Your browser doesn't support javascript.
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 20 de 1.129
Filtrar
1.
Brasil; Brasil. Ministério da Saúde; abr. 2020.
Não convencional em Português | LILACS, Coleciona SUS, BRISA/RedTESA | ID: biblio-1096179

RESUMO

OBJETIVO Análise da Proposta de tratamento farmacológico imunomodulador para casos internados com SARS-CoV-2 - versão 30/03/2020 (Versão número 2) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. DA ANÁLISE O protocolo em questão propõe estadiamentos da doença SARS-CoV-2, bem como possíveis tratamentos. Os autores da proposta do HC de Ribeirão Preto utilizaram as seguintes referências: Mehta et al. (2020); Siddiqu et al. (2020) e Fardet et al. (2014). Para elaboração desta Nota Técnica, foi realizada uma análise das referências citadas na proposta do HC e outras complementares. O espectro clínico da infecção por coronavírus é amplo e se apresenta desde um resfriado a acometimento pulmonar grave. A manifestação da COVID-19 é principalmente respiratória, podendo ocasionar insuficiência respiratória e morte. Os sintomas mais relatados incluem febre, tosse seca, mialgia ou fadiga, pneumonia e dispneia. Sintomas menos comuns incluem cefaleia, diarreia, hemoptise, coriza e tosse com secreção. O diagnóstico depende da investigação clínico-epidemiológica e dos exames físico e laboratorial. Os casos suspeitos devem ser notificados imediatamente, pelo meio de comunicação mais rápida disponível (em até 24 horas), devido à potencial emergência de saúde pública de importância nacional. Por ser um vírus novo, ainda não há vacina ou tratamento antiviral específico para tratar a COVID-19. O tratamento atual é sintomático, visando ao alívio dos sintomas. Em casos mais graves, há a necessidade de cuidados de suporte para as complicações ou internação em unidade de terapia intensiva (UTI) para manutenção das funções de órgãos vitais. No entanto, existem estudos internacionais publicados e em andamento sobre o uso de medicamentos no atendimento a pacientes com COVID-19, que usam diferentes terapias medicamentosas, mas oferecem um nível limitado de evidência. Entre os medicamentos estudados, estão a cloroquina, hidroxicloroquina, azitromicina, remdesivir, entre outros. Para a elaboração de um protocolo clínico ou diretrizes terapêuticas, as recomendações devem ser baseadas em evidência científica e considerar critérios de eficácia, segurança, efetividade e custo-efetividade das tecnologias recomendadas, com base na literatura disponível e considerando o contexto epidemiológico e situacional relacionado a condição clínica. CONCLUSÕES: As referências utilizadas para elaboração da proposta explicam acerca da tempestade inflamatória que ocorre na COVID-19 e sua semelhança à sHLH, contudo, a proposta pouco fala sobre o rastreamento e a conduta de tratamento da hiperinflamação. A hidroxicloroquina e a cloroquina são tratamento promissores, sendo encontrados 25 estudos em andamento no ClinicalTrials.gov, mas é necessária precaução, sobretudo se forem considerados o baixo nível de evidências atualmente disponível e os possíveis eventos adversos do uso dos medicamentos. Ressalta-se que a bula da cloroquina não indica o uso concomitante da heparina devido a possíveis eventos adversos, como trombocitopenia. Também foram encontrados estudos envolvendo o tocilizumabe e a imunoglobulina, mas sem resultados conclusivos. A presente nota será atualizada quando surgirem novas informações a respeito das tecnologias citadas.


Assuntos
Humanos , Imunoglobulina G/uso terapêutico , Dexametasona/uso terapêutico , Cloroquina/uso terapêutico , Infecções por Coronavirus/tratamento farmacológico , Hidroxicloroquina/uso terapêutico , Fatores Imunológicos/uso terapêutico , Avaliação da Tecnologia Biomédica , Análise Custo-Eficiência
2.
J. coloproctol. (Rio J., Impr.) ; 39(4): 346-350, Oct.-Dec. 2019. tab
Artigo em Inglês | LILACS | ID: biblio-1056639

RESUMO

Abstract Background Irritable bowel syndrome (IBS) is a common gastrointestinal disorder; celiac disease is an autoimmune enteropathy that can mimic any functional gastrointestinal disorder. The aim of this study is to estimate the prevalence of celiac disease antibodies (anti Tissue Transglutaminase-tTG) in patients with irritable bowel syndrome. Patients and methods This cross sectional study was conducted on 70 patients with irritable bowel syndrome fulfilling Rome III criteria who visited Azadi Teaching Hospital in Duhok city-Iraq. Patients were classified according to irritable bowel syndrome subtypes into: Diarrhoea Predominant (D-IBS), Constipation Predominant (C-IBS) and Mixed (M-IBS). IgA and IgG anti tTG were used to screen patients for celiac disease. Results A total number of 70 patients (44 females and 26 males) were included; their mean age was 33 years (SD ± 7.64). Five patients (7.1%) were found to have positive both IgA and IgG anti tTG. Three of them have had D-IBS and the other two had C-IBS. No one of the M-IBS patients tested positive. Conclusion The prevalence of anti tTG antibodies in irritable bowel syndrome is high. Patients with D-IBS should be screened for celiac disease.


Resumo Introdução A síndrome do intestino irritável (SII) é um distúrbio gastrointestinal comum; a doença celíaca é uma enteropatia autoimune que pode imitar qualquer distúrbio gastrointestinal funcional. O objetivo deste estudo foi estimar a prevalência de anticorpos contra a doença celíaca (antitransglutaminase tecidual - tTG) em pacientes com SII. Pacientes e Métodos Este estudo transversal foi conduzido em 70 pacientes com síndrome do intestino irritável que atendiam aos critérios de Roma III e se apresentaram ao Hospital de Ensino Azadi na cidade de Duhok, no Iraque. Os pacientes foram classificados de acordo com os subtipos de síndrome do intestino irritável em: predominantemente diarreia (D-SII), predominantemente constipação (C-SII) e mista (M-SII). IgA e IgG antitTG foram usados para rastrear pacientes com doença celíaca. Resultados Um total de 70 pacientes (44 mulheres e 26 homens) foram incluídos; a idade média foi de 33 anos (DP ± 7,64). Cinco pacientes (7,1%) apresentaram IgA e IgG antitTG positivos. Três deles tinham D-SII e os outros dois tinham C-SII. Nenhum dos pacientes com M-SII apresentou teste positivo. Conclusão A prevalência de anticorpos antitTG na SII é alta. A presença de doença celíaca deve ser avaliada em pacientes com D-SII.


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Doença Celíaca , Doença Celíaca/imunologia , Síndrome do Intestino Irritável , Anticorpos/imunologia , Imunoglobulina A , Imunoglobulina G , Iraque
3.
Rev. patol. trop ; 48(2): 109-120, 2019.
Artigo em Inglês | LILACS | ID: biblio-1025836

RESUMO

Although microscopic alterations have been detected in tongues and salivary glands of chagasic patients and the identification of biomarkers in saliva has proved advantageous, there are no studies evaluating tongue function and total salivary IgA, IgG and IgM levels in chronic chagasic patients. The aim of this study was to evaluate tongue function, salivary flow rate, and total salivary IgA, IgG and IgM levels comparing chronic and non-infected individuals. 37 patients were selected: chronic cardiac chagasic patients (n=6), chronic chagasic patients with the associated form of the disease (cardiopathy and megaesophagus) (n=11), and non-chagasic individuals (n=20). The tongue function underwent a phonoaudiological evaluation. The salivary flow rate was measured by sialometry. The total salivary IgA, IgG and IgM levels were evaluated by sandwich ELISA assay. Chagasic patients with the associated form of the disease presented higher salivary flow rate and lower salivary protein levels. No significant differences were noted in the lingual function or in the total salivary immunoglobulin levels among the groups. Although patients with chagasic megaesophagus presented higher levels of salivary flow and lower salivary protein, the fact that there were no significant differences in lingual function and total salivary immunoglobulin levels among the groups led to the conclusion that chronic chagas disease does not modify the lingual function or the total IgA, IgG and IgM salivary levels. The present study was the first to evaluate the function of the tongue and salivary total immunoglobulin levels in Chagas disease.


Assuntos
Doenças das Glândulas Salivares , Glândulas Salivares , Imunoglobulina A , Imunoglobulina G , Imunoglobulina M , Doença de Chagas
4.
Int. j. morphol ; 36(4): 1509-1513, Dec. 2018. graf
Artigo em Inglês | LILACS | ID: biblio-975729

RESUMO

IgG4-related disease is a systemic, multifocal, immune-mediated disorder that can affect multiple organs and may present as a tumor, with rare cases described in the maxillofacial region. A female patient, 53 years old, presenting tumor-like mass in the right mandibular region. Magnetic resonance imaging suggested well circumscribed nodular lesion adjacent to the branch / body of the mandible, extending posteriorly to the masseter muscle. During the surgical procedure of excision, a lesion was observed adhering to the right masseter muscle, but it was possible to remove it completely. Histopathological and immunehistochemical analysis suggested diagnosis of IgG4-related disease, furthermore, IgG4 serum count was increased. Actually, the patient continues on periodical followups in our service and by other specialties. Can be concluded that precise diagnosis of this pathology depends on many factors, being challenging and the treatment involves multidisciplinary evaluation due to the possibility of involvement of several other organs.


La enfermedad relacionada con IgG4 es una condición sistémica, multifocal, mediada por una alteración de la respuesta inmune que puede afectar diferentes órganos o puede presentarse como un tumor, raramente descrito en el área maxilofacial. Se describe el caso de una paciente de sexo femenino de 53 años de edad, presentando una masa tumoral en el ángulo mandibular derecho. La resonancia magnética sugirió un área nodular bien delimitada adyacente al cuerpo mandibular y extendida posteriormente hasta el musculo masetero. Durante la escisión quirúrgica, la lesión se presentaba adherida al musculo de forma lateral siendo posible el retiro total de la lesión. El estudio histopatológico e inmunohistoquimico determinó el diagnóstico de enfermedad relacionada con IgG4 presentando un conteo de igG4 aumentado. Actualmente, la paciente continua con seguimiento por la especialidad. Se puede concluir que el diagnóstico preciso de esta patología depende de algunos factores; el tratamiento debe ser multidsciplinario debido a la inclusión de diferentes órganos en la enfermedad.


Assuntos
Humanos , Feminino , Pessoa de Meia-Idade , Doenças Autoimunes/patologia , Imunoglobulina G , Neoplasias Maxilomandibulares/patologia , Doenças Autoimunes/imunologia , Doenças Autoimunes/diagnóstico por imagem , Imuno-Histoquímica , Imagem por Ressonância Magnética , Neoplasias Maxilomandibulares/imunologia , Neoplasias Maxilomandibulares/diagnóstico por imagem
5.
Pesqui. vet. bras ; 38(5): 795-805, May 2018. tab, graf
Artigo em Português | LILACS, VETINDEX | ID: biblio-955403

RESUMO

Este trabalho teve por objetivo avaliar o proteinograma e concentrações séricas de IgG (após a padronização de teste ELISA) em potros do nascimento aos trinta dias de idade, antes e depois de mamarem colostro e serem tratados com plasma por via intravenosa. Foram utilizados 20 potros e suas respectivas mães, além de quatro animais doadores de plasma. Foram colhidas amostras de sangue dos potros em cinco momentos, logo após o nascimento e antes de mamar colostro (M1), dez horas após nascimento (M2), 24 horas após nascimento e previamente administração do plasma sanguíneo (M3), 48 horas de vida e 24 horas após administração do plasma sanguíneo (M4), e 30 dias após nascimento (M5). Foram colhidos sangue e colostro das éguas progenitoras no momento do parto. A concentração de proteína total (PT) e albumina foram determinadas em analisador bioquímico, a concentração de PT também foi avaliada em refratômetro manual. O fracionamento proteico foi realizado utilizando eletroforese em gel de agarose. A densidade do colostro foi avaliada com colostrômetros de refração BRIX e de densidade específica. A concentração de IgG total de todas as amostras foi determinada por teste ELISA. Com o sistema de ELISA aqui proposto foi possível determinar concentrações de IgG em amostras de soro, plasma e colostro equino com adequada repetibilidade. A média ± desvio padrão da concentração sérica de IgG dos potros ao nascer, foi de 15±8mg/dL, com dez horas de vida foi de 2.408±608mg/dL, se manteve em níveis semelhantes até 48 horas (2.364±784mg/dL) e diminuíram significativamente aos 30 dias de vida (1.414±586mg/dL). A concentração sérica e colostral de IgG nas éguas foi de 1.746±505mg/dL e 7.714±2.619mg/dL, respectivamente. A concentração plasmática de IgG dos doadores de plasma foi de 2.026±148mg/dL. Houve correlação positiva entre as concentrações séricas de IgG e PT (r=0,69 para refratômetro e r=0,76 para bioquímico), GT (r=0,81) e gamaglobulina (r=0,85). Dez horas após o nascimento foi possível verificar a transferência de imunidade passiva, possibilitando adotar medidas profiláticas e/ou terapêuticas em haras de criação de cavalos. Considerando que a proteína total, globulinas totais e fração γ-globulina apresentam correlação com IgG, estas determinações são úteis para monitorar os potros após mamarem o colostro. Um litro de plasma administrado às 24 horas de vida não foi suficiente para aumentar as concentrações séricas de IgG, 24 horas após transfusão, em potros com adequada transferência de imunidade passiva.(AU)


The aim of this study was to evaluate serum protein and serum IgG concentrations (after a direct enzyme immunoassay test ELISA optimization) in newborns foals from birth to thirty days of life before and after colostrum consumption and intravenous treatment with plasma. Twenty foals and their respective progenitors as well as four plasma donor's horses were used. Blood samples were obtained from newborn foals at five time points, immediately after birth and before colostrum intake (M1), ten hours after birth (M2), 24 hours after birth and prior administration of blood plasma (M3), 48 hours after birth and 24 hours after plasma administration (M4), and 30 days after birth (M5). Blood and colostrum samples were collected from the progenitor mares immediately postpartum. Concentration of total protein (TP) and albumin were determined using a biochemical analyzer. The TP concentration was also measured by refractometer. Fractions of total serum protein were separated using agarose gel electrophoresis. Colostrum density was evaluated using BRIX refractometer and specific density colostrometer. Total IgG concentration was determined by an enzyme-linked immunosorbent assay. With the ELISA system proposed here it was possible to determine IgG concentrations in serum, plasma, and equine colostrum samples with adequate repeatability. Serum IgG concentration in foals at birth was 15±8mg/dL (mean ± standard deviation) raising at ten hours (2,408±608mg/dL) and remaining at similar levels up to 48 hours of life (2,364±784mg/dL), and decreasing significantly at 30 days of age (1,414±586mg/dL). Serum and colostrum IgG concentrations of mares were 1,746±505mg/dL and 7,714±2,619mg/dL, respectively. The plasma IgG concentrations from donor mares were 2,026±148mg/dL. Total protein, total globulins, and γ-globulin fraction showed correlation with IgG. Ten hours post birth was an adequate time to verify the transfer of passive immunity, allowing to adoption prophylactic and/or therapeutic measures in a horse farms. One liter of plasma administered at 24 hours of life was not sufficient to raise serum IgG concentrations in foals without passive immunity transfer failure.(AU)


Assuntos
Animais , Recém-Nascido , Plasma/química , Imunoglobulina G/análise , Cavalos/sangue , Eletroforese/estatística & dados numéricos
6.
J. pediatr. (Rio J.) ; 94(1): 23-30, Jan.-Feb. 2018. tab, graf
Artigo em Inglês | LILACS | ID: biblio-894095

RESUMO

Abstract Objective: Community-acquired pneumonia is an important cause of morbidity in childhood, but the detection of its causative agent remains a diagnostic challenge. The authors aimed to evaluate the role of the chest radiograph to identify cases of community-aquired pneumonia caused by typical bacteria. Methods: The frequency of infection by Streptococcus pneumoniae, Haemophilus influenzae, and Moraxella catarrhalis was compared in non-hospitalized children with clinical diagnosis of community acquired pneumonia aged 2-59 months with or without radiological confirmation (n = 249 and 366, respectively). Infection by S. pneumoniae was diagnosed by the detection of a serological response against at least one of eight pneumococcal proteins (defined as an increase ≥2-fold in the IgG levels against Ply, CbpA, PspA1 and PspA2, PhtD, StkP-C, and PcsB-N, or an increase ≥1.5-fold against PcpA). Infection by H. influenzae and M. catarrhalis was defined as an increase ≥2-fold on the levels of microbe-specific IgG. Results: Children with radiologically confirmed pneumonia had higher rates of infection by S. pneumoniae. The presence of pneumococcal infection increased the odds of having radiologically confirmed pneumonia by 2.8 times (95% CI: 1.8-4.3). The negative predictive value of the normal chest radiograph for infection by S. pneumoniae was 86.3% (95% CI: 82.4-89.7%). There was no difference on the rates of infection by H. influenzae and M. catarrhalis between children with community-acquired pneumonia with and without radiological confirmation. Conclusions: Among children with clinical diagnosis of community-acquired pneumonia submitted to chest radiograph, those with radiologically confirmed pneumonia present a higher rate of infection by S. pneumoniae when compared with those with a normal chest radiograph.


Resumo Objetivo: Avaliar o papel do raios X de tórax na identificação de casos de pneumonia adquirida na comunidade (PAC) causada por agentes bacterianos. Métodos: A frequência de infecção por Streptococcus pneumoniae, Haemophilus influenzae e Moraxella catarrhalis em crianças com PAC não hospitalizadas foi comparada com a presença de confirmação radiológica da pneumonia (n = 249 crianças com pneumonia radiologicamente confirmada e 366 crianças com raios X de tórax normal). Infecção por S. pneumoniae foi diagnosticada com base na resposta sorológica a pelo menos uma dentre oito proteínas pneumocócicas investigadas (aumento ≥ 2 vezes nos níveis de IgG em relação a Ply, CbpA, PspA1 e 2, PhtD, StkP-C e PcsB-N ou aumento≥ 1,5 vez em relação aPcpA). Infecção por H. influenzae e M. catarrhalis foi definida por aumento ≥ 2 vezes nos níveis de IgG específica a antígenos de cada agente. Resultados: Crianças com pneumonia radiologicamente confirmada apresentaram maior taxa de infecção pelo pneumococo. Além disso, a presença de infecção pneumocócica foi um fator preditor de pneumonia radiologicamente confirmada, o que aumenta sua chance de detecção em 2,8 vezes (IC 95%: 1,8-4,3). O valor preditivo negativo do raios X normal para a infecção por S. pneumoniae foi 86,3% (IC95%: 82,4%-89,7%). Não houve diferença nas frequências de infecção por H. influenzae e M. catarrhalis entre crianças com PAC com ou sem confirmação radiológica. Conclusão: Crianças com diagnóstico clínico de PAC submetidas a um raios X de tórax que apresentam confirmação radiológica têm maior taxa de infecção por S. pneumoniae comparadas com as crianças com raios X normal.


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Lactente , Pré-Escolar , Radiografia Torácica , Pneumonia Bacteriana/microbiologia , Pneumonia Bacteriana/diagnóstico por imagem , Infecções por Moraxellaceae/diagnóstico por imagem , Infecções por Haemophilus/diagnóstico por imagem , Imunoglobulina G/imunologia , Imunoglobulina G/sangue , Haemophilus influenzae/isolamento & purificação , Haemophilus influenzae/imunologia , Moraxella catarrhalis/imunologia , Infecções Comunitárias Adquiridas/microbiologia , Infecções Comunitárias Adquiridas/diagnóstico por imagem , Anticorpos Antibacterianos/sangue , Antígenos de Bactérias/sangue
8.
Brasília; CONITEC; jan. 2018. graf, ilus.
Não convencional em Português | LILACS, BRISA/RedTESA | ID: biblio-905593

RESUMO

CONTEXTO: A artrite psoriásica (AP) é uma artrite inflamatória crônica que afeta ligamentos, tendões, fáscias, articulações axiais e periféricas e está associada à psoríase cutânea. No Brasil, o Protocolo Clínico e Diretriz Terapêutica (PCDT) do Ministério da Saúde de 2017 estabelece o tratamento não medicamentoso e medicamentoso para a AP. O tratamento medicamentoso inclui anti-inflamatórios não esteroidais (AINE), glicocorticoides e medicamentos modificadores do curso da doença (MMCD) sintéticos e biológicos (medicamentos anti-TNF). Os medicamentos biológicos são indicados em caso de falha ao tratamento prévio com os AINES e MMCD sintéticos (AP periférica) ou AINES (AP axial), constituindo a última linha de tratamento da doença. TECNOLOGIA: Ustequinumabe (STELARA®). INDICAÇÃO: Artrite Psoriásica ativa. PERGUNTA: O uso de ustequinumabe é eficaz e seguro em pacientes com AP ativa que apresentaram resposta inadequada a MMCDs quando comparado às opções disponíveis atualmente no SUS? Evidências científicas: Dados de dois ensaios clínicos randomizados controlados por placebo demonstram que ustequinumabe é eficaz para os desfechos de AP periféricos (ACR20, ACR50, DAS28 e entesite), de AP axial (BASDAI20 e BASDAI70, somente em pacientes sem uso prévio de medicamentos anti-TNF) e de pele (PASI75). Os dados demonstram que ustequinumabe é menos eficaz em pacientes que já realizaram uso de medicamentos anti-TNF (PSUMMIT II). Dados de comparação direta entre ustequinumabe e os medicamentos anti-TNF não estão disponíveis. Estudo de comparação indireta, com baixa qualidade, demonstrou eficácia inferior de ustequinumabe comparado aos medicamentos anti-TNF disponíveis no SUS. Dados de segurança são limitados a 108 semanas de acompanhamento, e não apresentam grupo comparador ou controle. Cerca de 71% dos pacientes que usaram ustequinumabe apresentaram algum evento adverso, sendo 43% infecções. Mais de um evento adverso grave ocorreu em 9,7% dos pacientes, sendo os mais frequentes infarto agudo do miocárdio, neoplasia maligna, osteoartrite e colecistite. AVALIAÇÃO ECONÔMICA: A análise de custo minização sugere que ustequinumabe é mais caro em comparação aos medicamentos anti-TNF subcutâneos disponíveis no SUS (adalimumabe, etanercepte e golimumabe), mesmo com a proposta de fornecimento da fase de indução pelo demandante. A análise de custo minimização não é adequada para o contexto, uma vez que há evidência de que a eficácia de ustequinumabe não é equivalente a dos medicamentos antiTNF. AVALIAÇÃO DE IMPACTO ORÇAMENTÁRIO: A análise de impacto orçamentário apresentada pelo demandante sugere economia de R$ 2 a 7 milhões de reais com a incorporação de ustequinumabe em cinco anos, considerando o fornecimento da fase de indução. Uma limitação da análise é não apresentar um cenário alternativo sem considerar o fornecimento da fase de indução de tratamento, uma vez que o horizonte temporal considera o prazo de fornecimento da fase de indução proposto pelo demandante, de cinco anos. Em reanálise dos dados, observa-se que ustequinumabe pode gerar impacto substancial no orçamento sem o fornecimento da indução, que pode variar de R$ 19 a R$ 46 milhões em cinco anos. Este valor é bem superior a economia sugerida com o fornecimento da fase de indução. Portanto, a análise restrita ao horizonte temporal de cinco anos (sem considerar um cenário alternativo onde a fase de indução não será fornecida) não é adequada, considerando o potencial impacto orçamentário ao SUS. MONITORAMENTO DO HORIZONTE TECNOLÓGICO: Alguns medicamentos estão em fase de estudo clínico para o tratamento da artrite psoriásica (abatacepte, apremilaste, brodalumabe, guselkumabe, ixequizumabe, tofacitinibe e upadacitinibe). Essas novas tecnologias ainda não tiveram seu registro aprovado pela Anvisa para a AP. DISCUSSÃO: A evidência disponível sobre eficácia e segurança de ustequinumabe é baseada em dois ensaios clínicos randomizados controlados por placebo em 24 semanas. Comparado a placebo, ustequinumabe apresenta melhor eficácia para os desfechos articulares e de pele em pacientes com artrite psoriásica, com dados de segurança a curto prazo em um ano. Entretanto, não há estudos de comparação direta com os medicamentos anti-TNF disponibilizados pelo SUS. Nesse contexto, há evidência de baixa qualidade, de inferioridade de eficácia do ustequinumabe em comparação aos anti-TNF disponíveis no SUS. O custo do medicamento por paciente na análise de custo minimização demonstrou ser maior em dois e cinco anos, mesmo com o fornecimento da fase de indução pelo demandante. O impacto orçamentário da incorporação do medicamento poderá ser substancial, principalmente após o período de fornecimento da fase de indução pelo demandante. Outras agências de ATS já recusaram o reembolso de ustequinumabe considerando-o menos custo-efetivo comparado aos medicamentos anti-TNF mais antigos, como adalimumabe. Portanto, os dados do presente relatório sugerem que ustequinumabe é menos eficaz e mais caro em comparação com os medicamentos subcutâneos já disponíveis no SUS. RECOMENDAÇÃO PRELIMINAR DA CONITEC: O plenário da CONITEC, em sua 58ª reunião ordinária, recomendou preliminarmente a não incorporação do ustequinumabe para o tratamento de pacientes adultos com artrite psoriásica ativa moderada a grave. A matéria será disponibilizada em Consulta Pública. CONSULTA PÚBLICA: Foram recebidas 101 contribuições de experiência ou opinião e 10 contribuições de cunho técnico-científico, onde 96% e 70% discordaram da recomendação preliminar da CONITEC, respectivamente. O principal motivo de discordância foi a necessidade de se oferecer uma nova alternativa terapêutica. Novas evidências foram apresentadas e analisadas, com sustentação da evidência de inferioridade de ustequinumabe em relação a anti-TNF-α disponíveis no SUS. DELIBERAÇÃO FINAL DA CONITEC: Os membros da CONITEC presentes na 62ª reunião ordinária da plenária, realizada no dia 07/12/2017, deliberaram por unanimidade recomendar a não incorporação de ustequinumabe para o tratamento de artrite psoriásica ativa moderada a grave. Foi assinado o Registro de Deliberação nº 318/2017. DECISÃO: Não incorporar o ustequinumabe para o tratamento de pacientes adultos com artrite psoriásica ativa que apresentaram resposta inadequada aos medicamentos modificadores do curso da doença, no âmbito do Sistema Único de Saúde ­ SUS, dada pela Portaria nº 6, publicada no DOU nº 18, do dia 25 de janeiro de 2018, seção 1, pág. 123.(AU)


Assuntos
Imunoglobulina G/uso terapêutico , Imunossupressores/uso terapêutico , Psoríase/tratamento farmacológico , Brasil , Análise Custo-Benefício/economia , Avaliação da Tecnologia Biomédica , Sistema Único de Saúde
9.
Brasília; CONITEC; jan. 2018. graf, ilus, tab.
Não convencional em Português | LILACS, BRISA/RedTESA | ID: biblio-905639

RESUMO

CONTEXTO: A espondilite anquilosante é uma espondiloartrite axial que acomete adultos jovens, em sua maioria do sexo masculino. Para o tratamento dessa condição, o SUS fornece anti-inflamatórios não esteroidais (AINE), medicamentos modificadores do curso da doença (MMCD) sintéticos e os medicamentos biológicos anti-TNF adalimumabe, etanercepte, golimumabe e infliximabe. Nesse contexto, o demandante solicitou a incorporação do secuquinumabe para o tratamento da espondilite anquilosante na mesma etapa de tratamento dos agentes anti-TNF já incorporados no SUS. TECNOLOGIA: Secuquinumabe (Consetyx®). INDICAÇÃO: Espondilite anquilosante de acometimento axial ou periférico. PERGUNTA: O uso de secuquinumabe é eficaz e seguro para o tratamento da espondilite anquilosante ativa em pacientes adultos que não tenham respondido adequadamente ao tratamento com AINE, e/ou MMCD, e/ou anti-TNF quando comparado às opções de biológicos atualmente disponíveis no SUS? EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS: Foram apresentadas evidências de dois ensaios clínicos randomizados e uma meta-análise de rede. Os estudos avaliaram o secuquinumabe 150 mg em comparação ao placebo até a semana 16, quando o tratamento ativo apresentou resultados estatisticamente superiores para todos os desfechos avaliados (ASAS20, ASAS40, ASAS5/6, ASAS remissão parcial, BASDAI, BASFI e qualidade de vida). Os eventos adversos foram mais comuns nos participantes que utilizaram secuquinumabe, sendo frequentes as infecções, doença de Crohn e eventos cardiovasculares. A avaliação de desfechos radiográficos mostrou que aproximadamente 80% dos participantes não apresentaram progressão na semana 104. Resultados das meta-análises em rede demonstraram que os medicamentos biológicos apresentam resultados similares entre si. AVALIAÇÃO ECONÔMICA: Um estudo de custo-minimização conduzido pelo demandante demonstrou que no primeiro ano, a diferença dos custos por paciente com secuquinumabe variou de -R$ 5.428,56 a -R$ 18.967,20 em comparação aos demais biológicos. Nos anos subsequentes, a diferença dos custos por paciente com secuquinumabe variou de -R$ 7.407,60 a -R$ 13.730,64. IMPACTO ORÇAMENTÁRIO: Num cenário de incorporação de secuquinumabe 150 mg, estima-se economia anual de aproximadamente R$ 15 milhões a R$ 76 milhões, ao longo de cinco anos. Em um cenário de 10% de migração entre os biológicos (mais conservador), o MS pode economizar entre R$ 5 milhões a R$ 25 milhões, três vezes menos do que estimado. MONITORAMENTO DO HORIZONTE TECNOLÓGICO: Alguns medicamentos estão em fase de desenvolvimento clínico para o tratamento da espondilite anquilosante (apremilaste, brodalumabe, ixequizumabe e ustequinumabe). Essas novas tecnologias ainda não tiveram seu registro aprovado pela Anvisa para a EA. CONSIDERAÇÕES FINAIS: O demandante não avaliou seu medicamento em comparação a tratamento ativo. Os estudos conduzidos mostraram que secuquinumabe 150 mg é superior a placebo em 16 semanas de tratamento. Os resultados em longo prazo não são controlados, mas sugerem que os resultados obtidos nas primeiras 16 semanas são mantidos. Segundo relatado em meta-análises em rede, o secuquinumabe é equivalente aos demais medicamentos biológicos. O preço proposto pelo demandante oferece possibilidade de economia para o tesouro, mesmo em cenário menos otimista, bem como a possibilidade de renegociar os preços de aquisição dos medicamentos competidores. RECOMENDAÇÃO PRELIMINAR DA CONITEC: A CONITEC, em sua 57ª reunião ordinária, recomendou que a matéria fosse submetida à consulta pública com recomendação inicial favorável à incorporação no SUS do secuquinumabe para espondilite anquilosante. Considerou-se que o secuquinumabe tem eficácia semelhante, segurança coerente aos demais anti-TNF disponíveis no SUS e menor custo de tratamento. CONSULTA PÚBLICA: Na Consulta Pública nº 38/2017 foram recebidas 323 contribuições, sendo 320 totalmente concordantes com a recomendação preliminar e 3 parcialmente concordantes. Todas as contribuições foram avaliadas quantitativamente e qualitativamente. As contribuições destacaram a importância da incorporação de mais uma opção terapêutica para pacientes com espondilite anquilosante (62%) seguido da eficácia (15%) e da experiência com o medicamento (23%).DELIBERAÇÃO FINAL: Os membros da CONITEC presentes na 60ª reunião ordinária do plenário do dia 05/10/2017 deliberaram por unanimidade recomendar a incorporação do secuquinumabe para espondilite anquilosante em pacientes com doença ativa (tanto axial quanto periférica) e com falha terapêutica inicial com o uso de AINE e/ou MMCD, e/ou anti-TNF, mediante atualização do Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas. Foi assinado o Registro de Deliberação nº 300/2017. DECISÃO: Incorporar o secuquinumabe para o tratamento da espondilite anquilosante ativa, mediante Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas do Ministério da Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS. A decisão foi dada pela Portaria SCTIE-MS nº 65 publicada no Diário Oficial da União (DOU) nº 12, de 17 de janeiro de 2018, pág. 137.(AU)


Assuntos
Humanos , Anticorpos Monoclonais/uso terapêutico , Imunoglobulina G/uso terapêutico , Espondilite Anquilosante/tratamento farmacológico , Brasil , Análise Custo-Benefício/economia , Avaliação da Tecnologia Biomédica , Sistema Único de Saúde
10.
Arq. bras. med. vet. zootec. (Online) ; 70(1): 1-5, Jan.-Feb. 2018. tab
Artigo em Inglês | LILACS, VETINDEX | ID: biblio-888102

RESUMO

Both the presence of owned dogs and stray dogs allows the spread of Toxocara, a parasite whose eggs can be found in soil, water and food. Animals, including horses, serve as definitive and paratenic hosts. In México, where consumption of horse meat is common, Toxocara is a zoonotic parasite. The aim of this study was to identify the presence of anti-Toxocara antibodies in work horses and horses intended for human consumption by ELISA. ELISA was chosen for analysis as paratenic hosts do not shed Toxocara eggs in their feces. Blood samples were collected from a total of 188 horses, 94 of which were work horses and 94 horses from the slaughter house. Samples were analyzed by ELISA, and the general equine seroprevalence was found to be 44.6% (n = 188). Adult horses for slaughter had a 61.7% greater presence of anti-Toxocara antibodies (p = 0.006). Toxocara IgG antibodies were found in horses, confirming that horses are paratenic hosts and possible sources of infection for other animals and people.(AU)


Tanto a presença de cães com dono quanto de cães vadios permitem a disseminação de Toxocara, e o parasita está presente no solo, na água e nos alimentos. Animais, incluindo cavalos, apresentam-se como hospedeiros definitivos e paratênicos. No México, o consumo de carne de cavalo é comum, e Toxocara é um parasita zoonótico. ELISA foi escolhido para análise, já que hospedeiros paratênicos não jogam ovos de Toxocara em suas fezes. O objetivo deste estudo foi identificar a presença de anticorpos anti-Toxocara por ELISA, em cavalos de trabalho e em cavalos para o consumo humano. As amostras de sangue foram retiradas de 188 cavalos: 94 cavalos de trabalho e 94 cavalos de trabalho do matadouro. Soros dos animais foram analisados por ELISA e 44,6% dos equinos apresentaram anticorpos anti-Toxocara. Cavalos adultos para abate têm 61,7% mais elevada a presença de anticorpos anti-Toxocara (P = 0,006). Anticorpos IgG Toxocara foram encontrados em cavalos, confirmando cavalos paratênicos como hospedeiros e possíveis fontes de infecção para outros animais e pessoas.(AU)


Assuntos
Animais , Cavalos/imunologia , Imunoglobulina G/classificação , Toxocara/classificação , Zoonoses
11.
Mem. Inst. Oswaldo Cruz ; 113(5): e170467, 2018. tab, graf
Artigo em Inglês | LILACS | ID: biblio-894925

RESUMO

BACKGROUND Leprosy remains a health problem in many countries, with difficulties in diagnosis resulting in delayed treatment and more severe disabilities. Antibodies against several Mycobacterium leprae antigens have, however, shown value as diagnostic and/or prognostic markers. OBJECTIVES The objective of this study was to evaluate serum immunoglobulin (Ig) IgM and IgG subclass reactivity against three M. leprae specific antigens: NDO-HSA, a conjugate formed by natural octyl disaccharide bound to human serum albumin; LID-1, the fusion protein product of the ml0405 and ml2331 genes; and NDO-LID, a combination of LID-1 and NDO. METHODS Sera from healthy controls, paucibacillary (PB) and multibacillary (MB) leprosy patients, and their respective household contacts, were evaluated for the presence of antigen-specific IgM, IgG, and IgG subclass antibodies by enzyme-linked immunosorbent assay (ELISA). The sensitivity and specificity of each ELISA were evaluated by receiver operating characteristic (ROC) curve analysis. FINDINGS Our data confirm that serum IgM antibodies against NDO-HSA and IgG antibodies against LID-1, as well as IgG/M antibodies against NDO-LID, are markedly increased in MB patients. For the first time, our data reveal a selective increase in IgG1 and IgG3 antibodies against LID-1 and NDO-LID in MB patients, demonstrating that these antibody isotypes are suitable for differentiation between MB and PB patients. ROC curve analysis indicates an improved capacity for diagnosing MB leprosy patients using the detection of IgG antibodies, particularly the IgG1 isotype, specific to LID-1 and NDO-LID over the performance levels attained with NDO-HSA. CONCLUSIONS Our findings indicate that serological tests based on the detection of antigen-specific IgG1 antibodies are a useful tool to differentiate MB from PB patients, and indicate the enhanced performance of the LID-1 and NDO-LID antigens in the serodiagnosis of leprosy.


Assuntos
Imunoglobulina G/sangue , Hanseníase Multibacilar/diagnóstico , Hanseníase Paucibacilar/diagnóstico , Mycobacterium leprae/imunologia , Curva ROC , Sensibilidade e Especificidade
12.
Medicina (Bogotá) ; 40(1(120)): 113-113, Ene-Mar, 2018.
Artigo em Espanhol | LILACS | ID: biblio-910095

RESUMO

Introducción: La glicosilación es una modificación postraduccional que tiene un papel protagónico en los procesos de comunicación célula-célula, célula-matrix extracelular, por lo tanto modula la interacción con antígenos y el sistema inmune. La inmunoglobulina G (IgG) tiene un sitio de N-glicosilación en la posición 297. Los sacáridos terminales de este glicano impactan la función efectora de la proteína, dirigiendo la respuesta hacia un efecto proinflamatorio o antiinflamatorio. Maverakis. et al (2015), propusieron que cada enfermedad autoinmune tiene una única marca de glicanos, especialmente en las diferentes clases de inmunoglobulinas (teoría de la alteración de los glicanos en la autoinmunidad).


Assuntos
Síndrome Antifosfolipídica , Autoimunidade , Glicosilação , Imunoglobulina G
13.
Braz. j. med. biol. res ; 51(5): e6773, 2018. graf
Artigo em Inglês | LILACS | ID: biblio-889077

RESUMO

Bacterial infections occur worldwide and are a major public health problem. Among pathogens, Staphylococcus aureus is the main causative agent of bacterial diseases in the world. This study aimed to evaluate which components of the immune system could act protectively against a S. aureus infection in intradermally immunized mice. C57BL/6 and A/j mice were immunized intradermally with S. aureus inactivated by heat and then challenged with viable strains in an air pouch model. At 6, 12, and 24 h after the challenge, euthanasia was performed, and the cellular profile of the inflammatory infiltrate, cytokines, and the bacterial load were evaluated in the air pouch lavages. Immunized mice demonstrated that the intradermal immunization with S. aureus promoted protection in C57BL/6 mice by reducing the bacterial, which was correlated with increased serum concentration of IgG antibodies (IgG1 and IgG2a) against S. aureus. The increase in IgG2a antibody levels was correlated with a decrease of bacterial load in intradermally immunized C57BL/6 mice, along with production of IL-17A at the inflammation site, as well as IgG1consumption. Similar results were not found in the A/j lineage. In conclusion, a vaccine against S. aureus should focus more on the individual characteristics of the host because it is a determinant factor for the success of the immunization.


Assuntos
Animais , Camundongos , Anticorpos Antibacterianos/imunologia , Staphylococcus aureus Resistente à Meticilina/imunologia , Infecções Estafilocócicas/prevenção & controle , Vacinas Antiestafilocócicas/imunologia , Carga Bacteriana , Citocinas/imunologia , Modelos Animais de Doenças , Imunoglobulina G/imunologia , Camundongos Endogâmicos C57BL , Infecções Estafilocócicas/imunologia , Vacinas Antiestafilocócicas/administração & dosagem , Fatores de Tempo
14.
Mem. Inst. Oswaldo Cruz ; 112(12): 844-849, Dec. 2017. tab, graf
Artigo em Inglês | LILACS | ID: biblio-894860

RESUMO

BACKGROUND Leprosy is a chronic infectious disease caused by the obligate intracellular bacillus Mycobacterium leprae. Because leprosy diagnosis is complex and requires professional expertise, new tools and methodologies are needed to detect cases in early stages and prevent transmission. The M. leprae genome contains mce1A, which encodes a putative mammalian cell entry protein (Mce1A). We hypothesised that the presence of Mce1A on the cell surface could be detected by the host's immune system. OBJECTIVE The aim of this study was to evaluate antibody responses against the Mce1A protein in leprosy patients, household contacts of patients, and the general population to present an addition tool for leprosy diagnosis. METHODS A cross-sectional study involving 89 volunteers [55 leprosy cases, 12 household contacts (HHC) and 22 endemic controls (EC)] was conducted at Couto Maia Hospital, in Salvador, Bahia (BA), Brazil. RESULTS The median anti-Mce1A IgA was significantly higher in multibacillary (MB) and paucibacillary (PB) cases than in EC (p < 0.0001). A similar trend was observed in IgM levels, which were significantly higher in both MB (p < 0.0001) and PB (p = 0.0006) groups compared to in EC individuals. The greatest differences were observed for IgG class-specific antibodies against Mce1A. The median levels of MB and PB were significantly higher compared to both controls HHC and EC (MB or PB vs EC, MB vs HHC p < 0.0001; PB vs HHC, p = 0.0013). Among leprosy cases, IgG enzyme-linked immunosorbent assay sensitivity and specificity were 92.7% and 97.1%, respectively. IgG positivity was confirmed in 92.1% and 94.1% of MB and PB patients, respectively. CONCLUSION This novel diagnostic approach presents an easy, non-invasive, and inexpensive method for leprosy screening, which may be applicable in endemic areas.


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Adolescente , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Idoso , Proteínas de Bactérias/imunologia , Imunoglobulina G/sangue , Hanseníase/diagnóstico , Anticorpos Antibacterianos/sangue , Mycobacterium leprae/imunologia , Ensaio de Imunoadsorção Enzimática , Estudos de Casos e Controles , Características da Família , Sensibilidade e Especificidade
15.
Rev. bras. ter. intensiva ; 29(4): 499-508, out.-dez. 2017. tab, graf
Artigo em Espanhol | LILACS | ID: biblio-899544

RESUMO

RESUMEN La necrolisis epidérmica tóxica es una reacción cutánea adversa de tipo inmunológico secundaria en la mayor parte de los casos a la administración de un fármaco. La necrolisis epidérmica tóxica, el síndrome de Steven Johnson y el eritema exudativo multiforme forman parte del mismo espectro de enfermedad. La mortalidad de la necrolisis epidérmica tóxica es alrededor del 30%. La fisiopatología de la necrolisis epidérmica tóxica es semejante en muchos aspectos a la de las quemaduras dérmicas superficiales. La afectación mucosa del epitelio ocular y genital se asocia con secuelas graves si no se trata de forma temprana. Se acepta en general que los pacientes con necrolisis epidérmica tóxica son tratados mejor en unidades de grandes quemados, donde existe experiencia en el manejo de enfermos con pérdida cutánea extensa. El tratamiento es de soporte, eliminación y cobertura con derivados biosintéticos de la piel de las zonas afectadas, tratamiento de la afectación mucosa, y tratamiento inmunosupresor específico. De los tratamientos ensayados sólo se usa actualmente en la mayor parte de los centros la inmunoglobulina G y la ciclosporina A, aun cuando no existe evidencia sólida para recomendar ningún tratamiento específico. Entre los aspectos particulares del tratamiento de esta enfermedad se encuentra la prevención de secuelas relacionadas con la formación de sinequias, los cuidados oculares para prevenir secuelas graves que pueden conducir a la ceguera, y el tratamiento específico inmunosupresor. Un mejor conocimiento de los principios del manejo de la necrolisis epidérmica tóxica llevará a un mejor manejo de la enfermedad, a una mayor supervivencia y una menor prevalencia de las secuelas.


ABSTRACT Toxic epidermal necrolysis is an adverse immunological skin reaction secondary in most cases to the administration of a drug. Toxic epidermal necrolysis, Stevens-Johnson syndrome, and multiform exudative erythema are part of the same disease spectrum. The mortality rate from toxic epidermal necrolysis is approximately 30%. The pathophysiology of toxic epidermal necrolysis is similar in many respects to that of superficial skin burns. Mucosal involvement of the ocular and genital epithelium is associated with serious sequelae if the condition is not treated early. It is generally accepted that patients with toxic epidermal necrolysis are better treated in burn units, which are experienced in the management of patients with extensive skin loss. Treatment includes support, elimination, and coverage with biosynthetic derivatives of the skin in affected areas, treatment of mucosal involvement, and specific immunosuppressive treatment. Of the treatments tested, only immunoglobulin G and cyclosporin A are currently used in most centers, even though there is no solid evidence to recommend any specific treatment. The particular aspects of the treatment of this disease include the prevention of sequelae related to the formation of synechiae, eye care to prevent serious sequelae that can lead to blindness, and specific immunosuppressive treatment. Better knowledge of the management principles of toxic epidermal necrolysis will lead to better disease management, higher survival rates, and lower prevalence of sequelae.


Assuntos
Humanos , Síndrome de Stevens-Johnson/fisiopatologia , Estado Terminal , Imunossupressores/uso terapêutico , Imunoglobulina G/uso terapêutico , Taxa de Sobrevida , Síndrome de Stevens-Johnson/complicações , Síndrome de Stevens-Johnson/terapia , Ciclosporina/uso terapêutico , Progressão da Doença
16.
J. pediatr. (Rio J.) ; 93(6): 568-575, Nov.-Dec. 2017. tab, graf
Artigo em Inglês | LILACS | ID: biblio-894078

RESUMO

Abstract Objective: Intimins are protein adhesins of enteropathogenic Escherichia coli and enterohemorrhagic E. coli capable of inducing attachment and effacement lesions in enterocytes. Anti-intimin antibodies are important for the protection from enteropathogenic E. coli and enterohemorrhagic E. coli infections because these antibodies inhibit bacterial adhesion and impair the initial step of the pathogenesis. We studied the transfer of maternal anti-intimin antibodies from healthy Brazilian mothers to their newborns through the placenta and colostrum. Methods: Serum immunoglobulin G and secretory immunoglobulin A antibodies against conserved and variable regions of intimins α, β, and γ were analyzed using an enzyme linked-immunosorbent assay in the blood and colostrum from 45 healthy women as well as cord blood serum samples from their newborns. Results: The concentrations of antibodies reactive with α intimin were significantly lower than those of anti-γ and anti-conserved intimin antibodies in the colostrum samples. IgG serum antibodies reactive with all the subtypes of intimins were transferred to the newborns, but the concentrations of anti-conserved intimin serum antibodies were significantly higher in mothers and newborns than concentrations of antibodies against variable regions. The patterns of IgG transfer from mothers to newborns were similar for all anti-intimin antibodies. These values are similar to the percentage transference of total IgG. Conclusions: Anti-intimin antibodies are transferred from mothers to newborns through the placenta, and reinforce the protection provided by breastfeeding against diarrheagenic E. coli infections.


Resumo Objetivo: As intiminas são adesinas proteicas de Escherichia coli enteropatogênicas (EPEC) e enterro-hemorrágicas (EHEC) capazes de induzir as lesões attaching and effacing nos enterócitos. Anticorpos anti-intiminas são importantes para a proteção contra infecções por EPEC e EHEC porque esses anticorpos inibem a adesão bacteriana e impedem o passo inicial do mecanismo patogênico dessas bactérias. Nós estudamos a transferência de anticorpos maternos anti-intiminas de mães brasileiras saudáveis para os seus recém-nascidos através da placenta e do colostro. Métodos: Anticorpos séricos da classe IgG e secretórios da classe IgA (SIgA) reativos com as porções conservada (cons) e variáveis das intiminas α (vα), β (vβ) e γ (vγ) foram analisados pelo teste de ELISA no sangue e no colostro de 45 parturientes saudáveis e no sangue de cordão umbilical dos seus respectivos recém-nascidos. Resultados: As concentrações de anticorpos reativos com intimina vα foram significativamente mais baixas que as dos anticorpos anti-vγ e anti-cons nas amostras de colostro. Anticorpos IgG séricos reativos com todas as intiminas foram transferidos para os recém-nascidos, mas as concentrações de anti-cons foram significativamente mais altas tanto nas mães como nos recém-nascidos do que os anticorpos reativos com as regiões variáveis das intiminas. O padrão de transferência de IgG das mães para os recém-nascidos foi muito semelhante para todos os anticorpos anti-intiminas. Os valores de porcentagem de transferência foram semelhantes à transferência de IgG total. Conclusões: Anticorpos anti-intimina são transferidos das mães para os recém-nascidos pela placenta e corroboram a proteção contra infecções por Escherichia coli diarreiogênicas (DEC) conferida pelo aleitamento materno.


Assuntos
Humanos , Feminino , Recém-Nascido , Autoanticorpos/análise , Imunoglobulina A Secretora/análise , Imunoglobulina G/análise , Colostro/imunologia , Escherichia coli Enteropatogênica/imunologia , Sangue Fetal/imunologia , Ensaio de Imunoadsorção Enzimática , Adesinas Bacterianas/análise , Adesinas Bacterianas/imunologia , Proteínas de Escherichia coli/análise , Proteínas de Escherichia coli/imunologia
18.
Rev. bras. hematol. hemoter ; 39(3): 202-209, July-Sept. 2017. tab, graf
Artigo em Inglês | LILACS | ID: biblio-898927

RESUMO

Abstract Background l-Asparaginase is essential in the treatment of childhood acute lymphoblastic leukemia. If immunoglobulin G anti-l-asparaginase antibodies develop, they can lead to faster plasma clearance and reduced efficiency as well as to hypersensitivity reactions, in which immunoglobulin E can also participate. This study investigated the presence of immunoglobulin G and immunoglobulin E anti-l-asparaginase antibodies and their clinical associations. Methods Under 16-year-old patients at diagnosis of B-cell acute lymphoblastic leukemia confirmed by flow cytometry and treated with a uniform l-asparaginase and chemotherapy protocol were studied. Immunoglobulin G anti-l-asparaginase antibodies were measured using an enzyme-linked immunosorbent assay. Intradermal and prick skin testing was performed to establish the presence of specific immunoglobulin E anti-l-asparaginase antibodies in vivo. Statistical analysis was used to investigate associations of these antibodies with relevant clinical events and outcomes. Results Fifty-one children were studied with 42 (82.35%) having anti-l-asparaginase antibodies. In this group immunoglobulin G antibodies alone were documented in 10 (23.8%) compared to immunoglobulin E alone in 18 (42.8%) patients. Immunoglobulin G together with immunoglobulin E were simultaneously present in 14 patients. Children who produced exclusively immunoglobulin G or no antibodies had a lower event-free survival (p-value = 0.024). Eighteen children (35.3%) relapsed with five of nine of this group who had negative skin tests suffering additional relapses (range: 2-4), compared to none of the nine children who relapsed who had positive skin tests (p-value < 0.001). Conclusion Children with acute lymphoblastic leukemia and isolated immunoglobulin G anti-l-asparaginase antibodies had a higher relapse rate, whereas no additional relapses developed in children with immunoglobulin E anti-l-asparaginase antibodies after the first relapse.


Assuntos
Asparaginase , Imunoglobulina E , Imunoglobulina G , Escherichia coli , Leucemia-Linfoma Linfoblástico de Células Precursoras , Anticorpos Neutralizantes , Hipersensibilidade
19.
Rev. argent. endocrinol. metab ; 54(2): 76-82, abr.-jun. 2017. ilus, tab
Artigo em Espanhol | LILACS | ID: biblio-957971

RESUMO

La hipofisitis linfoplasmocitaria con expresión de inmunoglobulina G4 (IgG4) es una entidad de reciente conocimiento. Pertenece al grupo de enfermedades relacionadas a IgG4 (IgG4-RD, del inglés: IgG4-related disease), donde uno o varios órganos pueden estar comprometidos, con síntomas compresivos u obstructivos, o disfuncionalidad por infiltración celular. La hipófisis puede estar afectada en forma aislada. Clínicamente, se presentan con diabetes insípida, hipopituitarismo y/o síntomas de masa ocupante selar, siendo los principales diagnósticos diferenciales los adenomas selares no secretantes, y otros tipos de hipofisitis. Para arribar al diagnóstico de este tipo patología es necesaria la presencia de una imagen de agrandamiento selar o engrosamiento del tallo pituitario en la resonancia magnética nuclear, una histopatología característica con inmunomarcación positiva para IgG4 en más de 10 células plasmáticas por campo de gran aumento y la presencia de IgG4 sérica elevada. Tienen una excelente respuesta a glucocorticoides, por lo que una sospecha diagnóstica oportuna evitaría una cirugía innecesaria en la mayoría de los pacientes con esta entidad.


Immunoglobulin G4 (IgG4)-related lymphoplasmacytic hypophysitis is a recently known entity. It belongs to the IgG4-related diseases (IgG4-RD), in which one or more organs may be involved, with compressive or obstructive symptoms, or dysfunctionality due to cellular infiltration. The pituitary gland can be isolatedly affected. Clinically, lymphoplasmacytic hypophysitis presents with diabetes insipidus, hypopituitarism and/or symptoms of an occupying sellar mass, being the non-secreting sellar adenomas and other types of hypophysitis the main differential diagnosis. In order to reach the diagnosis, the presence of pituitary enlargement or pituitary stalk thickening on an MRI scan, a distinctive histopathology with positive for IgG4 immunostaining in more than 10 plasma cells per high-powerfield, and elevated serum IgG4 levels, confirms this type of hypophysitis. As this entity has an excellent response to glucocorticoids, the diagnosis suspicion may avoid an unnecessary surgery in most patients.


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Imunoglobulina G/efeitos adversos , Imunoglobulina G/imunologia , Hipofisite/diagnóstico , Imunoglobulina G/análise , Diagnóstico Diferencial , Hipofisite/classificação , Hipofisite/epidemiologia
20.
Mem. Inst. Oswaldo Cruz ; 112(5): 364-369, May 2017. tab, graf
Artigo em Inglês | LILACS | ID: biblio-841794

RESUMO

BACKGROUND Amphimerus spp. is a liver fluke that infects humans and domestic animals. It is highly prevalent in some Ecuadorian communities. Currently, diagnosis is based on the microscopic observation of eggs in faeces, but this has variable sensitivity. More sensitive methods are needed for diagnostic testing. OBJECTIVE The main objective of this work was to develop an enzyme-linked immunosorbent assay (ELISA) using crude antigens from Amphimerus spp. adult worms to detect anti-Amphimerus IgG in human sera. METHODS Crude somatic antigens were obtained from adult Amphimerus spp. worms. Human sera from 119 patients were tested: 48 from individuals with a confirmed Amphimerus spp. infection, 78 from non-infected Ecuadorians living in the endemic region, 60 from persons living in non-endemic areas (20 Ecuadorians, 20 Europeans, and 20 Africans), and 33 who had other parasitic and non-parasitic infections. PRINCIPAL FINDINGS Results were analysed using the receiver-operator characteristic (ROC) curve analysis with an area under curve (AUC) value of 0.967. The accuracy of the ELISA was high. The sensitivity was 85.0% [95% confidence interval (CI): 80.3-89.7%] and the specificity was 71.0% (95% CI: 65.2-76.8%). Some cross reactivity was detected against Paragonimus mexicanus, Fasciola hepatica, Schistosomiasis, Taenia solium, Strongyloides stercoralis, Mansonella spp., and Vampirolepis nana. MAIN CONCLUSIONS We have developed the first ELISA technique that detects anti-Amphimerus IgG in human sera with good sensitivity, repeatability and reproducibility. However, more specific antigens are needed to further enhance performance of this assay. Regardless, this ELISA test could be useful for early diagnosis and prompt treatment of human Amphimerus spp. infections.


Assuntos
Humanos , Animais , Opisthorchidae/imunologia , Infecções por Trematódeos/diagnóstico , Imunoglobulina G/sangue , Ensaio de Imunoadsorção Enzimática , Anticorpos Anti-Helmínticos/sangue , Antígenos de Helmintos/imunologia , Reprodutibilidade dos Testes , Curva ROC , Sensibilidade e Especificidade , Área Sob a Curva
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA