Your browser doesn't support javascript.
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 20 de 267
Filtrar
1.
Brasília; s.n; 5 jun. 2020.
Não convencional em Português | LILACS, BRISA/RedTESA, PIE | ID: biblio-1100288

RESUMO

O Informe Diário de Evidências é uma produção do Ministério da Saúde que tem como objetivo acompanhar diariamente as publicações científicas sobre tratamento farmacológico e vacinas para a COVID-19. Dessa forma, são realizadas buscas estruturadas em bases de dados biomédicas, referente ao dia anterior desse informe. Não são incluídos estudos pré-clínicos (in vitro, in vivo, in silico). A frequência dos estudos é demonstrada de acordo com a sua classificação metodológica (revisões sistemáticas, ensaios clínicos randomizados, coortes, entre outros). Para cada estudo é apresentado um resumo com avaliação da qualidade metodológica. Essa avaliação tem por finalidade identificar o grau de certeza/confiança ou o risco de viés de cada estudo. Para tal, são utilizadas ferramentas já validadas e consagradas na literatura científica, na área de saúde baseada em evidências. Cabe ressaltar que o documento tem caráter informativo e não representa uma recomendação oficial do Ministério da Saúde sobre a temática. Foram encontrados 11 artigos e 7 protocolos.


Assuntos
Humanos , Pneumonia Viral/tratamento farmacológico , Infecções por Coronavirus/tratamento farmacológico , Betacoronavirus/efeitos dos fármacos , Ácido Ascórbico/uso terapêutico , Ribavirina/uso terapêutico , Avaliação da Tecnologia Biomédica , Talidomida/uso terapêutico , Ceftriaxona/uso terapêutico , Metilprednisolona/uso terapêutico , Cloroquina/uso terapêutico , Interferons/uso terapêutico , Enoxaparina/uso terapêutico , Azitromicina/uso terapêutico , Ritonavir/uso terapêutico , Bloqueadores do Receptor Tipo 1 de Angiotensina II/uso terapêutico , Lopinavir/uso terapêutico , Inibidores de Vasopeptidases/uso terapêutico , Hidroxicloroquina/uso terapêutico
2.
s.l; s.n; 3 jun. 2020.
Não convencional em Espanhol | LILACS, Coleciona SUS, BRISA/RedTESA, PIE | ID: biblio-1099470

RESUMO

O Informe Diário de Evidências é uma produção do Ministério da Saúde que tem como objetivo acompanhar diariamente as publicações científicas sobre tratamento farmacológico e vacinas para a COVID-19. Dessa forma, são realizadas buscas estruturadas em bases de dados biomédicas, referente ao dia anterior desse informe. Não são incluídos estudos pré-clínicos (in vitro, in vivo, in silico). A frequência dos estudos é demonstrada de acordo com a sua classificação metodológica (revisões sistemáticas, ensaios clínicos randomizados, coortes, entre outros). Para cada estudo é apresentado um resumo com avaliação da qualidade metodológica. Essa avaliação tem por finalidade identificar o grau de certeza/confiança ou o risco de viés de cada estudo. Para tal, são utilizadas ferramentas já validadas e consagradas na literatura científica, na área de saúde baseada em evidências. Cabe ressaltar que o documento tem caráter informativo e não representa uma recomendação oficial do Ministério da Saúde sobre a temática. Foram encontrados 16 artigos.


Assuntos
Pneumonia Viral/tratamento farmacológico , Infecções por Coronavirus/tratamento farmacológico , Betacoronavirus/efeitos dos fármacos , Ribavirina/uso terapêutico , Avaliação da Tecnologia Biomédica , Imunoglobulinas/uso terapêutico , Cloroquina/uso terapêutico , Anti-Inflamatórios não Esteroides/uso terapêutico , Interferons/uso terapêutico , Ciclosporina/uso terapêutico , Corticosteroides/uso terapêutico , Azitromicina/uso terapêutico , Ritonavir/uso terapêutico , Dexmedetomidina/uso terapêutico , Lopinavir/uso terapêutico , Rituximab/uso terapêutico , Leflunomida/uso terapêutico , Hidroxicloroquina/uso terapêutico
3.
Brasília; s.n; 5 maio 2020.
Não convencional em Português | LILACS, Coleciona SUS, PIE | ID: biblio-1097405

RESUMO

Essa é uma produção do Departamento de Ciência e Tecnologia (Decit) da Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde (SCTIE) do Ministério da Saúde (Decit/SCTIE/MS), que tem como missão promover a ciência e tecnologia e o uso de evidências científicas para a tomada de decisão do SUS, tendo como principal atribuição o incentivo ao desenvolvimento de pesquisas em saúde no Brasil, de modo a direcionar os investimentos realizados em pesquisa pelo Governo Federal às necessidades de saúde pública. Informar sobre as principais evidências científicas descritas na literatura internacional sobre tratamento farmacológico para a COVID-19. Além de resumir cada estudo identificado, o informe apresenta também uma avaliação da qualidade metodológica e a quantidade de artigos publicados, de acordo com a sua classificação metodológica (revisões sistemáticas, ensaios clínicos randomizados, entre outros). Foram encontrados 10 artigos e 20 protocolos.


Assuntos
Humanos , Pneumonia Viral/tratamento farmacológico , Infecções por Coronavirus/tratamento farmacológico , Betacoronavirus/efeitos dos fármacos , Cloroquina/uso terapêutico , Interferons/uso terapêutico , Corticosteroides/uso terapêutico , Azitromicina/uso terapêutico , Ritonavir/uso terapêutico , Combinação de Medicamentos , Lopinavir/uso terapêutico , Inibidores de Janus Quinases/uso terapêutico , Hidroxicloroquina/uso terapêutico , Imunoterapia/instrumentação , Medicina Tradicional Chinesa/instrumentação
4.
Medellín; Unidad de Evidencia y Deliberación para la Toma de Decisiones-UNED. Facultad de Medicina, Universidad de Antioquia; 20200000. 34 p.
Monografia em Espanhol | LILACS, PIE | ID: biblio-1087643

RESUMO

La enfermedad respiratoria aguda COVID-19 es la causante de la pandemia que actualmente amenaza la salud de los seres humanos. Al 5 de abril, se ha propagado la infección se ha propagado a 208 países, se han reportado 1'273.709 casos confirmados de la infección, 69.456 muertes y 262.486 pacientes recuperados. En Colombia, se reportan 1.485 casos confirmados, 35 muertes, 88 recuperados y 1.362 casos activos, de los cuales 50 se encuentran en condición crítica. Se incluyeron 19 nuevos estudios que cumplieron criterios de elegibilidad, cuatro revisiones sistemáticas, dos ensayos clínicos, y 13 estudios observacionales. En total, esta síntesis rápida incluye 36 estudios, dos guías de práctica clínica, seis revisiones sistemáticas, cinco ensayos clínicos, y 23 estudios observacionales. La evidencia disponible sobre tratamientos farmacológicos para el control de la infección COVID-19 es aún limitada y de baja calidad. Se identifican siete grupos de tratamientos usados en pacientes con infección COVID-19. Se detallan a continuación junto con la evidencia clínica disponible de su eficacia y seguridad: Antivirales, Interferón, Cloroquina e hidroxicloroquina, Corticosteroides, Oxigenoterapia, Reanimación con líquidos endovenosos y otros tratamientos.


Assuntos
Humanos , Doenças Respiratórias/tratamento farmacológico , Coronavirus/efeitos dos fármacos , Antivirais/uso terapêutico , Oxigenoterapia , Cloroquina/uso terapêutico , Interferons/uso terapêutico , Reanimação Cardiopulmonar , Corticosteroides/uso terapêutico
5.
Rev. Col. méd. cir ; 159(1): 3-8, abr 2020.
Artigo em Espanhol | LILACS, LIGCSA | ID: biblio-1096974

RESUMO

La Organización Mundial de la Salud (OMS),declaró el 11 de marzo de 2020, la COVID-19 como una pandemia. Aun cuando se observa el crecimiento epidemiológico de esta pandemia, al momento no contamos con un protocolo de manejo de los pacientes con enfermedad renal crónica y trasplante renal que sean afectados por esta enfermedad. Los miembros del Departamento de Nefrología y Trasplante del Hospital General San Juan de Dios de Guatemala, desarrollaron este documento con la finalidad de establecer guías de manejo de los pacientes con enfermedad renal crónica.


Assuntos
Humanos , Animais , Masculino , Pneumonia Viral/diagnóstico , Transplante de Rim/efeitos adversos , Infecções por Coronavirus/diagnóstico , Infecções por Coronavirus/epidemiologia , Insuficiência Renal Crônica/complicações , Betacoronavirus , Isolamento de Pacientes/métodos , Doadores de Tecidos , Metilprednisolona/uso terapêutico , Cloroquina/uso terapêutico , Diálise Renal/efeitos adversos , Interferons/uso terapêutico , Pandemias/prevenção & controle
7.
Comun. ciênc. saúde ; 31(suppl.1)2020.
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-1102225

RESUMO

A pandemia causada pelo novo coronavírus (2019-nCoV) tem causado milhares de mortes, sendo buscadas vacinas ou tratamentos específicos. Crianças não têm apresentado alta gravidade. Pretendeu-se identificar tratamentos disponíveis para a pediatria. Realizou-se revisão bibliográfica integrativa, incluindo estudos publicados entre o período de 1º de Janeiro e 24 de Abril de 2020, utilizando-se as palavras-chave: 2019-nCOV; COVID-19; SARS-CoV-2 e Pediatrics. Foram pesquisados os bancos de dados PubMed, Periódicos CAPES, Science Direct, Scielo, Biblioteca Virtual em Saúde e Lilacs. Um total de 10 artigos foram considerados elegíveis. Entre as principais classes terapêuticas citadas estavam os antivirais lopinavir/ritonavir, oseltamivir, o uso do interferon e de imunoglobulinas. Quase todos os tratamentos mencionados foram considerados potencialmente eficazes contra o COVID-19, no entanto ensaios clínicos são necessários para tal confirmação visto que há poucos estudos e que o uso dos medicamentos mencionados se encontra baseado no tratamento de outras doenças respiratória.(AU)


The pandemic caused by the new coronavirus (2019-nCoV) has been causing thousands of deaths, being searched vaccines or specific treatments. Children havenot shown high severity. The aim of this article was to identify available treatments for children. An integrative review of studies recently published between January 1st and April 24th of 2020 was carried out, using the keywords: 2019-nCOV; COVID-19; SARS-CoV-2 and pediatrics. The PubMed, Períodicos CAPES, Science Direct, Scielo, Biblioteca Virtual em Saúde and Lilacs databases were searched. A total of 10 articles were considered eligible. Among the main therapeutic classes cited were antivirals lopinavir/ritonavir, oseltamivir, the use of interferon and immunoglobulins. Almost all the treatments mentioned were considered to be potentially effective against COVID-19, however clinical trials are necessary for such confirmation since there are few studies and the use of the mentioned drugs is based on the treatment of other respiratory diseases.(AU)


Assuntos
Humanos , Pneumonia Viral/tratamento farmacológico , Infecções por Coronavirus/tratamento farmacológico , Assistência Integral à Saúde/organização & administração , Betacoronavirus/efeitos dos fármacos , Imunoglobulinas/uso terapêutico , Interferons/uso terapêutico , Ritonavir/uso terapêutico , Oseltamivir/uso terapêutico , Lopinavir/uso terapêutico
8.
Int. j. cardiovasc. sci. (Impr.) ; 32(3): 283-289, May-June 2019.
Artigo em Inglês | LILACS | ID: biblio-1002223

RESUMO

Chronic hepatitis C (CHC) has a high prevalence in the world. In addition to hepatic complications with cirrhosis in about 20% of patients and high risk for hepatocarcinoma, extrahepatic manifestations may also occur. Cardiac involvement in patients with CHC is associated with several factors, such as increased risk for coronary artery disease, primary cardiomyopathies, or hemodynamic and electrophysiological changes observed in liver cirrhosis. Furthermore, antiviral treatment may, in rare cases, causes cardiovascular adverse effects. Cardiac arrhythmias are the main form of clinical presentation, and, often, markers of poor prognosis in individuals with advanced liver disease. Although some mechanisms that justify these changes have already been reported, many questions remain unanswered, especially about the true involvement of the hepatitis C virus in the genesis of primary cardiac abnormalities, and the risk factors for cardiac-related complications of antiviral treatment


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Hepatite C Crônica , Cardiomiopatias/fisiopatologia , Antivirais/efeitos adversos , Antivirais/uso terapêutico , Arritmias Cardíacas , Ribavirina/efeitos adversos , Doença da Artéria Coronariana , Interferons/efeitos adversos , Interferons/uso terapêutico , Interações Medicamentosas , Efeitos Colaterais e Reações Adversas Relacionados a Medicamentos/terapia , Cirrose Hepática
9.
Int. j. cardiovasc. sci. (Impr.) ; 32(3): 283-289, may.-june. 2019.
Artigo em Inglês | LILACS | ID: biblio-1006142

RESUMO

Chronic hepatitis C (CHC) has a high prevalence in the world. In addition to hepatic complications with cirrhosis in about 20% of patients and high risk for hepatocarcinoma, extrahepatic manifestations may also occur. Cardiac involvement in patients with CHC is associated with several factors, such as increased risk for coronary artery disease, primary cardiomyopathies, or hemodynamic and electrophysiological changes observed in liver cirrhosis. Furthermore, antiviral treatment may, in rare cases, causes cardiovascular adverse effects. Cardiac arrhythmias are the main form of clinical presentation, and, often, markers of poor prognosis in individuals with advanced liver disease. Although some mechanisms that justify these changes have already been reported, many questions remain unanswered, especially about the true involvement of the hepatitis C virus in the genesis of primary cardiac abnormalities, and the risk factors for cardiac-related complications of antiviral treatment


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Hepatite C Crônica , Cardiomiopatias/fisiopatologia , Antivirais/efeitos adversos , Antivirais/uso terapêutico , Arritmias Cardíacas , Ribavirina/efeitos adversos , Ribavirina/uso terapêutico , Doença da Artéria Coronariana , Interferons/efeitos adversos , Interferons/uso terapêutico , Interações Medicamentosas , Efeitos Colaterais e Reações Adversas Relacionados a Medicamentos/terapia , Fígado , Cirrose Hepática
10.
Electron. j. biotechnol ; 32: 63-68, Mar. 2018. tab, graf
Artigo em Inglês | LILACS | ID: biblio-1022642

RESUMO

Background: Although immunosuppressive therapies have made organ transplantation a common medical procedure worldwide, chronic toxicity has a major issue for long-term treatment. One method to improve therapies and methods is the application of immunomodulatory agents from parasites such as Hypoderma lineatum. Hypodermin A (HA) is a serine esterase secreted by the larvae of Hypoderma lineatum, several studies demonstrated its immunosuppressive mechanism in vitro, and recently we discovered that HA inhibits the expression of interferon (IFN)-γ and interleukin (IL)-2 and activates IL-10 expression. Therefore, we hypothesized that it might be a potential agent used to block allograft rejections. However, most studies of the immunosuppressive mechanisms associated with HA were undertaken at the cellular level. In order to augment these studies, we evaluated the immunosuppressive effects of HA in vivo using an HA transgenic mouse model. Result: Our results revealed similar findings to those reported by in vitro studies, specifically that HA induced prostaglandin E2 expression, downregulated IFN-γ and IL-2 expression, and promoted IL-10 secretion via E-type prostanoid receptor 4. Additionally, we observed that HA overexpression inhibited lipopolysaccharide-induced TLR4 activation. These findings provide insight into a new potential agent capable of blocking graft rejection. Conclusion: Our founding suggested that HA-related treatment could be a promising option to improve the viability of grafts in human.


Assuntos
Animais , Camundongos , Serina Endopeptidases/imunologia , Dípteros/enzimologia , Dípteros/imunologia , Rejeição de Enxerto/imunologia , Ensaio de Imunoadsorção Enzimática , Serina Endopeptidases/metabolismo , Western Blotting , Citocinas , Imunossupressão , Interleucinas/antagonistas & inibidores , Interferons/antagonistas & inibidores , Interleucina-10/metabolismo , Reação em Cadeia da Polimerase Via Transcriptase Reversa , Receptor 4 Toll-Like , Reação em Cadeia da Polimerase em Tempo Real , Rejeição de Enxerto/enzimologia , Rejeição de Enxerto/prevenção & controle
11.
Nutrire Rev. Soc. Bras. Aliment. Nutr ; 42: 1-6, Dec. 2017. ilus, tab
Artigo em Inglês | LILACS | ID: biblio-880872

RESUMO

BACKGROUND: Chronic hepatitis C causes chronic hepatic inflammation, which can lead to cirrhosis, terminal liver failure, and hepatocellular carcinoma. The treatment aims to achieve viral clearance, but the usage of pegylated interferon and ribavirin is linked to side effects such as severe weight loss, which can lead to complications and treatment discontinuation. The aim of this study was to investigate which anthropometric measures were more affected in patients with chronic hepatitis C during 24 weeks of treatment with pegy lated interferon and ribavirin. Then, the influence of age, sex, hepatic fibrosis stage, and ribavirin doses on each measure was also evaluated. METHODS: Seventy-six patients were included and their weight, triceps skin fold thickness, arm circumference, middle-arm muscle circumference, and corrected arm muscle area were measured before and after 24 weeks of treatment. Epidemiological data and liver biopsy findings were obtained from patients' records. The sample was divided into two groups: one with advanced hepatic fibrosis and another group with mild to moderate fibrosis. Comparisons into each group were made using Wilcoxon or paired tests. After that, a linear regression model was applied to estimate the anthropometric changes during the treatment according to age, sex, hepatic fibrosis stage, and ribavirin doses. RESULTS: The subjects suffered reductions of important anthropometric measures, mainly related to fat mass (p<0.001).Some decrease of fat-free mass was also observed in subjects with advanced fibrosis. The statistic model showed that age and sex were more associated with the anthropometric changes observed. CONCLUSIONS: In conclusion, the antiviral treatment caused loss of relevant anthropometric measures, and the model proposed was able to estimate some of them


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Hepatite C/tratamento farmacológico , Interferons/efeitos adversos , Interferons/uso terapêutico , Ribavirina/efeitos adversos , Ribavirina/uso terapêutico , Perda de Peso/efeitos dos fármacos , Antropometria
13.
Rev. méd. hered ; 28(3): 187-191, jul.-set. 2017. tab
Artigo em Espanhol | LILACS, LIPECS | ID: biblio-991422

RESUMO

El tratamiento del virus de la hepatitis C ha presentado grandes cambios en los últimos años. El esquema base utilizado era Interferón Pegylado y Ribavirina, con el que se lograba respuesta viral sostenida (RVS) de alrededor del 50%. Con la adición de los inhibidores de proteasa Telaprevir y Boceprevir al esquema "esqueleto" de Interferon Pegylado y Ribavirina, la tasa de RVS mejoró hasta valores cercanos a 70%; sin embargo, ocurren efectos colaterales importantes y difícil adherencia. Los nuevos antivirales de acción directa (AAD) (inhibidores de la polimerasa NS5A y NS5B), tienen altas tasas de RVS alcanzando valores mayores de 95% en los diferentes genotipos, en pacientes que recibieron tratamiento previo o no, incluyendo cirróticos. Se presenta el caso de un paciente que recibió dos esquemas terapéuticos previos y con fibrosis hepática avanzada que presentó RVS al ser tratado con los nuevos AAD (Sofosbuvir y Ledipasvir). (AU)


The treatment of hepatitis C virus utilized was Pegylated Interferon and Ribavirin, achieving a sustained virological response (SVR) of about 50 %. With the addition of the first-generation protease inhibitors Telaprevir and Boceprevir to the Pegylated Interferon/Ribavirin backbone the SVR rates rose up to approximately 70%, but with important side effects and a difficult adherence. The new direct acting antivirals (NS5A and NS5B polymerase inhibitors) improved SVR rates to 95 % or greater in the different genotypes, in the treatment-naive and treatment experienced patients including patients with cirrhosis. We report the case of a patient with advanced fibrotic stage, who failed to respond to 2 regimens and was subsequently treated with Ledipasvir/Sofosbuvir and achieved virogical cure. (AU)


Assuntos
Humanos , Masculino , Pessoa de Meia-Idade , Interferons , Hepatite C/terapia , Hepacivirus , Sofosbuvir/uso terapêutico
14.
Brasília; CONITEC; abr. 2017. ilus, tab.
Não convencional em Português | LILACS, BRISA/RedTESA | ID: biblio-908730

RESUMO

CONTEXTO: A esclerose múltipla é uma doença neurológica crônica, com acometimento progressivo do Sistema Nervoso Central. Apresenta prognóstico incapacitante e afeta todos os domínios de qualidade de vida do paciente. Incide usualmente em adultos jovens, especialmente do sexo feminino. A forma remitente recorrente corresponde a cerca de 85 % dos casos e é caracterizada pela alternância entre períodos de remissão e recidivas (surtos). Estima-se em 30.000 o número de pacientes vivendo com EM no Brasil, sendo a metade já atendida pelo SUS, por meio de Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT). O PCDT atual preconiza para primeira linha de tratamento as betainterferonas e o glatirâmer, todos injetáveis. A proposta de incorporação da teriflunomida para primeira linha de tratamento da EMRR representa a introdução de um medicamento oral modificador do curso da doença já em estágio inicial para uma população elegível de cerca de 12.000 pacientes. TECNOLOGIA: Teriflunomida 14 mg (Aubagio®). INDICAÇÃO: Primeira linha de tratamento para pessoas com esclerose múltipla remitente recorrente. PERGUNTA: A teriflunomida é eficaz, segura e custo-efetiva para o tratamento de primeira linha de pacientes adultos com EMRR comparada às betainterferonas e glatirâmer? EVIDÊNCIAS CLÍNICAS: A evidência atualmente disponível sobre a eficácia e segurança da teriflunomida comparada às atuais opções de primeira linha para EMRR é baseada em um estudo aberto de superioridade em comparação direta, com a betainterferona 1a SC (estudo TENERE), e dois outros estudos de comparação indireta. Não foram encontradas diferenças significativas em relação a eficácia e segurança entre a teriflunomida e as betainterferonas ou glatirâmer. Questiona-se, entretanto, a limitação do número de estudos disponíveis, do tamanho da amostra e consequente poder estatístico para identificar diferenças, caso exista. Não foi possível estimar o efeito da teriflunomida, seja ele positivo ou negativo. AVALIAÇÃO ECONÔMICA: O demandante apresentou estudo de custo-minimização comparado à betainterferona 1a SC 44 mcg disponibilizada pelo SUS. O preço proposto pelo demandante é de R$ 70,62 por comprimido, com posologia de um comprimido ao dia, resultando em custo de tratamento anual de R$ 25.776,67 por paciente. Atualmente, a terapia de menor custo para primeira linha de tratamento da EMRR é a betainterferona 1b (300 mcg), com custo anual de R$ 15.236,58 por paciente. A análise de sensibilidade foi conduzida de forma determinística e univariada, com cenários de ± 15% no valor de todos os parâmetros: custo com os medicamentos e monitorização. Os custos com medicamentos foi o parâmetro mais sensível. AVALIAÇÃO DE IMPACTO ORÇAMENTÁRIO: O impacto orçamentário, na perspectiva do SUS, considerou dados epidemiológicos da EM e estimativas de cobertura dos pacientes atendidos pelo SUS a partir do DATASUS. A população alvo para primeira linha foi estimada em 12.151 pacientes. O cenário base de incorporação considerou a média da difusão observada em outros países, de 4,9%, 7,2%, 8,9%, 10,5% e 11,4% nos 5 primeiros anos. Um cenário de difusão mais agressiva considerou o dobro desses valores. O demandante estimou um impacto orçamentário incremental de R$ 8.180.202, ou 0,61%, em 5 anos no caso base e de R$ 33.801.803, ou 2,52%, no cenário alternativo de maior difusão. Entretanto, não ficou claro como seria o fluxo dos pacientes nessa primeira linha de tratamento com três opções terapêuticas. EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL: A teriflunomida para EMRR já foi avaliada por agências de ATS do Reino Unido (NICE e SMC), Canadá (CADTH), Austrália (PBAC) e Alemanha (IQWiG). NICE e SMC concluíram que a efetividade da teriflunomida comparada a betainterferona 1a SC permanece não esclarecida, mas decidiram pela incorporação no sistema de saúde do Reino Unido após negociação de preço com o fabricante. O CADTH considerou que não se pode inferir equivalência ou não-inferioridade a partir dos resultados não significativos observados no estudo TENERE. A falta de mascaramento, as diferenças entre os grupos no início do tratamento e em relação aos motivos para sua interrupção podem ter enviesado o resultado do estudo, de acordo com o CADTH. O PBAC considerou as limitações metodológicas, mas assumiu um resultado de não inferioridade da teriflunomida comparada à betainterferona 1a SC. A teriflunomida foi incorporada mediante esquema de risco compartilhado, protocolização e autorização prévia. A agência alemã IQWiG avaliou o estudo TENERE como de elevado risco de viés e não descartaram uma possível inferioridade da teriflunomida frente à betainterferonas, concluindo pela ausência de benefício adicional comprovado em relação às terapias já disponíveis. MONITORAMENTO DO HORIZONTE TECNOLÓGICO: Foram localizados 14 medicamentos em fase clínica 3 ou 4 com potencial para entrada no mercado brasileiro com indicação para esclerose múltipla. Desses, 12 são para EMRR e 8 deles com via de administração oral. RECOMENDAÇÃO INICIAL DA CONITEC: Os membros do Plenário da CONITEC, em sua 51ª reunião ordinária, recomendaram que a matéria fosse enviada à Consulta Pública com manifestação preliminar contrária à incorporação. CONSULTA PÚBLICA: Por meio da Consulta Pública nº 01/2017 entre os dias 20/01/2017 e 08/02/2017, foram recebidas 56 contribuições técnico-científicas e 807 contribuições de experiência ou opinião. Após apreciação das contribuições encaminhadas pela sociedade e novas análises realizadas, sobretudo, em relação a não inferioridade da teriflunomida em comparação aos medicamentos betainterferona e acetato de glatirâmer e nova proposta de preço compatível com estes comparadores, o Plenário da CONITEC entendeu que houve argumentação suficiente para alterar sua recomendação inicial. DELIBERAÇÃO FINAL: Recomendar a incorporação da teriflunomida para pacientes com esclerose múltipla, condicionado à atualização do PCDT e negociação de preço com o fabricante. Foi assinado o registro de deliberação 241/2017. A recomendação será encaminhada para decisão do Secretário da SCTIE. DECISÃO: Incorporar a teriflunomida para o tratamento da esclerose múltipla remitente recorrente, no âmbito do Sistema Único de Saúde ­ SUS, dada pela Portaria nº 19, publicada no DOU nº 77, do dia 24 de abril de 2017, seção 2, pág. 57.(AU)


Assuntos
Animais , Anti-Inflamatórios/uso terapêutico , Acetato de Glatiramer/uso terapêutico , Fatores Imunológicos/uso terapêutico , Interferons/uso terapêutico , Esclerose Múltipla Recidivante-Remitente/tratamento farmacológico , Brasil , Análise Custo-Benefício , Avaliação em Saúde/economia , Sistema Único de Saúde
15.
Braz. j. med. biol. res ; 50(1): e5540, 2017. tab, graf
Artigo em Inglês | LILACS | ID: biblio-839245

RESUMO

Recurrent hepatitis C after orthotopic liver transplantation (OLT) is universal and can lead to graft failure and, consequently, reduced survival. Hepatitis C treatment can be used to prevent these detrimental outcomes. The aim of this study was to describe rates of hepatitis C recurrence and sustained virological response (SVR) to interferon-based treatment after OLT and its relationship to survival and progression of liver disease through retrospective analysis of medical records of 127 patients who underwent OLT due to cirrhosis or hepatocellular carcinoma secondary to chronic hepatitis C between January 2002 and December 2013. Fifty-six patients were diagnosed with recurrent disease, 42 started interferon-based therapy and 37 completed treatment. Demographic, treatment- and outcome-related variables were compared between SVR and non-responders (non-SVR). There was an overall 54.1% SVR rate with interferon-based therapies. SVR was associated with longer follow-up after treatment (median 66.5 vs 37 months for non-SVR, P=0.03) and after OLT (median 105 vs 72 months, P=0.074), and lower rates of disease progression (15 vs 64.7%, P=0.0028) and death (5 vs 35.3%, P=0.033). Regardless of the result of therapy (SVR or non-SVR), there was a significant difference between treated and untreated patients regarding the occurrence of death (P<0.001) and months of survival (P<0.001). Even with suboptimal interferon-based therapies (compared to the new direct-acting antivirals) there is a 54.1% SVR rate to treatment. SVR is associated with improved survival and reduced risks of clinical decompensation, loss of the liver graft and death.


Assuntos
Humanos , Masculino , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Antivirais/uso terapêutico , Carcinoma Hepatocelular/cirurgia , Hepatite C Crônica/tratamento farmacológico , Interferons/uso terapêutico , Cirrose Hepática/cirurgia , Neoplasias Hepáticas/cirurgia , Transplante de Fígado , Complicações Pós-Operatórias/tratamento farmacológico , Carcinoma Hepatocelular/etiologia , Progressão da Doença , Hepatite C Crônica/complicações , Hepatite C Crônica/mortalidade , Cirrose Hepática/etiologia , Neoplasias Hepáticas/etiologia , Transplante de Fígado/mortalidade , Recidiva , Estudos Retrospectivos , Fatores de Risco , Análise de Sobrevida , Resposta Viral Sustentada , Resultado do Tratamento
16.
Porto Alegre; Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Telessaúde; 2017.
Não convencional em Português | LILACS | ID: biblio-995627

RESUMO

As hepatite virais apresentam forma clínicas diversas, desde infecções assintomáticas até quadros de hepatopatia avançada, como cirrose e hepatocarcinoma. A equipe da atenção primária deve investigar pessoas com sinais e sintomas comuns da infecção, bem como assintomáticos que fazem parte do grupo de risco. Esta guia apresenta informação que orienta a conduta para casos de hepatite B no contexto da Atenção Primária à Saúde, incluindo: forma de transmissão, quadro clínico, suspeita ou diagnóstico de cirrose, diagnóstico de hepatite b, avaliação sorológica da hepatite b, avaliação de paciente com hepatite b aguda, avaliação de paciente com hepatite b crônica, rastreamento, vacina para hepatite b, encaminhamento para serviço especializado.


Assuntos
Humanos , Hepatite B/diagnóstico , Hepatite B/patologia , Hepatite B/terapia , Hepatite B/transmissão , Atenção Primária à Saúde , Encaminhamento e Consulta , Fibrose , Interferons/uso terapêutico , Vacinas contra Hepatite B , Tenofovir/uso terapêutico , Antígenos E da Hepatite B/sangue
17.
Brasília; CONITEC; set. 2016. tab, ilus, graf.
Monografia em Português | LILACS, BRISA/RedTESA | ID: biblio-837253

RESUMO

Contexto: A Eslerose Múltipla é uma doença inflamatória desmielinizante, que, consequentemente, causa alterações visuais, fadiga muscular, parestesia, disfunções fonoaudiólogicas e problemas de equilíbrio e coordenação. Estima-se acometer aproximadamente 15/100.000 habitantes no Brasil. O tratamento segundo o protocolo clínico e diretrizes (PCDT) vigente inclui como alternativas, as betainterferonas, o acetato de glatirâmer, o natalizumabe e o fingolimode. Embora muitos pacientes apresentem melhora com o uso dos tratamentos atualmente disponíveis na primeira linha de tratamento (betainterferonas e glatirâmer), cuja via de administração é injetável, uma proporção considerável não responde, progredindo para estágios mais avançados da doença ou descontinuando o tratamento. Neste contexto, o fumarato de dimetila, via oral, poderia representar uma opção de tratamento para a EM após 1ª falha terapêutica. Pergunta: O uso do fumarato de dimetila (monoterapia) é eficaz, seguro e custo-efetivo em pacientes com esclerose múltipla após 1ª falha terapêutica quando comparado ao uso das betainterferonas e do acetado de glatirâmer? Evidências científicas: Foram encontrados dois ensaios clínicos randomizados, estudo CONFIRM e estudo DEFINE que foram sintetizados em uma metanálise realizada pela Cochrane Colaboration, que tinham como grupo controle o uso de placebo. Além dos 2 estudos originais, 6 estudos post-hoc com análise de subgrupos foram publicados. Há moderada evidência da eficácia que o fumarato de dimetila diminui a taxa de recidiva e o número de recidivas no período dos 2 anos de acompanhamento quando comparados com placebo. No entanto, não há comparações diretas consistentes entre o fumarato de dimetila e o uso de imunomoduladores. Há um estudo de comparação indireta, que demonstrou superioridade do fumarato de dimetila, no entanto, o estudo apresenta heterogeneidade entre os estudos envolvidos. Assim o grau de incerteza da superioridade do FDM ainda é alto em relação a sua superioridade em relação ao imunomoduladores. Decisão: Não incorporar o fumarato de dimetila para o tratamento da esclerose múltipla recorrente-remitente (EMRR), após 1ª falha de tratamento e/ou falta de aderência ou intolerância às formas parenterais (intramuscular ou subcutânea) de GLA e IFNß, no âmbito do Sistema Único de Saúde ­ SUS, dada pela Portaria SCTIE-MS nº 33 publicada no Diário Oficial da União (DOU) nº 183, de 22 de setembro de 2016.


Assuntos
Humanos , Fumarato de Dimetilo/administração & dosagem , Acetato de Glatiramer/efeitos adversos , Interferons/efeitos adversos , Esclerose Múltipla Recidivante-Remitente/tratamento farmacológico , Brasil , Análise Custo-Benefício , Avaliação da Tecnologia Biomédica , Falha de Tratamento , Sistema Único de Saúde
18.
Clin. biomed. res ; 36(2): 66-70, 2016. graf, tab
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-834494

RESUMO

Introdução: A Hepatite C tem uma prevalência estimada de cerca de 170 milhões de pessoas mundialmente e cursa com grande morbimortalidade. O tratamento deste deste vírus tem se alterado significativamente nos últimos anos, porém, no Brasil, ainda imperam os tratamentos baseados em interferon convencional ou em interferon -peguilado associado à ribavirina. Métodos: Estudo de coorte, retrospectivo, conduzido no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Foram incluídos 237 pacientes com Hepatite C tratados com interferon e ribavirina ou com interferon -peguilado e ribavirina. Resultados: A taxa global de resposta virológica sustentada obtida foi de 33,33%, sendo 37,93% nos pacientes com regime baseado em interferon convencional e 32,69% nos pacientes com interferon -peguilado. A análise demonstrou uma maior taxa de resposta virológica sustentada entre os pacientes que apresentaram, à análise genética, expressão CC do polimorfismo do IL 28B.


Introduction: Hepatitis C affects approximately 170 million people worldwide and it results in great morbidity and mortality. The virus treatment has changed significantly. However, in Brazil, treatments based on conventional interferon or pegylated-interferon associated with ribavirin are still the most usual ones. Methods: Retrospective cohort study conducted at Hospital de Clínicas de Porto Alegre. That included 237 patients treated for hepatitis C with interferon and ribavirin or pegylated--interferon and ribavirin. Results: The overall rate of sustained virologic response was 33.33%, with a rate of 37.93% in patients treated with conventional interferon and 32.69% in with pegylatedinterrferon. The analysis showed a higher rate of sustained virologic response among patients who, in genetic analysis, CC expression of IL28B polymorphism.


Assuntos
Humanos , Hepatite C , Interferons
19.
Bogotá; IETS; dic. 2014. ilus.
Monografia em Espanhol | LILACS, BRISA/RedTESA | ID: biblio-847128

RESUMO

Introducción: en el mundo, en relación con la frecuencia de todos de cánceres de cualquier localización, el cáncer renal se encuentra dentro de los diez más frecuentes en hombres y el catorceavo en mujeres (1). Existen varias opciones terapéuticas de segunda línea en aquellos pacientes con cáncer renal avanzado o metastásico, sin respuesta a inhibidores de tirosina-quinasa o citoquinas, que pueden incluir medicamentos como: Inhibidores de mTOR (Temsirolimus, everolimus), inhibidores de tirosinquinasa (Sunitinib, sorafenib, pazopanib, axitinib), y otros inhibidores de la angiogénesis como bevacizumab. Dadas las opciones planteadas se hace necesario conocer la efectividad y la seguridad de estas intervenciones. Objetivo: examinar los beneficios y riesgos del uso de sorafenib como uno de los criterios para informar la toma de decisiones relacionada con la posible inclusión de tecnologías en el Plan Obligatorio de Salud, en el marco de su actualización ordinaria para el año 2015. Metodología: la evaluación fue realizada de acuerdo con un protocolo definido a priori por el grupo desarrollador. Se realizó una búsqueda sistemática en MEDLINE, EMBASE, Cochrane Database of Systematic Reviews, Database of Abstracts of Reviews of Effects, LILACS y Google, sin restricciones de idioma, fecha de publicación y tipo de estudio. Las búsquedas electrónicas fueron hechas en noviembre de 2014 y se complementaron mediante búsqueda manual en bola de nieve y consulta con expertos temáticos. La tamización de referencias se realizó por dos revisores de forma independiente y los desacuerdos fueron resueltos por consenso. La selección de estudios fue realizada mediante la revisión en texto completo de las referencias preseleccionadas, verificando los criterios de elegibilidad predefinidos. Las características y hallazgos de los estudios fueron extraídos a partir de las publicaciones originales. Resultados: Efectividad existe mejoría significativa para el desenlace de supervivencia libre de progresión a favor de sorafenib comparado con placebo, con un HR 0,44 (IC 95 % 0,35-0,55; I2 11%) mediante comparación indirecta; se reportó mejoría significativa para el desenlace de supervivencia libre de progresión a favor de sunitinib comparado con sorafenib, con un HR 1,63 (IC 95% 1,09- 2,45); mejoría significativa para el desenlace de supervivencia libre de progresión a favor de axitinib comparado con sorafenib, con un HR 0,67 (IC 95% 0,54- 0,81). Seguridad: mediante comparación indirecta, reportó que el axitinib disminuye del 45% del abandono de terapia secundaria a eventos adversos cuando se compara con sorafenib (IC 95% 0,24-0,84). No se encontraron diferencias estadísticamente significativas para los desenlaces de: abandono de terapia y diarrea. Para el desenlace de fatiga se presenta un incremento del riesgo con axitinib comparado con sorafenib, RR 2,30 (IC 95% 1,34-4,10). Sorafenib incrementa el riesgo de reacción cutánea mano-pie comparado con axitinib, RR 0,31 (IC 95% 0,17-0,52), así como, incremento del riesgo de rash, RR 0,10 (IC 95% 0,02-0,41) en la misma comparación. El axitinib incrementa el riesgo de estomatitis RR 8,1 (IC 95% 1,1->100). Conclusiones: efectividad: Sorafenib presenta mejoría significativa en la supervivencia libre de progresión cuando se compara con placebo. Al comparar de manera indirecta sorafenib con otros agentes como axitinib y sunitinib, se reportó mejoría de la supervivencia libre de progresión significativa clínicamente a favor de axitinib y sunitinib. No se reportaron desenlaces de efectividad clínicamente significativos con otros agentes como: pazopanib, everolimus, temsirolimus. En esta revisión no se identificó evidencia que cumpliera con los criterios de inclusión y que comparara sorafenib con bevacizumab, ni evidencia que reporte los desenlaces de supervivencia global y calidad de vida. Seguridad: En relación con la seguridad del tratamiento de segunda línea con sorafenib se evidencia de manera general un aumento del riesgo de presentar eventos adversos grado III/IV. Al evaluar el desenlace de abandono de terapia secundaria a eventos adversos se evidencia que sorafenib aumentó el riesgo, comparado con axitinib. Para el desenlace de reacción cutánea mano-pie el uso de sorafenib presenta aumento del riesgo comparado con placebo, pazopanib, axitinib y everolimus. Sorafenib reporta aumento de riesgo de presentar rash comparado con axitinib, así como, de diarrea cuando se compara con placebo. En esta revisión no se identificó evidencia que cumpliera con los criterios de elegibilidad y que comparara sorafenib con bevacizumab.(AU)


Assuntos
Humanos , Carcinoma de Células Renais , Neoplasias Renais/tratamento farmacológico , Antineoplásicos/administração & dosagem , Tecnologia Biomédica , Colômbia , Citocinas/administração & dosagem , Resistência a Medicamentos , Interferons/administração & dosagem , Metástase Neoplásica , Inibidores de Proteínas Quinases/administração & dosagem , Fatores de Risco , Resultado do Tratamento
20.
Rev. Esc. Enferm. USP ; 48(spe): 87-94, 08/2014. tab
Artigo em Inglês | LILACS | ID: lil-731302

RESUMO

Objective To assess the effectiveness of Problem-Solving Therapy (PST) on family caregivers through the use of scales to measure anxiety, depression and emotional distress; and to explore facilitating factors and obstacles for its use based on the narrative of nurses. Method A clinical trial and an exploratory focus group with the use of mixed analysis methodology. The study was conducted in a primary health care center in Tarragona, Spain, and the sample consisted of 122 family caregivers who were included in the home care service, and 10 nurses who participated in the intervention group. Family caregivers with evident symptoms of anxiety, depression and emotional distress received PST in the intervention group. The intervention group also consisted of a discussion with eight nurses, which was transcribed and submitted to content analysis. Conclusion Problem-Solving Therapy proved to be effective in reducing perceived anxiety, depression and emotional distress. We identified its strong points and obstacles as described by nurses.

 .


Objetivo Avaliar a efetividade da Técnica de Resolução de Problemas (TRP) em cuidadores familiares mediante escalas positivas de ansiedade, depressão e stress emocional; explorar os fatores facilitadores e as barreiras para sua aplicação a partir das narrativas das enfermeiras. Método Ensaio clínico e grupo focal exploratório, com metodologia de análise mista. Realizado em centros de cuidados primários em Tarragona (Espanha), cuja amosta foi de 122 cuidadores familiares, incluindo atendimento domiciliar e 10 enfermeiros no grupo de intervenção. Grupo implementação experimental do TRP, cuidador familiar com sintomas de ansiedade, depressão e desconforto percebido. No grupo controle a enfermeira executa a intervenção habitual. Feita medição pré e pós intervenção em ambos os grupos. Grupo de discussão com oito enfermeiros do grupo de intervenção, transcrição e análise de conteúdo. Conclusão Ficou demonstrada a eficácia da TRP na redução da ansiedade, depressão e desconforto percebido. Foram identificados os pontos fortes e as barreiras na aplicação da técnica.
 .


Objetivo Evaluar la efectividad de la Técnica de Resolución de Problemas (TRP) en cuidadoras familiares mediante escalas positivas de ansiedad, depresión y malestar emocional; explorar los factores facilitadores y barreras en su aplicación a partir de la narrativa de las enfermeras. Método Ensayo clínico y grupo focal exploratorio y metodología de análisis mixta. Ilevado a cabo en el Centro de Atención Primaria de Tarragona (España), cuya muestra fue 122 cuidadoras familiares incluidas en el programa de atención domiciliaria y 10 enfermeras del grupo intervención. Grupo experimental aplicación de la TRP, a la cuidadora familiar con síntomas de ansiedad, depresión y malestar percibido. Grupo control la enfermera realiza la intervención habitual. Medición pre-post en ambos grupos. Grupo de discusión con ocho enfermeras del grupo intervención, trascripción y análisis del contenido. Conclusión Se demuestra la efectividad de la TRP en la reducción de ansiedad, depresión y malestar percibido. Se identifican los puntos fuertes y las barreras descritas por las enfermeras en la aplicación de la técnica.
 .


Assuntos
Feminino , Humanos , Masculino , Infecções por HIV/complicações , Hepatite C/complicações , Terapia Antirretroviral de Alta Atividade , Antivirais/uso terapêutico , Infecções por HIV/tratamento farmacológico , Infecções por HIV/epidemiologia , Hepatite C/tratamento farmacológico , Hepatite C/epidemiologia , Imunidade Celular , Interferons/uso terapêutico , Ribavirina/uso terapêutico
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA