Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Enfermagem

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
XML
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Complicações em doentes com hiperplasia benigna da próstata submetidos a prostatectomia transvesical / Complications in patients with benign prostatic hyperplasia undergoing transvesical prostatectomy

Gabriel, Ana Julia Colaço.
Bragança; s.n; 20210000. ilus, tab.
Tese em Português | BDENF | ID: biblio-1254412
A literatura científica apresenta complicações evidentes, pós prostatectomia ­ que, mais do que a patologia propriamente dita ­ tornam pertinente o estudo. A enfermagem deverá desenvolver competências específicas e autónomas, no sentido de diminuir os seus potenciais riscos, os prognósticos lesivos na vida do utente, que devem ser estudados pela enfermagem, para, através das suas competências, os poderem diminuir senão anular. Os múltiplos impactos na qualidade de vida do homem, fazem emergir a pertinência para o estudo do tema, suas abordagens e necessidades cuidadoras, que representam para os enfermeiros especialistas, um desafio a enfrentar, no sentido da qualidade dos cuidados. Reconhecer as complicações emergentes após prostatectomia transvesical em doentes diagnosticados com Hiperplasia Benigna da Próstata (HBP). Estudo transversal, exploratório, de metodologia quantitativa e analítica, aos resultados emergentes da colheita de dados, a partir da aplicação de um questionário em entrevista direta, a uma amostra de 214 utentes submetidos a prostatectomia transvesical, entre 2015-2020, no Norte Litoral de Portugal. O critério de inclusão amostral foi a aceitação pessoal para participar no estudo, e de exclusão, foi a incapacidade mental para responder às questões, ou a apresentação de comorbilidades. Da análise, foi verificado que as complicações emergentes após prostatectomia transvesical em doentes com HBP, no imediato, são, a hematúria, a urgência urinária, a infeção da ferida operatória. No primeiro mês de pós-operatório, verificaram-se a urgência e incontinência urinária, a hematúria e infeção urinária. De forma discreta, foi assinalada a disfunção sexual, a fístula vesico-cutânea, e, mais tardias, a disfunção sexual ­ com expressão crescente e progressivamente perturbadora -, e por oposição, e de forma decrescente, a urgência urinária, incontinência urinária, infeção urinária e orquiepididimite. Foi verificada a relação entre complicações pós-operatórias e comorbilidades clínicas há relação estatística e altamente significativa entre a variável algaliação prévia à cirurgia e infeção da ferida operatória. Não foram encontradas relações estatísticas significativas para as restantes variáveis com o estatuto de comorbilidade. Todavia, foram encontradas relações de frequência entre a presença de diabetes mellitus e as infeções - urinária e da ferida operatória -, e, entre hipertensão arterial e hematúria pós operatória. Não foram encontradas estratégias cuidadoras de enfermagem, promotoras da diminuição das complicações em doentes prostatectomizados. O campo clínico da enfermagem continua a precisar deste investimento empírico, e a construir uma metodologia de ação, a partir do campo de análise de dados de investigação, para organizar-se numa prática baseada na evidência, criar um espaço de investigação ação, no sentido de avançar com propostas de guidelines e ou protocolos neste tipo de cuidados, e implementação de consultas de enfermagem pré e pós operatórias.
Biblioteca responsável: PT48.1
Localização: PT48.1