Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

A formação do Brasil moderno em dois tempos: uma análise comparada do pensamento de Oliveira Vianna e Hélio Jaguaribe / The formation of modern Brazil in two times: a comparative analysis of Oliveira Vianna and Hélio Jaguaribe thoughts

Silva, Fernanda Xavier da.
Campinas; s.n; 2013. 181 p.
Tese em Português | BVS Pensamento Social, FIOCRUZ | ID: bps-1885
O presente trabalho tem como objetivo central analisar comparativamente as obras de Oliveira Vianna e Hélio Jaguaribe. Com base no conceito de que, mantidos os mesmos aspectos/problemas ao longo do tempo, as ideias admitem certa margem de tolerância e atualização (Brandão, 2007), procuramos demonstrar que, não obstante as diferenças de seus textos e contextos subsistem importantes afinidades entre esses autores, o que nos permite enquadrá-los como membros de uma mesma família intelectual. Como objetivo secundário, buscamos estabelecer um diálogo dessas obras com suas principais leituras, de modo a apreender o sentido dessas ideias. A partir do exame dos temas, caminhos de análise e programas políticos a que cada um desses autores aludia, em conjunto ao contexto histórico no qual falavam, observamos que ambas as obras comportam permanências e transformações, algumas mesmo contraditórias, o que possibilita diversas leituras. Transportando tal descoberta para o plano da comparação procuramos, naquilo que era constante, observar as aproximações e afastamentos desses dois raciocínios. Constatamos que, a despeito de seus diferentes desígnios (organização x desenvolvimento) e enfoques (político-social x econômico), Oliveira Vianna e Hélio Jaguaribe partilharam não apenas temas, mas linhas de raciocínio e, em certo sentido, projetos. Pautados na interpretação do Brasil em suas características, falhas e faltas, ambos apontaram para a impossibilidade de a sociedade, a partir de um movimento endógeno, vir a transformar sua realidade, e erigiram o Estado como ator e agente da mudança. Revelaram-se, assim, idealistas orgânicos, como na acepção de Brandão (2007) - os males vigentes estão presentes na sociedade, e podem ser superados apenas por meio da ação do Estado.(AU)
Biblioteca responsável: BR1273.1