Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 20 de 846
Filtrar
1.
Bogotá; Organización Panamericana de la Salud; Jun. 30, 2020. 35 p.
Não convencional em Inglês, Espanhol | LILACS | ID: biblio-1102409

RESUMO

Los datos actuales de vigilancia de la influenza deben interpretarse con cautela ya que la pandemia de COVID-19 en curso podría haber influido en diferentes grados las conductas de búsqueda de salud, personal /rutinas en sitios centinela, así como las capacidades de prueba en los Estados Miembros. Las diversas medidas de distanciamiento social y físico implementadas por los Estados miembros para reducir la transmisión del virus SARS-CoV2 también podrían haber desempeñado un papel en la interrupción de la transmisión del virus de la influenza.


The current influenza surveillance data should be interpreted with caution as the ongoing COVID-19 pandemic may have influenced, to differing extents, health seeking behaviors, staffing/routines in sentinel sites, and testing capacities in Member States. The various social and physical distancing measures implemented by Member States to reduce SARS-CoV2 virus transmission may also have played a role in interrupting influenza virus transmission.


Assuntos
Humanos , Pneumonia Viral/epidemiologia , Infecções por Coronavirus/epidemiologia , Vírus da SARS , Influenza Humana/epidemiologia , Monitoramento Epidemiológico , Betacoronavirus , América/epidemiologia
3.
Washington; Organización Panamericana de la Salud; mayo 12, 2020. 37 p.
Não convencional em Espanhol | LILACS | ID: biblio-1096912

RESUMO

La información presentada en esta actualización se obtiene a partir de los datos notificados por los Ministerios de Salud y los Centros Nacionales de Influenza de los Estados Miembros a las plataformas informáticas globales de la OPS/OMS: FluNet y FluID; y de los informes/boletines semanales que los Ministerios de Salud publican en sus páginas web o comparten con OPS/OMS.


Assuntos
Humanos , Doenças Respiratórias/prevenção & controle , Doenças Respiratórias/epidemiologia , Influenza Humana/prevenção & controle , América/epidemiologia
4.
s.l; s.n; 3 abr. 2020. ilus.
Não convencional em Português | LILACS, Coleciona SUS | ID: biblio-1096732

RESUMO

Em 20 de março de 2020, foi declarado que a transmissão do novo coronavírus passou a ser considerada comunitária em todo o território nacional. Com isso, a Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (SVS/MS) realizou a adaptação do Sistema de Vigilância de Síndromes Respiratórias Agudas, visando orientar o Sistema Nacional de Vigilância em Saúde para a circulação simultânea do coronavírus, influenza e outros vírus respiratórios no âmbito da Emergência de Saúde Pública de Importância Nacional. O Sistema de Vigilância de Síndromes Respiratórias Agudas foi criado em 2000 para realizar o monitoramento do vírus influenza a partir da Vigilância Sentinela de Síndromes Gripais (SG). Em 2009, após a pandemia de influenza pelo vírus H1N1, foi incorporada a Vigilância Universal de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). Essa adaptação é temporária e visa garantir a manutenção do sistema de vigilância de influenza e compreender o impacto que a Doença pelo Coronavírus 2019 terá sobre o Sistema Único de Saúde. Ainda não é possível afirmar se o coronavírus permanecerá endêmico ou se desaparecerá após a pandemia.


Assuntos
Humanos , Infecções por Coronavirus/diagnóstico , Infecções por Coronavirus/prevenção & controle , Infecções por Coronavirus/transmissão , Influenza Humana/epidemiologia , Vigilância em Saúde Pública , Brasil
9.
Brasília; Brasil. Ministério da Saúde; 2020.
Não convencional em Português | LILACS, Coleciona SUS | ID: biblio-1087250

RESUMO

As mais diversas pandemias passadas deixaram um legado na história com um número significativo de óbitos e de pessoas enfermas. Essa experiência é capaz de mostrar a necessidade de elaboração de Planos de Preparação para Enfrentamento de Pandemias, flexíveis e capazes de dar resposta que o problema requer. Assim, o propósito desta revisão é proporcionar informações relativas a preparação e respostas antes, durante e depois de uma pandemia de influenza, cumprir seu papel na organização do Sistema Único de Saúde, além de servir como guia aos gestores das unidades federadas, subsidiando-os na estratégia para enfrentamento de situações de emergência. O plano contém diretrizes gerais que são essenciais à ação dos serviços de saúde. O processo e as respostas a uma possível pandemia de influenza devem ser mais importantes que os detalhes específicos que podem ser inaplicáveis a uma nova situação. De acordo com essa afirmativa é que procuramos apresentar um plano conciso com a certeza de que uma ameaça ou uma pandemia de influenza aumenta o nível de exigência de necessidade de uma ação integrada. Pelo caráter genérico, o Plano Nacional apresenta orientações gerais necessárias à intervenção não só do setor saúde e específicas, face a uma situação de emergência. A conseqüência, a conveniência e as respostas específicas devem ser continuamente revisadas e atualizadas. De modo geral, o Plano reúne as diretrizes de acordo com os períodos e fases e os planos específicos por área, contendo as medidas e os procedimentos que devem ser adotados, encontram-se anexos sob forma de links.


Assuntos
Humanos , Orthomyxoviridae , Surtos de Doenças , Influenza Humana/prevenção & controle , Influenza Humana/epidemiologia , Vigilância Sanitária Ambiental , Brasil/epidemiologia , Controle Sanitário de Aeroportos e Aeronaves , Controle Sanitário de Portos e Embarcações , Controle Sanitário de Fronteiras , Comunicação em Saúde/métodos
11.
Rev. fac. cienc. méd. (Impr.) ; 16(2,n.esp): 11-22, jul.-dic. 2019. tab
Artigo em Espanhol | LILACS, BIMENA | ID: biblio-1050926

RESUMO

La carga de enfermedad por influenza está bien documentada en países de clima templado, pero hasta la fecha en Honduras solo se ha realizado un estudio, siendo este el segundo con respecto a la carga médica asociada a influenza. Objetivo: Estimar el número de hospitalizaciones y defunciones, debidos a la influenza, como causante de las infecciones respiratorias agudas en la población. Material yMétodos: Se realizó un estudio descriptivo retrospectivo. Seutilizó tres fuentes de datos secundarias:registros de todos los egresos hospitalarios, resultados de detección viral por influenza y proyecciones de población por grupos de edad. Se estimó la tasa de incidencia y su intervalo de confianza al 95%, combinando las tres fuentes de datos. Resultados: Las hospitalizaciones en las infecciones respiratorias agudas graves (IRAG) J09-J18 asociadas a influenza en el 2011-2015 son mayores en los menores de cinco años, en donde las hospitalizaciones son mayores en los años 2013 con 68.2 (IC 95%: 64.2-72.1) casos por 100, 000 habitantes. En el periodo 2011-2015. Las tasas de incidencia en las defunciones de IRAG asociadas a influenza1.Doctor(a) en medicina y cirugía.2.Doctor(a) en Pediatría3.Nivel Básico de Epidemiologia de Campo del FETP4.MSc.Epidemiólogo del FETP, coordinador de las enfermedades Transmisibles de la unidad devigilancia de la salud, Secretaria de Salud de HondurasAutor de correspondencia: Hommer Mejía, homams2003@yahool.comRecibido: Aprobado: (J09-J18) fueron mayores en el año 2014 con 1 caso (IC 95%: 0.4-1.6) por 100 000 habitantes. La circulación por influenza comenzó a incrementarse a partir de agosto del 2011 luego en los años 2012-2015 con picos altos durante los meses de octubre y noviembre. Conclusión: La carga médica asociada a influenza representa un impacto para los servicios de salud de Honduras, siendo los grupos de población en edades extremas, los que más hospitalizaciones y muertes presentaron. Se sugiere promover la vacunación contra influenza con la composición de cepas circulantes en el país y en temporada apropiada, enfatizando en los grupos más vulnerables de la población...(AU)


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Pré-Escolar , Criança , Adolescente , Influenza Humana/diagnóstico , Influenza Aviária/mortalidade , Hospitalização/estatística & dados numéricos , Infecções Respiratórias/complicações
12.
Rev. fac. cienc. méd. (Impr.) ; 16(2,n.esp): 23-33, jul.-dic. 2019. tab
Artigo em Espanhol | LILACS, BIMENA | ID: biblio-1050927

RESUMO

La influenza es una enfermedad respiratoria viral contagiosa. Se producen cambios en la composición genética de los virus tipo A y estos constituyen la base de epidemias y pandemias. Las infecciones causadas por el virus contribuyen a la morbilidad y mortalidad. Objetivo: Analizar el subsistema de vigilancia centinela de Influenza en establecimientos centinelas de Honduras 2011-2017.Materiales y Métodos:Tipo de estudio descriptivo transversal. Se usaron definiciones de caso del sistema.Se analizaron datos recolectados enTegucigalpa y San Pedro Sula. Losatributosevaluadosfueronsimplicidad,aceptabilidad,flexibilidad,temporalidadyrepresentatividad.Resultados:Los casos confirmados del 2011-2017 fueron 1,121 de los cuales (52%) 586 es Enfermedad Tipo Influenza y (48%) 535 Infección Respiratoria Aguda Grave. La razón 1:1. La media fue 16 años, rango de edad menor de 1 año a 94 años. El umbral epidemiológico demuestra que los casos presentan su pico en la semana 33. EnETI el virus mayormente identificado fue A(H3N2),en IRAG fue A(H1N1)pdm09. En simplicidad (86%) 51 conocen las definiciones operativas, en aceptabilidad (78%) 46 realiza el reporte como se estipula, flexibilidad (86%) 51 determinaron que la ficha puede modificarse, temporalidad 54% 32 considera el tiempo entre notificación y registro del caso se realiza en el tiempo estipulado y en representatividad (85%) 50 consideran que los datos representan todos los casos en su área.Conclusión:El sistema de vigilancia está compuestobajo la estructura organizativa de la Organización Panamericana de la Salud. La distribución de los virus de Influenza se encuentra concentrada en los departamentos con mayor densidad poblacional y esto favorece la propagación rápida.La estación habitualdel virus en Honduras es entre junio a noviembre con picos máximos en octubre. Se sugiererealizar análisis de este sistema en un periodo de cada dos años, para implementar mejoras y logre ser más eficaz...(AU)


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Recém-Nascido , Lactente , Pré-Escolar , Criança , Adolescente , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Idoso de 80 Anos ou mais , Doenças Respiratórias/epidemiologia , Influenza Humana/diagnóstico , Sistema Nacional de Vigilância Sanitária , Vírus da Influenza A Subtipo H1N1/imunologia
15.
Autops. Case Rep ; 9(2): e2018079, Abr.-Jun. 2019. ilus
Artigo em Inglês | LILACS | ID: biblio-994654

RESUMO

Reports of histopathological findings in a patient infected with H1N1 influenza virus are limited in the literature, although many deaths have occurred because of this viral infection. In an otherwise healthy individual with no underlying co-morbid conditions, this virus passes off as a very mild disease. However, it can be fatal in the presence of underlying risk factors. Here, we present the autopsy findings of a patient who died of H1N1 infection, but who was apparently healthy with no predisposing ailments. The autopsy revealed chronic kidney disease and caseating granulomatous lymphadenitis in addition to the known classical diffuse alveolar damage picture seen in this condition. These underlying co-morbidities may provide greater insight and a better understanding of this infection.


Assuntos
Humanos , Masculino , Adulto , Influenza Humana/patologia , Vírus da Influenza A Subtipo H1N1 , Autopsia , Evolução Fatal , Insuficiência Renal , Granuloma , Linfadenite
16.
Rev. Asoc. Méd. Argent ; 132(1): 28-32, Mar. 2019. tab, graf
Artigo em Espanhol | LILACS | ID: biblio-1010018

RESUMO

Introducción. La influenza A constituye uno de los principales problemas de salud que enfrenta la humanidad.El manejo clínico ambulatorio usando el protocolo de oseltamivir y saturomería permite realizar una práctica evaluación. Objetivo. Evaluar resultados usando protocolo de oseltamivir y saturometría en atención médica ambulatoria y emergencias en pacientes con influenza A. Métodos. Realizar un estudio clínico experimental aleatorio en pacientes con influenza A, usando protocolo con oseltamivir y saturometría y compararlo con tratamiento estándar. Conclusiones. La influenza A seguirá afectandónos por varios años más, debemos asumir una capacidad de respuesta, que incluya: la detección y confirmación de casos; así como su manejo clínico oportuno y eficaz. (AU)


Introduction. Influenza A is one of the main health problems facing humanity. Outpatient clinical management using the oseltamivir and saturomer protocol allows a practical evaluation. Objective. To evaluate results using oseltamivir protocol and saturometry in ambulatory medical care and emergencies in patients with influenza A. Methods. Perform a randomized experimental clinical study in patients with influenza A, using procolo with oseltamivir and saturometry and compare it with standard treatment. Conclusions. Influenza A will continue to affect us for several more years, we must assume a capacity to respond, that include: the detection and confirmation of cases; as well as its timely and effective clinical management. (AU)


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Adolescente , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Idoso de 80 Anos ou mais , Adulto Jovem , Oximetria , Influenza Humana/diagnóstico , Influenza Humana/terapia , Vírus da Influenza A Subtipo H1N1 , Oseltamivir/administração & dosagem , Oseltamivir/uso terapêutico , Antivirais/uso terapêutico , Vacinas contra Influenza , Diagnóstico Diferencial , Influenza Humana/prevenção & controle , Assistência Ambulatorial
17.
Rev. latinoam. enferm. (Online) ; 27: e3160, 2019. tab, graf
Artigo em Português | LILACS, BDENF - Enfermagem | ID: biblio-1020701

RESUMO

Objetivo analisar a tendência e a distribuição espacial de algumas doenças de notificação compulsória em gestantes. Método estudo ecológico, com dados do Sistema Nacional de Agravos de Notificação, das incidências das seis doenças de notificação mais frequentes em gestantes. O modelo de Prais-Winsten foi utilizado para a análise da tendência classificada em estável, decrescente e crescente, segundo macrorregiões. Para a análise espacial, foram calculadas as incidências distribuídas em percentis, em mapas coropléticos, por Regiões de Saúde. Resultados as infecções mais frequentes foram sífilis, dengue, Human Immunodeficiency Virus, influenza, hepatites e toxoplasmose. A incidência para sífilis, toxoplasmose, dengue e Human Immunodeficiency Virus aumentou 30,8%, 30,4%, 15,4% e 2,6% ao ano, em média, respectivamente. Em média, ao ano, a incidência de sífilis aumentou 40,5% na Macrorregional Norte e 38% na Macrorregional Noroeste. A análise espacial mostrou, no último quadriênio, incidência elevada para dengue, sífilis e infecção pelo Human Immunodeficiency Virus que chegaram, respectivamente, a 180,2, 141,7 e 100,8 casos por 10.000 nascidos vivos. Conclusão houve aumento da incidência de infecção em gestantes por sífilis, toxoplasmose e Human Immunodeficiency Virus, com diferenças em sua distribuição espacial, indicando que esses agravos devem ser prioridade no atendimento à gestante em regiões mais acometidas.


Objective to analyze the trend and spatial distribution of some diseases that require compulsory notification in pregnant women. Method ecological study, with data from the National Notifiable Diseases Surveillance System, of the incidence of the six most frequent diseases that, require compulsory notification, in pregnant women. The Prais-Winsten model was used to analyze the trend classified as stable, decreasing and increasing, according to macro-regions. For the spatial analysis, the incidences distributed in percentiles, in choropleth maps, by Health Regions were calculated. Results the most frequent infections were syphilis, dengue, Human Immunodeficiency Virus, influenza, hepatitis and toxoplasmosis. Incidence increased by 30.8%, 30.4%, 15.4% and 2.6%, on average, for syphilis, toxoplasmosis, dengue and Human Immunodeficiency Virus, respectively. On average, the incidence of syphilis increased by 40.5% in Macro-regional North and 38% in Macro-regional Northwest. The spatial analysis showed, in the last four years, high incidence of dengue, syphilis and infection by Human Immunodeficiency Virus, which reached 180.2, 141.7 and 100.8 cases per 10,000 live births, respectively. Conclusion there were increased incidences of infection in pregnant women due to syphilis, toxoplasmosis and Human Immunodeficiency Virus, with differences in their spatial distribution, indicating that these diseases should be a priority in the care of pregnant women in more affected regions.


Objetivo analizar la tendencia y la distribución espacial de algunas enfermedades de notificación obligatoria en gestantes. Método estudio ecológico, con datos del Sistema Nacional de Agravios de Notificación, de las incidencias de las seis enfermedades de notificación más frecuentes en gestantes. El modelo de Prais-Winsten fue utilizado para el análisis de la tendencia clasificada en estable, decreciente y creciente, según macrorregiones. Para el análisis espacial, se calcularon las incidencias, distribuidas en percentiles, en mapas coropléticos, por Regiones de Salud. Resultados las infecciones más frecuentes fueron sífilis, dengue, Human Immunodeficiency Virus, influenza, hepatitis y toxoplasmosis. Hubo aumento de la incidencia para sífilis, toxoplasmosis, dengue y Human Immunodeficiency Virus de 30,8%, 30,4%, 15,4% y 2,6% al año, en promedio, respectivamente. En promedio, al año, la incidencia de sífilis aumentaron un 40,5% en la Macrorregional Norte y un 38% en el Noroeste. El análisis espacial mostró, en el último cuadrienio, incidencias elevadas para dengue, sífilis e infección por el Human Immunodeficiency Virus que llegaron, respectivamente, a 180,2, 141,7 y 100,8 casos por 10.000 nacidos vivos. Conclusión hubo aumento de la incidencia de infección en gestantes por sífilis, toxoplasmosis y Human Immunodeficiency Virus, con diferencias en su distribución espacial, indicando que esos agravios deben ser prioridad en la atención a la gestante en regiones más acometidas.


Assuntos
Humanos , Feminino , Gravidez , Complicações na Gravidez/prevenção & controle , Infecções por HIV/epidemiologia , Notificação de Doenças/estatística & dados numéricos , Dengue/epidemiologia , Hepatite/epidemiologia , Brasil/epidemiologia , Toxoplasmose/epidemiologia , Influenza Humana/prevenção & controle
18.
São Paulo; s.n; s.n; 2019. 72 p. ilus, graf.
Tese em Português | LILACS | ID: biblio-997127

RESUMO

A gripe é causada pelo vírus Influenza e é um problema de saúde pública mundial, que pode levar a problemas sérios em idosos e crianças. O Brasil implantou a vacinação anual contra influenza a partir de 1999, como ação preventiva contra a doença. A vacina é produzida pelo Instituto Butantan e contém três cepas diferentes do vírus Influenza fragmentado para induzir resposta imune adaptativa, com produção de anticorpos específicos e neutralizantes. A literatura tem mostrado que a exposição à xenobióticos com potencial imunossupressor pode comprometer a eficácia de imunizações ativas, como a imunização contra a gripe. Nosso grupo de pesquisa tem mostrado que a exposição à hidroquinona (HQ), um composto tóxico presente em altas concentrações na fumaça do cigarro, prejudica a resposta imune inata e adquirida. Assim, este trabalho avaliou o efeito da exposição à HQ sobre a resposta imune à vacinação contra influenza. Camundongos machos da linhagem C57BL/6 foram diariamente expostos à HQ (2500 ppm) ou PBS, por 1 hora, por nebulização, por um período de 8 semanas. Durante este período, foram imunizados nas semanas 6 e 8 do início das exposições, pela injeção i.m. de 100µL da vacina. Os parâmetros tóxicos e imunológicos foram avaliados 7, 35 e 70 dias após a segunda dose da vacina. A exposição à HQ não alterou o peso corpóreo dos animais e nem causou alterações morfológicas no pulmão, fígado e rins (histologia por H&E); reduziu a frequência de hemácias (11%), hematócrito (14%), hemoglobina (14%) e volume celular (4%); causou estresse oxidativo no baço (citometria de fluxo); aumentou a área dos folículos de células B no baço e linfonodomegalia (histologia por H&E). Em conjunto, os dados aqui obtidos mostram que a exposição à HQ afetou mecanismos envolvidos na gênese da imunidade ativa contra influenza. Assim, os dados deste trabalho mostram mecanismos tóxicos ainda não descritos para a HQ, e ressalta a HQ como um poluente ambiental que deve ser considerado nas avaliações de risco


The flu is a health problem worldwide which is caused by the Influenza virus and may result in severe illness in infants and the elderly. The annually vaccination against influenza was implemented in Brazil in 1999 as a preventive measure. The vaccine is produced by Butantan Institute and contains three different strains of the inactivated Influenza virus which induce the adaptive immune response along with production of specific and neutralizing antibodies. The literature has shown that exposure to immunosuppressive xenobiotics may compromise the efficacy of active immunizations, such as influenza. Our research group has shown that exposure to hydroquinone (HQ), a toxic constituent of cigarette smoke, impairs both innate and adaptive immune response. Thus, the aim of this work was to evaluate the effects of HQ on the immune response induced by the influenza vaccine. Male C57BL/6 mice were daily exposed to HQ (2500 ppm) or PBS by nebulization, for 1 hour, for 8 weeks. During the exposure period, the animals were vaccinated on weeks 6 and 8 with 100µL of the vaccine. Toxicologic and immunological parameters were assessed 7, 35 and 70 days after boost administration. HQ exposure did not alter body weight and did not cause morphological alterations in the lungs, liver and kidneys (H&E staining); reduced the frequency of erythrocytes (11%), hematocrit (14%), hemoglobin (14%) and cellular volume (4%) and caused oxidative stress on the spleen (Flow Cytometry); increased the area of B cell follicles in the spleen and increased the size of draining lymph nodes (H&E staining). Altogether, these data show that HQ exposure affected mechanisms involved in the genesis of the adaptive immune response. Thus, the data presented in this work show toxic mechanisms of HQ that have not yet been described, and it also points out HQ as an environmental pollutant which should be considered on risk assessments


Assuntos
Animais , Masculino , Camundongos , Influenza Humana/patologia , Hidroquinonas/efeitos adversos , Vacinação/classificação , Imunidade Ativa
19.
Rev. panam. salud pública ; 43: e15, 2019. tab, graf
Artigo em Espanhol | LILACS | ID: biblio-985757

RESUMO

RESUMEN Objetivos Comparar las tasas de mortalidad por infección respiratoria aguda grave atribuible a gripe (IRAG) entre los períodos antes de la vacunación (AV) y después de la vacunación (DV), conocer la evolución histórica y estacionalidad de serie histórica entre 2002-2016 y estimar el riesgo de morir de niños entre 6 y 23 meses mediante el empleo de un modelo estadístico. Métodos Estudio de serie histórica con datos oficiales de mortalidad del informe estadístico de defunción. Se consideraron como IRAG los códigos de CIE-10 entre J09-18.9 y J22X. Se calcularon tasas brutas (TB) y ajustadas por edad (TAE) y se compararon los períodos AV (2002-2009) y DV (2010-2016) con prueba de χ2. El mejor modelo estadístico fue el que comparó las defunciones por IRAG en niños durante el 2002 con otros años. Se analizaron los datos con programa R, nivel de significancia P <0,05. Resultados El 4,6% (301 747) de las defunciones fueron por IRAG, con una edad mediana de 82 años, el porcentaje de fallecidos menores de dos años disminuyó en el período DV (2,34% a 0,99%, P < 0,05). Se presentó una marcada estacionalidad en invierno. Las TAE en gerontes pasaron de 259,8 AV a 328,6 por 100 000 personas DV (P < 0,05). En los niños, la TB disminuyó de manera significativa, estimando que el riesgo de morir por IRAG, comparado con el año 2 002, fue significativamente menor durante 3 años DV. Conclusiones La disminución de la mortalidad por gripe en Argentina fue más evidente en niños, con un descenso estimado de 3,5 niños fallecidos por IRAG por mes.


ABSTRACT Objectives Compare mortality from severe acute respiratory infection (SARI) attributable to influenza between pre-vaccination (pre-V) and post-vaccination (post-V) periods, to determine the historical evolution and seasonality of time series between 2002 and 2016, and to estimate the risk of death in children between 6 and 23 months of age, using a statistical model. Methods Time-series study using official mortality data from the official statistical database on deaths. ICD-10 codes between J09-18.9 and J22X were considered to represent SARI. Crude rates and age-adjusted rates (AAR) were calculated, and pre-V (2002-2009) and post-V (2010-2016) periods were compared using the chi-squared (χ2) test. The best statistical model was the one that compared deaths from SARI in children during 2002 with other years. The data were analyzed with R programming (p <0.05). Results 4.6% of deaths (301,747) were from SARI, with a median age of 82 years. The percentage of deaths under age 2 declined in the post-V period (from 2.34% to 0.99%, p < 0.05). Marked seasonality was observed in winter. The AAR in persons over age 64 rose from 259.8 per 100,000 population (pre-V) to 328.6 (post-V) (p < 0.05). In children, the crude rate dropped significantly. Compared with the year 2002, there was a significantly lower estimated risk of dying from SARI during the three years post-V. Conclusions The reduction in mortality from influenza in Argentina was more pronounced in children, with an estimated 3.5 fewer child deaths from SARI per month.


RESUMO Objetivos Comparar o índice de mortalidade por infecção respiratória aguda grave atribuível à gripe nos períodos pré-vacinal e pós-vacinal, conhecer a evolução temporal e a sazonalidade da série temporal entre 2002 e 2016 e estimar o risco de morte em crianças entre 6 e 23 meses de idade com o uso de um modelo estatístico. Métodos Estudo de série histórica com base em dados oficiais de mortalidade obtidos do informe estatístico de óbitos. Os códigos da CID-10 entre J09-18.9 e J22X foram considerados como sendo infecção respiratória aguda grave atribuível à gripe. Foram calculados os índices de mortalidade brutos e ajustados por idade e feita uma comparação entre os períodos pré-vacinal (2002-2009) e pós-vacinal (2010-2016) com o teste de χ2. O melhor modelo estatístico foi o que comparou os índices de mortalidade por infecção respiratória aguda grave atribuível à gripe em crianças em 2002 com os outros anos. Os dados foram analisados com o programa R, a um nível de significância P<0,05. Resultados Observou-se que 4,6% (301.747) das mortes foram por infecção respiratória aguda grave atribuível à gripe, com idade mediana de 82 anos. Houve queda no percentual de mortes em crianças menores de dois anos no período pós-vacinal (2,34% a 0,99%, P< 0,05). Verificou-se uma acentuada sazonalidade no inverno. Os índices ajustados por idade em idosos variaram entre 259,8 por 100 mil no período pré-vacinal e 328,6 por 100 mil no período pós-vacinal (P<0,05). Nas crianças, houve queda significativa nos índices brutos, estimando-se um risco significativamente menor de morte por infecção respiratória aguda grave atribuível à gripe nos 3 anos pós-vacinais em comparação a 2002. Conclusões A redução da mortalidade pela gripe na Argentina foi mais evidente em crianças, com uma redução estimada de 3,5 mortes por mês.


Assuntos
Programas de Imunização/provisão & distribução , Evolução Fatal , Influenza Humana/prevenção & controle , Argentina
20.
Rev. panam. salud pública ; 43: e1, 2019. tab, graf
Artigo em Inglês | LILACS | ID: biblio-985764

RESUMO

ABSTRACT Objective To 1) describe clinical characteristics of adult patients in Chile with severe acute respiratory infections (SARI) associated with influenza viruses, and 2) analyze virus subtypes identified in specimens collected from those patients, hospital resources used in clinical management, clinical evolution, and risk factors associated with a fatal outcome, using observational data from the SARI surveillance network (SARInet). Methods Adults hospitalized from 1 July 2011 to 31 December 2015 with influenza-associated SARI at a SARI sentinel surveillance hospital in Santiago were identified and the presence of influenza in all cases confirmed by reverse transcription polymerase chain reaction (RT-PCR), using respiratory samples. Results A total of 221 patients (mean age: 74.1 years) were hospitalized with influenza-associated SARI during the study period. Of this study cohort, 91.4% had risk factors for complications and 34.3% had been vaccinated during the most recent campaign. Pneumonia was the most frequent clinical manifestation, occurring in 57.0% of the cohort; other manifestations included influenza-like illness, exacerbated chronic bronchitis, decompensated heart failure, and asthmatic crisis. Cases occurred year-round, with an epidemic peak during autumn-winter. Both influenza A (H1N1pdm09 and H3N2) and B virus co-circulated. Critical care beds were required for 26.7% of the cohort, and 19.5% needed ventilatory assistance. Multivariate analysis identified four significant factors associated with in-hospital mortality: 1) being bedridden (adjusted odds ratio (aOR): 22.3; 95% confidence interval (CI): 3.0-164); 2) admission to critical care unit (aOR: 8.9; CI: 1.44-55); 3) Pa02/Fi02 ratio < 250 (aOR: 5.8; CI: 1.02-33); and 4) increased serum creatinine concentration (> 1 mg/dL) (aOR: 5.47; CI: 1.20-24). Seasonal influenza vaccine was identified as a significant protective factor (aOR: 0.14; CI: 0.021-0.90). Conclusions Influenza-associated SARI affected mainly elderly patients with underlying conditions. Most patients evolved to respiratory failure and more than one-quarter required critical care beds. Clinical presentation was variable. Death was associated with host characteristics and disease-associated conditions, and vaccine was protective. Virus type did not influence outcome.


resumen está disponible en el texto completo


RESUMO Objetivo Descrever as características clínicas de pacientes adultos com infecção respiratória aguda grave (SARI) associada ao vírus da influenza e analisar os subtipos virais identificados em amostras coletadas destes pacientes, os recursos hospitalares empregados no tratamento clínico, a evolução clínica e os fatores de risco clínicos associados a um desfecho fatal, a partir de dados observacionais da rede de vigilância de SARI (SARInet) no Chile. Métodos Foram identificados os adultos hospitalizados com SARI associada a influenza em um hospital-sentinela de vigilância de SARI, em Santiago, de 1o de julho de 2011 a 31 de dezembro de 2015. A ocorrência de influenza foi confirmada em amostras respiratórias em todos os casos com a reação em cadeia da polimerase via transcriptase reversa (RT-RCP). Resultados Ao todo, 221 pacientes (idade média de 74,1 anos) foram hospitalizados com SARI associada a influenza no período de estudo. Nesta coorte, 91,4% apresentavam fatores de risco para complicação e 34,3% haviam sido vacinados na última campanha de vacinação. Pneumonia foi a manifestação clínica mais frequente, ocorrendo em 57,0% da coorte. Outras manifestações foram doença gripal, bronquite crônica exacerbada, insuficiência cardíaca descompensada e crise asmática. Os casos estiveram distribuídos ao longo do ano, com pico epidêmico no outono-inverno. Houve circulação simultânea dos vírus da influenza A (H1N1pdm09 e H3N2) e B. Leitos de terapia intensiva foram necessários em 26,7% da coorte e suporte ventilatório, em 19,5%. Na análise multivariada, quatro fatores importantes associados à mortalidade hospitalar foram identificados: estar restrito ao leito (odds ratio ajustado [ORaj] 22.3; intervalo de confiança de 95% [IC 95%] 3.0-164); ser admitido na unidade de terapia intensiva (ORaj 8.9, IC 95% 1.4 4-55); relação Pa02/Fi02 <250 (ORaj 5.8; IC 95% 1.02-33) e aumento da creatinina sérica (>1 mg/dl) (ORaj 5.47; IC 95% 1.20-24). A vacinação sazonal contra influenza foi identificada como importante fator de proteção (ORaj 0.14; IC 95% 0.021-0.90). Conclusões A SARI associada a influenza acometeu sobretudo pacientes idosos com doenças preexistentes. A maioria dos pacientes evoluiu com insuficiência respiratória e mais de um quarto precisou de cuidados intensivos. O quadro clínico foi variável. Morte foi associada às características do hospedeiro e problemas relacionados à doença. A vacinação teve efeito protetor e o tipo viral não influiu no desfecho.


Assuntos
Infecções Respiratórias/complicações , Evolução Fatal , Influenza Humana/transmissão , Chile
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA