Your browser doesn't support javascript.
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 20 de 108
Filtrar
Mais filtros










Filtros aplicados

Intervalo de ano de publicação
1.
Arq. ciênc. vet. zool. UNIPAR ; 20(4): 241-246, out.-dez. 2017. tab
Artigo em Português | LILACS, VETINDEX | ID: biblio-883113

RESUMO

A imunohematologia veterinária vem ganhando interesse nos últimos anos devido a maior acessibilidade a tecnologias de detecção de antígenos e anticorpos, interesse dos donos e médicos veterinários em buscar uma melhor qualidade de vida para os animais e as necessidades de transfusões com o menor índice possível de reações indesejadas. Os cães possuem antígenos presentes na membrana de suas células vermelhas, podendo causar reações durante e após transfusões. Diferentemente de humanos e felinos, cães não possuem anticorpos naturais para os principais antígenos, a priori podendo ser transfundidos com qualquer tipo sanguíneo sem consequências posteriores, porém, se submetidos a uma segunda transfusão, sendo essa de um tipo sanguíneo incompatível e previamente sensibilizados, as chances de ocorrer reações transfusionais graves aumentam drasticamente, ocasionando danos ao animal, podendo levá-lo à morte. Por conta desses riscos se faz necessário uma maior atenção aos tipos sanguíneos desses animais onde 8 sistemas são reconhecidos internacionalmente classificados como sistema DEA, sendo eles DEA 1 e seus subtipos (DEA 1.1; DEA1.2; DEA 1.3); DEA 3; DEA 4; DEA 5; DEA 6; DEA 7 e DEA 8, e recentemente um novo sistema denominado Dal. Não há disponível ainda soros para os sistemas DEA 6 e DEA 8, tornando a pesquisa sobre esses antígenos dificultosa.(AU)


Veterinary immunohematology is gaining interest in recent years due to greater accessibility to antigen and antibody detection technologies, the interests of pet owners and veterinarians in seeking a better quality of life for animals, and requirement of transfusions with the lowest possible rate of collateral reactions. Dogs have antigens present in the membrane of their red blood cells that can cause reactions during and after transfusions. Unlike humans and cats, dogs do not have natural antibodies to the key antigens, and a priori they can be transfused with any type of blood without any further consequences. However, if they are ever subjected to a second transfusion, if using incompatible blood types and being previously sensitized, the likelihood of having serious transfusion reactions drastically increase, causing damage to the animal, which may even lead it to death. Due to those risks, greater attention is required to the blood type of those animals, which present 8 systems, internationally recognized and classified as the DEA system, namely DEA 1 and its subtypes (DEA 1.1; DEA 1.2; DEA 1.3); DEA 3; DEA 4; DEA 5; DEA 6; DEA 7 and DEA 8, and recently a new system referred to as Dal. No serum is yet available for DEA 6 and DEA 8 systems, hindering the research on those antigens.(AU)


La inmunohematología veterinaria ha ganado atención en los últimos años debido mayor accesibilidad a tecnologías de detección de antígenos y anticuerpos, interés de dueños y médicos veterinarios en buscar mejor calidad de vida para los animales y las necesidades de transfusiones con menor índice posible de reacciones indeseadas. Los perros poseen antígenos presentes en la membrana de sus células rojas, pudiendo causar reacciones durante y después de transfusiones. Diferentemente de humanos y felinos, perros no tienen anticuerpos naturales para los principales antígenos, a priori, pudiendo ser transfundidos con cualquier tipo de sangre sin consecuencias posteriores, todavía, si sometidos a una segunda transfusión, siendo esa de un tipo sanguíneo incompatible y previamente sensibilizados, la posibilidad de ocurrir reacciones transfusional grave aumenta drásticamente, ocasionando daños al animal, pudiendo llevarlo a la muerte. Por esos riesgos se hace necesario más atención a los tipos sanguíneos de esos animales, donde 8 sistemas son reconocidos internacionalmente y clasificados como sistema DEA, siendo ellos DEA 1 y sus subtipos (DEA 1.1; DEA 1.2; DEA 1.3); DEA 3; DEA 4; DEA 5; DEA 6; DEA 7 y DEA 8, y recién un nuevo sistema denominado Dal. No hay aún disponible sueros para los sistemas DEA 6 y DEA 8, haciendo dificultosa la investigación sobre esos antígenos.(AU)


Assuntos
Animais , Cães , Cães/sangue , Cães/imunologia , Antígenos de Histocompatibilidade Classe II/sangue , Índices de Eritrócitos
2.
An. bras. dermatol ; 91(3): 284-289, tab
Artigo em Inglês | LILACS | ID: lil-787286

RESUMO

Abstract: Background: Alopecia areata (AA) is a common disorder of unknown etiology that affects approximately 0.7% to 3.8% of patients among the general population. Currently, genetic and autoimmune factors are emphasized as etiopathogenic. Studies linking Human Leukocyte Antigens (HLA) to AA have suggested that immunogenetic factors may play a role in the disease's onset/development. Objectives: To investigate an association between AA and HLA class I/II in white Brazilians. Methods: Patients and control groups comprised 33 and 112 individuals, respectively. DNA extraction was performed by column method with BioPur kit. Allele's classification was undertaken using the PCR-SSO technique. HLA frequencies were obtained through direct counting and subjected to comparison by means of the chi-square test. Results: Most patients were aged over 16, with no familial history, and developed partial AA, with no recurrent episodes. Patients showed a higher frequency of HLA-B*40, HLA-B*45, HLA-B*53 and HLA-C*04 compared with controls, although P was not significant after Bonferroni correction. Regarding HLA class II, only HLA-DRB1*07 revealed statistical significance; nevertheless, it featured more prominently in controls than patients (P=0.04; Pc=0.52; OR=0.29; 95%; CI=0.07 to 1.25). P was not significant after Bonferroni correction. Conclusions: The development of AA does not seem to be associated with HLA in white Brazilians, nor with susceptibility or resistance. The studies were carried out in populations with little or no miscegenation, unlike the Brazilian population in general, which could explain the inconsistency found.


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Adolescente , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Adulto Jovem , Antígenos de Histocompatibilidade Classe I/genética , Antígenos de Histocompatibilidade Classe II/genética , Brasil , Antígenos de Histocompatibilidade Classe I/sangue , Antígenos HLA-B/genética , Antígenos HLA-B/sangue , Antígenos HLA-C/genética , Antígenos HLA-C/sangue , Antígenos de Histocompatibilidade Classe II/sangue , Estudos de Casos e Controles , Estudos Transversais , Grupo com Ancestrais do Continente Europeu , Alopecia em Áreas/genética , Alopecia em Áreas/imunologia , Cadeias HLA-DRB1/genética , Cadeias HLA-DRB1/sangue , Frequência do Gene/genética
3.
Acta bioquím. clín. latinoam ; 47(3): 541-549, set. 2013. ilus, tab, graf
Artigo em Espanhol | LILACS | ID: lil-694573

RESUMO

Partiendo del alineamiento múltiple de secuencias proteicas humanas obtenidas de las bases de datos del National Center of Biotechnology Information (NCBI) y su posterior análisis espacial tridimensional, se estableció la existencia de un patrón de acople universal para péptidos presentados por las moléculas de histocompatibilidad HLA-II (DR, DP y DQ), siendo una base para el diseño de vacunas proteicas. Estos patrones espaciales fueron claramente exhibidos por los residuos altamente conservados de los tres tipos de moléculas de HLA-II. La aplicación de este nuevo hallazgo permitió diseñar péptidos con mejores valores de acople péptido-HLA-II, que los generados por el péptido de acople universal conocido como CLIP (class Il-associated invariant chain peptide).


Starting from the multiple alignment of human protein sequences obtained from the NCBI database (National Center of Biotechnology Information) and subsequent three-dimensional spatial analysis, the existence of a pattern of universal coupling to peptides presented by MHC molecules HLA-II (DR, DP and DQ) was established, being a basis for the design of protein vaccines. These spatial patterns were clearly exhibited by highly conserved residues of the three kinds of HLA-II molecules. The application of this new finding made it possible to design peptides with better Peptide -HLA-II coupling values than those generated by the universal coupling peptide called CLIP (class II-associated invariant chain peptide).


FA partir do alinhamento múltiplo de sequéncias de proteínas humanas obtidas a partir das bases de dados do NCBI (National Center of Biotechnology Information) e análise espacial tridimensional subsequente, estabeleceu-se a existéncia de um padráo de acoplamento universal para peptídeos apresentados pelas moléculas de histocompatibilidade HLA-II (DR, DP e DQ), sendo uma base para o desenho de vacinas proteicas. Estes padroes espaciais foram claramente exibidos pelos residuos altamente conservados dos trés tipos de moléculas de HLA-II. A aplicagáo deste novo achado permitiu desenhar peptídeos com melhores valores de acoplamento peptídeo-HLA-II, do que aqueles gerados pelo peptídeo de acoplamento universal conhecido como CLIP (classe II-peptídeo associado a cadeia invariante).


Assuntos
Humanos , Histocompatibilidade , Antígenos HLA , Complexo Principal de Histocompatibilidade , Sondas de DNA de HLA , Antígenos de Histocompatibilidade , Antígenos de Histocompatibilidade Classe II , Vacinas
4.
An. bras. dermatol ; 87(4): 578-583, July-Aug. 2012. tab
Artigo em Inglês | LILACS | ID: lil-645327

RESUMO

BACKGROUND: An association between class I and II alleles of the major histocompatibility complex and idiopathic chronic urticaria has previously been observed in different populations, but there are still no studies on Brazilian populations in this regard. OBJECTIVE: The involvement of the major histocompatibility complex classes I and II (loci A, B and DR) in Brazilian patients with idiopathic chronic urticaria and a positive autologous serum skin test was investigated and compared with a healthy population group. METHODS: DNA was extracted from the blood of 42 patients with idiopathic chronic urticaria and major histocompatibility complex classes I and II alleles were determined using the polymerase chain reaction and a laboratory test for oligonucleotide hybridization using a single-filament probe. The frequencies of these alleles in patients with chronic urticaria were compared with the frequencies in 1000 genetically unrelated voluntary blood donors from the same region of Brazil. The diagnosis of idiopathic chronic urticaria was based on the patients' clinical history and routine laboratory tests. Only the patients with positive autologous serum skin test were selected. The allele distribution resulted from the patient and control groups were analyzed using odds ratios and 95% confidence intervals. RESULTS: No statistically significant differences were found between the positive autologous serum skin test patients with chronic urticaria and the control group. CONCLUSIONS: We found that in this population group, there was no specific association between the HLA alleles studied and chronic urticaria. We believe that further population studies are needed in order to investigate the possible existence of this association.


FUNDAMENTOS: A associação entre os alelos do MHC classe I e II e a urticária crônica idiopática tem sido previamente constatada em diferentes populações, sendo que na população brasileira ainda não existem estudos a este respeito. OBJETIVOS: Foi estudado o envolvimento do MHC classe I e II (locci A, B e DR) em pacientes brasileiros com urticária crônica idiopática e teste cutâneo do soro autólogo positivo, comparando-se com um grupo populacional saudável. MÉTODOS: O DNA foi extraído do sangue de 42 pacientes com urticária crônica idiopática e o MHC classe I e II determinado por reação em cadeia da polimerase e teste laboratorial de hibridização de oligonucleotídeo com sonda de filamento único. A freqüência destes alelos em pacientes com urticária crônica idiopática foi comparada com a de 1000 doadores de sangue voluntários e geneticamente não relacionados, da mesma região do Brasil. O diagnóstico de urticária crônica idiopática foi baseado na história clínica do paciente e exames laboratoriais de rotina; foram selecionados apenas os pacientes com teste cutâneo do soro autólogo positivo. O resultado da distribuição alélica entre o grupo de pacientes e o grupo controle foi analisado através do odds rate com o cálculo do intervalo de confiança de 95% (95% IC). RESULTADOS: Não foram encontradas diferenças com significância estatística entre os pacientes com urticária crônica teste cutâneo do soro autólogo positivos e o grupo controle. CONCLUSÕES: Verificamos que neste grupo populacional estudado não houve associação específica entre os alelos HLA estudados e a urticária crônica; acreditamos na necessidade de outros estudos populacionais, para podermos verificar a possível existência desta associação.


Assuntos
Adulto , Idoso , Idoso de 80 Anos ou mais , Feminino , Humanos , Pessoa de Meia-Idade , Adulto Jovem , Antígenos de Histocompatibilidade Classe I/análise , Antígenos de Histocompatibilidade Classe II/análise , Urticária/genética , Alelos , Estudos de Casos e Controles , Doença Crônica , Predisposição Genética para Doença , Antígenos de Histocompatibilidade Classe I/genética , Antígenos de Histocompatibilidade Classe II/genética , Reação em Cadeia da Polimerase , Testes Cutâneos , Urticária/imunologia
5.
Rev. Soc. Bras. Med. Trop ; 45(1): 3-8, Jan.-Feb. 2012. ilus, tab
Artigo em Inglês | LILACS | ID: lil-614900

RESUMO

INTRODUCTION: Some human papillomavirus (HPV) types are involved in malignant processes in the cervical epithelium, with 99 percent of cases attributed to oncogenic HPV infection. This study aimed to detect S100, CD68, and major histocompatibility complex class II (MHC-II) molecules in cervical uterine epithelial samples in patients with high- and low-grade lesions induced by HPV. METHODS: Fifty-eight samples from patients who were confirmed positive or negative for high-risk oncogenic HPV DNA, had histopathological diagnosis of cervical intraepithelial neoplasia (CIN) of grades I, II, or III, or were negative for intraepithelial lesion or malignancy were subjected to immunohistochemistry reaction to S100 protein, CD68, and MHC-II (HLA-DR alpha chain). RESULTS: The presence of MHC-II predominated in samples exhibiting histopathological alterations (p < 0.05). S100 detection was more numerous in carcinoma samples (CIN III) (75 percent). Presence of this protein correlated significantly (p < 0.05) with histopathological findings and viral load. CONCLUSIONS: A small expression of CD68 was observed, which may be explained by the observation in our study having been made on random microscopic fields and not on specific areas. The findings, such as the presence of S100 protein and MHC-II expression in samples with histological alterations, could suggest that the immune system fails to control HPV replication at the early stages of infection. Further studies with larger prospective data are necessary to confirm this result.


INTRODUÇÃO: Alguns tipos de papilomavirus humano (HPV) estão envolvidos em processos malignos no epitélio cervical, com 99 por cento dos casos atribuídos à infecção por HPV oncogênico. O objetivo deste estudo foi detectar a proteína S100, CD68 e moléculas de MHC-II (complexo principal de histocompatibilidade classe II) em amostras de epitélio cervical uterino, de pacientes com lesões de alto e baixo grau induzidas pelo HPV. MÉTODOS: Cinquenta e oito amostras de pacientes positivos ou negativos, confirmados, para DNA de HPV de alto ou baixo risco oncogênico, e que tiveram diagnóstico histopatológico de neoplasia intraepithelial cervical (NIC) de graus I, II ou III ou foram negativas para lesão intraepithelial e malignidade (NILM), foram submetidas à reação de imunohistoquímica (IHQ) para proteína S100, CD68 e MHC-II (HLA-DR cadeia alfa). RESULTADOS: A presença da molécula MHC-II predominou em amostras exibindo alterações histopatológicas (p < 0,05). A detecção de S100+ foi mais numerosa em amostras com carcinoma (NIC III) (75 por cento). A presença dessa proteína correlacionou-se significantemente (p < 0,05) com achados histopatológicos e a carga viral. CONCLUSÕES: Pequena expressão CD68+ foi observada, uma possível explicação seria que em nosso estudo as observações foram feitas em campo microscópicos aleatórios e não em áreas específicas. Os achados como a presença de S100 e a expressão de MHC-II, em amostras com alterações histológicas, podem sugerir que o sistema imune falha em controlar a replicação do HPV nas fases iniciais da infecção. Maiores estudos, com mais dados prospectivos, são necessários para confirmar esses resultados.


Assuntos
Adolescente , Adulto , Idoso , Feminino , Humanos , Pessoa de Meia-Idade , Adulto Jovem , Antígenos CD/análise , Antígenos de Diferenciação Mielomonocítica/análise , Neoplasia Intraepitelial Cervical/imunologia , Antígenos de Histocompatibilidade Classe II/análise , Infecções por Papillomavirus/imunologia , /análise , Biomarcadores/análise , Neoplasia Intraepitelial Cervical/patologia , Neoplasia Intraepitelial Cervical/virologia , DNA Viral/análise , Imuno-Histoquímica , Estadiamento de Neoplasias , Infecções por Papillomavirus/complicações , Infecções por Papillomavirus/patologia , Carga Viral
6.
São Paulo; s.n; s.n; 2011. 183 p. tab, graf, ilus.
Tese em Português | LILACS | ID: biblio-837239

RESUMO

A desnutrição protéico-energética (DPE) afeta mais de 1 bilhão de pessoas no mundo, principalmente crianças, idosos e pacientes hospitalizados. Ela provoca alterações metabólicas e hormonais, além de afetar o tecido hemopoético. O comprometimento da hemopoese provoca anemia e leucopenia, modificando a resposta imune inata e adquirida do organismo. Dessa forma, é comum a associação entre desnutrição e infecção, levando ao comprometimento do tratamento e aumento da morbidade e mortalidade de indivíduos hospitalizados. Após a recuperação nutricional, é relatada a reversão das alterações bioquímicas e hormonais, bem como das alterações na hemopoese e na resposta imune. Porém, muitos resultados são controversos, existindo dúvidas quanto à reversibilidade das alterações. Assim, nos propusemos a avaliar os efeitos da recuperação nutricional nos parâmetros bioquímicos, hormonais, hematológicos e imunológicos em modelo murino de desnutrição. Os animais desnutridos apresentaram perda de peso significativa, redução de proteínas totais, albumina, glicose, insulina e IGF-1, bem como aumento de glutamina plasmática, glutamina sintetase muscular e corticosterona. Houve redução dos parâmetros hepáticos e musculares, bem como alteração na sensibilidade à insulina, evidenciada pelos testes de OGTT e ITT. Todas as alterações descritas caracterizam o quadro de desnutrição. Após a recuperação nutricional, alguns parâmetros foram normalizados, mas as concentrações de glicose, insulina e IGF-1 permaneceram reduzidas. Da mesma forma, as alterações na concentração de DNA hepático e na sensibilidade à insulina permaneceram nos animais renutridos. A pancitopenia periférica e hipocelularidade da medula óssea e do baço observadas nos animais desnutridos foram revertidas após a renutrição. A avaliação de macrófagos peritoniais mostrou reversão parcial do comprometimento da capacidade e adesão e espraiamento, bem como da atividade fungicida nos animais renutridos. A produção de peróxido de hidrogênio continuou baixa após a recuperação nutricional, enquanto a produção de óxido nítrico voltou a aumentar. O comprometimento da produção de citocinas pró-inflamatórias decorrente da desnutrição não foi completamente revertido, visto que, em camundongos Swiss Webster, somente a produção de TNF-α retornou ao normal, enquanto em camundongos C56BL/6J a produção de nenhuma citocina foi restabelecida. A avaliação da via de sinalização do fator de transcrição NFkB mostrou alteração na expressão de MyD88, TRAF-6, IkKß e IkBα em animais desnutridos. Após a recuperação nutricional, algumas dessas proteínas não retornaram ao normal. Os animais desnutridos também apresentaram comprometimento da ativação de NFkB, que não foi normalizada após a recuperação nutricional. Sendo assim, é possível afirmar que o retorno a uma dieta normoprotéica não é suficiente para reverter todas as alterações causadas pela desnutrição


Protein-energy malnutrition (PEM) affects more than 1 billion people worldwide, mainly children, elderly and hospitalized patients. It causes metabolic and hormonal changes, besides affecting hematopoietic tissue. Impaired hematopoiesis causes anemia and leukopenia, modifying innate and acquired immune response of the organism. Thus, it is common the association between malnutrition and infection, leading to impaired treatment and increasing morbidity and mortality in hospitalized patients. After nutritional recovery, it is reported reversal of biochemical and hormonal changes, as well as, reversal of changes in hematopoiesis and immune response. However, many results are controversial, and there are doubts about the reversibility of the changes. Thus, we proposed to evaluate the effects of nutritional recovery biochemical, hormonal, haematological and immunological parameters in a murine model of malnutrition. The malnourished animals showed significant weight loss, reduction in total protein, albumin, glucose, insulin and IGF-1, as well as increased plasma glutamine, corticosterone and muscle glutamine synthetase. There was a reduction in muscle and liver parameters as well as change in insulin sensitivity, evidenced by the tests of OGTT and ITT. All modifications described characterize the malnutrition. After nutritional recovery, there was normalization of some parameters, but the concentrations of glucose, insulin and IGF-1 remained low. Likewise, changes in hepatic DNA concentration and insulin sensitivity remained in renourished animals. Peripheral pancytopenia and hypocellularity in bone marrow and spleen observed in malnourished animals were reversed after refeeding. The evaluation of peritoneal macrophages showed partial reversal of impairment of adhesion and spreading ability, as well as fungicidal activity in animals renourished. The hydrogen peroxide production remained low after nutritional recovery, while nitric oxide production increased again. Impaired production of proinflammatory cytokines due to malnutrition was not completely reversed, whereas in Swiss Webster mice, only the production of TNF-α returned to normal, whereas in C56BL/6J mice no cytokine production was restored. The assessment of the signalling pathway of transcription factor NFkB showed alterations in the expression of MyD88, TRAF-6 IkKß and IkBα in malnourished animals. After nutritional recovery, some of these proteins didn't return to normal. Malnourished animals also showed impaired activation of NFkB, which wasn't normalized after nutritional recovery. Therefore, it is possible to say that the return to a normal diet is not enough to reverse all the changes caused by malnutrition


Assuntos
Animais , Masculino , Feminino , Camundongos , Estudos de Avaliação como Assunto/análise , Recuperação Nutricional/métodos , Hematopoese , Antígenos de Histocompatibilidade Classe II , Desnutrição Proteico-Calórica/prevenção & controle
7.
Rev. bras. alergia imunopatol ; 32(6): 232-236, nov.-dez. 2009.
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-547567

RESUMO

Infecções hospitalares estão entre as principais complicações associadas a óbito em Unidade de Terapia Intensiva(UTI). Entretanto, existem poucas ferramentas validadas em UTI para tentar caracterizar o risco de tais complicações. Objetivo: Caracterizar a resposta a testes cutâneos de hipersensibilidade tardia no momento da admissão de pacientes em UTI, relacionando-a ao desenvolvimento de infecção hospitalar. Pacientes e métodos: Foram analisadas as respostas dos testes cutâneos (pápulas formadas) para quatro antígenos: PPD, candidina, tricofitina e estreptoquinase em 78 pacientes, à admissão em UTI. Os pacientes foram divididos em três grupos: A) sem infecção na admissão e durante a internação; B)sem infecção na admissão e que desenvolveram infecção durante a internação; C) infecção diagnosticada na admissão. Foram ainda divididos em: eutróficos, obesos e desnutridos. Resultados: Tanto pacientes que desenvolveram infecção na UTI (24 pacientes) quanto aqueles que já apresentavam infecção à admissão (15 pacientes) apresentaram menor positividade dos testes ao PPD (1,75 e 0,53mm) e à candidina (1,45 e 1,06mm), quando comparados a 34 pacientes que nãodesenvolveram infecção (4,97 para PPD e 4,74mm para candidina)(p<0,05). Observou-se ainda que os 40 desnutridos apresentaram menor positividade à candidina (1,91mm) quando comparados aos 21 eutróficos (3,17mm) (p<0,05). Conclusão: Observamos que pacientes com diagnóstico de infecção à internação em UTI e os que evoluíram para infecção na UTI apresentaram uma menor resposta aos testes cutâneos de hipersensibilidade tardia ao PPD e à candidina. Acreditamos que a aplicação dos testes cutâneos possa ser uma ferramenta útil na avaliação de risco de infecção hospitalar em UTI.


The hospital infections are among the major complications associated with death in the Intensive Care Unit (ICU). However, there are few validated tools in the ICU to try to characterize the risk of such complications. Objective: To characterize the response to skin tests for delayed hypersensitivity at the time of admission of patients inthe ICU and its relation to the development of nosocomial infection. Patients and Methods: We analyzed the responses of skin tests (papules formed) to four antigens: PPD, candidina, trichophytinand streptokinase in 78 patients at the ICU admission. Patients were divided into three groups: A) no infection at admission and during hospitalization; B) without infection on admission and who developed infections during hospitalization; C) infection diagnosed on admission. Patients were further divided into: normal weight, obese and malnourished. Results: The patients that developed infections in the ICU(24 patients) and those that already had infection on admission(15 patients) had lower positivity to PPD (1.75 and 0.53mm) and candidina tests (1.45 and 1.06mm), when they were compared to 34 patients without infection (4.97 for PPD and 4.74mm for candidina) (p<0.05). It was also observed that the 40 malnourished patients had lower positivity for candidina (1.91 mm) when they were compared to 21 normal weight(3,17mm) (p<0.05). Conclusion: We found that patients with a diagnosis of infection at admission in the ICU and who progressed to infection in the ICU had a lower response to skin tests for delayed hypersensitivity to PPD and candidina. We believe that the application of skin tests may be a useful tool in assessing risk of nosocomial infection in ICU.


Assuntos
Humanos , Formação de Anticorpos , Infecção Hospitalar , Antígenos de Histocompatibilidade Classe II , Hipersensibilidade Tardia , Imunidade Celular , Unidades de Terapia Intensiva , Métodos , Pacientes , Testes Cutâneos , Técnicas e Procedimentos Diagnósticos
8.
Rev. bras. psiquiatr ; 31(2): 131-135, jun. 2009. tab
Artigo em Inglês | LILACS | ID: lil-517901

RESUMO

OBJECTIVE: Evidence from family and molecular genetic studies support the hypothesis of involvement of immunologic mechanisms in the pathophysiology of obsessive-compulsive disorder. The nuclear factor of kappa light polypeptide gene enhancer in B-cells inhibitor-like 1 (NFKBIL1) has been suggested as a modulator of the immunological system. Given the importance of NFKBIL1 in the immunological response, the present study investigated the -62A/T polymorphism (rs2071592), located in the promoter region of its gene (NFKBIL1), as a genetic risk factor for the development of obsessive-compulsive disorder. METHOD: The -62A/T NFKBIL1 polymorphism was investigated in a sample of 111 patients who met DSM-IV criteria for obsessive-compulsive disorder and 272 healthy age- and gender-matched controls. RESULTS: There were no differences in genotypic distributions between patients and controls (χ2 = 0.98; 2 d.f.; p = 0.61). DISCUSSION: Despite these negative findings, more comprehensive polymorphism coverage within the NFKBIL1 is warranted in larger samples. Populations with different ethnic backgrounds should also be studied. CONCLUSION: The results of the present investigation do not provide evidence for the association between the -62A/T NFKBIL1 polymorphism and obsessive-compulsive disorder in this Brazilian sample.


OBJETIVO: Evidências advindas de estudos de família e de genética molecular têm dado suporte à hipótese do envolvimento de mecanismos imunológicos na fisiopatologia do transtorno obsessivo-compulsivo. Tem sido sugerido que o potencializador do fator nuclear do polipeptídeo kappa light em células-B inibidoras-like 1 (NFKBIL1) é um modulador do sistema imunológico. Dada a importância do NFKBIL1 na resposta imunológica, o presente estudo investigou o polimorfismo -62A/T (rs2071592), localizado na região promotora de seu gene, como fator de risco genético para o desenvolvimento do transtorno obsessivo-compulsivo. MÉTODO: O polimorfismo -62A/T do gene do NFKBIL1 foi investigado em uma amostra de 111 pacientes com o diagnóstico de transtorno obsessivo-compulsivo, de acordo com os critérios do DSM-IV, e 272 controles saudáveis emparelhados por idade e gênero. RESULTADOS: Não houve diferenças na distribuição genotípica entre pacientes e controles (χ2 = 0,98; 2 d.f.; p = 0,61). DISCUSSÃO: Apesar dos resultados negativos, estudos compreendendo mais polimorfismos no gene do NFKBIL, em amostras maiores, são necessários. Populações com diferentes origens étnicas também precisam ser avaliadas. CONCLUSÃO: Os resultados da presente investigação não evidenciam associação entre o polimorfismo -62A/T do gene do NFKBIL1 e o transtorno obsessivo-compulsivo nesta amostra brasileira.


Assuntos
Adulto , Feminino , Humanos , Masculino , Antígenos de Histocompatibilidade Classe II/genética , Transtorno Obsessivo-Compulsivo/genética , Polimorfismo Genético , Estudos de Casos e Controles , Frequência do Gene , Predisposição Genética para Doença
9.
Braz. j. otorhinolaryngol. (Impr.) ; 75(3): 426-431, maio-jun. 2009. tab
Artigo em Inglês, Português | LILACS | ID: lil-521103

RESUMO

Recurrent aphthous stomatitis is a common oral mucosa disorder that affects 20 percent of the world's population, characterized by recurring painful ulcers in the mouth. The diagnosis is primarily based on the patient's clinical history. Inheritance may pose as a risk factor for the disease; however, the studies available are inconclusive as to the results attained, and they vary according to the population studied. AIM: to typify class I and class II HLA molecules and to assess how frequent these molecules are present in the Brazilian population with Recurrent Aphthous Stomatitis, compared to healthy controls. MATERIALS AND METHODS: In this prospective, cross-sectional and investigative study, thirty one patients with diagnostic hypothesis of recurrent aphthous stomatitis were seen from February of 2004 to May of 2006. We obtained the DNA from those patients who matched the inclusion criteria and typified their HLA by PCR. RESULTS: In those patients with Recurrent Minor Aphthous Stomatitis we found statistically significant occurrences of HLA-A33 and HLA-B35. CONCLUSION: HLA-A33 and HLA-B35 may be associated with recurrent minor aphthous stomatitis in the Brazilian's population.


A Estomatite Aftoide Recorrente é uma doença oral com incidência em 20 por cento da população mundial, caracterizada por úlceras mucosas de caráter recidivante. O diagnóstico baseiase principalmente na história clínica do paciente. Hereditariedade pode ser um fator de risco para doença, entretanto, os estudos disponíveis não são conclusivos quanto aos resultados obtidos, variando segundo a população estudada. OBJETIVO: Tipificar moléculas HLA de classe I e de classe II e avaliar a frequência destas moléculas em pacientes brasileiros, portadores de Estomatite Aftoide Recorrente, comparando com grupo controle. MATERIAL E MÉTODO: Este trabalho possui um desenho prospectivo, transverso e investigativo. Foram estudados 31 pacientes com suspeita diagnóstica de Estomatite Aftoide Recorrente no período de fevereiro de 2004 a maio de 2006. Os pacientes foram submetidos a protocolo de exames e, daqueles que obedeceram aos critérios de inclusão, foi extraído o DNA e realizada a tipificação HLA por Reação de Polimerização em Cadeia. RESULTADO: Nos pacientes portadores de Estomatite Aftoide Recorrente do tipo minor encontramos as frequências HLA A33 e B35 estatisticamente significantes. CONCLUSÃO: As frequências HLA-A33 e HLA-B35 podem estar associadas à Estomatite Aftoide Recorrente minor na população brasileira.


Assuntos
Adolescente , Adulto , Idoso , Criança , Feminino , Humanos , Masculino , Pessoa de Meia-Idade , Adulto Jovem , Antígenos de Histocompatibilidade Classe I/genética , Antígenos de Histocompatibilidade Classe II/genética , Estomatite Aftosa/genética , Brasil , Estudos de Casos e Controles , Estudos Transversais , Reação em Cadeia da Polimerase , Estudos Prospectivos , Recidiva , Estomatite Aftosa/imunologia , Adulto Jovem
10.
Braz. j. infect. dis ; 12(4): 278-280, Aug. 2008. tab
Artigo em Inglês | LILACS | ID: lil-496764

RESUMO

Studies carried out in various populations have reported an association between some HLA specificities and susceptibility to tuberculosis. We investigated the class I and class II HLA profile in Brazilian patients of various ethnic backgrounds who had AIDS and tuberculosis. Twenty-two adult patients with AIDS and tuberculosis (Group I), 103 patients with AIDS without tuberculosis (Group II) and 423 healthy individuals not infected with HIV (Group III) were evaluated. Diagnosis of HIV infection was made by ELISA, confirmed by a gelatin particle agglutination test. Diagnosis of tuberculosis was made based on clinical/radiological presentation and direct bacilloscopy or clinical specimen cultures. Class I antigens were typed by microlymphotoxicity. Class II alleles were characterized by the polymerase chain reaction (PCR). Differences in frequency of HLA specificities between groups were found in the following antigens/alleles: Group I x Group II: HLA-A31 - p=0.026; HLA-B41 - p= 0.037; HLA-DRB1*10 - p=0.037; HLA-DQB1*5 - p=0.009. Group I x Group III (control): HLA-A31 - p = 0.000008; odds ratio (OR)=31.75; HLA-B41 - p=0.003; HLA-DQB1*5 - p=0.02. HLA-A31 and HLA-B41 antigens and the HLA-DRB1*10 and HLA-DQB1*05 alleles were over-represented in patients with AIDS and tuberculosis (Group I), suggesting that these HLA molecules are associated with susceptibility to tuberculosis in Brazilian patients with AIDS.


Assuntos
Adulto , Feminino , Humanos , Masculino , Pessoa de Meia-Idade , Adulto Jovem , Síndrome de Imunodeficiência Adquirida/imunologia , Antígenos de Histocompatibilidade Classe I/genética , Antígenos de Histocompatibilidade Classe II/genética , Tuberculose Pulmonar/imunologia , Síndrome de Imunodeficiência Adquirida/complicações , Estudos de Casos e Controles , Frequência do Gene , Predisposição Genética para Doença , Tuberculose Pulmonar/complicações , Adulto Jovem
11.
Rev. bras. parasitol. vet ; 16(4): 186-192, out.-dez. 2007. ilus
Artigo em Inglês | LILACS | ID: lil-618359

RESUMO

An histochemical and immunohistochemical study was carried out to evaluate the mechanisms of immune response of horses experimentally infected by Trypanosoma evansi. For this purpose the HE histochemical stain and the avidin biotin peroxidase method were used. To determine the presence and immunoreactivity of immune cells we used anti-major histocompatibility complex II antibodies. Cellular infiltration fenotype was characterized with the aid of anti-CD3 antibody for T lymphocytes and by anti-BLA 36 antibodies for B lymphocytes. Macrophages were marked with an antibody against myeloid/histyocites antigen (clone Mac387). Lesions in the CNS of experimentally infected horses were those of a wide spread non suppurative encephalomyelitis and meningomyelitis. The severity of lesions varied in different parts of the nervous system, reflecting an irregular distribution of inflammatory vascular changes. Lymphoid perivascular cuffs and meningeal infiltrations were of predominantly composed of T and B cells. The parasite, T. evansi, was not identified in these horses tissues.


Este estudo objetivou caracterizar a resposta imune celular no sistema nervoso central (SNC) de eqüinos com infecção crônica experimental por Trypanosoma evansi. Para este propósito, foram utilizados os métodos histoquímicos (HE) e imunoistoquímicos do complexo avidina-biotina peroxidase (ABC). O fenótipo do infiltrado celular foi caracterizado com o auxílio de anticorpos anti - CD3, para linfócitos T e antiBLA36 para linfócitos B. Os macrófagos foram marcados com anticorpo antiantígenos da linhagem mielóide/histiócitos (Clone Mac387). A lesão no sistema nervoso central (SNC) dos eqüinos infectados com T. evansi foi caracterizada como meningoencefalite e meningomielite não supurativa. A gravidade das lesões variou em diferentes segmentos do SNC, refletindo distribuição irregular das alterações vasculares. A distribuição de células T e B e antígenos do complexo maior de histocompatibilidade classe II foram avaliados dentro do SNC de eqüinos cronicamente infectados com T. evansi. O infiltrado perivascular e meníngeo eram constituídos predominantemente por células T e B. Macrófagos foram raramente visualizados. T.evansi não foi identificado no parênquima do SNC dos eqüinos.


Assuntos
Animais , Encéfalo/imunologia , Encéfalo/parasitologia , Antígenos de Histocompatibilidade Classe II/biossíntese , Doenças dos Cavalos/imunologia , Monócitos , Tripanossomíase/veterinária , Doença Crônica , Cavalos , Imuno-Histoquímica , Tripanossomíase/imunologia
12.
Braz. j. med. biol. res ; 40(12): 1671-1679, Dec. 2007. graf, tab
Artigo em Inglês | LILACS | ID: lil-466737

RESUMO

Costimulatory and antigen-presenting molecules are essential to the initiation of T cell immunity to mycobacteria. The present study analyzed by immunocytochemistry, using monoclonal antibodies and alkaline phosphatase-anti-alkaline phosphatase method, the frequency of costimulatory (CD86, CD40, CD40L, CD28, and CD152) and antigen-presenting (MHC class II and CD1) molecules expression on human lung cells recovered by sputum induction from tuberculosis (TB) patients (N = 22) and non-TB controls (N = 17). TB cases showed a statistically significant lower percentage of HLA-DR+ cells than control subjects (21.9 ± 4.2 vs 50.0 ± 7.2 percent, P < 0.001), even though similar proportions of TB cases (18/22) and control subjects (16/17, P = 0.36) had HLA-DR-positive-stained cells. In addition, fewer TB cases (10/22) compared to control subjects (16/17) possessed CD86-expressing cells (P = 0.04; OR: 0.05; 95 percentCI = 0.00-0.51), and TB cases expressed a lower percentage of CD86+ cells (P = 0.04). Moreover, TB patients with clinically limited disease (£1 lobe) on chest X-ray exhibited a lower percentage of CD86-bearing cells compared to patients with more extensive lung disease (>1 lobe) (P = 0.02). The lower expression by lung cells from TB patients of HLA-DR and CD86, molecules involved in antigen presentation and activation of T cells, may minimize T cell recognition of Mycobacterium tuberculosis, fostering an immune dysfunctional state and active TB.


Assuntos
Adulto , Feminino , Humanos , Masculino , Células Apresentadoras de Antígenos/imunologia , Antígenos CD/imunologia , Antígenos HLA-DR/imunologia , Antígenos de Histocompatibilidade Classe II/imunologia , Linfócitos T/imunologia , Tuberculose Pulmonar/imunologia , Fosfatase Alcalina/imunologia , Anticorpos Monoclonais/imunologia , Células Apresentadoras de Antígenos/metabolismo , Antígenos CD/metabolismo , Estudos de Casos e Controles , Antígenos HLA-DR/metabolismo , Antígenos de Histocompatibilidade Classe II/metabolismo , Imunidade Celular , Imuno-Histoquímica , Ativação Linfocitária/imunologia , Mycobacterium tuberculosis/imunologia , Escarro/microbiologia
13.
P. R. health sci. j ; 26(2): 97-101, Jun. 2007.
Artigo em Inglês | LILACS | ID: lil-476404

RESUMO

Association between HLA antigens and cervical squamous cell carcinoma has been described in several populations. To verify whether HLA-DRB1 and DQB1 diversity is related to cervical cancer in Puerto Rican women, 40 cases and 50 controls were HLA typed. DRB1*16 (POR=2.89) and DRB1*11 (POR=1.74) were positively associated with cervical cancer. A negative association was found with DRB1*01 (POR=0.52), DRB1*04 (POR=0.60), DRB1*14 (POR=0.33), DRB1*15 (POR=0.65), DQB1*04 (POR=0.33), DQB1*05 (POR=0.64) and DQB1*06 (POR=0.65). We suggest that HLA Class H polymorphisms are involved in genetic susceptibility to cervical cancer in Puerto Rican women. These results should be confirmed in studies with larger sample size to preclude the possibility of false positive observations.


Assuntos
Adulto , Idoso , Idoso de 80 Anos ou mais , Feminino , Humanos , Pessoa de Meia-Idade , Antígenos de Histocompatibilidade Classe II/genética , Neoplasias do Colo do Útero/genética , Neoplasias do Colo do Útero/imunologia , Estudos Transversais , Neoplasias do Colo do Útero/epidemiologia , Porto Rico/epidemiologia , Fatores de Risco
14.
São Paulo; s.n; 2007. 113 p. ilus, graf.
Tese em Português | LILACS | ID: lil-464454

RESUMO

A resposta imune adaptativa do tipo Th1 é necessária para proteção contra P. brasiliensis. Sabendo que célulcas dendrítica são APCs eficientes na ativação da resposta imune mediada por células, investigamos o potencial dessas células em iniciar a resposta imune inata em camundongos suscetíveis (B10.A) e resistentes (A/J) a PCM. Inicialmente, observamos que células dendríticas pulmonares de camundongos B10.A são mais fagocíticas quando comparadas com células de camundongos A/J. Além disso, observamos que a fagocitose na presença de laminarina foi inibida em células dendríticas pulmonares de animais B10.A. A produção de citocinas por células dendríticas pulmonares de camundongos A/J mostrou baixa concentração de IL-10, IL-12 e TNF-`alfa’ . Ao contrário, células dendríticas pulmonares de camundongos B10.A produziram altas concentrações de TNF-‘alfa’ e IL-10, mas, a produção de IL-10 foi significativamente inibida na presença de laminarina. Nós também observamos que células dendríticas pulmonares de camundongos TLR-2KO foram deficientes na produção de IL-10. Alem disso, a expressão gênica para TLR-2 aumentou após infecção em camundongos B10.A, mas não nos A/J. Posteriormente, observamos que a capacidade de células dendríticas pulmonares de camundongos suscetíveis em induzir ativação de células T foi diminuída. De acordo com nossos resultados, sugerimos que P. brasiliensis induz células dendríticas regulatórias em camundongos suscetíveis, os quais promovem a produção de IL-10, contribuindo para suscetibilidade de camundongos B10. A contra a infecção por P. brasiliensis...


Assuntos
Animais , Camundongos , Células Dendríticas , Suscetibilidade a Doenças , Antígenos de Histocompatibilidade Classe II , Paracoccidioides/imunologia , Células Th1 , Comunicação Celular , Expressão Gênica , Linfonodos , Paracoccidioidomicose
15.
Arq. bras. endocrinol. metab ; 50(3): 436-444, jun. 2006. tab
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-433736

RESUMO

A predisposição genética ao diabetes melito tipo 1 (DM1) é associada a múltiplos genes do sistema de histocompatibilidade humano (HLA) de classe II. Em caucasianos, os antígenos HLA-DR3 e -DR4 são associados à susceptibilidade e o -DR2, à proteção. No Brasil, um país constituído por grande miscigenação entre caucasianos europeus, índios nativos e negros africanos, a base genética do DM1 tem sido pouco estudada. O objetivo desse trabalho foi apresentar uma revisão crítica dos artigos indexados nos bancos de dados MEDLINE e LILACS-BIREME sobre a associação do HLA com DM1 em brasileiros. Todos os oito estudos encontrados foram realizados no sudeste do país. A susceptibilidade imunogenética para o DM1 em brasileiros foi associada com os alelos HLA-DRB1*03, -DRB1*04, -DQB1*0201, -DQB1*0302 e a proteção com os alelos -DQB1*0602 e -DQB1*0301 e os antígenos -DR2 e -DR7. Por ser o Brasil constituído por grande miscigenação, não se pode extrapolar para todo o país estudos realizados em apenas uma região. Faz-se necessário pesquisar populações de várias regiões, analisando sua diversidade alélica para identificar novas associações ou reforçar aquelas já existentes. Esse conhecimento contribuirá para futuras intervenções profiláticas e terapêuticas nos grupos de brasileiros com maior risco de desenvolver DM1.


Assuntos
Humanos , Alelos , Diabetes Mellitus Tipo 1/genética , Predisposição Genética para Doença , Haplótipos , Antígenos HLA/genética , Brasil/etnologia , Diabetes Mellitus Tipo 1/etnologia , Antígenos HLA-DQ/sangue , Antígenos HLA-DR/genética , Antígenos de Histocompatibilidade Classe I/genética , Antígenos de Histocompatibilidade Classe II/genética , Glicoproteínas de Membrana/sangue
16.
Arq. bras. oftalmol ; 69(2): 273-278, mar.-abr. 2006. tab
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-426730

RESUMO

Vários estudos têm procurado identificar marcadores genéticos para doenças oftalmológicas. Dentre eles, destaca-se o antígeno de histocompatibilidade humano (Human Leukocyte Antigens). Situado no braço curto do cromossomo 6, o sistema antígeno de histocompatibilidade humano é conhecido por sua capacidade de conferir susceptibilidade ou proteção a diferentes doenças. Em virtude do seu acentuado polimorfismo, o tipo e a força da associação variam a depender da enfermidade e da raça (etnia) estudadas. O surgimento de métodos moleculares para tipificação dos alelos antígeno de histocompatibilidade humano e as recentes atualizações de sua nomenclatura têm contribuído para o melhor entendimento desse sistema. O presente trabalho tem por objetivos revisar a estrutura e função do sistema antígeno de histocompatibilidade humano e relatar suas associações com uveíte anterior aguda, penfigóide cicatricial ocular, ceratocone de início na juventude e retinocoroidopatia "birdshot".


Assuntos
Humanos , Oftalmopatias/imunologia , Antígenos HLA/imunologia , Alelos , Oftalmopatias/genética , Antígenos de Histocompatibilidade Classe I , Antígenos de Histocompatibilidade Classe II , Antígenos HLA/genética , Doenças Retinianas/genética , Doenças Retinianas/imunologia , Uveíte Posterior/genética , Uveíte Posterior/imunologia
17.
Genet. mol. res. (Online) ; 5(4): 581-608, 2006. ilus, tab
Artigo em Inglês | LILACS | ID: lil-482095

RESUMO

The major histocompatibility complex (MHC) in sheep, Ovar-Mhc, is poorly characterised, when compared to other domestic animals. However, its basic structure is similar to that of other mammals, comprising class I, II and III regions. Currently, there is evidence for the existence of four class I loci. The class II region is better characterised, with evidence of one DRA, four DRB (one coding and three non-coding), one DQA1, two DQA2, and one each of the DQB1, DQB2, DNA, DOB, DYA, DYB, DMA, and DMB genes in the region. The class III region is the least characterised, with the known presence of complement cascade (C4, C2 and Bf), TNFalpha and CYP21 genes. Products of the class I and II genes, MHC molecules, play a pivotal role in antigen presentation required for eliciting immune responses against invading pathogens. Several studies have focused on polymorphisms of Ovar-Mhc genes and their association with disease resistance. However, more research emphasis is needed on characterising the remaining Ovar-Mhc genes and developing simplified and cost-effective methods to score gene polymorphisms. Haplotype screening, employing multiple markers rather than single genes, would be more meaningful in MHC-disease association studies, as it is well known that most of the MHC loci are tightly linked, exhibiting very little recombination. This review summarises the current knowledge of the structure of Ovar-Mhc and polymorphisms of genes located in the complex.


Assuntos
Humanos , Animais , Camundongos , Antígenos de Histocompatibilidade Classe I/genética , Antígenos de Histocompatibilidade Classe II/genética , Doenças dos Ovinos/genética , Imunidade Inata/genética , Polimorfismo Genético/genética , Antígenos HLA/genética , Doenças dos Ovinos/imunologia , Haplótipos/genética , Ovinos , Relação Estrutura-Atividade
18.
Genet. mol. res. (Online) ; 5(3): 513-524, 2006. tab
Artigo em Inglês | LILACS | ID: lil-441047

RESUMO

Losses caused by bovine tick burdens in tropical countries have a tremendous economic impact on production systems. Besides reducing production, this parasite can cause death in the most susceptible animals. The use of commercial acaricides has been the major method of control, but their misuse has led to tick resistance to many chemicals. More recently, vaccines have been used in some countries without solving the problem completely. An alternative could be the development of resistant animals and the use of genetic markers and candidate genes that could help with the enormous task of selecting resistant animals. The bovine lymphocyte antigen genes (BoLA) have been shown to be associated with some parasitic infestations and disease incidence. Thus, the objective of the present study was to determine the association of BoLA-DRB3.2 alleles with tick resistance in cattle. The study was conducted on 231 F2 (Gyr x Holstein) animals that were artificially infested with 10,000 tick larvae. Log of tick count +1 was used as the dependent variable in a mixed animal model with allele substitution effects in addition to fixed effects of year and season at tick count, sex of calves, age of animal at tick count, hair type (short-straight, short-curl, long-straight, and long-curl), coat color (white, >75% white, 50- 75% white, and 25-50% white), and additive genetic, permanent environmental and residual effects as random. Females showed fewer ticks than males. Animals with short-straight hair were more resistant to tick infestation than animals with long-curl hair, and animals with whiter coat color also had fewer ticks. An association between BoLA alleles and lower tick number was found for alleles DRB3.2 *18, *20 and *27 at the 5% significance level. Also, one allele (DRB3.2*16) showed an association at the 10% level. Allele *27 was the most frequent in the population (30.7%), followed by alleles *16 (10.8%), *20 (8.7%) and *18 (2.4%)...


Assuntos
Animais , Masculino , Feminino , Alelos , Doenças dos Bovinos/genética , Bovinos/genética , Antígenos de Histocompatibilidade Classe II/genética , Infestações por Carrapato/veterinária , Doenças dos Bovinos/imunologia , Doenças dos Bovinos/parasitologia , Bovinos/imunologia , Bovinos/parasitologia , Marcadores Genéticos , Predisposição Genética para Doença , Genótipo , Modelos Genéticos , Reação em Cadeia da Polimerase , Característica Quantitativa Herdável , Estações do Ano , Infestações por Carrapato/genética , Infestações por Carrapato/imunologia
19.
Biomédica (Bogotá) ; 25(4): 568-602, dic. 2004. ilus, tab
Artigo em Espanhol | LILACS | ID: lil-422520

RESUMO

La diversidad genética le confiere a Plasmodium falciparum la capacidad de evadir la respuestainmune del hospedero y producir variantes resistentes a medicamentos y a vacunas, aspectos que juegan un papel importante en el establecimiento de medidas de control contra la malaria. Diferentes autores han documentado la existencia de diversas cepas o clones de P. falciparum, cuya diversidad genética se ha confirmado a través de distintos ensayos de PCR (reacción en cadena de la polimerasa). Numerosas investigaciones realizadas en poblaciones con diferente grado de transmisión de malaria han mostrado la relación existente entre la estructura de la población de P. falciparum y la epidemiología de la enfermedad. En este artículo se describen las fases del ciclo de vida en las que los eventos de recombinación originan la diversidad genética de P. falciparum, se revisan los estudios realizados sobre este aspecto en regiones con diferentes grados de endemicidad, así como sobre sus implicaciones en la adquisición de inmunidad y en el desarrollo de medidas de control


Assuntos
Variação Genética , Malária/epidemiologia , Plasmodium falciparum , Antígenos de Histocompatibilidade Classe II
20.
Rev. Soc. Bras. Med. Trop ; 38(5): 399-401, set.-out. 2005. tab
Artigo em Português | LILACS, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-ILSLPROD, Sec. Est. Saúde SP, SESSP-ILSLACERVO, Sec. Est. Saúde SP | ID: lil-409474

RESUMO

A doença de Jorge Lobo é uma micose cutânea/subcutânea de evolução crônica, causada pelo fungo Lacazia loboi. Devido às características epidemiológicas e poucos estudos relacionados aos aspectos imunológicos dessa doença, o objetivo do trabalho foi investigar uma possível associação das especificidades HLA de classe II em 21 pacientes portadores da doença de Jorge Lobo, comparando com indivíduos sadios de mesma etnia. As tipificações HLA foram realizadas pelo método de PCR-SSP. O resultado não revelou qualquer tipo de associação entre os antígenos HLA e doença de Jorge Lobo. Embora sem significância estatística, foi observada a diminuição da freqüência do antígeno HLA-DR7 no grupo dos pacientes em relação aos controles (0 por cento x 18 por cento), sugerindo uma associação negativa (protetora) entre HLA-DR7 e doença de Jorge Lobo. Contudo, estudos devem ser continuados, objetivando melhor entendimento nos mecanismos envolvidos na suscetibilidade e/ou proteção dessa doença.


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Dermatomicoses/genética , Antígenos de Histocompatibilidade Classe II/genética , Estudos de Casos e Controles , Dermatomicoses/imunologia , Fenótipo , Reação em Cadeia da Polimerase , Polimorfismo Conformacional de Fita Simples
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA