Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 5 de 5
Filtrar
Mais filtros










Filtros aplicados

Intervalo de ano de publicação
1.
Dent. press implantol ; 6(2): 20-28, Apr.-June 2012. ilus
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-671858

RESUMO

Os alvos principais na compreensão da biopatologia óssea centravam-se nos osteoblastos e clastos, mas nos últimos anos têm se deslocado para os osteócitos — como mecanotransdutores do tecido ósseo, a partir da rede tridimensional, pelo entrelaçamento e contato de seus prolongamentos interligando uma célula a outras 20 a 40, tal qual uma rede neural. Pela mecanotransdução e a partir de mediadores como a esclerostina e o RANKL, os osteócitos podem influenciar na biopatologia óssea por interferirem na atividade dos osteoblastos e clastos. Quando necessário mais osso, os osteócitos liberam menos esclerostina; quando é necessário inibir a formação óssea, os osteócitos liberam mais esclerostina. O RANKL está ligado à osteoclastogênese local para que se tenha mais células capazes de reabsorver a matriz mineralizada. Algumas terapêuticas inovadoras das doenças ósseas metabólicas têm tido como alvo esses mediadores e os osteócitos. Estudar a presença e os efeitos específicos da esclerostina e do RANKL na osseointegração pode levar a um maior detalhamento de seus fenômenos biológicos.


The main targets for the comprehension of bone pathobiology were focused in osteoblasts and clasts, but in recent years it has shifted to the osteocytes — as mechanotransductors of the bone tissue, from the three-dimensional network, by interconnecting its extensions linking a cell to other 20 to 40, like a neural network. By mechanotransduction and from mediators as sclerostin and RANKL, the osteocytes may influence bone pathobiology by interfering with the activity of osteoblasts and clasts. When more bone is necessary, osteocytes release less sclerostin, when it is necessary to inhibit bone formation, osteocytes release more sclerostin. RANKLis connected to local osteoclastogenesis in order to have more cells capable of reabsorbing the mineralized matrix. New therapeutic ways of controlling the metabolic bone diseases have been targeted at these mediators. Studying the presence and the specific effects of sclerostin and RANKL in osseointegration can lead to greater detailing of their biological phenomena.


Assuntos
Humanos , Mecanotransdução Celular , Osso e Ossos/citologia , Osteócitos/citologia , Ligante RANK , Matriz Óssea , Remodelação Óssea , Reabsorção Óssea , Implantação Dentária , Doenças Ósseas Metabólicas/terapia , Osseointegração , Osteogênese
2.
Rev. Clín. Ortod. Dent. Press ; 11(1): 124-128, fev.mar. - 2012. ilus
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: biblio-855876

RESUMO

Os osteócitos estão incluídos na matriz óssea mineralizada dentro de lacunas conhecidas como osteoplastos, com numerosos prolongamentos citoplasmáticos em dezenas de canalículos que intercomunicam-se, física e bioquimicamente, com as demais células nas superfícies das trabéculas e corticais. Pelos canalículos circulam numerosos mediadores liberados pelos osteócitos e assim participam do controle da remodelação óssea. Com sua rede canalicular e exuberante intercomunicação, tridimensionalmente controlam a forma e o volume ósseo, fazendo que o conjunto de osteócitos possa ser comparado a um órgão endócrino no metabolismo ósseo. Os osteócitos representam um atual alvo terapêutico no controle dos distúrbios ósseos metabólicos e na compreensão de fenômenos ósseos, que devem incluir a movimentação dentária, a Ortopedia Facial e as reabsorções radiculares.


Assuntos
Osso e Ossos , Remodelação Óssea , Mecanotransdução Celular , Técnicas de Movimentação Dentária , Osteócitos
3.
Ciênc. odontol. bras ; 8(1): 23-27, jan.-mar. 2005. ilus, tab, graf
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-428123

RESUMO

O sucesso dos enxertos ósseos autógenos está relacionado à viabilidade das células transportadas para a área receptora. Durante o procedimento cirúrgico, entre a retirada do bloco ósseo da área doadora e sua colocação na área receptora, é comum que o fragmento fique algum tempo em solução fisiológica. O objetivo desse estudo foi realizar avaliação histomorfométrica da preservação de osteócitos em fragmentos de tíbia, mantidos em solução salina por diferentes períodos. Vinte e quatro fragmentos ósseos foram removidos e divididos em quatro grupos iguais. O grupo controle foi fixado em formol 10%, imediatamente após a remoção. Os demais grupos foram mantidos em solução salina por 5, 15 ou 30 minutos, antes da fixação. Em seguida, os espécimes foram descalcificados em EDTA e processados para inclusão em glicol metacrilato. Os cortes com cerca de 3mm de espessura foram corados em azul de toluidina 1%. A análise histológica foi realizada segundo critério que considerou os osteócitos como normais, alterados e lacunas (vazias). Segundo análise estatística (teste de Tuckey) houve redução significativa na quantidade de osteócitos normais em todos os períodos experimentais. O número de lacunas e osteócitos alterados aumentou significativamente em todos os períodos experimentais, exceto em 5 minutos. Segundo os resultados, ocorre redução progressiva da quantidade de osteócitos em fragmentos ósseos de tíbia de coelhos mantidos em solução salina


Assuntos
Coelhos , Animais , Regeneração Óssea , Transplante Ósseo , Osteócitos , Análise Estatística
4.
In. Genovese, Walter Joäo. Metodologia do exame clínico em odontologia. Säo Paulo, Pancast, 2 ed., aum; 1992. p.260-84, ilus.
Monografia em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-197433
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA