Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 20 de 37
Filtrar
Mais filtros










Filtros aplicados

Intervalo de ano de publicação
1.
Rev. Ciênc. Plur ; 6(2): 82-100, 2020.
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: biblio-1100313

RESUMO

Introdução:Não há como negar que a morte constitui uma realidade comum nos hospitais, especialmente em setores como Unidades de Terapia Intensiva. Apesar da morte fazer parte do ciclo natural da vida, os profissionais de Enfermagem, geralmente, não são adequadamente preparados para lidar com ela, o que muitas vezes gera sentimentos de sofrimento. Durante a formação acadêmica,o tema morte é pouco abordado e o profissional é incentivado a acreditar que somente a cura e a recuperação do paciente são características de um bom cuidado.Objetivo:Conhecer e explorar as vivências emocionais pregressas dos enfermeiros perante a finitude/morte e o processo de morrer em cuidados intensivos.Método:Estudo exploratório, descritivo de abordagem qualitativa. Utilizou-se como instrumento um roteiro contendo 4 perguntas abertas. Foram entrevistados 10profissionais enfermeiros que fazem parte do quadro de funcionários daUnidade de Terapia Intensiva de um Hospital do Agreste de Pernambuco. Resultados:Os resultados apontaram que a maior parte dos entrevistados referiu como sentimento negativo a tristeza diante do paciente em finitude, e como sentimento positivo compaixão. A principal dificuldade perante o doente em finitude foi a ausência de protocolos que definem e dão continuidade ao cuidado paliativo. O conforto como objetivo para aliviar a dor e sofrimento foi elencado como principal método para lidar com paciente em finitude. Constatou-se ainda o despreparo dos enfermeiros na graduação perante o processo de morrer. Conclusões:As vivências dos enfermeiros perante a finitude podem causar adoecimento, visto que ainda se predominamsentimentos negativos na assistência, fato que pode ser explicado pela falta de preparação durante a graduação para lidar com a finitude/morte. Ainda há barreiras para implementar o cuidado paliativonasunidades de terapia intensiva, e associado a isto se tem a falta de compreensãopor parte dos profissionais enfermeirosnaparticipação da implementaçãodos cuidados paliativos (AU).


Introduction:There is no denying that death is a common reality in hospitals, especially in sectors such as Intensive Care Units. Although death is part of the natural life cycle, nursing professionals are generally not adequately prepared to deal with it, which often generates feelings of suffering. During the academic training, the subject of death is little addressed and the professional is encouraged to believe that only the cure and recovery of the patient are characteristics of good care. Objective:To know and explore the nurses past emotional experiences in the face of finitude/death and the process of dying in intensive care. Methods:It is an exploratory study, descriptive of qualitative approach. A roadmap containing 4 open questions was used as a tool. We interviewed 10 nursing professionals who are part of the staff of the Intensive Care Unit of a Hospital do Agreste de Pernambuco.Results:The results pointed out that most of the interviewees referred as negative feeling the sadness before the patient in finitude, and as positive feeling compassion. The main difficulty facing the finite patient was the absence of protocols that define and provide continuity to palliative care. Comfort as an objective to relieve pain and suffering was listed as the main method to deal with patients in finitude. It was also found that nurses were unprepared to die at the time of graduation.Conclusions:Nurses experiences with finitude can cause illness, since negative feelings still prevail in care, which can be explained by the lack of preparation during graduation to deal with finiteness/death. There are still barriers to implement palliative care in intensive care units andassociated with this is the lack of understanding on the part of nursing professionals in participating in the implementation of palliative care (AU).


Introducción:No se puede negar que la muerte es una realidad común en los hospitales, especialmente en sectores como las Unidades de Cuidados Intensivos (UCI). Aunque la muerte forma parte del ciclo natural de la vida, los profesionales de la enfermería no suelen estar adecuadamente preparados para afrontarla, lo que suele generar sentimientos de sufrimiento. Durante la formación académica, el tema de la muerte se aborda poco y se alienta al profesional a creer que sólo la curación y la recuperación del paciente son características de una buena atención.Objetivo:Conocer y explorar las experiencias emocionales previas de las enfermeras con la finitud/muerte y el proceso de morir en cuidados intensivos.Metodología: Se trata de un estudio exploratorio, descriptivo de unenfoque cualitativo. Se utilizó como instrumento un guión que contenía 4 preguntas abiertas. Entrevistamos a 10 enfermeras que forman parte de la UCI del Hospital do Agreste de Pernambuco. Resultados: Los resultados mostraron que la mayoría de los entrevistados se refirieron como un sentimiento negativo a la tristeza en el cuidado del paciente en finitud. La principal dificultad ante el paciente en finitud era la ausencia de protocolos clínicos de cuidados paliativos. También se observó la falta de preparación de las enfermeras en el proceso de graduación para morir.Conclusiones: Las experiencias de las enfermeras con la finitud pueden causar enfermedades, ya que los sentimientos negativos siguen predominando en los cuidados, lo que puede explicarse por lafalta de preparación durante la graduación para hacer frente a la finitud. Todavía existen obstáculos para aplicar los cuidados paliativos en las unidades de cuidados intensivos y, en relación con ello, hay una falta de comprensión por parte de los profesionales de la enfermería para participar en la aplicación de los cuidados paliativos (AU).


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Cuidados Paliativos , Morte , Unidades de Terapia Intensiva , Enfermeiros , Dor , Brasil , Pesquisa Qualitativa , Emoções
2.
Braz. dent. sci ; 23(2,supl): 1-9, 2020. ilus
Artigo em Inglês | LILACS, BBO - Odontologia | ID: biblio-1100201

RESUMO

Introduction: The COVID19 pandemic brought a new panorama for the realization of dental treatment for the general population due to the risk of cross infection in the dental office, aerosol formation and insertion of new personal protective equipment. Emergency and emergency dental criteria were defined to limit the flow of patients in the office in order to improve biosafety conditions among patients. Objective: to describe the dental procedures pertinent to outpatient special care or during hospitalization in the COVID19 pandemic, changes in care and implement biosecurity criteria. Basic procedures: The dental care of the special patient suffers changes, mainly referring to the difficulty of access to the offices, interruption of the conditioning process and difficulty to perform outpatient sedation and sedation with nitrous oxide. Dental care during hospitalization is essential in this patient due to prolonged time of tracheal oro intubation, traumatic oral lesions, preparation of specific oral care protocols, removal of mouth infectious and installation of mouth protectors. Conclusion: Change of care, inclusion of individual protection equipment and new knowledge about the COVID19 allows us to safely assist the patient with special needs both in the dental office and in hospital environment, providing quality of life, oral comfort and reducing oral infections during and after the pandemic. (AU)


Introdução: A pandemia por COVID19 trouxe um novo panorama para a realização do tratamento odontológico para a população em geral devido ao risco de infecção cruzada no consultório odontológico, formação de aerossóis e inserção de novos equipamentos de proteção individual. Critérios de emergência e urgência odontológicos foram definidos para limitar o fluxo de pacientes no consultório com o objetivo de melhoras as condições de biossegurança entre os pacientes. Objetivo: Citar os procedimentos odontológicos pertinentes ao atendimento de paciente com necessidades especiais em âmbito ambulatorial ou hospitalar durante a pandemia por COVID19, alterações nos fluxos de atendimentos e cuidados inerentes a assistência. Procedimentos básicos: O atendimento odontológico do paciente com necessidades especiais sofreu alterações, principalmente referente a dificuldade de acesso aos consultórios, interrupção do processo de condicionamento e dificuldade para a realização de sedação ambulatorial e sedação com óxido nitroso. A assistência odontológica durante a hospitalização por COVID19 é fundamental devido ao tempo prolongado de intubação oro traqueal - lesões orais traumáticas, elaboração de protocolos de cuidados bucais específicos, remoção de focos infecciosos bucais e instalação de protetores bucais. Conclusão: Mudanças nas rotinas de atendimento, inclusão de equipamentos de proteção individual e de novos conhecimentos sobre a COVID19 faz com que possamos atender com segurança o paciente com necessidades especiais tanto no consultório odontológico quando em ambiente hospitalar, proporcionando qualidade de vida, conforto oral e redução das infecções bucais durante e após a pandemia. (AU)


Assuntos
Assistência Odontológica , Determinação de Necessidades de Cuidados de Saúde , Unidade Hospitalar de Odontologia , Pandemias , Hospitais Especializados , Unidades de Terapia Intensiva
3.
Periodontia ; 29(2): 65-72, 2019.
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: biblio-1008166

RESUMO

Classifica-se a pneumonia em pneumonia adquirida na comunidade e pneumonia nosocomial (PN). O desenvolvimento da PN ocorre no intervalo entre 48 e 72 horas depois de que os pacientes tenham adentrado ao ambiente hospitalar. Doenças periodontais (DP) são doenças infecciosas, assintomáticas, de caráter crônico, que ocorrem oriundo da exposição do hospedeiro a ação de bactérias. DP são constituídas por bactérias que são estruturadoras do biofilme dentário. O objetivo do presente artigo foi averiguar como pode ocorrer possivelmente associação entre biofilme dentário, doenças periodontais e desenvolvimento da PN. Realizou-se estudo de revisão bibliográfica com busca nas bases de dados bibliográficas: PubMED, LILACS, Google Acadêmico de estudos e artigos que versavam sobre o relacionamento existente entre a ação do biofilme dentário e das DPs sobre a PN, uma vez coexistindo concomitantemente num mesmo paciente. Relacionado a data de publicação dos trabalhos levantados, somente no Google Acadêmico considerou-se como limite, publicações realizadas entre 2014 e 2018. No PubMED e no LILACS considerou-se todo o acervo publicado e disponível nas bases para consulta, independentemente da data de publicação. Sabe-se que tanto nas DP como nas doenças pulmonares crônicas existem microrganismos similares que agem como fator etiológico. A PN é um problema de Saúde Pública que onera o Estado, devido aos gastos dispendidos com seu tratamento, envolvendo inclusive internações hospitalares. Uma abordagem odontológica preventiva promove uma relação custo-benefício satisfatória, uma vez que pode agir, minimizando o relacionamento da PN com a ação do biofilme dentário e das DPs. (AU)


We classify pneumonia in community-acquired pneumonia and nosocomial pneumonia (PN). PN develops within 48 to 72 hours after patients have entered the hospital setting. Periodontal diseases (PD) are asymptomatic, chronic infectious diseases that occur from exposure of the host to the action of bacteria. PD are composed of bacteria, these bacteria are structures of the dental biofilm. The aim of the present article was to investigate the possible association between dental biofilm, periodontal diseases and PN development. A bibliographic review was carried out with a search in the bibliographic databases: PubMED, LILACS, Google Academic studies and articles that dealt with the relationship between the action of dental biofilm and PDs on PN, once coexisting concomitantly in the same patient. Regarding the date of publication of the works submitted, only in Google Scholar was considered as limit, publications made between 2014 and 2018. In PubMED and LILACS all the collection published and available in the bases for consultation, regardless of the date of publication. It is known that both PD and chronic lung diseases have similar microorganisms that act as an etiological factor. PN is a Public Health problem that burden the State, due to the expenses incurred with its treatment, including hospital admissions. A preventive dental approach promotes a satisfactory cost-benefit ratio, since it can act, minimizing the PN relationship with the action of the dental biofilm and PDs. (AU)


Assuntos
Higiene Bucal , Doenças Periodontais , Pneumonia , Infecção Hospitalar , Biofilmes , Unidades de Terapia Intensiva
4.
Rev. Cient. CRO-RJ (Online) ; 4(3): 25-31, 2019.
Artigo em Inglês | LILACS, BBO - Odontologia | ID: biblio-1052190

RESUMO

Introduction: Patients in intensive care unit (ICU) may present oral alterations asa result of patients' systemic conditions, the use of medications, intubation orpoor oral hygiene. Oral alterations should be detected and treated because theymay aggravate patients' condition. The objective of this study was to evaluate thetypes and frequencies of clinically detected oral alterations in inpatients of an ICU.Methods: This is a cross-sectional study in which an oral evaluation of patientshospitalized in an ICU of a public hospital was performed. Demographic, socialand clinical characteristics were collected from medical records. Oral examswere performed by two trained dentists, with reliability checked by intra-classcorrelation coefficient, while patients were lying in the hospital bed, using a frontalheadlamp, tongue depressor and sterile gauze. All data were recorded in studyprotocol forms and transferred to a data base for analysis. Results: Thirty-sevenpatients, with similar distribution between genders, withmedian age of 62 yearswere evaluated. The most frequent causes for hospitalization were postoperativecare (51.35%) and respiratory problems (29.72%). About 90% of the inpatientspresented some type of oral alterations during the hospitalization period. Themost common clinical alterations were dry lips (86.5%); coated tongue (61.1%);paleness of the oral mucosa (54.1%); oral foci of infection (37.8%) and candidiasis(13.5%). Conclusion: The majority of inpatients of the ICU presented some type oforal alteration, and the most frequent were dry lips and coated tongue. Dataobserved in this study reinforce the need of the dental team support during theperiod of hospitalization.


Introdução: Pacientes em unidade de terapia intensiva (UTI) podem apresentaralterações orais como resultado das condições sistêmicas dos pacientes, uso demedicamentos, intubação ou falta de higiene bucal. Alterações orais devem serdetectadas e tratadas, pois podem agravar a condição do paciente. O objetivodeste estudo foi avaliar os tipos e frequências de alterações orais clinicamentedetectadas em pacientes internados em uma UTI. Métodos: Estudo transversalem que foi realizada avaliação oral de pacientes internados em uma UTI de umhospital público. Características demográficas, sociais e clínicas foram coletadasdos prontuários médicos. Os exames orais foram realizados por dois dentistastreinados, com confiabilidade verificada pelo coeficiente de correlação intra-classe, enquanto os pacientes estavam deitados na cama do hospital, utilizandofrontal, abaixador de língua e gaze estéril. Todos os dados foram registrados emformulários de protocolo do estudo e transferidos para uma base de dados paraanálise. Resultados: Foram avaliados 37 pacientes, com distribuição semelhanteentre os sexos, com mediana de idade de 62 anos. As causas mais frequentes deinternação foram cuidados pós-operatórios (51,35%) e problemas respiratórios(29,72%). Cerca de 90% dos pacientes internados apresentaram algum tipo dealteração bucal durante o período de internação. As alterações clínicas maiscomuns foram lábios secos (86,5%); língua (61,1%); palidez da mucosa oral (54,1%);focos orais de infecção (37,8%) e candidíase (13,5%). Conclusão: A maioria dospacientes internados em UTI apresentou algum tipo de alteração oral, sendo osmais frequentes lábios secos e língua. Os dados observados neste estudo reforçama necessidade do apoio da equipe odontológica durante o período de internação.


Assuntos
Manifestações Bucais , Saliva , Úlceras Orais , Unidades de Terapia Intensiva , Mucosa Bucal
5.
São Paulo; s.n; 20190000. 90 p.
Tese em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: biblio-1049997

RESUMO

A cavidade oral constitui um reservatório de microrganismos patogênicos que podem impactar negativamente nas condições sistêmicas de pacientes internados na UTI. Alterações salivares e modificações da microbiota oral podem expor o paciente a infecções nosocomiais, as quais podem ter alta morbidade e mortalidade. Apesar do conhecimento da existência dessas alterações, não existem dados conclusivos acerca da frequência de alterações salivares e de lesões infecciosas oportunistas orais em pacientes internados em UTI, particularmente de pacientes idosos. O impacto de cuidados orais padronizados no ambiente da UTI também é pouco conhecido no tocante a essas condições na cavidade oral. O objetivo do presente trabalho foi detectar a frequência e os fatores de risco para infecções oportunistas não-odontogênicas e para desidratação na cavidade oral em pacientes adultos e idosos internados em UTI, antes e após a instauração de cuidados orais padronizados. Para tanto, foram coletadas retrospectivamente informações de prontuários de 254 pacientes adultos e idosos, internados na UTI Geral do Hospital Vila Lobos, São Paulo, SP, referentes a: motivo de internação na UTI, índice de comorbidade, medicamentos em uso, desenvolvimento de sepse durante a internação, grau de consciência do paciente e duração da internação. Foram também coletadas informações quanto às condições da cavidade oral no tocante a: lesões orais sugestivas de infecções bacterianas, fúngicas ou virais oportunistas, aspecto clínico de boca seca (desidratação da mucosa oral), dados acerca da existência ou não de função de deglutição, e uso de próteses na UTI. Os prontuários selecionados foram referentes a dois períodos distintos do setor da UTI, um no qual não havia a instituição de protocolos orais padronizados e realizados por cirurgião-dentista (n=127), e outro em que esses protocolos já tinham sido instituídos (n=127). Os prontuários selecionados foram principalmente de pacientes idosos (mediana de 79 anos de idade), internados principalmente devido a doenças do trato respiratório, com alto índice de morbidade (mediana igual a 5 do índice de Charlson) e com alta frequência de polifármacia (72,8%). Esses pacientes exibiram uma frequência de 58,3% e 74,0% (p=0.024) de desidratação na mucosa oral, respectivamente para os períodos sem e com protocolos orais padronizados. Os fatores associados à desidratação na mucosa oral foram idade maior que 79 anos, índice de Charlson maior que 5, o fato de o paciente não estar contactuante na UTI, ter sido internado por distúrbios cardiocirculatórios e estar sob medicação com anti-hipertensivos. Em 28,3% dos pacientes do período sem cuidados orais padronizados e em 7,87% dos pacientes nos quais foram realizados esses cuidados, foram detectadas lesões compatíveis com infecções fúngicas e virais, havendo diferenças significativas entre os dois períodos (p<0.001), e redução do risco das mesmas em 19,9% após a instituição dos cuidados orais. Os fatores de risco para as infecções oportunistas foram internação devido a distúrbios cardiocirculatórios e estar sob uso de seis ou mais medicações. Concluiu-se que os fatores de risco para a desidratação na mucosa oral e para infecções oportunistas estão mais relacionados a uso de medicamentos e a condições de morbidade do paciente, do que propriamente dependentes da existência ou não de próteses dentárias e da função de deglutição. Além disso, o protocolo de cuidados orais padronizados reduziu significativamente o risco de infecções fúngicas na cavidade oral, em um contexto em que predominaram alta comorbidade e pacientes idosos internados por longo tempo na UTI.


Assuntos
Infecções Oportunistas , Idoso , Unidades de Terapia Intensiva
6.
Rev. Ciênc. Plur ; 5(3): 103-119, 2019. tab
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: biblio-1047379

RESUMO

Introdução:O transporte intra-hospitalar é necessário para a realização de testes diagnósticos (tomografia computadorizada, ressonância nuclear magnética, angiografias, dentre outros para intervenções terapêuticas (como para o centro cirúrgico) ou para a internação em centro de terapia intensiva (CTI). Objetivo:Elucidar as implicações do transporte intra-hospitalar na segurança do paciente.Metodologia:Estudo bibliográfico, descritivo, do tipo revisão integrativa no período de 2008 a 2017,realizado durante outubro a novembro nas bases de dados IBECS, LILACS e BDENF.Construídoa partir de seis etapas.Analisaram-se os estudos a partir da leitura dos títulos, resumos e dos artigos completos que respondessem o objetivo proposto,seguindo dasíntese dosresultados dos 4artigos selecionadose apresentadosde forma descritiva em tabelas. Consideraram-se as categorias temáticas que emergiram da Técnica de Análise de Conteúdo após a análise dos artigos. Resultados:Observou-se nos estudos selecionados queas implicações no transporte do paciente envolvem eventos adversos como ainstabilidade hemodinâmicae respiratória e falta de recursos humanos capacitados e materiais com bom funcionamento, sendo necessário implementar protocolosde segurança do paciente por meio de um planejamentoe comunicação eficiente e utilização de checklist.Conclusões:Recomenda-se a padronização das ações dos profissionais envolvidos no transporte e a previsão e provisão dos equipamentos necessários para monitorização clínica do paciente, minimizando os eventos adversos e obtendo-se a excelência do atendimento e segurança do paciente. Destaca-se a necessidade de novos estudos que implementem novos protocolos assistenciais para a segurança do paciente no transporte intra-hospitalar (AU).


Introduction:In-hospital transport is required for diagnostic tests (computed tomography, nuclear magnetic resonance, angiography, among others for therapeutic interventions (such as for the operating room) or for intensive care unit (ICU) hospitalization.Objective:To clarify the implications of intrahospitaltransport on patient safety.Methodology:Bibliographic descriptive study of the integrative review type from 2008 to 2017, conducted during October to November in the IBECS, LILACS and BDENF databases. Built from six steps. The studies were analyzed by reading the titles, abstracts and complete articles that met the proposed objective, following the synthesis of the results of the 4 selected articles and presented descriptively in tables. The thematic categories that emerged from the Content Analysis Technique after the analysis of the articles were considered.Results:It was observed in the selected studies that the implications for patient transport involve adverse events such as hemodynamic and respiratory instability and lack of trained human resources and well-functioning materials. It is necessary to implement patient safety protocols through efficient planning and communication. and use of checklist. Conclusions:It is recommendedto standardize the actions of professionals involved in transportation and to provide and provide the necessary equipment for clinical monitoring of the patient, minimizing adverse events and achieving excellence in patient care and safety. There is a need for further studies that implement new care protocols for patient safety in intra-hospital transport (AU).


Introducción:El transporte intrahospitalario es necesario para realizar pruebas diagnósticas (tomografía computarizada, resonancia magnética nuclear, angiografías, entre otras intervenciones terapéuticas (como para el centro quirúrgico) o para Centro de Cuidados Intensivos (UCI). Objetivo:Esclarecer las implicaciones del transporte intrahospitalario en la seguridad del paciente. Metodología:Revisión bibliográfica, descriptiva e integradora en el período 2008-2017, realizada entre octubre y noviembre en las bases de datos IBECS, LILACS y BDENF. Construido a partir de seis escalones. Los estudios fueron analizados a partir de la lectura de los títulos, resúmenes y los artículos completos que respondieron al objetivo propuesto, siguiendo la síntesis de los resultados de los 4 artículosseleccionados y presentados descriptivamente en tablas. Consideramos las categorías temáticas que surgieron de la técnica de análisis de contenido después del análisis de los artículos. Resultados:Se observó en los estudios seleccionados que las implicaciones en el transporte del paciente implican eventos adversos como inestabilidad hemodinámica y respiratoria y falta de recursos humanos calificados y materiales con buen funcionamiento, protocolos de seguridad del paciente a través de una planificación y comunicación eficientes y el uso de la lista de verificación. Conclusiones:Recomendamos la estandarización de las acciones de los profesionales implicados en el transporte y la predicción y provisión del equipo necesario para el seguimiento clínico del paciente, minimizando los eventos adversos y obteniendo la excelencia de la atención y la seguridad del paciente. Cabe destacar la necesidad de nuevos estudios que implementen nuevos protocolos de atención para la seguridad del paciente en el transporte intrahospitalario (AU).


Assuntos
Transferência de Pacientes , Segurança do Paciente , Unidades de Terapia Intensiva , Cuidados de Enfermagem , Brasil
7.
Arch. Health Invest ; 7(9): 351-357, set. 2018. graf
Artigo em Português | BBO - Odontologia | ID: biblio-988557

RESUMO

Introdução: Pacientes hospitalizados em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) geralmente mostram má higiene bucal, o que contribui significativamente para o agravamento da contaminação local, com a presença de patógenos respiratórios potenciais. Objetivo: Caracterizar qualitativamente o perfil da microbiota bucal durante permanência na UTI, além da identificação de alterações bucais e salivares. Materiais e métodos: Foi realizado um estudo prospectivo em pacientes internados na UTI de um hospital oncológico, os quais foram avaliados clínica e microbiologicamente após 24 (T1), 72 (T2) e 120 (T3) horas consecutivas à admissão na UTI. Foram identificados os principais patógenos em cada momento e o perfil da microbiota oral foi comparado. Resultados: A amostra final foi de 30 pacientes, 23 homens e 7 mulheres, com idade média de 61 anos. Em T1, 96,67% dos pacientes apresentaram crescimento de microorganismos patogênicos, sendo identificados 14 tipos diferentes. Em T2 18 tipos de patógenos diferentes e em T3, 21 tipos, dos quais os mais prevalentes nas três coletas foram Staphylococcus não produtor de coagulase e Candida albicans. Clinicamente foram observados presença e progressão do biofilme visível (61%), cálculo (36,89%), condição periodontal deficiente (33,11%). Em relação à condição salivar verificou-se saburra lingual (92,11%), ressecamento labial (86,67%), hipossalivação (36,67%), assialia (52%) e escoamento salivar (8,89%). Conclusão: O biofilme do dorso de língua de pacientes em UTI pode representar um nicho considerável de patógenos respiratórios potenciais, uma vez que microorganismos etiológicos relacionados à pneumonia nosocomial foram isolados já no primeiro dia de internação, com a colonização subsequente por uma variedade de microorganismos predominantemente gram-negativos(AU)


Introduction: Hospitalized patients receiving treatment at Intensive Care Units (ICU) usually show poor oral hygiene, and may have the mouth and oropharingeal region colonized by pathogens involved in nosocomial pneumonia. The presence of these pathogens may increase the risk for respiratory diseases. OBJECTIVES: The aim of this study was to qualitatively characterize the oral microbiota profile of critical patients during ICU stay, besides the identification of oral and salivary alterations. Materials and Methods: A prospective study was carried out on patients admitted to the ICU from a cancer hospital, who were evaluated clinically and microbiologically (tongue-to-mouth swabs) after 24h (T1), 72h (T2) and within 120 consecutive hours (T3) after ICU admission to the ICU. The main pathogens were identified at each moment and the oral microbiota profile was compared. In addition, the major oral and salivary changes were identified. Results: The final sample consisted of 30 patients, 23 men and 7 women, with a mean age of 61 years. The reasons for hospitalization were 30% postoperative of oncological surgeries and 70% of medical emergencies. In T1, 96.67% of the patients presented growth of pathogenic microorganisms, being identified 14 different types. In T2, 18 different pathogen types were identified, and in T3, 21 pathogens, of which the most prevalent Coagulase negative staphylococcus and Candida albicans were the most prevalent in the three collections. It was observed the presence and progression of visible biofilm (61%), calculus (36.89%), poor periodontal condition (33.11%), partial teeth presence (26.67%), total edentulism (23.33%), cavities (10%), presence of residual root (20%). In relation to the salivary condition, there was accumulation of lingual (92.11%), labial dryness (86.67%), hyposalivation (36.67%), asialia (52%) and salivary flow (8.89%). Conclusion: The tongue dorsum biofilm of ICU patients may represent a considerable niche of potential respiratory pathogens, since etiological microorganisms related to nosocomial pneumonia were isolated on the first day of hospitalization, with subsequent colonization by a variety of microorganisms predominantly gram-negatives. The introduction of professional care directed to oral health and biofilm control in this group of patients could represent a significant contribution to the reduction of diseases to the health of the patient in the ICU(AU)


Introducción: Pacientes hospitalizados en UTI generalmente muestran mala higiene bucal, lo que contribuye significativamente al agravamiento de la contaminación local, con la presencia de patógenos respiratorios potenciales. Objetivo: Caracterizar cualitativamente el perfil de la microbiota bucal durante permanencia en la UTI, además de la identificación de alteraciones bucales y salivares. Materiales y métodos: Se realizó un estudio prospectivo en pacientes internados en la UTI de un hospital oncológico, los cuales fueron evaluados clínica y microbiológicamente después de 24 (T1), 72 (T2) y 120 (T3) horas consecutivas a la admisión en la UTI. Se identificaron los principales patógenos en cada momento y el perfil de la microbiota oral fue comparado. Resultados: La muestra final fue de 30 pacientes, 23 hombres y 7 mujeres, con edad media de 61 años. En T1, el 96,67% de los pacientes presentaron crecimiento de microorganismos patógenos, siendo identificados 14 tipos diferentes. En T2 18 tipos de patógenos diferentes y en T3, 21 tipos, de los cuales los más prevalentes en las tres colectas fueron Staphylococcus no productor de coagulasa y Candida albicans. Se observó la presencia y progresión del biofilme visible (61%), cálculo (36,89%), condición periodontal deficiente (33,11%). En cuanto a la condición salivar se verificó saburra lingual (92,11%), resecamiento labial (86,67%), hiposalivación (36,67%), asialia (52%) y flujo salivar (8,89%). Conclusión: El biofilm del dorso de lengua de pacientes en UTI puede representar un nicho considerable de patógenos respiratorios potenciales, ya que microorganismos etiológicos relacionados a la neumonía nosocomial se aislaron ya en el primer día de internación, con la colonización subsecuente por una variedad de microorganismos predominantemente gram-negativa(AU)


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Idoso de 80 Anos ou mais , Higiene Bucal , Pneumonia Aspirativa , Infecção Hospitalar , Unidades de Terapia Intensiva , Biofilmes
8.
Rev. Odontol. Araçatuba (Impr.) ; 39(1): 50-55, Jan.-Abr. 2018. tab, graf
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: biblio-910500

RESUMO

Em pacientes que se encontram internados na Unidade de Terapia Intensiva muitas vezes é necessário o uso de ventilação mecânica, para manutenção das vias aéreas superiores. Essa necessidade limita a mobilização e a expectoração das secreções brônquicas, sendo necessário fazer uso de aspiração traqueal. O Objetivo foi avaliar os critérios utilizados para aspiração traqueal em unidades de Terapia Intensiva de hospitais de Araxá-MG. Trata-se de um estudo previamente aprovado pelo CEP-Uniaraxá e pelos hospitais envolvidos na pesquisa, do tipo transversal, descritiva e quali-quantitativo. Foi aplicado um questionário composto por 9 questões discursivas entregues aos profissionais das instituições participantes. Resultados foram avaliados 15 profissionais sendo 40% Técnicos em enfermagem, 27% Enfermeiros 27% Fisioterapeutas e 6% Auxiliares de enfermagem. Quanto a importância da aspiração 41% dos participantes responderam que a desobstrução das vias aéreas pela aspiração traqueal é de extrema importância para o paciente. Concluímos que o procedimento de aspiração traz vários riscos aos pacientes. Requer atenção, cuidado e habilidade, o que nos faz concluir que é necessário um melhor aperfeiçoamento da técnica para um melhor atendimento e manutenção da saúde do paciente(AU)


In patients who are hospitalized in the Intensive Care Unit, it is often necessary to use mechanical ventilation to maintain the upper airways. This necessity limits the mobilization and the expectoration of the bronchial secretions, being necessary to make use of tracheal aspiration. The objective was to evaluate the criteria used for tracheal aspiration in Intensive Care units of hospitals in Araxá-MG. This is a study previously approved by CEP-Uniaraxá and the hospitals involved in the research, of a crosssectional, descriptive and quali-quantitative type. A questionnaire composed of 9 discursive questions was given to the professionals of the participating institutions. Results were evaluated 15 professionals being 40% Nursing technicians, 27% Nurses 27% Physiotherapists and 6% Nursing auxiliaries. Regarding the importance of aspiration, 41% of the participants answered that the airway clearance by tracheal aspiration is extremely important for the patient. We conclude that the aspiration procedure poses several risks to patients. It requires attention, care and skill, which makes us conclude that a better improvement of the technique is required for a better care and maintenance of the patient's health(AU)


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Unidades de Terapia Intensiva , Respiração Artificial , Traqueia , Sucção
9.
Rev. odontol. Univ. Cid. São Paulo (Online) ; 29(3): [243-246], set-dez. 2017.
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: biblio-908735

RESUMO

Existe uma relação importante entre o estado de saúde bucal e aquele da saúde geral. Em pacientes hospitalizados essa relação assume importância ainda maior, pois o indivíduo encontra-se fragilizado e, muitas vezes, é incapaz de realizar uma higiene bucal adequada. O presente trabalho trata-se de uma revisão de literatura que tem como objetivo discutir os principais problemas bucais apresentados por pacientes hospitalizados, principalmente aqueles que ficam por longo período de tempo. A maioria dos trabalhos encontrados relata que a saúde bucal de pacientes hospitalizados por longos períodos é precária e que isso afeta diretamente a saúde geral dos mesmos. Concluiu-se que uma saúde bucal adequada pode melhorar a resposta do paciente ao tratamento médico e que a presença de cirurgiões dentistas nas equipes multiprofissionais dos hospitais é de extrema importância para a implementação de protocolos clínicos de conduta visando tanto a prevenção quanto a recuperação da saúde bucal dos pacientes hospitalizados


There is an important relationship between the state of oral health and that of overall health. In hospitalized patients this relationship is even more important because the individual is debilitated and,most of the time, is unable to perform an adequate oral hygiene. This work is a literature review that aims to discuss the main oral problems presented by hospitalized patients, especially those who stay for longer period of time. Most studies found that the oral health of hospitalized patients for long periods is precarious and that this directly affects the overall health of them. It leads to the conclusion that adequate oral health can improve a patient's response to medical treatment and that the presence of dentists in multidisciplinary teams of hospitals is of extreme importance for the implementation of clinical management protocols aimed at both prevention and recovery of oral health of hospitalized patients


Assuntos
Unidade Hospitalar de Odontologia , Saúde Bucal , Pacientes Internados , Unidades de Terapia Intensiva
10.
Periodontia ; 27(1): 7-10, 2017. graf
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: biblio-836926

RESUMO

Oral health caring in hospitalized patients is very important, considering the risks of complications that non disinfection of oral cavity can cause to your general health. Several risk of periodontal disease associations have been described in the literature, such as nosocomial pneumonia and cardiovascular disorders, among others. The introduction of oral hygiene protocols in hospitalized patients has been recommended by the simplicity and the potential they represent in preventing some systemic stages. The objective of this study was to apply the adjusted protocol oral hygiene in patients admitted to the Intensive Care Cento (ICU) of the Hospital Universitário Sul Fluminense (HUSF), Vassouras-RJ to improve the quality of dental care for hospitalized patients, preventing so its systemic complications of health. The disinfection of the oral cavity was made by the introduction of the use of 0.12% chlorhexidine gluconate, as well as proper oral hygiene instruction. Nursing professionals (students, assistants and technicians) were invited to participate in the project using the mouthwash (PerioPlak, Reymer) for routine and effective use in the prevention of oral infections. A comparison was conducted using two graphs showed a decrease of 0.44% in the number of mechanical ventilation infection from the use of the oral care protocol. It is concluded that it is extremely important the presence of a dentist in intensive care units to take care of the oral health of patients thus preventing risks of infection due to their health status (AU)


O cuidado com a saúde bucal em pacientes internados é muito importante, considerando os riscos de complicações que a não desinfecção da cavidade bucal possa causar no seu estado de saúde geral. Várias associações de risco da doença periodontal foram descritas na literatura, tais como alterações cardiovasculares e pneumonia nosocomial, dentre outras. A introdução de protocolos de higiene bucal em pacientes internados tem sido recomendada pela simplicidade e pelo potencial que representam na prevenção de alguns quadros sistêmicos. O objetivo deste trabalho foi aplicar o protocolo de higiene bucal em pacientes internados no Cento de Terapia Intensiva (CTI) do hospital Universitário Sul Fluminense (HUSF), Vassouras-RJ, visando melhorar a qualidade de atenção em saúde bucal ao paciente hospitalizado, prevenindo assim complicações do seu estado sistêmico de saúde. A desinfecção da cavidade bucal foi feita através da instituição do uso de gluconato de clorexidina a 0,12%, assim como instrução de higiene bucal adequada. Os profissionais da área de enfermagem (estudantes, auxiliares e técnicos) foram convidados a participar do projeto sendo disponibilizado o enxaguatório bucal (PerioPlak, REYMER) para uso rotineiro e efetivo na prevenção de infecções bucais. Foi realizado um comparativo através de dois gráficos que mostrou uma redução em 0,44% do número de infecção por ventilação mecânica a partir da utilização do protocolo de higiene bucal. Conclui-se que é de extrema importância a presença de um cirurgião-dentista nas unidades de terapia intensiva para cuidar da saúde bucal dos pacientes prevenindo assim riscos de infecções devido a seu estado de saúde (AU)


Assuntos
Humanos , Protocolos Clínicos/normas , Placa Dentária/prevenção & controle , Unidades de Terapia Intensiva , Higiene Bucal/normas , Controle de Infecções Dentárias/métodos , Pacientes Internados , Antissépticos Bucais/uso terapêutico , Saúde Bucal , Pneumonia Bacteriana
11.
Rio de Janeiro; s.n; 2017. 59 p. tab.
Tese em Português | BBO - Odontologia | ID: biblio-1005357

RESUMO

A candidíase oral é uma infecção fúngica oportunista muito prevalente em pacientes internados em unidades de terapia intensiva (UTIs). O presente estudo teve como objetivo avaliar a frequência de candidíase oral em pacientes internados na UTI de um hospital público do Rio de Janeiro, relacionando-a com dados clínicos, desfecho da hospitalização e índices de prognóstico. Caracterizou-se por ser um estudo transversal observacional. Os dados demográficos e clínicos foram coletados dos prontuários médicos e os pacientes avaliados através de exame físico oral. Esfregaços do dorso da língua e das mucosas jugal e labial também foram coletados para realização de exame citopatológico. A qualidade da higiene oral dos pacientes também foi avaliada. Cento e quarenta e nove pacientes foram avaliados, igualmente distribuídos entre gêneros, com mediana da idade de 60 anos. O tempo de internação variou de 1 a 39 dias, sendo que 83,9% sobreviveram à internação na UTI. A prevalência de candidíase oral, nestes pacientes, detectada clinicamente foi de 14,8%, enquanto que no exame citopatológico, o resultado foi positivo para 26,2% (língua) e 18,8% (outras áreas). Em 61,7% a qualidade da higiene foi classificada como regular ou ruim. Os índices de prognóstico SAPS 3 e SOFA foram menores quando relacionados à presença de candidíase oral detectada clinicamente. Já quanto à análise citopatológica, os índices foram maiores quando relacionados a exames positivos para candidíase. Além disso, a citopatologia da língua foi negativa na maioria (64%) dos pacientes que sobreviveram. A candidíase oral detectada através do exame citopatológico representou um marcador de prognóstico clínico para pacientes internados em UTI.(AU)


Oral candidiasis is a prevalent fungal opportunistic infection in patients admitted to intensive care units (ICUs). The study evaluated the frequency of oral candidiasis in patients admitted to the ICU of a public hospital in Rio de Janeiro, and the relationship to clinical characteristics, hospitalization outcome and prognostic scores. This was a cross-sectional observational study. Demographic and clinical data were collected from medical records and patients received an oral exam. Smears were performed on the dorsum of the tongue, labial and buccal mucosa for cytopathological examination. The oral hygiene quality of the patients was also evaluated. One hundred and forty nine patients were evaluated, equally distributed among genders, with a median age of 60 years. The length of stay in the ICU varied from 1 to 39 days, and 83.9% survived ICU admission. Clinically detected oral candidiasis was observed in 14.8% of patients, while the cytopathological examination was positive in 26.2% (tongue) and 18.8% (other sites) of patients. In 61.7% of the patients, the hygiene was classified as regular or poor. The SAPS 3 and SOFA prognostic scores were lower when candidiasis was clinically observed. Patients showed worse prognostic scores when cytopathology was positive for candidiasis. Cytopathology of the tongue was negative for the majority (64%) of the patients who survived. Candidiasis detected through the cytopathological exam may represent a clinical prognostic marker for patients during hospitalization in the ICU. (AU)


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Candidíase Bucal/epidemiologia , Pacientes Internados , Unidades de Terapia Intensiva , Candida/isolamento & purificação , Registros Médicos , Distribuição por Idade e Sexo
12.
Rio de Janeiro; s.n; 2017. 93 p. tab.
Tese em Português | BBO - Odontologia | ID: biblio-912796

RESUMO

Introdução: A internação de pacientes em unidades de terapia intensiva (UTI) pode provocar alterações bucais, que podem influenciar o estado geral de saúde destes pacientes. O objetivo do estudo foi avaliar a frequência em que ocorreram as alterações bucais nos pacientes durante sua internação em uma UTI e verificar se existe associação entre estas alterações e o desfecho clínico e prognóstico destes pacientes. Método: Foi realizado um estudo transversal com avaliação bucal de 168 pacientes internados em uma UTI. Os dados referentes às características clínicas foram coletados dos prontuários médicos. Os escores de gravidade dos pacientes internados na UTI foram obtidos pelos escores SAPS 3 e SOFA para o primeiro dia de internação e para o dia do exame bucal na UTI. Durante os exames bucais foram avaliadas características da mucosa bucal, dentes, lubrificação na mucosa e higiene bucal. As associações das alterações bucais com os escores clínicos e desfechos foram analisadas pelos testes Mann Whitney, qui-quadrado/Fisher, e Kruskal-Wallis, quando apropriados. Resultados: As alterações bucais mais encontradas foram: ressecamento e crosta labial, língua saburrosa, palidez da mucosa, petéquias/equimoses/hematoma, candidíase, língua despapilada e lesões provocadas por trauma. As petéquias/equimoses/hematoma extra-bucais foram observadas num número significantemente maior de pacientes internados por causas clínicas, e a lingua saburrosa e a palidez da mucosa foram dentre os pacientes pós-cirúrgico. Houve aumento significativo dos escores de gravidade com a presença das seguintes alterações extrabucais: ressecamento, crosta e, úlceras labiais, petéquias/equimoses/hematoma e icterícia. As alterações intrabucais que apresentaram associações estatisticamente significantes com maiores escores de gravidade foram: sangramento espontâneo, petéquias/equimoses/hematoma e língua despapilada. A presença de língua saburrosa mostrou associação significante com menor escore de gravidade. Houve um aumento significativo da mediana de SAPS 3 quando a qualidade de higiene bucal era ruim. Mais pacientes intubados apresentaram sangramento espontâneo, e a candidíase era mais frequente dentre os pacientes não intubados Mais alterações extrabucais foram observadas dentre aqueles que apresentavam complicações respiratórias, mas a língua saburrosa foi mais frequente dentre os que não apresentavam esse desfecho. Pacientes que foram a óbito apresentavam mais úlceras, petéquias/equimoses/hematoma e icterícia extrabucais, além de crosta no dorso de língua, do que os pacientes que não foram a óbito. Por outro lado, mais pacientes com língua saburrosa e sinais de infecção odontogênica sobreviveram. Conclusões: As alterações bucais foram frequentes na população estudada de pacientes internados em UTI e algumas delas foram associadas valores mais altos dos escores de gravidade. Isto torna necessário o exame bucal rotineiro dos pacientes internados em UTI, para a detecção de lesões que podem sugerir o prognóstico destes pacientes. (AU)


Background: The hospitalization in intensive care units (ICU) may cause oral changes, which may influence the general health of patients. The aim of this study was to evaluate the frequency of oral changes in patients during their admission in an ICU, and to verify if there is an association between these alterations and prognosis of these patients. Methods: A cross-sectional study was performed with an oral evaluation of 170 patients hospitalized in an ICU. Data regarding clinical characteristics were collected from medical records. The prognostic scores of patients admitted to the ICU were obtained by the SAPS 3 and the SOFA scores and their respective estimates of mortality. Characteristics of oral mucosa, teeth, saliva and oral hygiene were analyzed during the oral exams. The associations between the oral alterations and clinical scores were analyzed by the Mann Whitney, chi-square/Fisher, and Kruskal- Wallis tests, when appropriate. Results: The most frequent oral lesions were chapped and crusted lips, coated tongue, pale mucosa, petechiae/ecchymosis/haematoma, candidiasis and tongue depapillation. There were significant higher prognostic scores in the presence of the following extraoral alterations: dry and crusted lips, lip ulcers, petechiae/ecchymosis/haematoma and jaundice. Significant higher scores were also observed with the presence of the following intraoral changes: depapillated tongue, petechiae/ecchymosis/haematoma and spontaneous bleeding. There were significant lower median scores in patients with coated tongue. The median SAPS3 was higherin the patients with poor oral hygiene. More patients admitted for clinical reasons presented extraoral petechiae/ecchymosis/haematoma, and more post-surgery patients presented coated tongue and pale mucosa. More extraoral alterations were observed in patients with respiratory problems, and the coated tongue was more frequently observed in those patients who did not present this complication. Deceased patients presented more extraoral ulcers, petechiae/ecchymosis/haematoma and jaundice, and tongue crust, and those who survived presented more coated tongue and signs of odontogenic infection. Conclusions: Oral changes were frequent in the studied population of patients hospitalized in a ICU, and some of them were associated with higher prognostic scores. Routine oral exams must be performed in patients from ICU, so that oral markers of prognosis can be detected. Key words - Intensive care unit, scores, oral manifestations, oral mucosa, oral hygiene, oral ulcers. (AU)


Assuntos
Humanos , Unidades de Terapia Intensiva , Mucosa Bucal/patologia , Úlceras Orais/epidemiologia , Higiene Bucal , Gravidade do Paciente
13.
São José dos Campos; s.n; 2017. 37 p. 37, ilus, tab., graf..
Tese em Português | BBO - Odontologia | ID: biblio-848506

RESUMO

As infecções relacionadas à assistência à saúde lideram as causas de morte entre as doenças de notificação obrigatória nos Estados Unidos da América do Norte e são responsáveis por custos elevados, dentre elas, um terço está relacionado às infecções de corrente sanguínea, ocupando a 3a causa de infecções em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) e a 10a causa de morte nos EUA. Portanto, a busca de medidas que possam reduzir estas infecções se faz necessária e, neste contexto, a adição de permanganato de potássio ao curativo feito no local de punção venosa central pode ser uma medida eficaz, uma vez que pouco se estuda acerca da técnica do curativo. Em novembro de 2013, este fármaco passou a ser adicionado aos curativos da punção venosa central, na UTI do Hospital Policlin, mantendo-se todas as recomendações do 2011 Guidelines for the Prevention of Intravascular Catheter-Related Infections do Center for Disease Control and Prevention (CDC), isto é, curativo estéril, limpeza com clorexidina 0,5%, e como medida complementar adicionar uma compressa, por 20 minutos, de permanganato de potássio 1:10.000. Assim, a proposta deste estudo foi avaliar a prevalência de infecção de corrente sanguínea, antes e após esta intervenção, nos pacientes internados na UTI do Hospital Policlin 9 de Julho ­ São José dos Campos ­ SP. Tratou-se de um estudo de coorte, transversal e retrospectivo, com avaliação do banco de dados de 10.573 cateteres/dia de pacientes internados na UTI do Hospital, que foram divididos em dois grupos, sendo o primeiro composto por 5.273 cateteres/dia no período de 01/06/2011 a 31/10/2013 que não foram submetidos à adição de permanganato de potássio ao curativo do cateter venoso central, e o segundo composto por 5.300 cateteres/dia no período de 01/11/2013 a 30/08/2015, que foram submetidos à adição de permanganato de potássio ao curativo. Foram excluídos do estudo os cateteres/dia dos pacientes transferidos de outras unidades com diagnóstico de infecção; cateteres/dia dos pacientes transferidos de outras unidades que já estavam com cateter venoso central. Para avaliar prevalência de infecção de corrente sanguínea relacionada à utilização de cateter venoso central, foram analisados os dados clínicos que levaram ao diagnóstico de infecção, bem como os resultados das hemoculturas. No grupo de 5.273 cateteres/dia não submetidos à adição de permanganato de potássio ao curativo aconteceram 20 casos de infecção de corrente sanguínea; e no grupo de 5300 cateteres/dia que receberam curativo habitual (2011 Guidelines CDC), submetidos à adição de permanganato de potássio ao curativo do cateter venoso central aconteceram 6 casos de infecção de corrente sanguínea. Os resultados apresentaram significância estatística. Em conclusão, a redução de infecções de corrente sanguínea pela adição do permanganato de potássio 1:10.000 ao curativo habitual (2011 Guidelines CDC) é uma medida efetiva e de baixo custo no gerenciamento e prevenção das infecções de corrente sanguínea em UTI(AU)


Health-care-related infections lead the causes of death among mandatory reporting diseases in the United States and are responsible for high costs, among which onethird is related to bloodstream infections, and is the third leading cause of infection in the United States. Intensive Care Units (ICUs) and the 10th leading cause of death in the United States. Therefore, the search for measures that can reduce these infections is necessary and, in this context, the addition of Potassium Permanganate to the dressing done at the central venous puncture site can be an effective measure, since little is studied about the technique of band Aid. In November 2013, this drug was added to the dressings of the central venipuncture in the ICU of the Policlin Hospital, maintaining all the recommendations of the 2011 Centers for Disease Control and Prevention, I.e., sterile dressing, 0.5% chlorhexidine cleansing, and as a supplementary measure add a pad for 20 min of 1: 10,000 Potassium Permanganate. Thus, the purpose of this study was to evaluate the prevalence of bloodstream infection, before and after this intervention, in patients hospitalized in the ICU of Hospital Policlin 9 de Julho - São José dos Campos - SP. This was a cross-sectional and retrospective cohort study with a database of 10,573 catheters / day of patients hospitalized in the Hospital ICU, divided into two groups, the first consisting of 5,273 catheters / day in the period From 01/06/2011 to 10/31/2013 that were not submitted to the addition of potassium permanganate to the dressing of the central venous catheter, and the second compound for 5,300 catheters / day from 01/11/2013 to 30/08 / 2015, who were submitted to the addition of potassium permanganate to the dressing. The catheters / day of the patients transferred from other units with a diagnosis of infection were excluded from the study; Catheters / day of the patients transferred from other units that already had a central venous catheter. To evaluate the prevalence of bloodstream infection related to the use of central venous catheter, we analyzed the clinical data that led to the diagnosis of infection, as well as the results of blood cultures. In the group of 5,273 catheters / day not submitted to the addition of potassium permanganate to the dressing occurred 20 cases of bloodstream infection; And in the group of 5300 catheters / day who received usual dressing (2011 Guidelines), submitted to the addition of potassium permanganate to the dressing of the central venous catheter, 6 cases of bloodstream infection occurred. The results were statistically significant. In conclusion, the reduction of bloodstream infections by the addition of 1: 10,000 potassium permanganate to the usual dressing (2011 Guidelines CDC) is an effective and low-cost measure in the management and prevention of bloodstream infections in ICU. However, it was a cross-sectional and retrospective cohort study, with an evaluation of the hospital infection control database; And this study design may generate selection bias, so that to confirm our results, it is desirable to initiate a prospective, randomized, blind, placebo-controlled study(AU)


Assuntos
Humanos , Unidades de Terapia Intensiva , Cateteres , Infecções , Permanganato de Potássio
14.
Roplac ; 5(1): 28-32, jan. 2015. ilus
Artigo em Português | BBO - Odontologia | ID: biblio-858929

RESUMO

Pacientes hospitalizados e internados em Unidades de Terapia Intensiva apresentam grandes riscos decontração de doenças infecciosas, principalmente as pulmonares decorrentes de patógenos respiratórios quese encontram na cavidade bucal devido à deficiência de manutenção da saúde bucal por meio de açõespreventivas e de mínima intervenção. As superfícies dentárias, língua, próteses e aparelhos da UTI que estãoem contato com a boca constituem grande reservatório para estes patógenos, e os cuidados com ahigienização e eliminação de focos de infecção podem influenciar positivamente na qualidade de vida e bemestardo paciente crítico. O objetivo deste trabalho foi, por meio de uma revisão de literatura, abordar aimportância da atuação do cirurgião-dentista como membro integrante da equipe de saúde nas UTIs, asatividades e cuidados odontológicos necessários e a relação entre condições orais e sistêmicas. Adotaram-secomo critérios de inclusão: artigos publicados em português e inglês, indexados nas bases dos dados LILACS,SciELO e PubMed, publicados no período de 2006 a 2015 e legislação sobre o tema, totalizando 20 referências.Concluiu-se que a deficiência de higienização da cavidade bucal em UTIs constitui fator de risco aodesenvolvimento de doenças sistêmicas, sobretudo as do trato respiratório; e que a participação do cirurgiãodentistano tratamento do paciente crítico é fundamental à promoção da saúde em ambiente hospitalar


Hospitalized patients at Intensive Care Units are exposed to chances of infectious diseases contraction, mainlythe pulmonary ones, caused by respiratory pathogens that are found at the buccal cavity, considering oral caremaintenance disabilities by means of preventive and minimum intervention dentistry. Dental surfaces,prostheses, tongue and ICU equipments that are in contact with the mouth represent reservoirs for thesepathogens, and hygiene care and focus of infection elimination can provide positively influence at the criticalpatient quality of life and welfare. This article objective was, by means of a literature review, approach thedentist assignments importance as an integral member of the ICU health care team, the activities, oral care andthe relation between oral and systemic conditions. It was used as inclusion criteria: published articles inportuguese and english, indexed in LILACS, SciELO and PubMed databases, published during the period of 2006to 2015 and legislation about the theme, totalizing 20 references. It was concluded that oral hygiene disabilityat ICUs is a risk factor for developing systemic diseases, mainly the respiratory tract ones; and that the dentistparticipation at the critical patient treatment is fundamental to the health promotion at the hospitalenvironment


Assuntos
Odontólogos , Qualidade de Vida , Saúde Bucal/educação , Unidades de Terapia Intensiva , Brasil , Equipe Hospitalar de Odontologia , Higiene Bucal/educação , Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica
15.
ImplantNewsPerio ; 1(4): 791-796, mai.-jun. 2016.
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: biblio-847045

RESUMO

A pneumonia nosocomial é uma doença sistêmica que acomete o paciente no ambiente hospitalar após 48 horas da sua admissão, principalmente nas unidades de terapia intensiva (UTIs). O acúmulo de biofilme dentário, saburra lingual e processos inflamatórios decorrentes da presença de doença periodontal podem contribuir para a formação de reserva microbiana associada à pneumonia nosocomial. A prevenção da pneumonia nosocomial é muito importante para garantir a saúde do paciente. O uso de clorexidina 0,12% para a higienização de língua, dentes e mucosas é um grande aliado na redução de bactérias, prevenindo o aparecimento de infecções nos pacientes internados, além do combate das mesmas, como a pneumonia nosocomial. O treinamento da equipe de enfermagem para realização dessas manobras, assim como para entender a importância da relação entre saúde bucal e infecções respiratórias, deve ser reforçado, visto que parece ser deficiente. A presença do cirurgião-dentista em uma equipe multidisciplinar de UTI é indispensável. Sua presença parece ser mais importante na equipe de coordenação, para o treinamento e capacitação dos profissionais ali envolvidos, além da realização de procedimentos mais complexos, como exodontia e raspagem e alisamento coronorradicular.


Nosocomial pneumonia is a systemic disease that affects the inpatient after 48 hours of admission, especially in intensive care units (ICUs). The dental plaque accumulation, tongue coating and inflammatory processes arising from the presence of periodontal disease may contribute to the formation of microbial reservatories associated with nosocomial pneumonia. Prevention of nosocomial pneumonia is very important to ensure the health of the patient. The use of 0.12% chlorhexidine for tongue, teeth and also mucosal cleaning is important to reduce bacteria and to prevent the appearance of infections in hospitalized patients, such as nosocomial pneumonia. The training of nursing staff to perform these procedures, as well as to understand the importance of the relationship between oral health and respiratory infections, should be strengthened, since it appears to be defi cient. The presence of the dentist in multidisciplinary ICU team is indispensable. Because the practitioner can coordinate a team for training and qualification of professionals involved there, in addition to performing more complex procedures such as tooth extraction and scaling and root planning.


Assuntos
Humanos , Assistência Odontológica , Unidades de Terapia Intensiva , Assistência ao Paciente , Doenças Periodontais/complicações , Periodontia , Pneumonia
16.
Pesqui. bras. odontopediatria clín. integr ; 16(1): 129-139, jan.-dez. 2016. tab
Artigo em Inglês | LILACS, BBO - Odontologia | ID: biblio-911093

RESUMO

Objective: To assess knowledge, attitude and practice of nurses regarding oral health care in intensive care units. Material and Methods: Developed in a Reference Hospital of Recife, Brazil carried out from July to September 2013. Overall, 282 professionals participated through a questionnaire to evaluate KAP on oral health care. Data were analyzed using Stata 12.0. For comparison, the Student t test and ANOVA with 0.05 significance level were used. Results: 45 (16 %) were professional nurses and 237 (84 %) belonged to the nursing team. 71.1 % of nurses and 72 % of nursing technicians failed to adequately respond as to know the daily frequency of oral hygiene performance, 75.6% of the surveyed nurses were aware of the use of chlorhexidine; however, only 37.7% of technicians considered this substance appropriate. Regarding attitude among nursing technicians, from the 11 questions, only two reached more than 90% of requirements. Regarding practice, when it came to items of medical record entries about the care provided, the percentage of inadequacy was 35.6 % among nurses and 26.2 % among nursing technicians, and the oral cavity conditions of patients, the frequency was 35.6 % and 26.2 % respectively. The average practice among nursing technicians was higher among those who had technical expertise in oral care (p = 0.031). Conclusion: For nursing technicians in practice section, oral health activity can be compromised by those without technical expertise.


Assuntos
Humanos , Brasil , Conhecimentos, Atitudes e Prática em Saúde , Unidades de Terapia Intensiva , Equipe de Enfermagem , Saúde Bucal , Análise de Variância , Higiene Bucal
19.
Full dent. sci ; 7(28): 72-75, 2016. tab
Artigo em Português | BBO - Odontologia | ID: biblio-908976

RESUMO

Este trabalho objetivou analisar a opinião dos profissionais da UTI (Unidade de Terapia Intensiva) (médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e fonoaudiólogos) sobre a inclusão do cirurgião dentista na equipe, avaliar o conhecimento destes profissionais sobre a associação da condição oral com a PAV (Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica) e analisar a existência de protocolos de higiene oral para o paciente entubado na UTI do Hospital Regional do Cariri-CE (HRC). Foi realizado um estudo transversal, no qual foi aplicado um questionário para os profissionais de saúde que atuavam na UTI do mesmo Hospital. Sobre o conhecimento dos profissionais a respeito do projeto de lei 2.766/2008, constata-se que aproximadamente 40% dos pesquisados desconheciam a lei. Entretanto, ao se questionar sobre a PAV, 95,7% dos entrevistados conhecem as causas de ocorrência do evento e 87% concordam que a inclusão do cirurgião dentista (CD) beneficiaria a equipe que atua na UTI. Quando questionados sobre a higienização bucal dos pacientes durante a permanência dos mesmos na UTI, todos os entrevistados responderam que indicam o uso de Clorexidina a 0,12%. Ao se questionar qual a função do CD na equipe, 95,7% assinalaram prevenção e controle dos eventos da microbiota bucal; 82,6% atendimento de emergência, tratamento de traumatismo e 78,3% limpeza bucal. Conclui-se a presença do CD é importante na UTI para reduzir os riscos da PAV e realizar procedimentos específicos em sua área (AU).


This study aimed to analyze the opinion of professionals from the Intensive Care Unit (doctors, nurses, physiotherapists, and speech therapists) about the inclusion of dentists on staff; assess the knowledge of these professionals about the association of oral status with PAV (pneumonia associated with mechanical ventilation); and analyze the existence of protocols of oral hygiene for patients intubated in the ICU of the Hospital Regional Cariri (HRC). A cross-sectional study was conducted using questionnaire answered by health professionals who worked in the ICU at HRC. About the knowledge of professionals in relation to the bill 2766/2008, 40% of respondents were unaware of the law. However, when questioned about the PAV, 95.7% of respondents know the causes of occurrence of the event and 87% agreed that the inclusion of the dentist (CD) would benefit the team working in the ICU. When asked about the oral hygiene of patients during their permanence in the ICU, all respondents indicated the use of chlorhexidine 0.12%. When questioned about the function of the CD on the staff of the ICU, 95.7% indicated prevention and control of the events of the oral microbiota; 82.6% emergency care, treatment of trauma; and 78.3% mouthwash. It was concluded that the presence of CD in the ICU is important to reduce the risk of VAP and perform specific procedures in your area (AU).


Assuntos
Humanos , Clorexidina , Odontólogos , Unidades de Terapia Intensiva , Higiene Bucal/educação , Equipe de Assistência ao Paciente/organização & administração , Brasil , Estudos Transversais/métodos , Percepção , Inquéritos e Questionários
20.
Belo Horizonte; s.n; 2016. 121 p. ilus.
Tese em Português | BBO - Odontologia | ID: biblio-915175

RESUMO

Instituiçõees hospitalares de diversos países utilizam a clorexidina na higienização bucal de pacientes em unidades de terapia intensiva. No entanto, a efetividade desse agente farmacológico na prevenção da pneumonia nosocomial e controverso para todas as populações de pacientes internados nessas unidades. O objetivo desse estudo foi sumariar as evidencias sobre a efetividade do uso da clorexidina, nos cuidados com a higiene bucal de pacientes em unidades de terapia intensiva, na prevenção da pneumonia nosocomial. O estudo foi desenvolvido, por meio de uma overview de revisões sistemáticas, utilizando artigos localizados nas bases de dados PubMed,-Cochrane- Library,- LILACS,-CRD- e-CINHAL, bem como busca manual e literatura cinzenta. Foram incluídas 16 revisões sistemáticas (14 com metanálise), sendo a maioria delas com alta qualidade metodológica. Os resultados mostraram que em unidade de terapia intensiva com população adulta de cirurgia cardíaca, a clorexidina foi efetiva na prevenção da pneumonia nosocomial. No entanto, a efetividade da clorexidina foi controversa em unidades de terapia intensiva com populações em condições clinico cirúrgicas variadas, que necessitaram de ventilação mecânica por mais de 48 horas. Embora a clorexidina tenha apresentado melhores resultados estatísticos de eficacia comparado ao controle e com efeitos adversos mínimos. Em quadros clínicos críticos, a clorexidina pode ser insuficiente para promover uma descontaminação oral inibitória de patógenos, que supere o risco infeccioso de um tubo endotraqueal, que age como um reservatório continuo de condução de microrganismos para os pulmões. Nesse contexto, o presente estudo contribui para a avaliação da atual abordagem terapêutica de paciente internado em unidades de terapia intensiva, tendo em vista as evidencias do uso da clorexidina na prevenção da pneumonia nosocomial


hospital institutions from different countries use chlorhexidine in the oral hygiene of patients in intensive care units. No! However, the effectiveness of this pharmacological agent in the prevention of nosocomial pneumonia and controversial for all populations of patients hospitalized in these units. The aim of this study was to summarize the evidence on the effectiveness of the use of chlorhexidine in care! oral hygiene! of patients! intensive care units, in the prevention of nosocomial pneumonia. The study was conducted by means of a overview of systematic reviews using items found on the basis of PubMed data, -Cochrane- Library, -! LILACS, -CRD- e-CINHAL and manual search and gray literature. included were 16 systematic reviews (14 with! meta-analysis), most of them with high quality methodological. The results showed that in the intensive care unit with adult population of cardiac surgery, Chlorhexidine was effective in the prevention of nosocomial pneumonia. However, the effectiveness of chlorhexidine was controversial in intensive care units with populations in varied conditions clinicoDcirurgicas, requiring ventilation Mechanical for more than 48 hours. While chlorhexidine has shown better statistical results of efficacy compared to control and minimal adverse comefeitos. In critical clinical pictures, chlorhexidine may be insufficient to promote a Restraining oral decontamination pathogens, which outweighs the risk infection of an endotracheal tube, which acts as a reservoir of continuous driving of microorganisms for the lungs. In this context, this study contributes to! Evaluation of! Current therapeutic approach to hospitalized patients in intensive care units, in view of the evidence of the use of chlorhexidine in prevention of nosocomial pneumonia


Assuntos
Clorexidina/uso terapêutico , Unidades de Terapia Intensiva/normas , Higiene Bucal/estatística & dados numéricos , Pneumonia/terapia , Pacientes Internados/educação , Revisão
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA