Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 2 de 2
Filtrar
Mais filtros










Filtros aplicados
Intervalo de ano de publicação
1.
Online braz. j. nurs. (Online) ; 16(3): 344-354, 2017. ilus
Artigo em Inglês, Espanhol, Português | LILACS, BDENF - Enfermagem | ID: biblio-1118521

RESUMO

AIM: understand the experience of relatives of people who suffered cardiac arrest and died. METHOD: this is a descriptive, qualitative study that used, respectively, symbolic interactionism and interpretive interactionism as a theoretical and methodological reference. Data were collected through a semi-structured interview at the household of 11 relatives, from November 2015 to June 2016. RESULTS: the analysis of the narratives evidenced several feelings such as anger, anxiety and hope. Two epiphanies were identified. The first epiphany, discovering that the relative died, had as categories: experiencing the moment of the CRA and receiving the news. In the second epiphany, coexisting with the immediate changes, the following categories were evidenced: remembering and feeling the pain of loss and changes after the death of the relative. CONCLUSION: the interactionist perspective made it possible to better understand the experience of relatives in waiting for the attendance of cardiorespiratory arrest and the subsequent reception of the news of death of their loved one.


OBJETIVO: compreender a vivência de familiares de pessoas que sofreram parada cardiorrespiratória e foram a óbito. MÉTODO: estudo descritivo, qualitativo, que utilizou como referencial teórico e metodológico, respectivamente, interacionismo simbólico e interacionismo interpretativo. Os dados foram coletados por intermédio de entrevista semiestruturada no domicílio de 11 familiares, no período de novembro de 2015 a junho de 2016. RESULTADOS: a análise das narrativas evidenciou diversos sentimentos como raiva, ansiedade e esperança. Foram identificadas duas epifanias. A primeira epifania, descobrindo que o familiar morreu, teve como categorias: vivenciando o momento da PCR e recebendo a notícia. Na segunda epifania, convivendo com as mudanças imediatas, evidenciou-se as categorias: relembrando e sentindo a dor da perda e mudanças após o falecimento do familiar. CONCLUSÃO: a perspectiva interacionista permitiu melhor compreender a experiência de familiares ao aguardar o atendimento de parada cardiorrespiratória e a posterior recepção da notícia de morte de seu ente querido.


OBJETIVO: comprender la experiencia de familiares de personas que sufrieron parada cardiorrespiratoria y murieron. MÉTODO: estudio descriptivo, cualitativo, que utilizó como referencial teórico y metodológico, respectivamente, interaccionismo simbólico e interaccionismo interpretativo. Los datos fueron colectados por intermedio de entrevista semiestructurada en domicilio de 11 familiares, en el período de noviembre de 2015 a junio de 2016. RESULTADOS: el análisis de las narrativas evidenció diversos sentimientos como rabia, ansiedad y esperanza. Fueron identificadas dos epifanías. La primera epifanía, descubriendo que el familiar murió, tuvo como categorías: viviendo el momento de la PCR y recibiendo la noticia. En la segunda epifanía, conviviendo con los cambios inmediatos, eran evidente las categorías: recordando y sintiendo el dolor de la perdida y cambios después del fallecimiento del familiar. CONCLUSIÓN: la perspectiva interaccionista permitió comprender mejor la experiencia de familiares al aguardar el atendimiento de la parada cardiorrespiratoria y la posterior recepción de la noticia de la muerte de su ser querido.


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Idoso de 80 Anos ou mais , Família , Morte , Emoções , Parada Cardíaca , Evolução Fatal
2.
Rev. RENE ; 12(1): 97-103, jan.-mar. 2011.
Artigo em Português | LILACS, BDENF - Enfermagem | ID: lil-658837

RESUMO

A Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN) é um local que provoca diferentes emoções para as pessoas que lá atuam, por ser um lugar onde é prestada assistência a pacientes neonatais gravemente enfermos e, muitas vezes, sem possibilidade de terapêutica curativa, demandando apenas cuidados paliativos. Objetivou-se desvelar o significado de cuidar de recém-nascidos sem possibilidade de terapêutica curativa para a equipe de enfermagem; analisar a vivência do enfermeiro de UTIN em relação ao processo de morte e morrer e os seus sentimentos relativos a esse processo. Com uma abordagem qualitativa descritiva realizou-se nove entrevistas com os enfermeiros da UTIN de um hospital e maternidade pública de Teresina-PI. Constatou-se que a morte é um evento frequente, considerado complexo por aqueles que estão diretamente envolvidos na assistência ao recém-nascido. Compreende-se que seja mais difícil para os profissionais enfermeiros a experiência de lidarem com a morte neonatal, necessitando ainda mais de apoio psicossocial.


Assuntos
Humanos , Recém-Nascido , Lactente , Atitude Frente a Morte , Enfermagem Neonatal , Recém-Nascido , Unidades de Terapia Intensiva , Luto , Evolução Fatal , Morte
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA