Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 7 de 7
Filtrar
Mais filtros










Filtros aplicados
Intervalo de ano de publicação
1.
Braz. j. microbiol ; 44(3): 673-678, July-Sept. 2013. graf
Artigo em Inglês | LILACS | ID: lil-699780

RESUMO

Lettuce is a leafy vegetable widely used in industry for minimally processed products, in which the step of sanitization is the crucial moment for ensuring a safe food for consumption. Chlorinated compounds, mainly sodium hypochlorite, are the most used in Brazil, but the formation of trihalomethanes from this sanitizer is a drawback. Then, the search for alternative methods to sodium hypochlorite has been emerging as a matter of great interest. The suitability of chlorine dioxide (60 mg L-1/10 min), peracetic acid (100 mg L-1/15 min) and ozonated water (1.2 mg L-1 /1 min) as alternative sanitizers to sodium hypochlorite (150 mg L-1 free chlorine/15 min) were evaluated. Minimally processed lettuce washed with tap water for 1 min was used as a control. Microbiological analyses were performed in triplicate, before and after sanitization, and at 3, 6, 9 and 12 days of storage at 2 ± 1 ºC with the product packaged on LDPE bags of 60 µm. It was evaluated total coliforms, Escherichia coli, Salmonella spp., psicrotrophic and mesophilic bacteria, yeasts and molds. All samples of minimally processed lettuce showed absence of E. coli and Salmonella spp. The treatments of chlorine dioxide, peracetic acid and ozonated water promoted reduction of 2.5, 1.1 and 0.7 log cycle, respectively, on count of microbial load of minimally processed product and can be used as substitutes for sodium hypochlorite. These alternative compounds promoted a shelf-life of six days to minimally processed lettuce, while the shelf-life with sodium hypochlorite was 12 days.


Assuntos
Compostos Clorados/farmacologia , Desinfetantes/farmacologia , Desinfecção/métodos , Alface/microbiologia , Óxidos/farmacologia , Ozônio/farmacologia , Ácido Peracético/farmacologia , Carga Bacteriana , Brasil , Enterobacteriaceae/isolamento & purificação , Escherichia coli/isolamento & purificação , Armazenamento de Alimentos , Salmonella/isolamento & purificação , Hipoclorito de Sódio/farmacologia , Temperatura , Fatores de Tempo
2.
J. appl. oral sci ; 19(2): 90-94, May-Apr. 2011. tab
Artigo em Inglês | LILACS | ID: lil-586028

RESUMO

OBJECTIVES: The aim of this work was to evaluate saliva and tongue coating pH in oral healthy patients with morning bad breath before and after use of different oral mouthrinses. MATERIAL AND METHODS: Saliva and tongue coating pH of 50 patients allocated in 5 groups were measured respectively by a digital pHmeter and color pH indicators, before, immediately after and 30 min after rinsing 5 different mouthrinses: cetilpiridine chloride associated with sodium chloride, triclosan, enzymatic solution, essential oil and distilled water. RESULTS: Only triclosan and essential oil increased salivary pH immediately after rising. The enzymatic solution decreased salivary and tongue coating pH immediately after rinsing. CONCLUSIONS: Salivary pH tended to be acidic while tongue coating pH tended to be alkaline, even after rising. Triclosan and essential oil mouthrinses increased salivary pH immediately after rinsing. Enzymatic solution decreased saliva and tongue coating pH immediately after rising.


Assuntos
Humanos , Halitose/tratamento farmacológico , Antissépticos Bucais/farmacologia , Saliva/química , Língua/química , Análise de Variância , Anti-Infecciosos Locais/farmacologia , Estudos de Casos e Controles , Compostos Clorados/farmacologia , Desinfetantes de Equipamento Odontológico/farmacologia , Concentração de Íons de Hidrogênio/efeitos dos fármacos , Óxidos/farmacologia , Saliva/efeitos dos fármacos , Cloreto de Sódio/farmacologia , Fatores de Tempo , Língua/efeitos dos fármacos , Triclosan/farmacologia
3.
RFO UPF ; 13(2): 45-50, maio-ago. 2008. tab
Artigo em Português | LILACS, BBO - Odontologia | ID: lil-497082

RESUMO

O objetivo do presente estudo foi verificar a influência do pH, embalagem e local de armazenamento na estabilidade química da solução de hipoclorito de sódio em diferentes concentrações. Quinze litros da solução de hipoclorito de sódio foram preparados a partir da diluição de uma solução concentrada para cada uma das seguintes concentrações 0,57 por cento, 1,16 por cento, 2,98 por cento e 6 por cento, perfazendo um total de sessenta litros. Após o preparo, as soluções, foram armazenadas em cinco tipos de embalagens (frasco de vidro âmbar, frasco de vidro transparente, frasco de plástico âmbar, frasco de plástico transparente e frasco de plástico branco opaco) e em três locais diferentes (luminosidade ambiente, ambiente ao abrigo da luz e refrigerador) por um tempo experimental de 180 dias. A análise do pH foi realizada em 1, 7, 15, 30, 60, 90, 120, 150 e 180 dias de armazenamento, por meio de um peagâmetro. O teor de cloro foi verificado pelo método da iodometria em triplicata no início do experimento e após os 180 dias de armazenamento. Verificou-se que todos os valores de pH encontrados foram superiores a 11, sendo, portanto, favoráveis para a estabilidade das soluções de hipoclorito de sódio analisadas. Os fatores que interferiram na estabilidade química das soluções analisadas foram a embalagem e o local de armazenamento. Em relação à embalagem de armazenamento, devem-se usar frascos de vidro ou plástico âmbar e armazená-los em refrigerador.


Assuntos
Compostos Clorados , Cavidade Pulpar , Endodontia , Hipoclorito de Sódio
4.
Braz. oral res ; 21(1): 70-74, Jan.-Mar. 2007. tab
Artigo em Inglês | LILACS | ID: lil-444565

RESUMO

The aim of this study was to evaluate the VSC-inhibiting effect of a commercially available mouthrinse (0.1 percent chlorine dioxide) when compared to its placebo. A 2-step double blind, crossover, randomised study was conducted with 14 dental students with healthy periodontium, who refrained from any mechanical plaque and tongue coating control during two 4-day experimental periods. The subjects were instructed to rinse 3 times daily with the assigned product during each period. A 7-day washout interval was established. VSCs levels were measured by a sulphide monitor at the beginning (baseline) and at the end of each experimental period. Statistical analyses were performed using Wilcoxon's and Mann-Whitney's non-parametric tests. At baseline, intragroup analysis revealed that VSCs levels did not differ between groups (p > 0.05); at day 5, the use of the chlorine dioxide mouthrinse did not change the baseline VSCs scores in the control group (p > 0.05), while a 2-fold increase was observed with the use of the placebo mouthrinse (p < 0.05). Intergroup analysis showed a significant difference between the VSCs levels of the test and control groups (40.2 ± 30.72 and 82.3 ± 75.63 ppb, p < 0.001) at day 5. Within the limits of this study, the findings suggest that a mouthrinse containing chlorine dioxide can maintain VSCs at lower levels in the morning breath.


O objetivo do presente estudo foi avaliar o efeito inibitório do enxaguatório de dióxido de cloro a 0,1 por cento sobre a formação dos CSVs, quando comparados a um placebo. Um estudo randomizado, cruzado, duplo cego foi conduzido com 14 estudantes de odontologia apresentando saúde periodontal, os quais se abstiveram dos hábitos de escovação dentária e limpeza da língua durante dois períodos experimentais de 4 dias. Os voluntários foram orientados a utilizar o enxaguatório designado 3 vezes ao dia conforme indicado no rótulo. Um intervalo de 7 dias foi estabelecido entre os períodos experimentais. No início ("baseline") e no final de cada período experimental, os níveis de CSVs foram medidos com o uso do monitor de sulfetos. Análise estatística foi realizada utilizando-se os testes não-paramétricos de Wilcoxon e Mann-Whitney. No "baseline", uma análise intragrupo revelou que os níveis de CSVs não diferiram entre os grupos (p > 0.05); no dia 5, o uso do dióxido de cloro não promoveu mudanças significativas nos níveis de CSVs em relação ao "baseline" no grupo controle (p > 0,05), entretanto os níveis de CSVs duplicaram com a utilização enxaguatório placebo (p < 0,05). Uma análise entre os grupos teste e controle revelou diferença significante para os níveis de CSVs (40,2 ± 30,72 e 82,3 ± 75,63 ppb, p < 0,001) no dia 5. Dentro dos limites deste estudo, os achados sugerem que o uso de enxaguatórios contendo dióxido de cloro pode promover a manutenção de baixos níveis de CSVs no hálito matinal.


Assuntos
Adolescente , Adulto , Feminino , Humanos , Masculino , Anti-Infecciosos Locais/uso terapêutico , Compostos Clorados/uso terapêutico , Halitose/tratamento farmacológico , Óxidos/uso terapêutico , Compostos de Enxofre/antagonistas & inibidores , Bactérias/efeitos dos fármacos , Estudos Cross-Over , Método Duplo-Cego , Combinação de Medicamentos , Placa Dentária/prevenção & controle , Halitose/prevenção & controle , Placebos , Resultado do Tratamento
5.
Eng. sanit. ambient ; 10(3): 200-208, jul.-set. 2005. ilus, tab, graf
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-415870

RESUMO

A desinfecção dos esgotos deve ser considerada quando se pretende reduzir os riscos de transmissão de doenças infecto-contagiosas. Nesse sentido, os requisitos de qualidade de uma água devem ser avaliados em função dos usos previstos para a mesma. O dióxido de cloro (ClO2) possui excelentes propriedades bactericidas, virucidas, esporocidas e algicidas e, devido a isso, é usado como desinfetante de água de abastecimento e efluente doméstico, bem como inibidor de crescimento de algas. O objetivo do trabalho foi estudar a melhor dosagem para uma boa desinfecção de efluentes sanitários previamente tratados mediante lodos ativados por aeração prolongada, avaliar a inativação de coliformes e o residual de dióxido de cloro remanescente. Foram realizados ensaios para diferentes dosagens de dióxido de cloro e diferentes tempos de contato. Os resultados obtidos mostraram que a dosagem mais indicada para desinfecção do efluente estudado foi 2,0 mg ClO2/L com um tempo de contato de 20 minutos, condições sob as quais é atingido 100 por cento de remoção de coliformes fecais e oxidada parcialmente a matéria orgânica remanescente, em tanto que os valores de pH e residual de ClO2 do efluente mantêm-se dentro dos admitidos pelas normativas brasileira e estadunidense em vigor. O estudo econômico levado a cabo permitiu concluir que a desinfecção de efluente doméstico mediante dióxido de cloro pode ser economicamente viável.


Assuntos
Cloro , Compostos Clorados , Tratamento de Águas Residuárias , Desinfecção da Água
6.
Hig. aliment ; 16(98): 29-37, jul. 2002. tab, graf
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-329718

RESUMO

O uso de de derivados clorados de origem inorgânica, como gás cloro, hipoclorito de sódio, hipoclorito de cálcio e dos derivados clorados de origem orgânica, cujo principal representante é o dicloroisocianurato de sódio, tem contribuído para o controle das doenças de origem hídrica e alimentar, do processo de desinfecção de pisos, equipamentos e utensílios em áreas de industriais e de residências. Atualmente existe no mercado o dicloroisocianurato de sódio na forma comprimido efervescente, em diversos tamanhos, ou seja, o tamanho do comprimido a ser utilizado é em função do volume da solução sanificante a ser preparada e da concentração de cloro residual livre que se deseja, o que evita erros na dosagem do teor de matéria ativa e na perda do produto pelo consumo em excesso. O uso de derivados clorados de origem orgânica, principalmente o dicloroisocianurato de sódio, nos laticínios e mesmo no nosso dia a dia, no processo de desinfecção de água, equipamentos/utensílios, embalagens, ambientes, etc. ,em função da praticidade no manuseio, medição, transporte e armazenamento; maior solubilidade, maior período de validade, dosagem mais precisa, menor risco químico (corrosividade), modernidade do produto (tecnologia, embalagem e ainda efervescentes), a não formação de subprodutos da desinfecção, que associadas às necessidades atuais indicam que é uma questão de tempo a sua utilização em todos os setores. Pesquisa de opinião pública, realizada pela Data Kirsten por solicitação da Bayer Saúde Ambiental, avaliou a preferência entre dois agentes descontaminantes usados para água de consumo, o hipoclorito de sódio e o dicloroisocianurato de sódio, os resultados obtidos comprovam nossa afirmação anterior, onde o grau de preferência pelo dicloroisocianurato de sódio alcançou 69,6 por cento, contra 23,9 por cento do hipoclorito de sódio, sendo que 6,5 por cento dos entrevistados eram indiferentes.


Assuntos
Compostos Clorados , Laticínios , Desinfecção da Água
7.
Rev. ADM ; 57(3): 94-6, mar.-abr. 2000. tab
Artigo em Espanhol | LILACS | ID: lil-278264

RESUMO

El propósito de este estudio es presentar un método alternativo de esterilización por inmersión, con una solución de alto nivel biocida Amu-218, para las piezas de mano convencionales, cumpliendo con la modificación a la norma Oficial Mexicana NOM-013-SSA2-1994


Assuntos
Compostos Clorados/química , Cloro/administração & dosagem , Instrumentos Odontológicos/normas , Esterilização/métodos , Bactérias/efeitos dos fármacos , Corrosão , Descontaminação/métodos
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA