Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 2 de 2
Filtrar
Mais filtros










Filtros aplicados

Base de dados
Tipo de estudo
Intervalo de ano de publicação
1.
Arq. bras. med. vet. zootec. (Online) ; 72(1): 119-124, Jan.-Feb. 2020. tab, ilus
Artigo em Inglês | LILACS, VETINDEX | ID: biblio-1088905

RESUMO

This case report describes the outcome of treatment of dogs with advanced (deeply invasive) nasal planum squamous cell carcinomas with palliative or definitive radiation therapy. All dogs were diagnosed with nasal planum squamous cell carcinoma by histopathology, and their owners declined aggressive surgery. Dogs were treated with a cobalt-60 unit, definitive-intent radiation protocol consisting of 15 daily fractions (Monday-Friday) of 2.8 Gy, and palliative radiation protocol consisting of 4 fractions of 8 Gy performed once a week. Three dogs had T3 tumors and three had T4 tumors according to the WHO staging system. Two dogs had tumor complete remission and four had tumor partial remission. Survival time of dogs submitted to radiation therapy was 95-417 days. Radiation acute side effects involved only mild epilation and cutaneous erythema in palliative protocols, and moist desquamation, epilation, mild rhinitis and oral mucositis in definitive-intent RT. Radiation therapy, especially palliative protocols, can be a treatment option for nasal planum squamous cell carcinoma in dogs, when the owner declines aggressive surgery. It may contribute to partial or complete tumor remission and better patient quality of life, even at advanced stages, leading to mild side effects.(AU)


Este relato descreve seis casos de carcinoma de células escamosas de plano nasal canino tratados com radioterapia definitiva ou paliativa. Em todos os casos, o diagnóstico definitivo foi feito mediante biópsia, e os tutores declinaram da cirurgia agressiva. A radioterapia foi realizada utilizando-se um equipamento de cobalto-60, e o protocolo definitivo consistiu de 15 frações de 2,8 Gy, cinco vezes por semana (segunda a sexta), enquanto o protocolo paliativo consistiu de quatro frações de 8 Gy, uma vez por semana. Seis cães foram tratados, entre os quais três tinham tumores em estágio T3 e três em estágio T4, de acordo com a tabela TNM da Organização Mundial da Saúde. Dois animais apresentaram remissão completa do tumor após o tratamento e quatro apresentaram remissão parcial. O tempo de sobrevida variou entre 95-417 dias, sendo que dois animais ainda estão vivos e em observação. Os efeitos colaterais da radioterapia foram apenas epilação e eritema leve, no protocolo paliativo, e epilação, radiodermite úmida, rinite e mucosite oral, no protocolo definitivo. A radioterapia, especialmente no protocolo paliativo, pode ser considerada uma opção de tratamento quando os tutores declinam da cirurgia agressiva. Ela pode contribuir para remissão (parcial ou completa) do tumor e melhor qualidade de vida do paciente, mesmo nos casos avançados, levando a efeitos colaterais mínimos.(AU)


Assuntos
Animais , Cães , Neoplasias Nasais/veterinária , Carcinoma de Células Escamosas de Cabeça e Pescoço/radioterapia , Carcinoma de Células Escamosas de Cabeça e Pescoço/veterinária , Cuidados Paliativos
2.
Rev. bras. cancerol ; 66(1)20200129.
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-1087670

RESUMO

Introdução: O carcinoma de células escamosas é o tumor de maior importância na região de cabeça e pescoço, em razão da sua incidência e mortalidade. Sabe-se que fatores como consumo de álcool estão relacionados à diminuição da sobrevida de tumores tanto estimulando a progressão tumoral como causando comorbidades importantes, sendo um fator relevante para estudo. Objetivo: Avaliar a influência do histórico de álcool em características clinicoprognósticas de pacientes com carcinoma de células escamosas de boca e orofaringe (CCEBO). Método: Estudo de coorte, retrospectivo, no qual 156 prontuários de pacientes etilistas e 78 prontuários de pacientes não etilistas com CCEBO diagnosticados no Hospital Haroldo Juaçaba, em Fortaleza, Ceará, foram avaliados, entre 2000 e 2014, para análise de dados como idade, sexo, raça, localização do tumor, estadiamento TNM, tratamentos realizados e sobrevida em 15 anos por meio dos testes X², Long-Rank e modelos de regressão multinomial e de Cox (SPSS 20,0; p<0,05). Resultados: Houve maior prevalência de homens entre os pacientes etilistas (p<0,001), com tumores T3-T4 (p=0,003), linfonodos positivos (p=0,006) que realizaram tratamentos paliativos (p<0,001) e menor prevalência abaixo de 65 anos (p<0,001), quando havia histórico familiar de câncer (p=0,043). A sobrevida dos pacientes etilistas foi menor (p=0,040) e os fatores que diminuíram a sobrevida de maneira independente foram sexo masculino (p=0,042), estadiamento T3-T4 (p=0,004), metástase linfonodal (p=0,012), idade >65 anos (p=0,035) e localização na língua (p=0,042). O sexo masculino foi independentemente associado ao etilismo (p<0,001). Conclusão: O álcool é um fator de prognóstico em pacientes com CCEBO, mostrando maior prevalência em pacientes T3-T4 e, assim, influenciando negativamente no prognóstico.


Introduction: Squamous cell carcinoma is the most important tumor in the head and neck region, due to its incidence and mortality. It is known that factors as alcohol consumption are related to the decrease of the survival of tumors, either stimulating tumor progression or causing considerable comorbidities, being an important study factor. Objective: Evaluate the influence of alcohol history on clinical and prognostic characteristics of patients with mouth oropharynx squamous cell carcinoma (MOSCC). Method: A retrospective cohort study in which 156 charts of alcoholic patients and 78 medical charts of non-alcoholic patients with MOSCC diagnosed at Haroldo Juaçaba Hospital in Fortaleza, state of Ceará were evaluated between 2000 and 2014 for data analysis such as age, gender and race, tumor location, TNM staging, treatments performed and 15-year survival through X², Long-Rank and Cox and multinomial regression models (SPSS 20.0; p <0.05). Results: Men were more prevalent among alcoholic patients (p <0.001), with T3/4 tumors (p = 0.003), positive lymph nodes (p = 0.006) who submitted to palliative treatments (p<0.001) and lower prevalence under 65 years (p <0.001), when there was a family history of cancer (p = 0.043). The survival of alcoholic patients was lower (p = 0.040) and the factors that independently reduced survival were male sex (p = 0.042), T3-T4 staging (p = 0.004), lymph node metastasis (p = 0.012), age> 65 years (p = 0.035) and tumor in the tongue (p = 0.042). Male sex was independently associated with alcohol consumption (p<0.001). Conclusion: Alcohol is a prognostic factor in patients with MOSCC, showing a higher prevalence in T3-T4 patients and, thus, negatively influencing the prognosis.


Introducción: El carcinoma de células escamosas es el tumor de mayor importancia en la región de cabeza y cuello, debido a su incidencia y mortalidad. Se sabe que factores como el consumo de alcohol están relacionado con la disminución de la supervivencia de tumores tanto estimulando la progresión tumoral, como provocando comorbilidades considerables, siendo un factor de estudio importante. Objetivo: Evaluar la influencia del historial del consumo de alcohol en las características clínicas-pronósticas de pacientes con carcinoma de células escamosas oral y orofaringe (CCEOO). Método: Estudio retrospectivo en el que se evaluaron 156 registros médicos de pacientes consumidores de alcohol y 78 de pacientes no alcohólicos con CCEOO diagnosticados en el Hospital Haroldo Juaçaba, en Fortaleza, Ceará, entre 2000 y 2014, para el análisis de datos como edad, sexo raza, escolaridad, los antecedentes familiares, vínculo matrimonial, registro en el servicio, ubicación del tumor, clasificación de TNM, los tratamientos realizados y la supervivencia durante 15 años a través de las pruebas X² Long-Rank y modelos de regresión multinomial y de Cox (SPSS 20.0; p<0,05). Resultados: Hubo una mayor prevalencia de hombres entre pacientes alcohólicos (p<0,001), con tumores T3-T4 (p=0,003), ganglios linfáticos positivos (p=0,006), y realizó tratamientos paliativos (p<0,001) y menor prevalencia en paciente menores de 65 años (p <0,001); cuando se presentaron antecedentes familiares de cáncer (p=0,043). La supervivencia de los pacientes alcohólicos fue menor (p=0,040); y los factores que disminuyeron la supervivencia de forma independiente fueron hombres (p=0,042); estadificación t3-t4 (p=0,004); metástasis a ganglios linfáticos (p=0,012); edad > 65 años (p=0,035); localización de la lengua (p=0,042). El sexo masculino se asoció independientemente con el consumo de alcohol (p<0,001). Conclusión: El alcohol define el pronóstico en pacientes con CCEOO, muestra una mayor prevalencia en pacientes con T3-T4, por lo tanto, influye negativamente en el pronóstico.


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Consumo de Bebidas Alcoólicas/efeitos adversos , Neoplasias Bucais/epidemiologia , Neoplasias Orofaríngeas/epidemiologia , Carcinoma de Células Escamosas de Cabeça e Pescoço/epidemiologia , Prognóstico , Sobrevida , Tabagismo , Fatores Sexuais , Estudos Retrospectivos , Fatores de Risco , Seguimentos , Fatores Etários
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA