Your browser doesn't support javascript.
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 2 de 2
Filtrar
Mais filtros










Filtros aplicados

Base de dados
Intervalo de ano de publicação
1.
Acta cir. bras ; 20(6): 434-436, nov.-dez. 2005. ilus, graf
Artigo em Inglês | LILACS | ID: lil-417057

RESUMO

OBJETIVO: Analisar se a mensuração da proteína carbonilada pode ser validada como método capaz de permitir a identificação de um estresse oxidativo intestinal causado por lesões decorrentes da isquemia e reperfusão. MÉTODOS: Vinte e cinco ratos machos da linhagem Wistar, pesando entre 200 e 250g, foram divididos em três grupos. Grupo I – controle (n = 10). Grupo II – simulação (n = 5) e grupo III (n = 10) submetido a 60 minutos de isquemia intestinal e igual intervalo para reperfusão. Para este fim clampeou-se a artéria mesentérica superior no seu terço distal. Alterações histológicas e os níveis de proteínas carboniladas foram determinados em amostras obtidas em todos os grupos. No grupo III foram estudados segmentos ileais reperfundidos e normais. RESULTADOS: Em todos os segmentos reperfundidos houve edema da mucosa e submucosa, além de infiltrado inflamatório da lâmina própria. Os níveis de proteína carbonilada aumentaram no grupo III, inclusive nos segmentos não isquemiados. A sensibilidade e a especificidade da proteína carbonilada no tecido foram, respectivamente, de 94% e 88%. CONCLUSÃO: O procedimento da proteína carbonilada é útil como marcador biológico do estresse oxidativo após isquemia e reperfusão intestinal em ratos. Também foi relevante o efeito do estresse oxidativo, observado à distância do lócus da lesão primária.


Assuntos
Animais , Masculino , Ratos , Ácido Carbônico/análise , Intestinos/irrigação sanguínea , Estresse Oxidativo , Proteínas/química , Traumatismo por Reperfusão/patologia , Ácido Carbônico/metabolismo , Íleo/irrigação sanguínea , Biomarcadores/análise , Biomarcadores/metabolismo , Proteínas/metabolismo , Distribuição Aleatória , Ratos Wistar , Sensibilidade e Especificidade , Traumatismo por Reperfusão/metabolismo
2.
Braz. j. med. biol. res ; 35(7): 851-854, July 2002. tab
Artigo em Inglês | LILACS | ID: lil-316728

RESUMO

The aim of the present study was to confirm whether feeding influences the resting breathing rate and to observe possible alterations in blood gas and pH levels produced by feeding in unanesthetized sloths (Bradypus variegatus). Five adult male sloths (4.1 ± 0.6 kg) were placed daily in an experimental chair for a period of at least 4 h for sitting adaptation. Five measurements were made for each sloth. However, the sloths one, two and five were studied once and the sloths three and four were studied twice. Breathing rate was determined with an impedance meter and the output signal was digitized. Arterial blood samples were collected for blood gas analysis with a BGE electrolytes analyzer and adjusted for the animal's body temperature and hemoglobin content. The data are reported as mean ± SD and were collected during the resting period (8:00-10:00 h) and during the feeding period (16:00-18:00 h). The mean breathing rate increased during mastication of ymbahuba leaves (rest: 5.0 ± 1, feeding: 10 ± 1 bpm). No significant alterations were observed in arterial pH (rest: 7.42 ± 0.05, feeding: 7.45 ± 0.03), PCO2 (rest: 35.2 ± 5.3, feeding: 33.3 ± 4.4 mmHg) or PO2 (rest: 77.5 ± 8.2, feeding: 78.4 ± 5.2 mmHg) levels. These results indicate that in unanesthetized sloths 1) feeding evokes an increase in breathing rate without a significant change in arterial pH, PCO2 or PO2 levels, and 2) the increase in breathing rate produced by feeding probably is due to the act of mastication


Assuntos
Animais , Masculino , Ingestão de Alimentos , Respiração , Bichos-Preguiça , Gasometria , Testes Respiratórios , Dióxido de Carbono , Ácido Carbônico , Comportamento Alimentar , Concentração de Íons de Hidrogênio
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA