Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 2 de 2
Filtrar
Mais filtros










Filtros aplicados
Base de dados
Intervalo de ano de publicação
1.
Bol. latinoam. Caribe plantas med. aromát ; 10(4): 338-350, jul. 2011. graf, ilus, tab
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-654646

RESUMO

The aim of this study was to investigate the potential neuroprotective and anticonvulsant effects of ethanolic extract from flowers (EEF) of B. perrenis in adult Swiss mice (2 months old) after seizures induced by pilocarpine. The animals were divided into 8 groups. The first group was treated with vehicle (0.05 percent Tween 80 dissolved in 0.9 percent saline) and the second with pilocarpine (400 mg/kg, P400 group). The third, fourth and fifth group were pretreated with EEF (50, 100 or 150 mg/kg) and 30 min later received P400 (EEF 50, EEF 100 or EEF 150 plus P400 groups), respectively. In turn, the remaining groups were treated with EEF alone (50, 100 or 150 mg/kg EEF 50, EEF 100 or EEF 150 groups), respectively. After treatment, the groups were observed for 24 h and then euthanized and their brains removed for histopathological analysis. All P400 group animals showed seizures that progressed to status epilepticus. Pre-treatment with EEF produced a significant reduction in those indices. P400 and EEF 50 plus P400 groups showed 87.5 percent and 37.5 percent of animals with brain damage in the hippocampus, respectively. In P400 group, the damage rate in striatum was 75 percent. In turn, this region has seen a reduction of 46.99 percent neuronal damage of those of EEF 50 plus P400 group. According to our results we suggest that the EEF may modulate epileptogenesis and promote anticonvulsant and neuroprotective mechanisms in model of seizures induced by pilocarpine.


O objetivo desse estudo foi investigar o potencial efeito neuroprotetor e anticonvulsivante do extrato etanólico das flores de B. perrenis (EEF) em camundongos Swiss adultos (2 meses) após convulsão induzida por pilocarpina. Os animais foram divididos em 8 grupos. O primeiro grupo foi tratado com veículo (Tween 80 0,05 por cento dissolvido em salina 0,9 por cento) e o segundo com pilocarpina (400 mg/kg, grupo P400). Já o terceiro, quarto e quinto grupo foram tratados com EEF (50, 100 ou 150 mg/kg), e 30 min depois receberam P400 (grupos EEF 50, EEF 100 ou EEF 150 plus P400), respectivamente. Por sua vez, os demais grupos foram tratados somente com EEF (50, 100 ou 150 mg/kg; grupos EEF 50, EEF 100 ou EEF 150), respectivamente. Após os tratamentos, os grupos foram observados durante 24 h e em seguida eutanasiados e seus cérebros removidos para as análises histopatológicas. Todos os animais do grupo P400 apresentaram convulsões que progrediram para o estado de mal epiléptico. O pré-tratamento com EEF produziu uma redução significativa nesses índices. Os grupos P400 e EEF 50 plus P400 apresentaram 87,5 por cento e 37,5 por cento de animais com lesão cerebral no hipocampo, respectivamente. No corpo estriado dos animais do grupo P400 houve um comprometimento de 75 por cento. Por sua vez, nessa região foi vista uma redução de 46,99 por cento nesse comprometimento nos animais do grupo EEF 50 plus P400. De acordo com nossos resultados podemos sugerir que o EEF pode modular a epileptogênese e promover ação neuroprotetora e anticonvulsivante no modelo das convulsões induzidas por pilocarpina.


Assuntos
Masculino , Animais , Camundongos , Bellis perennis/farmacologia , Cérebro/patologia , Convulsões/induzido quimicamente , Extratos Vegetais/farmacologia , Pilocarpina/farmacologia
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA