Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 1 de 1
Filtrar
Mais filtros










Filtros aplicados
Intervalo de ano de publicação
1.
Rev. Ciênc. Plur ; 4(2): 115-127, 2018. graf, tab
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: biblio-980222

RESUMO

Introdução:Considerada um indicador da condição de vida e saúde da população, a mortalidade neonatal, responsável por 60% a 70% dos óbitos infantis nas últimas décadas ocorrem principalmente até o 6º dia de vida.Objetivo:Analisar o perfil epidemiológico da mortalidade neonatal no estado do Rio Grande do Norte numa série histórica de 2005 a 2014.Métodos:Estudo de série temporal e descritiva, com abordagem quantitativa baseado em dados secundários extraídos dos arquivos da Secretaria de Saúde do Rio Grande do Norte na 5ª Unidade Regional de Saúde Pública, sendo alguns dados complementares obtidos através do Sistema de Informação de Mortalidade (SIM) e Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC) do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS).Resultados:Os resultados demonstraram queda de 168 óbitos neonatais quando se compara o primeiro e o último ano avaliados. A média do coeficiente de mortalidade neonatal precoce e tardia diminuiu de 8,85 para 8,22, porém, ainda observa-se que neonatos do sexo masculino e de baixo peso tiveram aumento considerado chegando a 74,30% no último ano. Foram analisadas variáveis maternas e obstétricas onde se constatou que o número de óbitos neonatais de nascidos via cesariana veio crescendo principalmente entre mulheres mais jovens e de baixa instrução.Conclusão:Faz-se necessário um melhor acompanhamento e atenção dos gestores e serviços de saúde do Rio Grande do Norte, considerando os agravos epidemiológicos, bem como os outros fatores sociodemográficos inerentes ao processo saúde-doença dessa população, com vistas a promover uma redução significativa da mortalidade neonatal (AU).


Introduction: Considered an indicator of the condition of life and health of the population, neonatal mortality, responsible for 60% to 70% of infant deaths in the last decades mainly occurring up to the 6th day of life.Objective:To analyze the epidemiological profile of neonatal mortality in the state of Rio Grande do Norte in a historical series from 2005 to 2014.Methods: A descriptive and temporal series study with a quantitative approach based on secondary data extracted from the archives of the Health Department of Rio Grande do Norte in the 5th Regional Public Health Unit, some complementary data obtained through the Mortality Information System (SIM) and Information System on Live Births (SINASC) of the Department of Informatics of the Unified Health System (DATASUS). Results: The results showed a decrease of 168 neonatal deathswhen the first and last year evaluated. The mean coefficient of early and late neonatal mortality decreased from 8.85 to 8.22; however, it is still observed that male and low birth weight infants had a considered increase reaching 74.30% in the last year.Maternal and obstetric variables were analyzed in which it was found that the number of neonatal deaths of those born via cesarean section increased mainly among younger and less educated women.Conclusion:It is necessary to better follow-up and care of health managers and services in Rio Grande do Norte, considering the epidemiological problems, as well as the other sociodemographic factors inherent in the health-disease process of this population, with a view to promoting a significant reduction of mortality neonatal (AU).


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Perfil de Saúde , Brasil , Mortalidade Infantil , Saúde da Criança , Inquéritos Epidemiológicos , Sistemas de Informação em Saúde , Registros de Mortalidade , Interpretação Estatística de Dados , Bases de Dados Estatísticos , Estudos Ecológicos
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA