Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 20 de 166
Filtrar
1.
Sex., salud soc. (Rio J.) ; (31): 28-56, enero-abr. 2019.
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-1004711

RESUMO

Resumo Neste artigo, pretendemos seguir o curso da ideia de 'direitos LGBT' na ONU, tomados como direitos humanos relacionados com a orientação sexual e com a identidade de gênero. Nosso argumento consiste em que esses direitos são acionados pelos atores políticos como 'direitos morais' e a ONU tem dado uma contribuição importante para torná-los direitos postos. Pressupomos que, justamente por tais direitos não estarem consagrados no direito internacional, ações e reações no debate acerca de 'direitos LGBT' se dão nas fissuras deste arcabouço. Neste artigo, assinalamos quais são essas fissuras e abordamos como os atores políticos as têm explorado. Os dados analisados aqui foram coletados mediante pesquisa documental e bibliográfica.


Abstract In this article, we intend to follow the course of the idea of 'LGBT rights' in the UN, understood as human rights related to sexual orientation and gender identity. Our argument is that these rights are used by political actors as 'moral rights', and the UN has given an important contribution to establish them in the international framework. We assume that, precisely because such rights are not established in international law, actions and reactions in the debate about 'LGBT rights' occur in the fissures of this framework. In this article, we highlight these fissures and discuss how they have been explored by political actors. The analyzed data was collected through document and bibliographic research.


Resumen En este artículo, pretendemos seguir el curso de la idea de 'derechos LGBT' en la ONU, tomados como derechos humanos relacionados con orientación sexual e identidad de género. Nuestro argumento consiste en que esos derechos son accionados por los actores políticos como 'derechos morales' y la ONU ha dado una contribución importante para hacerlos derechos puestos. Suponemos que, justamente por tales derechos no estén consagrados en el derecho internacional, acciones y reacciones en el debate acerca de 'derechos LGBT' se dan en las fisuras del ordenamiento. En este artículo, señalamos cuáles son esas fisuras y abordamos cómo los actores políticos las han explorado. Los datos analizados aquí fueron recolectados mediante investigación documental y bibliográfica.


Assuntos
Humanos , Religião , Controles Informais da Sociedade , Nações Unidas/tendências , Direitos Civis/tendências , Minorias Sexuais e de Gênero/legislação & jurisprudência , Direitos Civis , Identidade de Gênero
2.
Artigo em Espanhol | LILACS, COLNAL | ID: biblio-1017387

RESUMO

El poder produce sujetos, sería una manera de enunciar una de las tesis foucaultianas que abren un horizonte crítico más allá del esquema de la soberanía, el cual Judith Butler describe de forma precisa cuando afirma "estamos acostumbrados a concebir el poder como algo que ejerce presión sobre el sujeto desde fuera, algo que subordina, coloca por debajo y relega a un orden inferior" (2010, p. 12). La representación del poder como fuerza externa que se impone, como represión por parte de un grupo, un individuo o el Estado, se desplaza, en la analítica foucaultiana, hacia una teoría de la sujeción, en el doble sentido de este término, como sometimiento y como subjetivación (Álvarez, 2015; Butler, 2010). Así, el problema central para Foucault no sería el origen, naturaleza o legitimación del poder sino su ejercicio sobre otros, la pregunta precisa que se plantea Foucault al respecto es, justamente, "¿qué ocurre cuando los individuos ejercen, como se dice, su poder sobre otros?" (Álvarez, 2015, p. 329). Para Foucault la respuesta a esta cuestión no es evidente ni inmediata, pues la aparición en el siglo XVI del Estado en Occidente (Álvarez, 2015) se configuró como causa de la extendida concepción del poder investido para someter. Ahora bien, lejos está el filósofo francés de desconocer la importancia de estos análisis, no obstante, su reflexión apunta hacia la constitución del sujeto como quien ejerce y sobre el que se ejerce el poder y, por tanto, de las estrategias que se usan para ello.


Power produces subjects, it would be a way to state one of the Foucaultian theses that open a critical horizon beyond the scheme of sovereignty, which Judith Butler describes precisely when she affirms "we are accustomed to conceive of power as something that puts pressure on the subject from outside, something that subordinates, places below and relegates to a lower order "(2010, p. 12). The representation of power as an external force that is imposed, as repression by a group, an individual or the State, moves, in Foucaultian analytics, towards a theory of subjection, in the double sense of this term, as submission and as subjectivation (Álvarez, 2015; Butler, 2010). Thus, the central problem for Foucault would not be the origin, nature or legitimation of power but its exercise over others, the precise question that Foucault asks about it is, precisely, "what happens when individuals exercise, as they say, their power over others? "(Álvarez, 2015, p. 329). For Foucault, the answer to this question is neither evident nor immediate, since the appearance in the 16th century of the State in the West (Álvarez, 2015) was configured as the cause of the extended conception of the power vested to submit. Now, the French philosopher is far from ignoring the importance of these analyzes, however, his reflection points to the constitution of the subject as who exercises and over which power is exercised and, therefore, of the strategies used to it.


Assuntos
Humanos , Poder Psicológico , Filosofia , Autoritarismo , Controles Informais da Sociedade
3.
Sex., salud soc. (Rio J.) ; (28): 178-205, jan.-abr. 2018.
Artigo em Espanhol | LILACS | ID: biblio-904048

RESUMO

Resumen El objetivo de este artículo es analizar cinco exponentes del cine argentino contemporáneo a la luz de los elementos aportados desde la matriz conceptual de la Queer Theory de tradición principalmente butleriana. Se procura ubicar la posibilidad de una erótica por fuera de los límites impuestos por la heteronorma y la clasificación de identidades.


Resumo O objetivo deste trabalho é analisar cinco expoentes do cinema argentino contemporâneo à luz de elementos aportados da matriz conceitual da Teoria Queer, principalmente da tradição Butleriana, para localizar a possibilidade de um erótico fora dos limites impostos pelo heteronorma e a classificação das identidades.


Abstract This work analyzes five Argentine contemporary films through some elements of Judith Butler's Queer Theory in order to investigate the possibility of an eroticism beyond the limits imposed by heteronormativity and the classification of identities.


Assuntos
Humanos , Argentina/etnologia , Controles Informais da Sociedade , Sexualidade , Minorias Sexuais e de Gênero , Identidade de Gênero , Antropologia Cultural , Filmes Cinematográficos
4.
Sex., salud soc. (Rio J.) ; (28): 136-158, jan.-abr. 2018.
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-904042

RESUMO

Resumo Este artigo pretende discutir, a partir de um relato biográfico, a prática de aborto em contexto popular enquanto estratégia de cuidar de si. Para tanto, analisa a história de vida de Helena, uma mulher de camada popular, marcada pela violência de gênero e a desigualdade social. Trata das leituras e das práticas de eventos da vida sexual e reprodutiva como "regra", "fazer descer", "abortar", "ter filhos" e "ter companheiro", com o intuito de compreender o manejo empreendido entre códigos hegemônicos, usos cotidianos e modos de sobrevivência da solidão e da violência.


Abstract This article discusses the practice of abortion in a popular context as a strategy of caring for oneself, by analyzing the life story of Helena, a working class woman whose trajectory is marked by gender violence and social inequality. It deals with the understanding and practices of sexual and reproductive life events, such as "menses", "provoking menstruation", "abortion", "having children" and "having a partner", in order to understand the management undertaken at the intersection of hegemonic codes, daily practices, and modes of surviving solitude and violence.


Resumen Este artículo pretender discutir, a partir de una biografía, la práctica del aborto en un contexto popular como uno de los modos de una cuidarse a sí misma. Por eso, analiza la historia de vida de Helena, una mujer de estrato popular, marcada por la violencia de género y por la desigualdad social. Por eso, son abordadas las interpretaciones de eventos de la vida sexual y reproductiva como la "regla", "hacer bajar la menstruación", "abortar", "tener hijos" y "estar en pareja", para comprender el manejo de códigos sociales hegemónicos, sus usos cotidianos y modos de sobrevivencia a la solitud y a la violencia.


Assuntos
Humanos , Feminino , Controles Informais da Sociedade , Brasil , Saúde da Mulher/tendências , Aborto Induzido/métodos , Violência Doméstica , Mulheres Maltratadas , Vulnerabilidade Social , Pesquisa Qualitativa , Iniquidade Social
5.
Physis (Rio J.) ; 28(4): e280422, 2018.
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-984796

RESUMO

Resumo Estudo de abordagem socioantropológica, analisa a experiência de mulheres com reações hansênicas, quadro agudo de evolução crônica que acomete cerca da metade das pessoas que têm hanseníase. Foram entrevistadas sete mulheres com reações, acompanhadas por um serviço de referência em Cuiabá-MT, região com maior número de casos no Brasil. A análise foi realizada na modalidade temática e os resultados abrangem o contexto em que vivem, o aparecimento e interpretação das reações, as repercussões e dilemas de um "tratamento que adoece". As reações imbricam-se na trajetória da hanseníase e são marcadores do adoecimento por intensificarem a dor ou por causarem marcas e eritemas pelo corpo. Ao explicarem sua origem, as reações são inseridas em contextos abrangentes e situações de estresse ou tristeza. O tratamento torna-se um problema na medida em que afeta como elas se veem, processo que é acrescido e incorporado à situação estigmatizante causada pela hanseníase. Ter reações pode ser considerado "pior" do que ter hanseníase, pois nem sempre é possível prevê-las ou controlá-las; por isso, assume-se que a noção de cura requer outros sentidos, baseados na reconstrução cotidiana. Reitera-se a importância de abordar o problema em perspectiva que favoreça uma atenção integral aos adoecidos.


