Your browser doesn't support javascript.
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 1 de 1
Filtrar
Mais filtros










Filtros aplicados

Intervalo de ano de publicação
1.
Säo Paulo; s.n; 1993. 89 p. ilus, tab.
Tese em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-138495

RESUMO

A infecçäo pelo vírus HIV induz profundas alteraçöes no sistema imune do hospedeiro, incluindo perda dos linfócitos T CD4+, supressäo das respostas a antígenos T-dependentes e ativaçäo anormal dos linfócitos B. Diversas entidades patológicas säo observadas durante o curso da infecçäo por este vírus, sendo que algumas destas, como a doença periodontal inflamatória (DPI), apresentam alto grau de morbidade. Alguns estudos clínicos e microbiológicos demonstram importantes diferenças entre a gengivite-HIV e a gengivite inespecífica (pacientes HIV-negativos), embora a nível histopatológico näo exista nenhum estudo comparativo entre elas. O objetivo deste trabalho foi avaliar quantitativamente o número de linfócitos T, linfócitos T "auxiliares", linfócitos B, macrófagos, células de Langerhans, neutrófilos, plasmócitos secretores de IgG, IgM, IgE e IgA na gengivite-HIV comparado com a gengivite inespecífica. Esta avaliaçäo foi baseada na identificaçäo imunohistoquímica pela Técnica da Streptavidina-Biotina dos seguintes antígenos: CD3 (linfócitos T), OPD4 (linfócitos T "auxiliares"), CD20 (linfócitos B), CD68 (macrófagos), S-100 (células de Langerhans), elastase (neutrófilos), IgG, IgM, IgE e IgA (plasmócitos secretores de IgG, IgM, IgE e IgA, respectivamente). Os resultados mostraram maior percentual de linfócitos T, linfócitos T "auxiliares" e macrófagos na gengivite inespecífica. O número de células intraepiteliais S-100 positivas ( células de Langerhans) por campo foi maior também na gengivite inespecífica comparado com a gengivite-HIV. A gengivite-HIV apresentou percentuais maiores de plasmócitos IgG positivos e neutrófilos em relaçäo à gengivite inespecífica. Estes resultados indicam que a severidade da DPI em pacientes HIV-positivos deve estar relacionada com a própria imunodepressäo celular presente na doença e enfatizam a importância dos linfócitos T na defesa do periodonto. Os dados encontrados sugerem também que a predominância de plasmócitos e neutrófilos no infiltrado inflamatório periodontal constitui um quadro mais compatível com lesäo destrutiva


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Gengivite/imunologia , Imunoglobulina A/química , Imunoglobulina A/imunologia , Imunoglobulina E/química , Imunoglobulina E/imunologia , Imunoglobulina G/química , Imunoglobulina G/imunologia , Imunoglobulina M/química , Imunoglobulina M/imunologia , Síndrome de Imunodeficiência Adquirida/imunologia , Neutrófilos/imunologia , Neutrófilos/química , Interações Hospedeiro-Parasita , Linfócitos T/química , Linfócitos T/imunologia
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA