Your browser doesn't support javascript.
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 5 de 5
Filtrar
Mais filtros










Filtros aplicados

Intervalo de ano de publicação
1.
Araçatuba; s.n; 2018. 45 p. graf, ilus.
Tese em Inglês | BBO - Odontologia | ID: biblio-905148

RESUMO

A hipertensão está associada a doenças cardiovasculares, mas também com alterações na qualidade óssea. A hipertensão, portanto, pode ser um fator de risco para a osseointegração. Estudos pré-clínicos sugerem que o Losartan, um bloqueador dos receptores da angiotensina II amplamente utilizado para tratara hipertensão, tem um efeito benéfico na consolidação do enxerto. No entanto, o efeito da hipertensão e do Losartan na osseointegração permanece desconhecido. Materiais e métodos: Aqui utilizamos ratas espontaneamente hipertensivos (SHR) e ratos Wistar albinus normotensos que receberam Losartan (30 mg/kg, p.o.) ou não tratados. Após uma semana, mini-implantes de titânio foram inseridos na tíbia. Sessenta dias após a implantação, a estabilidade do implante foi avaliada pela medição de torque de remoção considerada o ponto final primário. A tomografia computadorizada micro e a análise histomorfométrica foram parâmetros secundários. Resultados: o Losartan aumentou o torque de remoção no grupo SHR hipertenso para os níveis dos controles Wistar. Enquanto os parâmetros corticais da osseointegração permaneceram inalterados, Losartan aumentaram a formação do osso medular. A micro tomografia computadorizada revelou maior volume ósseo por volume de tecido e espessura trabecular nos ratos SHR tratados com Losartan. A análise histomorfométrica mostrou ainda que o Losartan aumentou significativamente a espessura do osso recém-formado na área medular em ratos SHR hipertensos. O Losartan não alterou significativamente os parâmetros de osseointegração em ratos normotensos. Conclusões: Os dados apresentados sugerem que o antagonista dos receptores da angiotensina II Losartan aumenta os parâmetros medulares da osseointegração no modelo da tíbia de ratos espontaneamente hipertensos(AU)


Background: Hypertension is associated with cardiovascular diseases but also with alterations in bone quality. Hypertension therefore might be a risk factor for osseointegration. Preclinical studies suggest that losartan, an angiotensin II receptor blocker widely used to treat hypertension, has a beneficial effect in graft consolidation. However, the effect of hypertension and losartan on osseointegration remains unknown. Methods: Here we used spontaneously hypertensive rats (SHR) and normotensive Wistar albinus rats receiving losartan (30 mg/kg, p.o.) or left untreated. After one week, titanium miniscrews were inserted into the tibia. Sixty days after implantation, implant stability was evaluated by removal torque measurement considered the primary endpoint. Micro computed tomography and histomorphometric analysis were secondary endpoints. Results: Losartan increased the removal torque in the hypertensive SHR group to levels of the Wistar controls. While the cortical parameters of osseointegration remained unchanged, losartan increased medullary bone formation. Micro computed tomography revealed a higher bone volume per tissue volume and trabecular thickness in the SHR rats treated with losartan. Histomorphometric analysis further showed that losartan significantly increased the thickness of newly formed bone in medullary area in hypertensive SHR rats. Losartan did not significantly alter the parameters of osseointegration in normotensive rats. Conclusions: The data presented suggest that the angiotensin II receptor antagonist losartan increases the medullary parameters of osseointegration in a tibia model of spontaneously hypertensive rats(AU)


Assuntos
Animais , Ratos , Implantes Dentários , Hipertensão , Losartan , Osseointegração , Anti-Hipertensivos , Osso e Ossos , Ratos Endogâmicos SHR
2.
Rio de Janeiro; s.n; 2015. 57 p. ilus, tab.
Tese em Português | BBO - Odontologia | ID: biblio-999027

RESUMO

Objetivo: Testar a hipótese de que drogas anti-hipertensivas inibidoras da enzima conversora da angiotensina (iECA) causam aumento de prevalência e gravidade da periodontite crônica. Metodologia: Sessenta e cinco pacientes hipertensos (trinta no grupo teste e trinta e cinco no controle) que fazem uso regular de anti-hipertensivos participaram desse estudo. Dados clínicos periodontais, incluindo nível clínico de inserção (NCI), profundidade de bolsa à sondagem (PBS) e índices de sangramento à sondagem (ISS), de placa visível (IPV), de cálculo (IC) e de sangramento marginal (ISM), obtidos de 6 sítios/dente, foram submetidos a testes estatísticos paramétricos e não-paramétricos, incluindo o Modelamento Linear Generalizado com Equações de Estimação Generalizada (GLM/GEE). Resultados: Ambos os grupos apresentaram médias de idade e de tempo de terapia anti-hipertensiva semelhantes, porém diferiram na renda média e no IPV. Os pacientes que fazem uso dos iECA tiveram condições periodontais piores e chances até 4 vezes maiores de apresentar PBS e NCI ≥ 5mm. Além disso, observou-se que a prevalência de periodontite crônica neste grupo foi o dobro da apresentada pelo grupo controle (63,4 % vs. 31,5 %, P < 0,001). Conclusão: Pacientes sob terapia anti-hipertensiva com iECA apresentam prevalência e gravidade aumentadas de periodontite crônica. (AU)


Aim: The objective of this study was to test the hypothesis that angiotensin-convertingenzyme inhibitor (ACEi) drugs lead to higher prevalence and severity of chronic periodontitis. Methodology: Sixty-five individuals with high blood pressure who make regular use of antihypertensive drugs (thirty patients who used ACEi and thirty-five controls using a different antihypertensive treatment), were selected to participate. Periodontal clinical data, including clinical attachment loss (CAL), probing pocket depth (PPD), and the presence of bleeding on probing (BOP), visible plaque (VP), calculus (CI) and marginal gingival bleeding (MGB) obtained from 6 sites per tooth, were submitted to parametric or non-parametric statistical tests, including the General Linear Model with Generalized Estimated Equations (GLM/GEE) to compare the odds ratio between groups for presenting PPD and CAL ≥ 5 mm. Results: Both groups showed similar mean age and mean length of anti-hypertensive therapy, although mean income and VP differed between groups. Patients under ACEi therapy showed worsened periodontal conditions as well as an odds ratio around four for presenting PPD and CAL ≥ 5mm. Furthermore, chronic periodontitis was two times more prevalent in patients taking ACEi drugs compared to controls (63.4 % vs. 31.5 %, P < 0,001). Conclusion: Patients under antihypertensive therapy with ACEi drugs show increased prevalence and severity of chronic periodontitis. (AU)


Assuntos
Humanos , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Inibidores da Enzima Conversora de Angiotensina/efeitos adversos , Periodontite Crônica/epidemiologia , Hipertensão/complicações , Anti-Hipertensivos/efeitos adversos , Estudos de Casos e Controles , Prevalência , Hipertensão/tratamento farmacológico
3.
Rev. bras. patol. oral ; 4(1): 17-22, jan.-abr. 2005.
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-415719

RESUMO

Hiperplasias gengivais são alterações caracterizadas pelo aumento de volume da gengiva que pode ser limitada a uma área ou envolver várias regiões. Tal condição pode estar relacionada ao uso freqüente de certos medicamentos, como a ciclosporina, a fenitoína e a nifedipina, sendo, portanto denominada crescimento gengival induzido por drogas. Dentre os fatores etiopatogenéticos, desta patologia, além das características farmacológicas dos medicamentos envolvidos, destaca-se, como principal, o acúmulo de biofilme dentário, proveniente de uma higiene bucal deficiente. O propósito deste estudo consiste em abordar, através de uma revisão literária, os principais aspectos relacionados a etiopatogenia desta condição patológica


Assuntos
Anti-Hipertensivos/farmacologia , Crescimento Excessivo da Gengiva/induzido quimicamente , Hiperplasia Gengival , Hiperplasia Gengival/etiologia , Hiperplasia Gengival/patologia , Higiene Bucal
4.
JBC j. bras. clin. odontol. integr ; 8(44): 114-117, mar.-abr. 2004. ilus
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-405501

RESUMO

A nifedipina, um bloqueador dos canais de cálcio, freqüentemente utilizada para controle de hipertensão, tem sido relacionada ao crescimento gengival em humanos e em animais. O objetivo deste estudo foi descrever achados clínicos e o tratamento para dois pacientes que utilizam nifedipina e apresentam alterações gengivais. Os autores discutem sobre alguns fatores como: idade, gênero, dose terapêutica, placa bacteriana e inflamação gengival, que podem estar associados ao crescimento gengival induzido pela droga. O nível de higiene bucal mantido pelos pacientes é um fator importante para o controle da condição, sendo que a resposta a diferentes formas de tratamento, incluindo mudanças na medicação, terapia não cirúrgica e cirúrgica, é variável e individual


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Anti-Hipertensivos , Gengiva , Nifedipino , Gengiva , Crescimento Excessivo da Gengiva , Higiene Bucal , Condutas Terapêuticas
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA