Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Por um inventário dos sentidos: Mário de Andrade e a concepção de inventário

Nogueira, Antonio Gilberto Ramos.
São Paulo; s.n; 2002. 200 p. ilus.
Tese em Português | BVS Pensamento Social, FIOCRUZ | ID: bps-38
A concepção de patrimônio e inventário de Mario de Andrade, engendrada no Modernismo (décadas de 1920 e 1930) resulta e compõe o projeto de construção de uma identidade nacional só possível no resgate da memoria de um povo brasileiro, Mario desenvolve um procedimento de registro no patrimônio não tangível uma proposta de registro multimídia que orientou o estudo sistemático da cultura brasileira e delineada a partir da trajetória intelectual e de homem público de Mario de Andrade. Baseado predominantemente nos pressupostos da História Cultural, o estudo divide-se em cinco capítulos. O primeiro discorre sobre a configuração do inventário dos Sentidos articulados à sedimentação de uma estética modernista. Na dialética universal-particular, situa o conceito de tradição no projeto modernista para as representações da brasilidade. A discussão ambienta-se na Viagem de Descoberta do Brasil (1924) a Minas Gerais - momento fundador do ideário nacionalista - da qual decorre a reorientação da produção artística e literária e o despertar para a preservação do patrimônio histórico e artístico nacional. Viagens Etnográficas (1927 e 1928/1929), segunda parte, trata-se de vários interesses de Mário pela realidade brasileira. Nas viagens pelo Norte e Nordeste brasileiros, prenuncia-se a metodologia do inventário dos sentidos baseada na coleta dos elementos constitutivos da brasilidade procurada diretamente da fala do povo. Das temáticas do Turista Aprendiz interessa perceber qual concepção de cultura orientou a metodologia desenvolvida. Na terceira parte, Política e Cultura nos Anos 30 A Institucionalização das partes culturais, políticas e cultura articulam-se nos anos em que o debate centrado em torno do imperativo nacional adquire significação social e política. Na fase ideológica do Movimento , a "literatura como missão" cede espaço para uma ação mais concreta da intelectualidade junto às estruturas do poder.
Biblioteca responsável: BR1273.1
Localização: BR1273.1; T363.690981, N778p