Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Enfermagem

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
XML
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Pacientes com traumatismo cranioencefálico tratados cirurgicamente no serviço de neurocirurgia do Hospital de Base do Distrito Federal (Brasília-Brasil) / Patients with brain injury surgically treated in neurosurgery service at Hospital de Base do Distrito Federal (Brasilia, Brazil)

Tavares, Cléciton Braga; Sousa, Emerson Brandão; Borges, Igor Brenno Campbell; Braga, Francisca das Chagas Sheyla Almeida Gomes.
Arq. bras. neurocir ; 33(3): 225-232, set. 2014. graf, ilus, tab
Artigo em Português | LILACS-Express | ID: lil-756178

Objetivo:

O traumatismo cranioencefálico (TCE) é uma agressão ao encéfalo causada por uma força física externa. No Brasil, é a principal causa de morte de crianças acima de 5 anos de idade e adolescentes. Apresentamos as características epidemiológicas de 194 pacientes com TCE operados no serviço de neurocirurgia do Hospital de Base do Distrito Federal.

Métodos:

Trata-se de um estudo descritivo, tipo corte transversal, baseado na revisão de prontuários médicos de pacientes com TCE tratadoscirurgicamente no período de julho de 2007 a julho de 2012.

Resultados:

Predomínio do sexo masculino (82,99%); a faixa etária mais comum é de 21-40 anos (67); a maioria apresentava TCE grave (108) e o principal mecanismo do trauma foi agressão física (57) seguida por queda da própria altura (49). Hematoma subdural crônico (63), hematoma extradural agudo (49) e fratura com afundamento (38) foram os principais achados tomográficos. Há uma relação entre hematoma subdural crônico (p < 0,05/OR = 1,272/IC 95% 1,163-1,391), hematoma subdural agudo (p = 0,008/OR = 3,271/IC 95% 1,309-8,172) e atropelamento (p < 0,05/OR = 8,804/IC 95% 2,203-35,185) com TCE grave.

Conclusão:

A maioria dos pacientes era do sexo masculino, na faixa etária entre 21-40 anos, vítima de agressão física e admitida com TCE grave. Há relação entre atropelamento, hematoma subdural agudo e crônico com a gravidade do TCE.
Biblioteca responsável: BR1.1