Your browser doesn't support javascript.
loading
Show: 20 | 50 | 100
Results 1 - 7 de 7
Filter
2.
Article in Spanish | LILACS | ID: biblio-1087370

ABSTRACT

La tematización de la salud, como una cuestión filosófica, parece tener por lo menos dos justificaciones plausibles. La primera es que la salud es un tema filosófico frecuente en la época clásica. De ese asunto se han ocupado, entre otros autores, Leibniz, Diderot, Descartes, Kant y posteriormente Nietzsche. Pero, cuando se habla de salud parece ser Descartes quien se ha convertido en una referencia obligada, desde el momento en que se le atribuye la "invención de una concepción mecanicista de las funciones orgánicas" (1).Diversos autores en diferentes momentos históricos han catalogado la salud, desde una concepción filosófica, por aludir sin ningún tipo exclusión ni priorización a Kan y Niestzsche. Sin embargo, Canguilhem sostiene que existe un concepto filosófico que aborda elementos que consideran, que el concepto de salud obedece a una "invención de una concepción mecanicista de las funciones orgánicas". De acuerdo con el autor referenciado, para establecer dicho paralelo, se debe tener en cuenta lo establecido por Descartes.


Subject(s)
Health , One Health
3.
Weekly Epidemiological Monitor. 2019; 12 (1): 1
in English | IMEMR | ID: emr-199434

ABSTRACT

On 12th December 2018, an expert meet-ing on one health framework for action on emerging zoonotic infections was held in Amman, Jordan. The meeting, orga-nized by the World Health Organization Regional Office for Eastern Mediterrane-an [WHO EMRO], reviewed the frame-work in the light of improving efficient and coordinated multisectoral "one health" approach among human health, animal and environment sectors to pre-vent, detect and respond to emerging zoonotic infection


Subject(s)
Communicable Diseases , One Health , Mediterranean Region
4.
Trab. educ. saúde ; 17(1): e0019320, 2019.
Article in Portuguese | LILACS | ID: biblio-979428

ABSTRACT

Resumo O estudo tem como objetivo discutir o que é um conceito a partir da adoção do referencial teórico marxista para defini-lo, com o intuito de responder se é possível ou não existir um conceito de saúde. Foi realizada leitura de autores marxistas que tratam da relação entre pensamento e a realidade objetiva, buscando se apoiar em variados autores dentro deste referencial, para enriquecer o debate contemporâneo na Saúde Coletiva. Como resultado, entendemos que o conceito é a forma de apreensão pelo pensamento dos objetos presentes na realidade objetiva e que, exatamente por não conter as características concreto-fatuais presentes em cada caso particular, permite entendê-los com base em sua essência como objeto abstrato-universal. Dessa forma, concluímos que, apesar de a saúde ser um objeto extremamente complexo, é possível existir seu conceito, o qual, segundo nossos referenciais, deve remeter ao todo sócio-histórico e à politização da dimensão técnica que esteja implicada historicamente com este social.


Abstract The study has the goal of discussing what is a concept based on the adoption of the Marxist theoretical framework to define it, with the intent of answering whether the existence of a concept of health is possible or not. We read Marxist authors who deal with the relationship between thought and objective reality, trying to rely on many different authors within this framework, in order to enrichen the current debate in Collective Health. As a result, we understand that that the concept is the way in which thought apprehends the objects that are present in objective reality and that, precisely because it does not contain the concrete-factual features that are present in each particular case, it enables us to understand them based on their abstract-universal objects. Therefore, we conclude that, even though health is an extremely complex object, the existence of its concept is possible, and, according to our frameworks, this concept must refer to the socio-historic whole and to the politicization of the technical dimension that is historically implicated with this social.


