Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 20 de 26
Filtrar
Mais filtros










Filtros aplicados

Intervalo de ano de publicação
1.
Pesqui. bras. odontopediatria clín. integr ; 19(1): e4908, 01 Fevereiro 2019. tab
Artigo em Inglês | LILACS, BBO - Odontologia | ID: biblio-1021350

RESUMO

Objective:To analyze the relationship between age, body mass index(BMI), bone mineral density(BMD), and alveolar bone resorption with menopause duration in postmenopausal women.Material and Methods:Across-sectional study was developed involving 59 subjects, aged 45 to 80 years and categorized the duration of menopause as ≤5 years and >5 years.Body mass indexmeasurement and menopause duration were collected. Bone loss seen on radiography was measured by drawing a vertical line from the cementoenamel in the distal part of the 36 teeth and the mesial portion of 46 teeth to the base of the bone marked by the lamina dura intact. Categorical determinations of age, BMI, BMD, and alveolar bone resorption were based on receiver operating characteristic (ROC) curves. Were usedPearson correlation and Spearman correlation testswith the significance level set at 5%.Results:The majority of subjects (54.2%) with menopauseduration >5 years were aged >54.5years, most had BMI >24.2 kg/m2(39%), had bone resorption >2.95 mm(52.5%), and had bone density ≤73.89(49.2%).Pearson and Spearman correlation tests showed no significant correlation between age, BMI, bone density, and alveolar bone resorption (p>0.05).Conclusion:The longer the duration of menopause showed a tendency for lower bone density and higher age, BMI, and bone resorption (AU).


Assuntos
Humanos , Feminino , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Idoso de 80 Anos ou mais , Mulheres , Reabsorção Óssea , Menopausa , Índice de Massa Corporal , Densidade Óssea , Estudos Transversais/métodos , Pós-Menopausa , Estatísticas não Paramétricas , Indonésia
2.
Braz. dent. sci ; 20(1): 56-63, 2017. tab, ilus
Artigo em Inglês | LILACS, BBO - Odontologia | ID: biblio-836731

RESUMO

Objetivo: O objetivo deste estudo foi avaliar o potencial de radiografias panorâmicas (RP) e seus índices radiomorfométricos como método auxiliar para o diagnóstico da osteoporose. Material e Método: Foram selecionadas vinte e cinco mulheres, que tinham sido encaminhadas para PR com fins diferentes. As PR foram analisadas de acordo com o MCI, que avalia o córtex mandibular abaixo do forame mentual, e, em seguida, divididos em dois grupos: normal, e perda mineral de osso. Scans de densitometria óssea foram obtidos (DXA) da coluna lombar e colo do fémur / fêmur inteiro, que foram utilizados como padrão-ouro para comparação com o MCI. Teste de Kappa (p < 0,05) foi utilizado para determinar a associação entre a MCI e leituras de densitometria óssea. Resultados: Em relação à DXA, 7 pacientes eram normais na coluna lombar ou fêmur, 24 pacientes apresentaram osteopenia na coluna lombar ou fémur e 9 indivíduos tinham osteoporose na coluna lombar ou fêmur. Em relação à associação entre a DXA e MCI, 18 pacientes apresentaram algum grau de perda óssea na coluna detectado por ambos DXA e o índice Klemetti. Conclusões: PR não deve ser utilizada para confirmar o diagnóstico de osteoporose ou osteopenia, mas pode ser útil para avaliar o risco de tais doenças estar presente.(AU)


Objective: The aim of this study was to evaluate the potential of panoramic radiographs (PR) and their radiomorphometric indices as an auxiliary method for the diagnosis of osteoporosis. Material and Methods: Twenty five women were selected, who had been prescribed PR for different purposes. The PR were analysed according to the MCI, which evaluates the mandibular cortex below the mental foramen, and then divided into two groups: normal and bone mineral loss. Bone densitometry scans were obtained (DXA) from the lumbar spine and neck of the femur/whole femur, which were used as the gold standard for comparison against the MCI. Kappa test (p< 0.05) was used to determine the association between the MCI and bone densitometry readings. Results: Regarding the DXA, 7 patients were normal at the lumbar spine or femur, 24 subjects showed osteopenia at the lumbar spine or femur and 9 subjects had osteoporosis at the lumbar spine or femur. Regarding the association between DXA and MCI, 18 subjects showed some degree of bone loss at the spine detected by both DXA and the Klemetti index. Conclusions: PR should not be used to confirm the diagnosis of osteoporosis or osteopenia, but may be useful to assess the risk of such diseases being present.(AU)


Assuntos
Humanos , Feminino , Menopausa , Osteoporose , Radiografia Panorâmica
3.
ImplantNewsPerio ; 1(7): 1380-1384, out.-nov. 2016.
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: biblio-848036

RESUMO

Objetivo: realizar uma revisão da literatura a fim de compreender melhor a relação entre menopausa e doença periodontal, seus efeitos sobre o periodonto e terapias propostas. Material e métodos: foram realizadas pesquisas nas bases de dados PubMed e Bireme com as palavras-chave postmenopausal, estrogen, osteoporosis, periodontal disease, periodontitis. Resultados: a relação entre menopausa e doença periodontal tem plausibilidade biológica e evidências clínicas dos efeitos dessas alterações sobre a doença periodontal. A terapia de reposição hormonal, o uso de bifosfonatos e a administração de doses subantimicrobianas de doxiciclina têm sido propostos como tratamento, mas o efeito benéfico dessas terapias ainda não é consenso. Conclusão: de acordo com esta revisão da literatura, a menopausa afeta a doença periodontal em mulheres que estão nesse período, pelo menos em parte. Entretanto, apesar das evidências indicando tal associação, a inter-relação menopausa/doença periodontal e os tratamentos propostos permanecem incertos.


Objective: to conduct a literature review to better understand the relationship between menopause and periodontal disease, their effects on periodontium and proposed therapies. Material and methods: electronic searches were conducted in PubMed and Bireme databases with keywords postmenopausal, estrogen, osteoporosis, periodontal disease, periodontitis. Results: the relationship between menopause and periodontal disease has biological plausibility and clinical evidence of the effects of these changes on periodontal disease. Hormone replacement therapy, the use of bisphosphonates and administration of subantimicrobial dose doxycycline have been proposed as treatment, but the benefi cial effect of these therapies is still no consensus. Conclusion: according this literature review, menopause affects the periodontal disease in women who are in this period, at least in part. However, despite the evidence indicating this association, the interrelationship menopause/periodontal disease, as well as the treatments, remain uncertain.


Assuntos
Humanos , Feminino , Inter-Relação , Menopausa , Osteoporose , Doenças Periodontais
4.
Belo Horizonte; s.n; 2016. 51 p. ilus, tab.
Tese em Inglês, Português | BBO - Odontologia | ID: biblio-906225

RESUMO

Introdução: A osteoporose é uma doença silenciosa e de crescente prevalência, que é capaz de causar fraturas e influenciar na qualidade de vida dos pacientes. Objetivo: Avaliar comparativamente a saliva de pacientes com e sem perda de massa á óssea quanto a dosagem de cálcio, viscosidade e pH. Material e Métodos: Foi realizado um estudo transversal controlado, com dois grupos com 32 indivíduos do sexo feminino no período de pós-menopausa, portadoras de exame de densitometria óssea e encaminhadas pelo SUS, para tratamento odontológico na UFMG. Grupo 1: pacientes com diminuição de massa óssea. Grupo 2: pacientes sem alterações de massa óssea. Foram avaliados: concentração de cálcio, fluxo, viscosidade e dosagem de pH salivar. Também foi realizado um exame bucal, buscando variáveis como CPO-D e saburra lingual. Os dados obtidos foram analisados por estatística descritiva e inferencial, adotando-se um valor de p < 0,05. Resultados: A média de idade das pacientes foi de 60 anos (± 7.35), nos dois grupos e os valores de fluxo salivar, pH e viscosidade foram semelhantes entre os grupos analisados. A média de proteínas totais foi de 14,8 mg/mL e 19,0 mg/mL nos grupos com alteração de massa óssea e sem alteração, respectivamente. A presença de saburra lingual e os valores de cálcio salivar foram significativamente maiores no grupo de pacientes com alteração de massa óssea (< 0.001). Conclusão: O cálcio salivar se mostrou uma importante ferramenta de rastreio e pode, futuramente, ser utilizado para se realizar o diagnóstico de alterações de massa óssea.(AU)


Introduction: Osteoporosis is a silent and increasingly prevalent disease that can cause fractures and influence patients' quality of life. Objective: To evaluate comparatively the saliva of patients with and without loss of bone mass in the dosage of calcium, viscosity and pH .Methods: a controlled cross-sectional study was conducted with two groups of 32 women in the postmenopausal period, applying a bone densitometry exam, who were later referred for dental management at the Federal University of Minas Gerais (UFMG). Patients were separated into two groups: group 1 - patients with low BMD and group 2 - patients without bone mass changes. The parameters evaluated in saliva were: salivary calcium concentration, flow, viscosity, pH, and average total protein. An oral examination was also performed, searching for DMFT variables and tongue coating. Data were analyzed using descriptive and inferential statistics, adopting a p-value < 0.05. Results: The patients' mean age was 60 years (± 7:35). The salivary flow, pH, and viscosity were similar among the groups. The average total protein was 14.8 mg/mL and 19.0 mg/ml in groups with low BMD and no observed changes, respectively. The presence of tongue coating and salivary calcium values were significantly higher in patients with low BMD (p < 0.001). Conclusion: Salivary calcium provided important screening tools and may eventually be used to make the diagnosis of bone mass changes, as it presented statistically significant results in the group with low bone mass.(AU)


Assuntos
Humanos , Feminino , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Idoso de 80 Anos ou mais , Densidade Óssea , Cálcio/análise , Osteoporose , Pós-Menopausa , Saliva , Doenças Ósseas Metabólicas , Estudos Transversais , Menopausa , Saúde Bucal
5.
Dent. press endod ; 4(1): 51-56, jan.-abr. 2014.
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-722800

RESUMO

A menopausa é uma das mudanças fisiológicas caracterizadas pelo encerramento dos ciclos menstrual e ovulatório, ocorrendo nas mulheres entre a quarta e a quinta década de vida. Com ela, ocorre uma diminuição na produção de estrógeno, um importante hormônio que atua em muitos processos fisiológicos do indivíduo, como a regulação do sistema esquelético. O declínio nos níveis de estrógeno resulta em perda de densidade mineral óssea, aumento do risco de fratura, bem como no aparecimento de doenças ósseas, como a osteoporose, um processo patológico onde há o aumento na reabsorção de cavidades que não são completamente preenchidas por osso neoformado. Além disso, a deficiência de estrógeno pode causar muitas mudanças na saúde bucal do indivíduo. Na presença de uma infecção bacteriana no tecido pulpar, essa deficiência pode agravar a periodontite apical. Vários medicamentos têm sido estudados como potenciais agentes terapêuticos para suprir a deficiência de estrógeno. Essas drogas têm como objetivo reduzir o risco de fraturas e prevenir a perda óssea e distúrbios cardiovasculares e mentais resultantes de deficiência hormonal pós-menopausa. O raloxifeno (RLX), é uma das drogas terapêuticas mais estudadas, demonstrando prevenir a perda óssea. Mesmo com a indicação e benefícios do raloxifeno no metabolismo ósseo e na manutenção da densidade óssea, estudos sobre o seu papel na infecção endodôntica em organismos osteopênicos precisam ser realizados.


Assuntos
Humanos , Feminino , Endodontia , Terapia de Reposição Hormonal , Menopausa , Osteoporose , Pós-Menopausa , Cloridrato de Raloxifeno , Tratamento do Canal Radicular
6.
São Paulo; s.n; 2012. 62 p. ilus, tab. (BR).
Tese em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: biblio-866351

RESUMO

A interrelação de fatores como o avanço da idade, aliado às condições sócio-econômicas e à vulnerabilidade social, refletem na proeminência de doenças crônicas como a osteoporose e a doença periodontal. Tendo em vista que a perda óssea é a principal consequência para ambas as doenças, a osteoporose e a doença periodontal podem estar relacionadas. Considerando o limitado número de estudos longitudinais sobre a associação entre osteoporose e doença periodontal, o objetivo do nosso estudo foi avaliar, através de parâmetros clínicos periodontais, o efeito da osteoporose sobre os resultados do tratamento periodontal não-cirúrgico em mulheres na pós-menopausa, acompanhadas por um ano. Delineou-se um ensaio clínico controlado, duplo cego, para avaliar trinta e cinco mulheres selecionadas divididas em dois grupos: o grupo OST, composto por dezoito mulheres com diagnóstico de periodontite e osteoporose e o grupo controle (CTRL), composto por dezessete mulheres diagnosticadas para periodontite, porém, sistemicamente saudáveis. O efeito do tratamento periodontal não cirúrgico foi avaliado por meio das mensurações dos parâmetros clínicos como índice de placa bacteriana, sangramento à sondagem, profundidade de sondagem e nível clínico de inserção após o tratamento, nos períodos de três e doze meses.


Assumindo-se como resultado principal a diferença no nível clínico de inserção, aos doze meses após o tratamento periodontal, utilizou-se o teste student t para amostras pareadas na análise intra-grupo e, para a comparação entre os grupos, o teste t para amostras independentes. Observou-se que o tratamento periodontal foi efetivo e ambos os grupos mostraram melhora em todos os parâmetros estudados após tratamento periodontal, quando comparado aos valores iniciais (p<0,05), houve ganho de inserção clínica para ambos os grupos, aos doze meses de avaliação, não havendo, porém, diferença estatisticamente significante entre os grupos (p>0,05). Não pudemos observar, dentro das limitações deste estudo, a interferência da osteoporose sobre as alteraçôes dos parâmetros clínicos periodontais após um ano de avaliação dos resultados do tratamento não cirúrgico da peridontite em mulheres na pós-menopausa.


To date no studies have evaluated the effect of osteoporosis on non-surgical periodontitis treatment. The aim of the present study was to evaluate the effect of osteoporosis on non-surgical periodontal therapy in post-menopausal women with chronic periodontitis. 35 women diagnosed with slight to moderate periodontitis were divided in two groups: osteoporotic (OST, n=18) and non-osteoporotic (CTRL, n=17) women. The effect of non-surgical periodontal treatment was assessed by measuring the changes in plaque (PI) and bleeding on probing (BOP) scores, probing depth (PD) and clinical attachment level (CAL) during one year. Only sites with baseline PD 4mm were used for statistical analysis. The periodontal therapy resulted in significant improvements for both groups. At the end of twelve months, the mean PI, BOP, PD and CAL for the OST group were 27.2 ±17.7, 2.6 ±3.0, 2.5 ±0.7, 3.6 ±1.3, respectively, versus 30.2 ±17.0, 8.4 ±10.6, 3.2 ±1.2, 4.3 ±1.5, respectively, for the control group. Using an individual-based analysis and Student t test for unpaired and paired observations (significance of differences between and within groups, respectively), women in CTRL group showed enhanced in BOP and PD scores (p<0.05) over a period of 12 months compared with those in OST group but no significant difference was found between the groups for PD and CAL difference changes (p>0,05). Within the limits of the present study, it can be concluded that osteoporosis did not influence the result of non-surgical periodontal therapy in slight to moderate periodontitis, the effect of osteoporosis condition on changes in clinical parameters could not be observed after one year post non-susrgical periodontal treatment.


Assuntos
Humanos , Feminino , Menopausa , Osteoporose/diagnóstico , Periodontite/diagnóstico
7.
São José dos Campos; s.n; 2012. 58 p. ilus, tab, graf.
Tese em Português | BBO - Odontologia | ID: biblio-867541

RESUMO

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a osteoporose está atrás apenas das doenças cardiovasculares como um problema de saúde mundial (2007). Atingindo cerca de um terço das mulheres na pós menopausa tornou-se uma das doenças osteo metabólicas mais comuns.A identificação de indivíduos com baixa densidade óssea mineral e alto risco de fraturas é a base de qualquer programa preventivo de osteoporose. Indivíduos de alto risco deveriam ser encaminhados para realização do Dual Energy X ray Absorptiometry (DXA) considerada o exame padrão ouro de avaliação da densidade mineral óssea, no entanto o DXA tem disponibilidade limitada para uso de rotina no rastreamento populacional. Existem métodos qualitativos e quantitativos realizados em radiografias panorâmicas, denominados índices radio morfométricos que podem ser capazes de identificar mulheres na pós-menopausa com indicação de realização de densitometria óssea. O propósito deste trabalho volta-se para a investigação sobre utilização de radiografias panorâmicas e índices radio morfométricos como método auxiliar para diagnóstico de osteoporose em mulheres pós-menopáusicas


According to World Health Organization (WHO), osteoporosis is the second only to cardiovascular diseases as a global health problem (2007).Reaching about one third of post menopausal women. It has become oneof the most common bone metabolic diseases. The identification of individuals with low bone mineral density and high fractures risk is the foundation of any preventive osteoporosis program. High risk individuals should be referred for dual X-ray absorptiometry (DXA) considered thegold standard of bone mineral density assessment, however boned ensitometry has a limited availability for routine use in population screening. There are qualitative and quantitative methods performed on panoramic radiographs, called radio morfometricos rates, which may identify post menopausal women with bone densitometry indication. The purpose of this paper was to evaluate panoramic radiographs and radio morphometric use as an auxiliary method for osteoporosis diagnosisin post menopausal women


Assuntos
Menopausa , Osteoporose/diagnóstico , Radiografia Panorâmica
8.
Rev. ciênc. méd. biol ; 8(1): 33-38, jan.-abr. 2009. ilus, graf, tab
Artigo em Inglês | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-545804

RESUMO

The present investigation aims to compare the effects of fructooligosaccharides (FOS) and the hormonal replacement therapy (HRT) by estrogen on bone metabolism in ovariectomized rats. Three-month-old (276,0±3,4g body weight) Wistar female rats were submitted to an ovariectomy (OVT) procedure and after 30 days, the animals were randomLy assigned (n=10) to treatment groups for 20 days. The animals were treated with FOS (RAFTILOSE® P95) (5g/100g of diet intake/day) through intragastric intubations and/or not with hormonal replacement therapy (HRT) by synthetic â-estradiol (SIGMA/E-4389) (30ìg/kg of body weight) daily administrated by subcutaneous injection (G1 = OVT + FOS + HRT; G2 = OVT + FOS + saline; G3 = OVT + water + HRT; G4 = OVT + water + saline). The rats were fed with standard diet contend 1.3 por cento of Ca and received deionized water ad libitum. The data are expressed as the mean values ± standard error means (SEM) and analyzed by two-way ANOVA Tukey’s post-hoc test (p<0.05). Both treatments alone reduced total alkaline phosphatase activity. The FOS treatment increased the tibiae calcium, but the effect of FOS + HRT was more powerful. Radiodensity analysis supports this result too. In femur biomechanical properties, the proportional limit and resilience of FOS + HRT and FOS animals group suggest an increased effect on the bone capacity in absorbing energy. These results are also observed in the qualitative analysis of the SEM. Prebiotics substances consumption should be introduced for prevention or treatment of osteoporosis.


Assuntos
Animais , Ratos , Terapia de Reposição Hormonal , Menopausa , Osteoporose , Ovariectomia
9.
Periodontia ; 17(4): 20-23, dez. 2007.
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-524105

RESUMO

A menopausa é uma fase caracterizada pela cessação definitiva das regras menstruais da mulher. Neste período ocorre diminuição da produção hormonal, com inadequado número de folículos em funcionamento dentro dos ovários, o que favoreceo aparecimento de osteoporose (diminuição de densidade óssea) e doenças orais. Em relação à doença periodontal há controvérsias na literatura, pois alguns estudos afirmam que a densidade óssea alveolar é afetada juntamente com os outros ossos do organismo, enquanto outros negam tal relação. Devido a isso, propomo-nos neste trabalho, realizar uma revisão de literatura, com o intuito de avaliar os trabalhos existentes, que enfocam a relação da menopausa com o desenvolvimento de doenças periodontais.


Assuntos
Densidade Óssea , Menopausa , Osteoporose
10.
Periodontia ; 17(04): 20-23, Dez.2007.
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: biblio-853474

RESUMO

A menopausa é uma fase caracterizada pela cessação definitiva das regras menstruais da mulher. Neste período ocorre diminuição da produção hormonal, com inadequado número de folículos em funcionamento dentro dos ovários, o que favoreceo aparecimento de osteoporose (diminuição de densidade óssea) e doenças orais. Em relação à doença periodontal há controvérsias na literatura, pois alguns estudos afirmam que a densidade óssea alveolar é afetada juntamente com os outros ossos do organismo, enquanto outros negam tal relação. Devido a isso, propomo-nos neste trabalho, realizar uma revisão de literatura, com o intuito de avaliar os trabalhos existentes, que enfocam a relação da menopausa com o desenvolvimento de doenças periodontais.


Assuntos
Densidade Óssea , Menopausa , Osteoporose
11.
Pesqui. bras. odontopediatria clín. integr ; 7(2): 125-129, maio-ago. 2007. graf
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-495475

RESUMO

Objetivo: Analisar quantitativamente e comparativamente o fluxosalivar e a ocorrência de xerostomia em mulheres com e semmenopausa através de estudo caso-controle.Método: A amostra foi composta por 40 mulheres, divididas em umgrupo de 20 mulheres na pré-menopausa, com faixa etária entre35 e 44 anos, e um grupo de 20 mulheres na pós-menopausa, comidade variando de 51 a 80 anos. Todas as pacientes foramsubmetidas à anamnese, através de um questionário com perguntasrelativas à xerostomia, e realizada a sialometria total estimulada. Asialometria foi realizada no turno matutino, e os pacientes foramorientados a não escovar os dentes, comer, beber, fumar e evitarexercícios exagerados pelo menos 1 hora antes da coleta. A taxado fluxo salivar foi expressa em mililitros por minuto (ml/min). Osvalores foram analisados da seguinte forma: fluxo normal, de 1,0 a3,0 ml/min; baixo fluxo, de 0,7 a 1,0 ml/min; hipossalivação, menosde 0,7 ml/min. Como critério de inclusão foi considerado a nãoutilização de terapia de reposição hormonal, e como critério deexclusão, o prévio ou atual tratamento radioterápico. Foi aplicado oteste do qui-quadrado para verificar associação entre as variáveis(p<0,05).Resultados: Não houve associação significativa entre amenopausa e a xerostomia (p=0,1967), mas observou-seassociação entre a menopausa e fluxo salivar nas mulheresexaminadas (p= 0,0127), sendo essa evidente entre o fluxo normale a hipossalivação (p=0,0058).Conclusão: Parece não haver relação entre a menopausa dasmulheres com a xerostomia, no entanto, a hipossalivação estavasignificativamente associada à menopausa nas mulheres examinadas.


Assuntos
Menopausa , Salivação , Xerostomia
12.
RPG rev. pos-grad ; 13(2): 152-156, abr.-jun. 2006. tab
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-529353

RESUMO

O objetivo deste estudo foi avaliar a perda dentária em mulheres na pós-menopausa, associando-a com a densidade mineral óssea (DMO) sistêmica, afim de investigar sua relação com a osteoporose. A amostra constou de 50 pacientes da Universidade Integrada da Terceira Idade (Uniti) da UFMA, que foram divididas em três grupos: G1= osso normal; G2= osteopenia; e G3= osteoporose, de acordo com o resultado dos exames densitométricos da região lombar. Ficou constatado que as pacientes com osteoporose apresentavam significativamente menos dentes que as dos demais grupos, sendo que entre G1 e G2 não houve diferença significativa, porém houve diferença significativa entre G1 e G3 e entre G2 e G3 (teste Newman-Keuls: α = 0,05). Os resultados também mostraram fraca associação positiva significativa entre DMO lombar e a quantidade de dentes (teste de correlação de Pearson: r= 0,3546, p=0,0115). Assim, conclui-se que há associação entre a densidade mineral óssea sistêmica e a quantidade de dentes nas pacientes examinadas.


Assuntos
Humanos , Feminino , Pessoa de Meia-Idade , Densidade Óssea , Osteoporose Pós-Menopausa , Perda de Dente , Doenças Ósseas Metabólicas , Menopausa , Osteoporose
14.
Arq. odontol ; 41(02): 139-154, 2005.
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: biblio-849908

RESUMO

A osteoporose é definida como uma desordem esquelética sistêmica caracterizada por perda de massa óssea e deterioração da microarquitetura do tecido ósseo, propiciando um aumento da fragilidade óssea e a susceptibilidade à fratura. Neste trabalho será feita uma revisão de literatura sobre a relação existente entre a osteoporose e a implantodontia, abordando o papel do estrógeno na remodelação óssea com enfoque no processo de osseointegração. Esse tema tem despertado interesse no âmbito odontológico, uma vez que qualquer pertubação na relação celular equilibrada de neoformação e reabsorção poderiam alterar a quantidade e/ou qualidade do osso formado em torno da superfície do implante, prejudicando a osseointegração. Muitos pesquisadores têm estudado a relação entre osteoporose e a diminuição da massa óssea dos maxilares, com o intuito de avaliar o risco que a osteoporose oferece à implantodontia. No entanto, ainda existem controvérsias a respeito do risco de falhas de implantes osseointegrados em mulheres pós-menopausa com osteoporose e sobre a contra-indicação absoluta da instalação destes implantes osseointegrados, nesta condição. Com base na literatura revisada, é coerente concluir que a osteoporose não representa um fator de risco na implantodontia, desde que haja quantidade óssea suficiente na região receptora


Assuntos
Humanos , Feminino , Implantes Dentários , Osteoporose/complicações , Menopausa , Osseointegração , Fatores de Risco , Terapia de Reposição de Estrogênios/efeitos adversos
15.
Rev. Assoc. Paul. Cir. Dent ; 59(1): 29-34, jan.-fev. 2005. ilus, tab, graf
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-445014

RESUMO

Foi avaliada a relação entre os níveis de interleucina 1β (IL-1β) encontrados no fluido gengival crevicular de mulheres estrógeno insuficientes (E–) durante a menopausa com doença periodontal (grupo teste - GT) e os de mulheres com doença periodontal (grupo controle - GC). A média de profundidade à sondagem foi de 2,65 ± 0,62 mm para o GT e 3,42 ± 0,75 mm para o GC; a perda de inserção clínica, 3,28 ± 0,98 mm pa-ra o GT e 4,20 ± 1,04 mm pa-ra o GC; e a ausência dental, 12,24 ± 5,48 para o GT e 7,77 ± 4,48 para o GC. Com relação à concentração de IL-1β, foi encontrada uma média de 15,47 ± 15,77 pg/ml para o GT e de 21,23 ± 26,81 pg/ml para o GC. Entre os dois grupos não foi encontrada diferença estatisticamente significativa em relação aos níveis de IL-1β, entretanto houve diferença em outros parâmetros clínicos es-tu-da-dos. Os dados sugerem que, nessa população E–, a menopausa não foi considerada um fator de risco para os parâmetros estudados


Assuntos
Humanos , Feminino , Adulto , Interleucina-1 , Menopausa , Periodontite
16.
Rev. ciênc. méd. biol ; 3(1): 20-29, jan.-jun. 2004. ilus, graf
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-481927

RESUMO

A Síndrome da Ardência Bucal (SAB) é uma condição caracterizada pela sensação de queimação da mucosa bucal, sem que uma causa física possa ser detectada. Afeta principalmente mulheres na pós-menopausa, com mais de 50 anos. Diversos fatores são apontados como possíveis desencadeadores desta patologia, e muito se discute sobre a importância de fatores psicogênicos, como ansiedade e depressão, na sua etiologia. Este trabalho teve como objetivo avaliar a prevalência da SAB e sua relação com o grau de ansiedade e depressão, segundo a Escala de Depressão e Ansiedade Hospitalar (Hospital Anxiety and Depression Scale - HADS) (SNAITH; ZIGMOND, 1994 apud PATERSON et al., 1995), em indivíduos do gênero feminino de terceira idade institucionalizados em asilos da cidade do Salvador-BA. Foram avaliadas sessenta mulheres pós-menopausadas, com mais de 60 anos de idade. Destas, 57 responderam ao questionário HADS. Em relação à ansiedade, a grande maioria (54,4 por cento) demonstrou grau moderado; já no quesito depressão, a maioria (54,4 por cento) apresentou grau discreto. Três pacientes (5,26 por cento) relataram queixa de ardência na boca, das quais 83,3 por cento demonstraram grau moderado a severo de ansiedade. A maioria (66,6 por cento) das pacientes deste grupo, entretanto, apresentou discreta tendência à depressão. Com base nestes resultados, pode-se sugerir que a ansiedade pode ser um fator que contribui para o desencadeamento da SAB, na amostra avaliada. As características da SAB, assim como possíveis causas que possam explicar o quadro epidemiológico encontrado são discutidas.


Assuntos
Pessoa de Meia-Idade , Ansiedade , Depressão , Glossalgia , Menopausa , Mucosa Bucal
18.
Rev. fac. odontol. Univ. Fed. Bahia ; 26: 38-42, jan.-jun. 2003.
Artigo em Português | BBO - Odontologia | ID: biblio-857983

RESUMO

O presente trabalho buscou conhecer a correlação entre a doença periodontal e as alterações hormonais detectadas no período da menopausa e climatério. A maioria dos autores correlatados atribui a exacerbação dos sinais clínicos da periodontite na menopausa à diminuição ou cessação da atividade ovariana e da produção de hormônios gonadotróficos, pricipalmente o estrógeno e a progesterona. As principais manifestações clínicas encontradas na cavidade bucal são a perda óssea alveolar decorrente da osteoporose, levando a mobilidade dentária, dor, desconforto, ardência, secura e altarção degustativa; sendo também relatada a presença da gengivoestomatite da menopausa. Os profissionais de saúde bucal devem conhecer esses problemas que afligem as mulheres e estabelecer uma correta terapia, promovendo e mantendo a saúde bucal e, particularmente, a periodontal através do diagnóstico correto e da conscientização das pacientes


Assuntos
Humanos , Feminino , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Climatério , Menopausa , Osteoporose , Doenças Periodontais , Perda do Osso Alveolar , Gengivite
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA