Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

A tragicidade do sujeito do discurso / The tragicity of the subject of the speech / La fatalidad del sujeto del discurso / La tragédie du sujet du discours

Monte-Serrat, Dionéia; Tfouni, Leda Verdiani.
Rev. Subj. (Impr.); 17(1): 35-44, jan. 2017.
Artigo em Português | LILACS, Index Psi Periódicos Técnico-Científicos | ID: biblio-897076
Os conceitos de discurso e tragicidade nos remetem aos conceitos de ideologia e de sujeito na atualidade. Utilizamos a perspectiva teórica da Análise do Discurso de Michel Pêcheux (1988b) para analisar a constituição do sujeito sob efeito de sentidos entre interlocutores determinados sócio-historicamente e interpelados pela ideologia. A tragicidade do sujeito do discurso sob a perspectiva discursiva pode ser concebida no paradoxo do funcionamento do mecanismo de interpelação, que dá origem ao sujeito. Este, ao mesmo tempo em que se acredita autônomo e livre, tem sua liberdade emaranhada em determinações econômicas ou sociais. A esse sujeito, tomado como "evidência descritiva" da ideologia, contrapõe-se o sujeito que se constitui no discurso. Esse último oferece resistência ao destino trágico do idealismo, cuja função é tentar apagar outros sentidos possíveis. Embora a interpelação pela ideologia mascare o caráter material do sentido - impondo a transparência de sentido, o sentido único -, Pêcheux (1988b), p. 255) traz um alerta sobre a possibilidade de resistência e revolta dentro do processo de assujeitamento, pois, para ele, a ideologia existe "sob a modalidade da divisão, ela só se realiza na contradição". O deslocamento ideológico, o imprevisível, interrompe a perpetuação das repetições do ritual ideológico. Esse acontecimento, sob a perspectiva da psicanálise - que concebe o sujeito como dividido, e não centrado -, permite compreender o sujeito do discurso sob a dimensão de "efeito do significante" (Lacan, 1998, p. 196) e nos leva a concluir que a subjetividade é um lugar que cumpre dupla função a de evidenciar o assujeitamento e a de evidenciar a subversão do sujeito, rompendo o círculo vicioso do idealismo, fazendo interromper o destino trágico do sujeito capturado pela interpelação ideológica.
Biblioteca responsável: BR724.1