Resumen El estudio tiene como objetivo discutir lo que es un concepto a partir de la adopción de las referencias teóricas marxistas para definirlo, con la intención de responder si es posible que exista un concepto de salud o no. Se realizó una lectura de autores marxistas que tratan sobre la relación entre el pensamiento y la realidad objetiva, buscando apoyarse en diversos autores dentro de este marco referencial, para enriquecer el debate contemporáneo en la Salud Pública. Como resultado, entendemos que el concepto es la forma de percepción a través del pensamiento de los objetos presentes en la realidad objetiva y que, exactamente por no incluir las características concretas-fácticas presentes en cada caso particular, permite comprenderlos con base en su esencia como objeto abstracto-universal. De esta forma, concluimos que, a pesar de la salud ser un objeto extremadamente complejo, es posible que exista su concepto, el cual, de acuerdo con nuestras referencias, debe hacer referencia al conjunto sociohistórico en su total y a la politización de la dimensión técnica que esté implicada históricamente con este aspecto social.


Subject(s)
Humans , Work , Public Health , Knowledge , One Health
5.
Rio de Janeiro; s.n; 2019. 154 p. ilus.
Thesis in Portuguese | LILACS | ID: biblio-1049715

ABSTRACT

Esta dissertação busca contribuir com a vigilância e controle de vetores do município de Porto Real/ RJ, a partir da implementação de um curso de qualificação profissional para os agentes de controle de endemias (ACEs). O curso que teve como foco a temática Saúde Única e Educação Ambiental Crítica com ênfase na Vigilância e Controle de Vetores foi semipresencial e teve carga horária total de 40 horas. Antes do curso foram realizados dois encontros reflexivos com os agentes. Como instrumentos de coleta de dados foram utilizados questionários abertos aplicados aos ACEs sobre as percepções e saberes acerca da temática do curso antes e após o curso e observação participante com registros das observações, das escritas e das falas dos ACEs durante os encontros. A partir destes dois instrumentos, os dados foram organizados e analisados através da análise de conteúdo. Este curso foi ministrado para 18 ACEs, 13 (72,2%) responderam aos dois questionários, 8 (61,5%) apresentaram conceitos semelhantes sobre saúde antes e depois do curso, relacionando saúde a bem-estar físico, mental e social. Antes do curso, 10 agentes (76,9%) desconheciam o conceito de One Health, após o curso, todos (13 agentes) relataram com palavras diferentes, mas com o mesmo sentido que One Health significa o equilíbrio entre saúde humana, animal e ambiental


Todos também reconheceram a importância do ambiente no aparecimento de doenças. A falta de saneamento, o acúmulo de lixo e o cuidado com o ambiente foram apontados como determinantes ambientais. Quanto aos conceitos de prevenção e promoção, 53,8% dos ACEs antes do curso relataram que realizam apenas prevenção, depois 92% falaram que fazem ambos e 7,7% apenas promoção. Em relação aos fatores de risco, houve um aumento de 46,1% na ampliação do conceito e de acerto sobre fatores de risco. O curso permitiu melhorar a visibilidade dos agentes de controle de endemias, que após o curso passaram a se autodenominar, agentes promotores de saúde. Além disso, os agentes propuseram um projeto intitulado: um novo olhar para a saúde, que reflete a mudança de percepção dos agentes em relação à função na vigilância e o controle de vetores deste município. O projeto foi apresentado para os secretários de saúde e ambiente do município que já os engajaram em um projeto coletivo de saúde e ambiente. Esta aproximação dos gestores e dos executores das práticas de saúde pública favoreceu o reconhecimento do trabalho dos ACEs e a melhoria da qualidade dos serviços de saúde e ambiente.Este produto científico e educativo contribuiu para reflexão e reconstrução da práxis em saúde dos Agentes de Controle de Endemias (ACE). (AU)


Subject(s)
Humans , Health Personnel , Endemic Diseases , Credentialing , One Health
6.
Pesqui. vet. bras ; 38(6): 1207-1216, jun. 2018. tab
Article in English | LILACS, VETINDEX | ID: biblio-955438

ABSTRACT

The Phyllostomidae family is important among the bats found in Brazil, with several species and diverse eating habits, and is the only one to have frugivorous representatives. These bats can be found in urban and in wild life environments in search for the best reproductive and feeding conditions. The versatility of environments can be associated with the incidence and/or distribution of some diseases through pathogenic agents. The present paper has the purpose to identify the oral and perianal microbiota and to detect the bacterial resistance of frugivorous bats captured near communities inhabited by humans in the northwestern region of the state of Paraná. A total of 68 bats were captured, belonging to four species of the Phyllostomidae family, namely Artibeus lituratus, Artibeus planirostris, Carollia perspicillata and Sturnira lillium, originated from forest fragments in the micro region of Umuarama, state of Paraná. A total of 64 isolates from oral bacteria and 39 from perianal region were submitted to identification. They were later submitted to a susceptibility test to 22 human and veterinary antimicrobials. The most prevalent bacteria were Escherichia coli 33.3% in the oral region, and 35.90% in the perianal region, Enterobacter aerogenes 12.7% and 5.13%, Enterobacter agglomerans 7.9% and 10.25%, and Serratia liquefaciens 9.5% and 5.13% in the oral and perianal region respectively. All bat species studied had resistant strains, with a few of them presenting multi-resistance to antimicrobials. The species with the highest multi-resistance index to antimicrobials was Carollia perspicillata, with three strains of the oral region resistant to 15 antimicrobials; it also presented two strains in the perianal region, which were resistant to 13 and 10 antimicrobials respectively. Based on the results found, it is possible to conclude that the oral and perianal microbiota of bats is composed of several enterobacterial species resistant to one or several antimicrobials used in human and veterinarian medicine. This is an issue and a future warning for unique health, since high percentages of resistance were found against antimicrobials broadly used, such as ampicillin, amoxicillin and amoxicillin+clavulonate.(AU)


A família Phyllostomidae se destaca entre as famílias de morcegos encontrados no Brasil, com diversificadas espécies e hábitos alimentares, sendo a única a apresentar representantes frugívoros, podendo ser encontrada tanto em meio urbano, como de vida livre, em busca de melhores condições reprodutivas e alimentares. Essa versatilidade de ambientes pode estar associada à incidência e/ou distribuição de determinadas doenças por agentes patogênicos. O presente trabalho objetivou identificar a microbiota oral e perianal e detectar a resistência bacteriana em morcegos frugívoros capturados próximos às comunidades habitadas pelo homem na região noroeste do estado do Paraná. Foram capturados 68 morcegos, de quatro espécies da família Phyllostomidae, são eles Artibeus lituratus, Artibeus planirostris, Carollia perspicillata e Sturnira lillium, oriundos de fragmentos de Mata da microrregião de Umuarama, estado do Paraná. Um total de 64 isolados de bactérias da região oral e 39 da região perianal foram submetidos, identificação e posteriormente teste de susceptibilidade a 22 antimicrobianos de uso humano e veterinário. As bactérias mais prevalentes foram Escherichia coli 33,3% na região da boca e 35,90% na região perianal, Enterobacter aerogenes 12,7% e 5,13%, Enterobacter agglomerans 7,9% e 10,25% e Serratia liquefaciens 9,5% e 5,13% na região da boca e perianal, respectivamente. Todas as espécies de morcegos estudadas apresentaram cepas que foram resistentes, e algumas multirresistência aos antimicrobianos. A espécie que apresentou maior índice de multirresistência aos antimicrobianos foi Carollia perspicillata, com três cepas na região oral resistente a 15 antimicrobianos, e duas na perianal, com resistência a 13 e 10 antimicrobianos respectivamente. Baseados nos resultados encontrados, é possível concluir que a microbiota oral e perianal de morcegos, é composta por diversas espécies de enterobactérias, resistentes a um, ou vários antimicrobianos utilizados na medicina humana e veterinária, tornando-se um problema, e um alerta futuro para a saúde única, uma vez que foram encontrados elevados percentuais de resistência contra antimicrobianos utilizados em larga escala tais como ampicilina, amoxicilina e amoxicilina+clavulonato.(AU)


Subject(s)
Animals , Chiroptera/microbiology , Gram-Negative Bacteria/pathogenicity , One Health
7.
Trab. educ. saúde ; 9(3): 355-357, nov. 2011.
Article in Portuguese | LILACS | ID: lil-608318

Subject(s)
Health , One Health
SELECTION OF CITATIONS
SEARCH DETAIL