Your browser doesn't support javascript.
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 6 de 6
Filtrar
Mais filtros










Filtros aplicados

Tipo de estudo
Intervalo de ano de publicação
1.
Belo Horizonte; s.n; 2017. 75 p. ilus, tab, graf.
Tese em Português | BBO - Odontologia | ID: biblio-908678

RESUMO

OBJETIVOS: Avaliar o capital social de adolescentes e verificar a associação dos domínios: coesão social na escola, rede de amigos na escola, coesão social no bairro/vizinhança e confiança na escola e no bairro/vizinhança com fatores de condições de vida e participação em atividades coletivas. MÉTODOS: Estudo transversal realizado no município de Nova Lima, em Minas Gerais, em que se aplicou um questionário validado ­ SCQ-AS (PAIVA et al., 2014) para mensurar o capital social dos estudantes do sétimo ano de escolas públicas e privadas da região central do município. A amostra correspondeu a 335 adolescentes. Os pais dos alunos responderam um questionário autoaplicável sobre condições de vida e participação dos filhos em atividades coletivas. O capital social foi considerado variável dependente e a análise foi realizada por domínio. Realizouse teste qui-quadrado entre cada domínio e as variáveis independentes e regressão logística múltipla para confirmar a associação entre os domínios e as variáveis que apresentaram valor de p≤0.20 na análise bivariada. RESULTADOS: Observou-se maior frequência de coesão social na escola entre os adolescentes de escolas privadas (OR= 4.08; IC 95% 1.39 ­ 11.96) e de famílias com renda entre um a três salários mínimos (OR= 2.45; IC 95% 1.39 ­ 4.28) e menor frequência de coesão social entre adolescentes do sexo masculino (OR=0.41; IC 95% 0.18 ­ 0.90) e que não praticavam esportes (OR=0.43; IC 95% 0.20 ­ 0.94). A maior rede de amigos na escola foi encontrada entre os adolescentes que possuíam pais vivendo juntos (OR= 2.21; IC 95% 1.28 ­ 3.78). A maior frequência de confiança na escola e bairro/vizinhança foi verificada entre os adolescentes de escolas privadas (OR=2.71; IC 95% 1.16 ­ 6.32). O domínio coesão social no bairro/vizinhança não apresentou associação com nenhuma das variáveis independentes. CONCLUSÕES: Estudar em escola privada e ter renda familiar de 1 a 3 salários mínimos pode impulsionar a coesão social na escola, bem como praticar atividade esportiva. A escola privada pode reforçar a confiança na escola/bairro. Os pais viverem juntos pode favorecer maior rede de amigos.(AU)


OBJECTIVES: This study aimed to analyze the adolescents social capital and verify the association of the domains: social cohesion in the school, friends network in the school, social cohesion in the neighborhood and trust in the school and in the neighborhood with factors of living conditions and participation in collective activities. METHODS: A transversal study was developed at Nova Lima city in Minas Gerais, Brazil. A validated questionnaire (PAIVA et al., 2014) was applied to measure the seventh grade students social capital of the public and private schools located in the city central region. The sample consisted of 335 adolescents. The students' parents answered a self-administered questionnaire about the conditions of life and participation in collective activities. The social capital was considered a dependent variable and the analysis was performed by domain. The chi-square test was performed between each domain and the independent variables and multiple logistic regression was applied to confirm the association between the domains and the variables that presented a p≤0.20 value in the bivariate analysis. RESULTS: There was a higher frequency of school social cohesion among adolescents in private schools (OR = 4.08, 95% CI 1.39 to 11.96) and families with income between one and three minimum wages (OR = 2.45, 95% CI 1.39 - 4.28) and lower frequency of social cohesion among male adolescents (OR = 0.41, 95% CI 0.18 - 0.90) and who did not practice sports (OR = 0.43, 95% CI 0.20-0.94). The largest network of friends at school was found among adolescents who had parents living together (OR = 2.21; 95% CI 1.28 - 3.78). The highest frequency of confidence in school and neighborhood was verified among adolescents from private schools (OR = 2.71; 95% CI 1.16 - 6.32). The social cohesion domain in the neighborhood was not associated with any of the independent variables. CONCLUSIONS: Adolescents' social capital may be related to their living conditions and participation in collective activities and it is a resource that deserves to be better explored during this phase of life.(AU)


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Adolescente , Adolescente , Capital Social , Condições Sociais , Rede Social , Participação Social , Estudos Transversais , Renda , Inquéritos e Questionários
2.
Natal; s.n; dez. 2014. 63 p. tab, ilus. (BR).
Tese em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: biblio-867392

RESUMO

Os programas de transferência condicionada de renda estão disseminados em países em desenvolvimento na América Latina com ênfase no Brasil como um novo paradigma nas políticas sociais para erradicação da pobreza. Consistem no repasse de recusros monetários de renda do governo diretamente para familias pobres mediante cumprimento das condicionalidades em educação e saúde. Na saúde, memos com variçãoes entre os países as condicionalidades tem como público alvo gestantes e crianças com vistas à redução de indicadores de saúde da criança, como cescimento e desenvolvimento, mortalidade infantil e incemento do pré-natal. Os objetivos deste trabalho são comparar o programa de transferencia condicionada de renda brasileiro, o Bolsa Familia e os programas semelhantes na América Latina em relação aos seus efeitos no crescimento e desenvolvimento de crianças até 7 anos de idade e avaliar a prevalencia das condicionalidades em saúde da mulher e da criança entre usuárias dos serviços de saúde brasileiros cujas equipes aderiram ao Programa de Acesso e Qualidade da Aenção Básica (PMAQ). Para o primeiro objetivo foi realizada uma revisão sistemática onde selecionaram-se dez artigos entre mais de mil encontrados nas bases de dados Embase, Pubmed, Scopus, Scielo e Lilacs. Os artigos são estudos epidemiológicos observacionais dos tipos descritivos transversais e analíticos de coorte e casos-controle. Para o estudo de prevalencia, análise estatística utilizou a regressão de Poisson com variância robusta para investigar como a prevalência do cumprimento das condicionalidades na área de saúde foi influenciada pelas diversas variáveis explicativas.


Foram estimadas razões de prevalências brutas e ajustadas, com seus respectivos intervalos de confiança de 95%. O cadastro no programa bolsa família foi considerado como principal variável de exposição. As variáveis de confundimento foram: idade da mãe, escolaridade, raça/cor, saber ler, viver sozinha e região de moradia. Na análise dos dados foi utilizado o software R 3.0.1 (RDevelopment Core Team, 2013). Em relação a comparação do Bolsa Familia com demais programas da América Latina, a revisão mostrou resultados semelhantes quanto ao efeito positivo dos programas de transferência de renda no estado nutricional de crianças beneficiárias, sendo que estes efeitos são mais evidenciados em crianças menores de dois anos de idade, bem como pertencentes às famílias de mais baixo nível socioeconômico. Para a prevalencia das condicionalidades entres os diferentes grupos de usuárias do Bolsa Família e não usuárias Os resultados apontaram que não houve diferença estatística significativa entre respondentes (com filhos menores de dois anos) cadastrados e não cadastrados no PBF quanto às questões referentes aos seguintes aspectos: cumprimento do calendário vacinal da criança, realização de pelo menos sete consultas de pré natal, realização do acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança e receber orientação da equipe de saúde quanto a alimentação da criança. Conlui-se de um lado que aumento de renda mínima para familias de exterma pobreza mostrou impacto possitivo na saúde das cranças no Brasil e América Latina. Do outro não confirmou, no Brasil, uma incremento das condicionalidades expressas numa utlização dos serviços de atenção básica por parte das usuárias do Bolsa Familia


Assuntos
Saúde da Criança , Renda , Atenção Primária à Saúde , Política Pública , Programas Governamentais/economia , Brasil , Pobreza , Política Pública , Mobilidade Social
3.
Rev. odonto ciênc ; 25(4): 339-343, oct.-dec. 2010. tab, graf
Artigo em Inglês | LILACS, BBO - Odontologia | ID: biblio-874245

RESUMO

Purpose: To compare the caries prevalence, saliva buffering capacity (SBC), oral hygiene (OH), dietary habits, family income (FI) and frequency of visits to a dental office (Do) between Brazilian children living in areas with and without fluoridated public water supply. Methods: Forty-six 5-7-year-old preschoolers were selected in Itatiba, SP, Brazil; 19 were from a fluoridated area, and 27 were from a non-fluoridated area. The caries index was determined according to the World Health Organization criteria, and the SBC was assessed by titration with hydrochloric acid. The FI, frequency of OH and visits to Do were estimated by questionnaire. The dietary habits were assessed with a diet chart. The differences between the groups were analyzed with Mann-Whitney-U tests (α=0.05). Results: Children from the non-fluoridated area showed significantly higher dmft/DMFT than those from the fluoridated area, but they showed significantly lower SBC, OH frequency and FI. No significant differences were observed between the areas for dietary habits and visits to Do. Conclusion: Children from fluoridated areas showed higher salivary buffering capacity, family income and oral hygiene frequency as well as lower caries prevalence, supporting the beneficial effect of fluoride in the tap water for caries prevention.


Objetivo: Comparar prevalência de cárie, capacidade tamponante da saliva (CTS), higiene bucal (HB), hábitos dietéticos, renda familiar (RF) e frequência de visita a consultórios odontológicos (Co) entre crianças brasileiras residentes em áreas de água de abastecimento público fluoretadas e não fluoretadas. Metodologia: Quarenta e seis crianças entre 5-7 anos foram selecionadas em Itatiba-SP-Brasil, sendo 19 pertencentes à área fluoretada e 27 à área não fluoretada. O índice de cárie foi determinado de acordo com o critério da Organização Mundial de Saúde e a CTS foi medida por titulação com ácido clorídrico. A RF, frequência de HB e visita ao Co foram estimadas por questionário. Os hábitos dietéticos foram avaliados com diário de dieta. As diferenças entre as variáveis foram analisadas pelo teste de Mann Whitney (α=0,05). Resultados: As crianças da área não fluoretada apresentaram significativamente maior ceod/CPOD que àquelas da área fluoretada, porém significativamente menor CTS, HB e RF. Com relação a hábitos dietéticos e visitas ao Co, não foi observada diferença significativa entre as áreas. Conclusão: As crianças da área fluoretada apresentaram maior capacidade tamponante da saliva, renda familiar e frequência de higiene bucal, assim como menor prevalência de cárie, reforçando o efeito benéfico do flúor nas águas de abastecimento para prevenir a cárie.


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Pré-Escolar , Criança , Cárie Dentária/epidemiologia , Fluoretação , Comportamento Alimentar , Renda , Higiene Bucal , Saliva , Inquéritos e Questionários
4.
Rev. Assoc. Paul. Cir. Dent ; 61(6): 480-484, nov.-dez. 2007. tab, graf
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-540235

RESUMO

O objetivo deste estudo foi avaliar os isolados de S. mutans da saliva em nove familias, atendidas pelo PSF de Curitiba, e compará-Ios ao padrão de desenvolvimento da doença e condições socioeconômicas. A análise microbiológica da saliva foi realizada, por estimativa de UFC/ml e bioquimismo. A análise epidemiológica foi realizada (CPO-D e ceo-d), com investigação do consumo de sacarose e higiene bucal. Detectou-se a presença S. mutans (88%) e S. sobrinus (12%). Métodos estatísticos multivariados foram utilizados, estando a cárie ativa fortemente correlacionada ao alto consumo de sacarose, alta concentração de UFC/ml de saliva e multicolonização por S. mutans. Não houve correlação entre renda e epidemiologia da doença, porém o fator escolaridade dos pais apresentou relação significativa e positiva com baixo consumo de sacarose.


The goal of the present study was to evaluate isolates of S. mutans in the saliva of nine families that were patients of the PSF of Curitiba, and to compare them according to severity of disease and socio-economic level of the family. A microbiological analysis of the saliva was conducted through an estimate of CFUs/mL, and biochemism. An epidemiological analysis was carried out (CPO-D and ceo-d), and studying saccharose consumption and mouth hygiene. S. mutans (88%) and S. sobrinus (12%) were detected. Through the multivariate analysis active caries was strongly associated with high saccharose consumption, high concentration and multicolonization by S. mutans. There was no correlation between family income and the epidemiology of the disease, although the education level of the parents was strongly associated with saccharose consumption.


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Lactente , Pré-Escolar , Criança , Adolescente , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Cárie Dentária/epidemiologia , Higiene Bucal , Renda/estatística & dados numéricos , Streptococcus mutans , Sacarose/administração & dosagem
5.
Periodontia ; 15(3): 30-38, jul.-set. 2005. tab, graf
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-500797

RESUMO

Este estudo transversal teve como propósito avaliar a distribuição e padrão intrafamiliar da doença periodontal e sua inter-relação com as variáveis de risco sociais e comportamentais. Assim, 40 pacientes com doença periodontal (DP) foram selecionados no setor de triagem da PUCMinas. Foram formados dois grupos: grupo PA com 20 indivíduos com periodontite agressiva e grupo PC com 20 indivíduos com periodontite crônica (probandos). A partir desses, um total de 138 familiares com parentesco de primeiro grau, foi submetido a exame clínico periodontal e entrevista com um formulário sobre as variáveis de risco sociais e comportamentais (tabagismo, estresse e hábitos de higiene bucal).Os resultados mostraram alta prevalência de DP nos familiares do grupo PA com 56,5% dos indivíduos afetados e 43,5% no grupo PC. O tabagismo revelou-se prevalente em probandos (35%) e familiares do grupo PA e PC apresentaram, respectivamente, um risco relativo na relação tabagismo e periodontite de 1,96 (p< 0,004) e 2,5 (p< 0,005). Eventos psicoemocionais negativos foram, freqüentemente, relatados de forma descritiva em probandos e familiares. Neste sentido, este estudo ressalta a importância da implementação da análise de variáveis de risco e estratégias de diagnóstico e prevenção em familiares de probandos com periodontite.


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Adolescente , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Doenças Periodontais , Fatores de Risco , Renda , Grupo Social , Tabaco/efeitos adversos
6.
RPG rev. pos-grad ; 10(3): 217-226, jul.-set. 2003. tab
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-391750

RESUMO

O objetivo do presente estudo foi verificar o perfil socioeconômico dos egressos da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo (FOUSP) entre 1990 e 1998, levantando nessa população o tipo de atividade que desenvolve, o tempo de dedicação à profissão e a renda auferida. Trata-se de um estudo descritivo, observacional, tipo inquérito. Foi elaborado um questionário auto-aplicável que foi enviado a todos os cirurgiões-dentistas incritos no CROSP e egressos da FOUSP no período de 1990 a 1998. A população do estudo foi composta por 320 egressos que retornaram o questionário (34,45 por cento do total). Do total da amostra 172 (54,26 por cento) trabalhavam em consultórios odontológicos em seu primeiro ano de formado; dentre estes 50,16 por cento trabalhavam por porcentagem. Já atualmente 50,78 por cento dedicam-se ao consultório, sendo que 50,16 por cento trabalham em consultório próprio. A maioria dos profissionais trabalhava mais de 8 horas diárias e 5 ou mais dias por semana no primeiro ano pós-formatura, o que se mantém atualmente, com percentuais de 74,13 por cento e de 71,92 por cento, respectivamente. No primeiro ano de formados, 67,50 por cento ganhavam menos de R$1.000,00 por mês; já atualmente, 51,74 por cento ganham mais de R$2.000,00 por mês. Podemos concluir que a principal atividade odontológica exercida pelos participantes é o atendimento em consultório odontológico, onde a maioria trabalhou em seu primeiro ano de formado por porcentagem. Atualmente trabalham em consultórios próprios, onde realizam um turno de mais de 8 horas diárias e trabalham 5 ou mais dias por semana. Verificamos também que, quanto maior o tempo de formado do profissional, maior é sua remuneração


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Odontologia , Emprego , Odontólogos/provisão & distribução , Recursos Humanos em Odontologia , Renda , Distribuição por Sexo , Fatores Socioeconômicos , Jornada de Trabalho
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA