Your browser doesn't support javascript.

Portal de Búsqueda de la BVS Enfermería

Información y Conocimiento para la Salud

Home > Búsqueda > ()
XML
Imprimir Exportar

Formato de exportación:

Exportar

Email
Adicionar mas contactos
| |

Participação em programas de intervenção comunitária e qualidade de vida: resultados de um estudo multicêntrico em Portugal / Participation in community intervention programmes and quality of life: findings from a multicenter study in Portugal

Bastos, Maria Alice Martins da Silva Calçada; Monteiro, Joana Mafalda Miguelote de Pinho; Faria, Carla Maria Gomes Marques de; Pimentel, Maria Helena; Silva, Sofia de Lurdes Rosas da; Afonso, Carlos Miguel Figueiredo.
Rev. bras. geriatr. gerontol. (Online) ; 23(6): e190017, 2020. ilus, tab
Artículo en Inglés, Portugués | LILACS | ID: biblio-1095014

Objetivo:

Analisar a qualidade de vida (QV) em indivíduos que participam de programas de intervenção comunitária (PIC) orientados para uma vida ativa e saudável.

Método:

Estudo transversal multicêntrico com 304 participantes, com 55 anos ou mais de idade, a viver na comunidade em três localidades portuguesas. Metade desses indivíduos (n=152) envolvida em PIC (grupo de intervenção). Esse grupo foi emparelhado segundo sexo e grupo etário com número equivalente de participantes (n=152) que não frequenta PIC (grupo de comparação). As atividades dos PIC foram agrupadas segundo a sua natureza sociorrecreativas, educativas/aprendizagem ao longo da vida (ALV) e atividade física. Recolheu-se informação usando Questionário de Participação Social, WHOQOL-Bref e Escala de Satisfação com a Vida.

Resultados:

Os participantes dos PIC tinham média de idade de 71,4 (±5,4) anos, eram predominantemente mulheres (75,0%), casados (65,4%), com escolaridade inferior a cinco anos (71,7%) e rendimento familiar mensal até 750 euros (47,4%). O GI apresentou melhor QV no domínio físico do que o GC ( p<0,03). A atividade física foi a modalidade mais frequentada nos PIC (n=119; 78,3%) em comparação com atividades educativas/ALV (n=46; 30,3%) e sociorrecreativas (n=25; 16,4%). Os praticantes de atividade física em PIC apresentaram melhor QV nos domínios psicológico, relações sociais e ambiente do que os não praticantes ( p<0,05).

Conclusão:

A participação em PIC está associada à QV pelo que, em linha com o quadro do envelhecimento ativo, se recomenda implementar PIC no âmbito das políticas públicas, promovendo sistematicamente a QV da população. AU
Biblioteca responsable: BR1421.1