Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

O Brasil rural nas obras de Monteiro Lobato nas décadas de 1910 a 1930

Silva, Luciana Meire da.
Marília; s.n; 2013. 180 p.
Tese em Português | BVS Pensamento Social, FIOCRUZ | ID: bps-1881
Nesta pesquisa analisamos sociologicamente as obras de Monteiro Lobato, publicadas nas décadas de 1910 a 1930, como fontes importantes de interpretações das particularidades eespecificidades da sociedade rural brasileira. Entendemos que Monteiro Lobato não se propôs a ser “sociólogo” como Alberto Torres, Oliveira Viana, entre outros, mas, nossa análise buscou em suas historietas, contos e crônicas uma “sociologia” do Brasil rural dasdécadas de 1910 a 1930. Embora o pensamento de Monteiro Lobato seja considerado regionalista, entendemos que em seus escritos há uma preocupação com o país como umtodo. De modo que a civilização do café e a região do Vale do Paraíba podem serparadigmáticas para pensar a Nação. Nesta tese tentamos demonstrar que Monteiro Lobato elaborou um projeto de país e o rural ocuparia um lugar importante nessa ideia de naçãofutura, o que nos faz pensá-lo como um importante intelectual da sociedade brasileira, defensor da modernização nos moldes racionais de aproveitamento das riquezas e dos recursos naturais. Monteiro Lobato, em seus escritos, trava intensos debates com aintelectualidade e o público leitor dos jornais, livros e revistas, e faz importantes referências ao contexto ideológico abrangente dos finais do século XIX e início do XX, como observamos neste trabalho. Atento ao contexto, imerso na conjuntura imediata, não hesita em fazer muitas e intensas revisões das suas ideias, num movimento que chamamos de pendular. Concluímos que foi um intelectual de uma longa época de transição e nelatentou enxergar saídas e caminhos a partir dos seus diagnósticos às vezes lúcidos, às vezes, polêmicos, que poucas vezes coincidia com pensamento dominante do seu tempo.(AU)
Biblioteca responsável: BR1273.1