Your browser doesn't support javascript.
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 5 de 5
Filtrar
Mais filtros










Filtros aplicados

Tipo de estudo
Intervalo de ano de publicação
2.
Säo Paulo; s.n; 1997. 110 p. ilus, tab.
Tese em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-192928

RESUMO

O objetivo deste estudo foi avaliar o papel que o sistema imune secretório exerce sobre o desenvolvimento da cárie dentária. Foram selecionadas 49 crianças, com idades entre 3 e 5 anos que apresentavam somente a dentiçäo decídua. As crianças selecionadas foram divididas em três grupos de acordo com seu índice de cárie (ceos): crianças sem cárie (Grupo I), crianças com 1 ou 2 superfícies com lesäo de cárie (Grupo II) e crianças com cárie rampante (Grupo III). Níveis totais de IgA secretória salivar foram determinados através da técnica de ELISA, empregando-se componente anti-secretório como anticorpo de captura. Títulos de anticorpos salivares anti-S. mutans das classes IgG, IgM e IgA também foram avaliados através da técnica de ELISA, empregando-se extrato bruto da bactéria (S. mutans ATCC 25175). Foi estudado, também, o repertório de anticorpos salivares das classes IgA e IgG contra antígenos protéicos de um extrato de S. mutans em 14 crianças (5 do Grupo I, 5 do Grupo II e 4 do Grupo III) e 4 adultos através da técnica de Western blotting (7,5 por cento SDS - PAGE). Todos os resultados foram correlacionados a contagens de estreptococos do "grupo mutans" na saliva, realizadas através da técnica da micropipeta. Os níveis totais de IgA secretória na saliva, assim como os títulos de anticorpos salivares anti-S. mutans das classes IgA, IgM e IgG das crianças näo apresentaram diferenças significantes entre os 3 grupos analisados. Em relaçäo à contagem de estreptococos do "grupo mutans", o Grupo I apresentou um número significantemente menor de estreptococos do "grupo mutans" quando comparado aos outros dois grupos. Proteínas envolvidas na colonizaçäo do dente por S. mutans foram reconhecidas pelos anticorpos das classes IgA e IgG na maioria das amostras de saliva, como as de peso molecular de 39, 69, 74, 97 e 150 kDa. Outra proteína, a de 185 kDa, denominada antígeno I/II, foi reconhecida pelos anticorpos das classes IgA somente nas amostras de saliva de adultos. Em relaçäo aos anticorpos da classe IgG, o mesmo ocorreu, com exceçäo na amostra de saliva de uma das crianças do Grupo III. Nossos dados sugerem que o sistema imune secretório näo tem relaçäo direta com o desenvolvimento de lesöes cariosas. Entretanto, a imunologia da cárie dentária ainda näo é bem esclarecida e certamente merece mais estudos


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Pré-Escolar , Formação de Anticorpos , Cárie Dentária/imunologia , Imunoglobulina A Secretora/fisiologia , Imunoglobulina G/fisiologia , Imunoglobulina M/fisiologia , Saliva/imunologia , Saliva/microbiologia , Streptococcus mutans , Dente Decíduo/fisiopatologia , Índice CPO
3.
Rev. Fac. Odontol. Bauru ; 1(1/4): 18-21, jan.-dez. 1993. tab
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-179785

RESUMO

O portador jovem de diabetes mellitus insulino-dependente (DMID), apesar da restriçäo alimentar, tem a mesma suscetibilidade à cárie dos indivíduos normais, o que pode ser em parte atribuído à reduçäo do fluxo salivar, mas näo à secreçäo deficiente de imunoglobulinas na saliva


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Criança , Adolescente , Adulto , Cárie Dentária/epidemiologia , Diabetes Mellitus Tipo 1 , Imunoglobulinas/análise , Saliva/imunologia , Diabetes Mellitus Tipo 1/complicações , Índice CPO , Imunoglobulina A/análise , Imunoglobulina G/análise , Imunoglobulina M/análise , Salivação
4.
Säo Paulo; s.n; 1993. 89 p. ilus, tab.
Tese em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-138495

RESUMO

A infecçäo pelo vírus HIV induz profundas alteraçöes no sistema imune do hospedeiro, incluindo perda dos linfócitos T CD4+, supressäo das respostas a antígenos T-dependentes e ativaçäo anormal dos linfócitos B. Diversas entidades patológicas säo observadas durante o curso da infecçäo por este vírus, sendo que algumas destas, como a doença periodontal inflamatória (DPI), apresentam alto grau de morbidade. Alguns estudos clínicos e microbiológicos demonstram importantes diferenças entre a gengivite-HIV e a gengivite inespecífica (pacientes HIV-negativos), embora a nível histopatológico näo exista nenhum estudo comparativo entre elas. O objetivo deste trabalho foi avaliar quantitativamente o número de linfócitos T, linfócitos T "auxiliares", linfócitos B, macrófagos, células de Langerhans, neutrófilos, plasmócitos secretores de IgG, IgM, IgE e IgA na gengivite-HIV comparado com a gengivite inespecífica. Esta avaliaçäo foi baseada na identificaçäo imunohistoquímica pela Técnica da Streptavidina-Biotina dos seguintes antígenos: CD3 (linfócitos T), OPD4 (linfócitos T "auxiliares"), CD20 (linfócitos B), CD68 (macrófagos), S-100 (células de Langerhans), elastase (neutrófilos), IgG, IgM, IgE e IgA (plasmócitos secretores de IgG, IgM, IgE e IgA, respectivamente). Os resultados mostraram maior percentual de linfócitos T, linfócitos T "auxiliares" e macrófagos na gengivite inespecífica. O número de células intraepiteliais S-100 positivas ( células de Langerhans) por campo foi maior também na gengivite inespecífica comparado com a gengivite-HIV. A gengivite-HIV apresentou percentuais maiores de plasmócitos IgG positivos e neutrófilos em relaçäo à gengivite inespecífica. Estes resultados indicam que a severidade da DPI em pacientes HIV-positivos deve estar relacionada com a própria imunodepressäo celular presente na doença e enfatizam a importância dos linfócitos T na defesa do periodonto. Os dados encontrados sugerem também que a predominância de plasmócitos e neutrófilos no infiltrado inflamatório periodontal constitui um quadro mais compatível com lesäo destrutiva


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Gengivite/imunologia , Imunoglobulina A/química , Imunoglobulina A/imunologia , Imunoglobulina E/química , Imunoglobulina E/imunologia , Imunoglobulina G/química , Imunoglobulina G/imunologia , Imunoglobulina M/química , Imunoglobulina M/imunologia , Síndrome de Imunodeficiência Adquirida/imunologia , Neutrófilos/imunologia , Neutrófilos/química , Interações Hospedeiro-Parasita , Linfócitos T/química , Linfócitos T/imunologia
5.
Arq. Centro Estud. Curso Odontol ; 29(1): 21-33, jan.-jun. 1992. tab, ilus
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-138676

RESUMO

Estudou-se, pela técnica da IMFD, a localizaçäo e a distribuiçäo dos imunodepósitos de IgG, IgA, IgM, C3 e Clq em vinte fragmentos gengivais de vinte pacientes portadores de bolsa periodontal supra-óssea. Compararam-se entre si, as vertentes interna e externa da parede näo mineralizada da bolsa periodontal supra-óssea de cada caso. Tanto a resposta imune como a resposta inflamatória estiveram em maior intensidade na vertente interna, na maioria dos casos. Entretanto, em alguns, a näo observaçäo de imunodepósitos, apesar da identificaçäo de intenso infiltrado monuclear, sugere atuaçäo de mecanismos imunorreguladores locais que carecem de maiores investigaçöes


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Imunoglobulina M , Bolsa Periodontal/patologia , Periodontite/patologia , Imunoglobulinas/imunologia
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA