Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 10 de 10
Filtrar
Mais filtros










Filtros aplicados

Tipo de estudo
Intervalo de ano de publicação
1.
Rev. bras. odontol ; 67(2): 178-182, jul.-dez. 2010. graf
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-586823

RESUMO

Descreve-se, neste artigo, o perfil demográfico da força de trabalho em Odontopediatria no estado do Rio de Janeiro. Foram utilizados dados secundários censitários referentes às variáveis sexo, município de sede e tempo de exercício profissional odontológico, obtidos em consultas à base de dados do CFO realizadas no mês de novembro de 2009. Estes dados foram cruzados com outros concernentes à população estimada e ao PIB per capita, oriundos de bases de dados do IBGE. A análise descritiva empreendida foi realizada no programa SPSS, versão 16.0. Os resultados apontam que há forte concentração de especialistas na capital e em sua região de influência e que a força de trabalho na especialidade é feminina e jovem.


This article aims to describe the demographic profile of the labor force in Pediatric Dentistry in the state of Rio de Janeiro/Brazil. Therefore, secondary data referring to gender, city of location and duration of dental practice were collected from the database of the Federal Council of Dentistry on a censitary perspective. Those data were crossed with others concerning the estimated population and the GDP per capita of each city, obtained from the National Institute of Geography andStatistics (IBGE). The databank and the statistical analysis were performed with the software SPSS for Windows 16.0. The results show that the labor force in Pediatric Dentistry in Rio de Janeiro is mostly young, feminine and highly concentrated on the larger cities.


Assuntos
Demografia , Emprego , Odontopediatria , Distribuição por Sexo
2.
Rev. bras. odontol ; 67(2): 255-259, jul.-dez. 2010. graf
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-586837

RESUMO

Descreve-se, neste artigo, o perfil demográfico da força de trabalho em Endodontia no Estado do Rio deJaneiro. Foram utilizados dados secundários censitários referentes às variáveis sexo, município de sede e tempo de exercício profissional odontológico, obtidos em consultas à base de dados do Conselho Federal de Odontologia (CFO), realizadas no mês de março de 2010. Estes dados foram cruzados com outros concernentes à população estimada e ao PIB per capita, oriundos de bases de dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística(IBGE). A análise descritiva foi realizada no programa SPSS16.0. Os resultados apontam que há forte concentração de especialistas na capital e em sua região de influência e que a força de trabalho na especialidade é majoritariamente feminina e jovem.


This article aims to describe the demographic profile of the labor force in Endodontics in the state of Rio deJaneiro/Brazil. Therefore, secondary data referring to gender, city of location and duration of dental practice were collected from the database of the Federal Council of Dentistry on a censitary perspective. Those data werecrossed with others concerning the estimated population and the GDP per capita of each city, obtained on the National Institute of Geography and Statistics. The databank and the statistical analysis were performed on the software SPSS for Windows 16.0. The results show that the labor force in Endodotics in Rio de Janeiro is mostly young, feminine and highly concentrated in the larger cities.


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Demografia , Endodontia , Emprego , Distribuição por Sexo
3.
Rev. fac. odontol. Univ. Fed. Bahia ; 37: 83-89, jul.-dez. 2008.
Artigo em Português | BBO - Odontologia | ID: biblio-858106

RESUMO

O presente artigo faz um breve histórico sobre as relações de trabalho no mundo, desde que o homem começou a viver em sociedade até o advento do capitalismo. Faz um relato das relações de trabalho nos dias de hoje, com o capitalismo desorganizado e insere o trabalho odontológico nesta discussão, colocando o papel do cooperativismo nas relações de trabalho da odontologia. As considerações finais esclarecem a necessidade dos cirurgiões-dentistas se agruparem em cooperativas para poderem competir no atual mercado de trabalho de maneira eficaz, porém democrática e solidária


Assuntos
Capitalismo , Odontologia , Emprego , Mercado de Trabalho
4.
Rev. odonto ciênc ; 20(49): 270-280, jul.-set. 2005. tab, graf
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-428108

RESUMO

O presente estudo tem como propósito, avaliar o perfil dos profissionais auxiliares da Odontologia (Atendente de Consultório Dentário e Técnico em Higiene Dental) e suas implicações no mercado de trabalho: segundo as características demográficas e profissionais ( formação e atribuições desempenhadas). A coleta de dados foi feita a partir de aplicação de 380 questionários aos participantes dos cursos nas diferentes localidades, nos anos de 2000 e 2001, para pessoal auxiliar odontológico (ACD e THD). Os resultados foram analisados estatisticamente e demonstram que os participantes são, na maioria: jovens, do sexo feminino, solteiros e com segundo grau completo. A maioria dos participantes: é ACD, não está registrada em carteira de trabalho, foi treinada pelo CD, trabalha em consultório odontológico privado. Uma minoria dos participantes: apresenta habilitação específica para a função que desempenha, está inscrita no CRO. Os dados inferem que os THDs são subutilizados no serviço, já que um número, relativamente reduzido, realiza grande parte das atividades para as quais se encontram legalmente habilitados, enquanto os ACDs, extrapolam nas atividades desempenhadas. Desta maneira podemos afirmar que se trata de um mercado de trabalho em ascensão. A obrigatoriedade de habilitação e registro no Conselho Profissional elevará os padrões dessas categorias, permitindo que a entrada para o mercado de trabalho seja através de pessoal qualificado, garantindo proteção dos interesses do público e se seguir essa tendência, esse fato também permitirá que o salário seja colocado num patamar mais elevado


Assuntos
Humanos , Assistentes de Odontologia , Emprego , Inquéritos e Questionários
5.
Rev. Assoc. Paul. Cir. Dent ; 58(1): 19-23, jan.-fev. 2004. ilus, tab, graf
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-393018

RESUMO

Importantes mudanças ocorreram no mercado de trabalho do cirurgião-dentista, sendo importante avaliar o perfil desses profissionais, contribuindo para a compreensão dos rumos da profissão. Assim, o objetivo deste estudo foi verificar o perfil profissional dos cirurgiões-dentistas formados no período de 1960 a 1997. Foram selecionados aleatoriamente ex-alunos da Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP) a partir de uma lista fornecida pela secretaria da FOP, e, assim, foram enviados, pelo correio, questionários previamente testados. Dos 217 questionários enviados, 40 por cento (n = 88) retornaram e foram divididos em dois grupos: G1 (formados há até 10 anos) e G2 (formados há mais de 10 anos). Os resultados sugerem que ocorreram mudanças em algumas características do perfil profissional do cirurgião-dentista no período de 1960 a 1997


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Odontologia , Emprego , Autonomia Profissional , Prática Profissional , Inquéritos e Questionários
6.
RPG rev. pos-grad ; 10(3): 217-226, jul.-set. 2003. tab
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-391750

RESUMO

O objetivo do presente estudo foi verificar o perfil socioeconômico dos egressos da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo (FOUSP) entre 1990 e 1998, levantando nessa população o tipo de atividade que desenvolve, o tempo de dedicação à profissão e a renda auferida. Trata-se de um estudo descritivo, observacional, tipo inquérito. Foi elaborado um questionário auto-aplicável que foi enviado a todos os cirurgiões-dentistas incritos no CROSP e egressos da FOUSP no período de 1990 a 1998. A população do estudo foi composta por 320 egressos que retornaram o questionário (34,45 por cento do total). Do total da amostra 172 (54,26 por cento) trabalhavam em consultórios odontológicos em seu primeiro ano de formado; dentre estes 50,16 por cento trabalhavam por porcentagem. Já atualmente 50,78 por cento dedicam-se ao consultório, sendo que 50,16 por cento trabalham em consultório próprio. A maioria dos profissionais trabalhava mais de 8 horas diárias e 5 ou mais dias por semana no primeiro ano pós-formatura, o que se mantém atualmente, com percentuais de 74,13 por cento e de 71,92 por cento, respectivamente. No primeiro ano de formados, 67,50 por cento ganhavam menos de R$1.000,00 por mês; já atualmente, 51,74 por cento ganham mais de R$2.000,00 por mês. Podemos concluir que a principal atividade odontológica exercida pelos participantes é o atendimento em consultório odontológico, onde a maioria trabalhou em seu primeiro ano de formado por porcentagem. Atualmente trabalham em consultórios próprios, onde realizam um turno de mais de 8 horas diárias e trabalham 5 ou mais dias por semana. Verificamos também que, quanto maior o tempo de formado do profissional, maior é sua remuneração


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Odontologia , Emprego , Odontólogos/provisão & distribução , Recursos Humanos em Odontologia , Renda , Distribuição por Sexo , Fatores Socioeconômicos , Jornada de Trabalho
7.
Rev. bras. odontol ; 59(6): 400-402, nov.-dez. 2002. tab, graf
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-331306

RESUMO

Os autores objetivaram analisar a demanda do sexo feminino por cursos de Odontologia. Foram pesquisadas as proporçöes de formandas de duas faculdades de Odontologia. Com relaçäo à Faculdade de Araçatuba/Unesp, observou-se que entre 1961-1970, 18,88 por cento dos graduandos eram muheres. No período de 1971-1980, a proporçäo foi 41,43 por cento, de 1981-1990 foi 51,1 por cento e de 1991-2000 foi 59,95 por cento. Na Faculdade de Odontologia de Lins/Unimep, para os mesmos períodos considerados, as proporçöes foram de 17,09 por cento, 36,36 por cento, 50,20 por cento e 62,83 por cento, respectivamente. Conclui-se que houve um aumento do número de mulheres na Odontologia, devendo as instituições de ensino e entidades de classes estar atentas e avaliar as consequências decorrentes no mercado de trabalho


Assuntos
Humanos , Feminino , Odontologia , Educação Superior , Emprego , Estatística , Mulheres
8.
Rev. bras. odontol ; 57(2): 118-23, mar.-abr. 2000. ilus, tab
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-271472

RESUMO

Este estudo teve por objetivo identificar os fatores que levaram a Odontologia a transformar-se numa profissäo com predomínio de profissionais do sexo feminino. Analisamos a identidade feminina nos aspectos biológicos, psicossociais e sua relaçäo com a reproduçäo da força de trabalho. Em conclusäo, podemos afirmar que o processo de transformaçäo deve-se a um conjunto de fatores econômicos/culturais e relaciona-se à busca pela igualdade de direitos sociais


Assuntos
Recursos Humanos em Odontologia , Odontologia , Emprego , Mulheres
9.
Rev. odontol. UNESP ; 25(n.esp): 9-18, jan.-dez. 1996. tab
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-197488

RESUMO

O objetivo deste trabalho foi caracterizar os cirurgiöes-dentistas com vínculo empregatício em empresas públicas e/ou privadas no município de Araraquara - SP, quanto à sua profissäo e ao seu emprego. Os dados foram coletados por meio de um questionário auto-aplicável enviado a todos os cirurgiöes-dentistas integrantes desta populaçäo de estudo. Aos profissionais que näo respondiam eram enviados novos questionários, obtendo-se, ao final, 88,3 por cento de retorno dos questionários. Os questionários mostraram que estes cirurgiöes-dentistas säo na sua maioria do sexo feminino, jovens e com poucos anos de prática profissional. Estäo mais ou menos realizados na profissäo e declararam apresentar vários problemas de saúde decorrentes de seu trabalho, entre eles, dor na coluna vertebral, estresse mental, diminuiçäo da acuidade auditiva e visual. As maiores oportunidades de emprego estäo no setor público municipal, onde o trabalho é realizado individualmente. A jornada semanal de trabalho no emprego predominante é de 20 horas, pois o profissional também se dedica à sua própria clínica odontológica


Assuntos
Emprego , Odontologia Comunitária/estatística & dados numéricos , Saúde Pública/estatística & dados numéricos , Medicina do Trabalho , Jornada de Trabalho
10.
In. Leonardo, Mario Roberto; Leal, Jayme Maurício. Endodontia: tratamento de canais radiculares. Säo Paulo, Panamericana, 2.ed; 1991. p.541-54, ilus.
Monografia em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-250768
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA