/100.000 homens, caracterizando-se como situação preocupante, por ser um tipo raro de câncer. Os resultados obtidos demonstram que a Fundação Hospital do Câncer de Mato Grosso foi a responsável por atender 71,44% dos casos de Câncer de Pênis ocorridos em Mato Grosso, sendo a localização primária SOE registrada em 92,50% dos casos. Quanto ao tipo histológico 70,0% dos casos era Carcinoma Epidermóide. Os indígenas representaram 2,5%. Quanto à procedência dos pacientes 77,50% era proveniente de regiões do interior do estado. Conclusão: O Câncer de Pênis relaciona-se ao autocuidado, por meio da higiene intima, busca rotineira pelos serviços de saúde, entre outros fatores. Seu prognóstico depende da precocidade do diagnóstico. É reconhecido que o homem utiliza menos os serviços disponíveis na Atenção Básica à Saúde, se comparado com o segmento feminino, o que determina, entre outros fatores o diagnóstico tardio do Câncer de Pênis. Os resultados apresentados, reforçam as razões para exploração dos aspectos epidemiológicos, e proposições políticas para efetivar a prevenção e diagnóstico precoce desta neoplasia na Atenção Básica.


Introduction: Penile Cancer is a malignant neoplasm of the urogenital system, directly associated with the socioeconomic development of a population, reflecting difficulties in accessing the health system and lack of preventive measures. It has serious physical, emotional, social and family implications. It presents a disproportionate geographical distribution worldwide, nationally and regionally, with greater magnitude in economically disadvantaged regions. Its incidence is higher in men over 50 years of age. In Brazil it concentrates 2% of all types of male cancer, being more frequent in the north and northeast regions. Thus, it is a matter of interest to public health because of its potential for prevention through measures, behavioral, assistance. Its favorable prognosis depends on the early diagnosis due to the close relationship of histopathological characteristics for adequate treatment. Knowledge of the national and regional epidemiological characteristics of this cancer is essential for proposing public health policies for its control. Objectives: To know the epidemiological profile of Penile Cancer in the state of Mato Grosso and its histopathological aspects in patients diagnosed in Mato Grosso and at the Cancer Hospital of Mato Grosso (HC) in the historical series from 2010 to 2015 (January to December), establishing associations between the variables analyzed: demographic variables; lifestyle and variables related to the tumor; treatment, follow-up of cases and mortality from Penile Cancer. Materials and Methods: Observational, longitudinal, analytical case-control study (historical series from 2010 to 2015) using data from the Hospital Cancer Registry (RHC), medical records, histopathological reports. The sample consisted of men with Penile Cancer diagnosed in Mato Grosso and specifically at the Cancer Hospital Foundation of Mato Grosso. Data analysis was performed using the χ2 test with a 5% significance level (p <0.05). Results: The results of the analysis of the RHC data revealed that in the period under analysis there was a record of 61 cases of Penile Cancer in Mato Grosso, being 0.68% of the total neoplasms among men, being below the results published by the INCA that presents Penile Cancer with 2.0% of the total cancer among men. The indigenous people in Mato Grosso were represented by 1.64% of the cases of Penile Cancer, a result superior to that found in several other studies. The results showed that 91.8% of the cases were classified as WOS Penile Cancer, therefore above the recommended (<3.0%). There was a microscopic diagnosis, in 100% of the diagnoses, being a positive indicator (≥ 95.0) based on the national and international standards of INCA and Candian Cancer Surveillance. Regarding mortality from Penile Cancer in men living in Mato Grosso, 2012 was the year with the highest gross mortality rate of 0.43 / 100,000 men), being above the crude mortality rate from Penile Cancer in Brazil in 2018 with 0.33 / 100,000 men, characterized as a worrying situation, as it is a rare type of cancer. The results obtained demonstrate that the Hospital do Câncer de Mato Grosso Foundation was responsible for attending 71.44% of the Penile Cancer cases that occurred in Mato Grosso, with the primary WOS location being registered in 92.50% of the cases. As for the histological type, 70.0% of the cases were squamous cell carcinoma. The indigenous represented 2.5%. Regarding the origin of the patients, 77.50% came from the interior of the state. Conclusion: Penile Cancer is related to self-care, through intimate hygiene, routine search for health services, among other factors. Its prognosis depends on the early diagnosis. It is recognized that men use less of the services available in Primary Health Care, when compared to the female segment, which determines, among other factors, the late diagnosis of Penile Cancer. The results presented, reinforce the reasons for exploring the epidemiological aspects, and political proposals to effectively prevent this neoplasia in Primary Care.


Assuntos
Humanos , Masculino , Neoplasias Penianas , Perfil de Saúde , Inquéritos e Questionários , Saúde do Homem , Estudo Observacional
20.
São Paulo; s.n; 2020. 65 p. ilust, tabelas, quadros.
Tese em Português | LILACS, PrevCan | ID: biblio-1121607

RESUMO

Introdução: O delirium no pós-operatório é a complicação neurológica pós-cirúrgica mais comum. A cirurgia laparoscópica, quando associada à posição de Trendelenburg (PT), traz inúmeras alterações na fisiologia e pode aumentar o risco para o aparecimento de alterações neurocognitivas. A associação de anestesia geral com bloqueio subaracnóideo permite utilizar uma dose menor de agentes anestésicos para a manutenção da anestesia e proporciona melhor controle da dor pós-operatória. Objetivos: Avaliar se o bloqueio subaracnóideo pode influenciar na incidência de delirium no pós-operatório em pacientes oncológicos após cirurgia laparoscópica em PT. Analisar outros fatores associados. Métodos: Estudo prospectivo randomizado e controlado, realizado com pacientes oncológicos submetidos a cirurgias eletivas laparoscópicas em PT. Alocamos 150 pacientes em 2 grupos: G1 - anestesia geral; G2 - anestesia geral associada ao bloqueio subaracnóideo com 15 mg de bupivacaína. Ambos os grupos receberam 50 mcg de morfina intratecal. Os pacientes foram avaliados no pós-operatório imediato até a alta hospitalar para descartar delirium no pós-operatório. Resultados: Foram avaliados 130 pacientes e a incidência de delirium no pós-operatório foi 29 (22,3%), G1 (30,8%) e G2 (13,8%). Os pacientes que receberam apenas anestesia geral apresentaram maior risco de delirium no pós-operatório do que os pacientes que receberam anestesia geral associada ao bloqueio subaracnóideo (OR 3,4 IC 1,2-9,6 p = 0,020). Os pacientes com maior risco foram aqueles com ausência de ensino superior (OR 6,2 IC 1,8-21,5 p = 0,003), idade> 65 anos (OR 3,3 IC 1,2-9,2 p = 0,017) e maior pressão de pneumoperitônio (OR 1,7 IC 1,1-2,5 p = 0,008). Conclusões: O bloqueio subaracnóideo foi associado à redução da incidência de delirium no pós-operatório em pacientes oncológicos submetidos a cirurgias eletivas laparoscópicas em PT. Ausência de ensino superior, idade avançada e maior pressão de pneumoperitônio foram outros fatores de risco identificados e associados a um aumento na incidência de delirium no pós-operatório


Background: Postoperative delirium is the most common post-surgical neurological complication. Laparoscopic surgery, when associated with Trendelenburg position, brings innumerable changes in physiology and could increase the risk for the appearance of neurocognitive changes. The association of general anesthesia with spinal anesthesia allows to use a lower dose of anesthetic agents for the maintenance of anesthesia and provides a better control of postoperative pain. Objectives: The primary outcome was to evaluate if spinal block could influence in the incidence of postoperative delirium in oncologic patients after laparoscopic surgery in Trendelenburg position. The secondary outcome was to analyze if there were factors associated. Methods: A randomized controlled trial was realized with oncologic patients underwent to elective laparoscopic surgeries in Trendelenburg position. We allocated 150 patients in 2 groups. G1 - general anesthesia; G2 - general anesthesia associated with a spinal anesthesia with 15 mg of bupivacaine. Both groups received 50 mcg of spinal morphine. Patients were evaluated in immediate postoperative until discharge from hospital to rule out neurocognitive disorders. Results: We evaluated 130 patients and the incidence of postoperative delirium was 29 (22,3%), G1 (30,8%) and G2 (13,8%). Patients who received only general anesthesia had higher risk for postoperative delirium than patients who received general anesthesia associated with spinal block (OR 3,4 CI 1,2-9,6 p=0,020). Patients at a higher risk were those with absence higher education (OR 6,2 CI 1,8-21,5 p=0,003), age > 65 years (OR 3,3 CI 1,2-9,2 p=0,017) and higher pneumoperitoneum pressure (OR 1,7 CI 1,1-2,5 p=0,008). Conclusions: Spinal block was associated with a reduced incidence of postoperative delirium with oncologic patients underwent to elective laparoscopic surgeries in Trendelenburg position. Low educational level, advanced age and higher pneumoperitoneum pressure were other risk factors identified and associated with an increase in the incidence of postoperative delirium


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Espaço Subaracnóideo , Estudos Retrospectivos , Laparoscopia , Decúbito Inclinado com Rebaixamento da Cabeça , Delírio , Neoplasias
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA