Your browser doesn't support javascript.
loading
Aborto no Brasil: o que dizem os dados oficiais? / Aborto en Brasil: ¿qué dicen los datos oficiales? / Abortion in Brazil: what do the official data say?
Cardoso, Bruno Baptista; Vieira, Fernanda Morena dos Santos Barbeiro; Saraceni, Valeria.
  • Cardoso, Bruno Baptista; Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. BR
  • Vieira, Fernanda Morena dos Santos Barbeiro; Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. BR
  • Saraceni, Valeria; Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. BR
Cad. Saúde Pública (Online) ; 36(supl.1): e00188718, 2020. tab, graf
Artigo em Português | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-1089460
Biblioteca responsável: BR1.1
RESUMO
Segundo a Organização Mundial da Saúde cerca de 55 milhões de abortos ocorreram no mundo, entre 2010 e 2014, e 45% destes foram inseguros. No Brasil, dados sobre aborto e suas complicações são incompletos. Dados assistenciais estão somente disponíveis para o setor público e dados de mortalidade dependem de investigação do óbito. O objetivo do estudo foi descrever o cenário do aborto no país, utilizando dados públicos disponíveis para acesso nos diversos Sistemas de Informação - SIM (mortalidade), SINASC (nascidos vivos) e SIH (internação hospitalar). No período entre 2008 e 2015, ocorreram cerca de 200.000 internações/ano por procedimentos relacionados ao aborto, sendo cerca de 1.600 por razões médicas e legais. De 2006 a 2015, foram encontrados 770 óbitos maternos com causa básica aborto no SIM. Houve discreta redução dos óbitos por aborto ao longo do período, com variações regionais. Esse número poderia ter um incremento de cerca de 29% por ano se os óbitos com menção de aborto e declarados com outra causa básica fossem considerados. Entre os óbitos declarados como aborto, 1% foi por razões médicas e legais e 56,5% como aborto não especificado. A proporção de óbitos por aborto identificados no SIH, em relação ao total de óbitos por aborto identificados no SIM, variou de 47,4% em 2008 para 72,2% em 2015. Embora os dados oficiais de saúde não permitam uma estimativa do número de abortos no país, foi possível traçar um perfil de mulheres em maior risco de óbito por aborto as de cor preta e as indígenas, de baixa escolaridade, com menos de 14 e mais de 40 anos, vivendo nas regiões Norte, Nordeste e Centro-oeste, e sem companheiro.
RESUMEN
Entre 2010 y 2014, según la Organización Mundial de la Salud, se produjeron en el mundo cerca de 55 millones de abortos, además un 45% de los mismos fueron inseguros. En Brasil, los datos sobre el aborto y sus complicaciones son incompletos. Los datos asistenciales se encuentran solamente disponibles para el sector público y los datos de mortalidad dependen de la investigación sobre el fallecimiento. El objetivo del estudio fue describir el escenario del aborto en el país, utilizando datos públicos disponibles para su acceso en los diversos Sistemas de Información - SIM (mortalidad), SINASC (nacidos vivos) y SIH (internamiento hospitalario). Durante el período entre 2008 y 2015, se produjeron cerca de 200.000 internamientos/año por intervenciones relacionadas con el aborto, siendo cerca de 1.600 por razones médicas y legales. De 2006 a 2015, se encontraron 770 óbitos maternos con el aborto como causa básica en el SIM. Se produjo una discreta reducción de los fallecimientos por aborto a lo largo del período, con variaciones regionales. Este número podría sufrir un incremento de cerca de un 29% por año, si se consideraran los fallecimientos donde se menciona el aborto y se declaran con otra causa básica. Entre los óbitos declarados como aborto, un 1% fue por razones médicas y legales y un 56,5% como aborto no especificado. La proporción de óbitos por aborto identificados en el SIH, en relación con el total de óbitos por aborto identificados en el SIM, varió de 47,4% en 2008 a un 72,2% en 2015. A pesar de que los datos oficiales de salud no permitan una estimación del número de abortos en el país, fue posible trazar un perfil de mujeres con mayor riesgo de fallecimiento por aborto mujeres afrodescendientes e indígenas, con baja escolaridad, con menos de 14 años y más de 40, viviendo en las regiones Norte, Nordeste y Centro-oeste, y sin pareja.
ABSTRACT
According to the World Health Organization, from 2010 to 2014, there were around 55 million abortions worldwide, 45% of which were unsafe. In Brazil, data on abortion and its complications are incomplete. Health care data are only available for the public sector and mortality data depend on investigations of deaths. This study sought to describe the situation of abortion in the country using public data available in the different Information Systems - SIM (mortality), SINASC (live births) and SIH (hospitalization). From 2008 to 2015, there were around 200,000 hospitalizations/year for procedures related to abortion, 1,600 of which for medical and legal reasons. From 2006 to 2015, we found 770 maternal deaths in SIM whose underlying cause was abortion. There was a discreet reduction in the number of deaths from abortion in the period, with regional variation. This number could be increased by around 29% per year if deaths with mentions of abortion and declared with a different underlying cause were considered. Among the deaths reported as resulting from abortion, 1% were abortions due to medical and legal reasons and 56.5% were non-specified abortions. The proportion of deaths from abortion identified in SIH, in relation to the total number of deaths from abortion identified in SIM, varied between 47.4% in 2008 and 72.2% in 2015. Although official health data do not allow us to estimate the number of abortions in Brazil, we were able to establish the profile of women at higher risk for death from abortion black and indigenous women, with low educational levels, under 14 and over 40 years of age, living in the North Northeast and Central regions, without a partner.

Texto completo: Disponível Coleções: Bases de dados internacionais Base de dados: LILACS País/Região como assunto: América do Sul / Brasil Idioma: Português Revista: Cad. Saúde Pública (Online) Assunto da revista: Sa£de P£blica / Toxicologia Ano de publicação: 2020 Tipo de documento: Artigo País de afiliação: Brasil Instituição/País de afiliação: Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro/BR

Similares

MEDLINE

...
LILACS

LIS


Texto completo: Disponível Coleções: Bases de dados internacionais Base de dados: LILACS País/Região como assunto: América do Sul / Brasil Idioma: Português Revista: Cad. Saúde Pública (Online) Assunto da revista: Sa£de P£blica / Toxicologia Ano de publicação: 2020 Tipo de documento: Artigo País de afiliação: Brasil Instituição/País de afiliação: Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro/BR