Abstract Study of socio-anthropological approach on the experience of women with leprosy reactions, an acute chronic evolution that affects half of those who have leprosy. Seven women with reactions were interviewed, accompanied by a reference service in Cuiabá-MT, the region with the highest number of cases in Brazil. The analysis was carried out in the thematic modality and the results cover the context in which they live, the appearance and interpretation of the reactions, the repercussions and dilemmas of a "treatment that gets sick". Reactions are embedded in the trajectory of leprosy and are markers of illness by intensifying pain or causing bruising and erythema throughout the body. In explaining their origin, reactions are inserted into broad contexts and situations of stress or sadness. Treatment becomes a problem as it affects how they look, a process that is added and incorporated into the stigmatizing situation caused by leprosy. Having reactions can be considered "worse" than having leprosy, since it is not always possible to predict or control them and therefore, it is assumed that the notion of cure requires other senses, based on daily reconstruction. It reiterates the importance of approaching the problem in a perspective that favors a comprehensive care for the patients.


Assuntos
Humanos , Feminino , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Dor , Vergonha , Controles Informais da Sociedade , Fatores Socioeconômicos , Mulheres , Brasil , Comportamentos Relacionados com a Saúde , Doenças Negligenciadas/complicações , Estigma Social , Hanseníase/complicações
6.
Rio de Janeiro; s.n; 2018. 92 f p.
Tese em Português | LILACS | ID: biblio-904852

RESUMO

Este trabalho tem como tema a construção social da masculinidade, e procura analisar quais elementos são acionados pelos homens nesse processo. A masculinidade é aqui entendida como uma categoria múltipla e dinâmica, como um constructo cultural moldado por meio da interação dos indivíduos. Como estratégia metodológica é adotado como exemplo de masculinidade a experiência da transexualidade masculina. O objeto de análise é a narrativa autobiográfica de João Nery - primeiro homem transexual a ter sua história tornada pública no Brasil. Constatou-se que as estratégias subjetivas mobilizadas por Nery para ser aceito como homem pela sociedade, em nada difere dos mecanismos acionados por homens não transexuais, de modo que a única explicação para o não reconhecimento da identidade desses indivíduos seria o discurso essencialista que organiza a "verdade" acerca do gênero na sociedade. Discurso que tem como principal base argumentativa o debate em termos de uma natureza intrínseca do sexo biológico, responsável por promover uma visão binária dos gêneros


Assuntos
Humanos , Masculino , Identidade de Gênero , Masculinidade , Homens , Controles Informais da Sociedade , Pessoas Transgênero
7.
Rio de Janeiro; s.n; 2018. 215 f p. il.
Tese em Português | LILACS | ID: biblio-904959

RESUMO

O presente trabalho teve por objetivo analisar os sentidos dos conceitos nutricionais disseminados na mídia impressa, através da revista Veja, na primeira década do século XXI. Foi um estudo qualitativo de 55 matérias referentes às 23 capas selecionadas, cujos temas se relacionavam à alimentação. Ainda que, nesse veículo, os conceitos nutricionais sejam divulgados para leitores pertencentes a camadas médias e altas, ambas letradas, existe uma permeabilidade desses saberes para as classes populares. Embora não seja um campo de produção autônomo de saber nutricional, como o campo médico científico, a mídia impressa tem grande relevância para a compreensão da nutrição na contemporaneidade, com suas ambiguidades e contradições, na medida em que, segundo Mudry (2009), a linguagem acerca da alimentação reconfigura a relação das pessoas com a comida. No material levantado, os temas que emergiram com maior frequência, foram aqueles relacionados ao emagrecimento e à longevidade. O padrão hegemônico do corpo magro, jovem, em forma e saudável, com frequência associado a celebridades, congrega um ideal de beleza, sobretudo feminina, onde magreza e juventude são fundamentais. O saudismo e a medicalização emergiram entrelaçados nos discursos nutricionais da revista, assim como o Nutricionismo, ideologia identificada por Gyorgy Scrinis (2008, 2013). O Nutricionismo se caracteriza por uma abordagem reducionista em relação ao corpo e à alimentação, com discursos métricos e quantificados, que buscam a precisão de desenlaces entre nutrientes e saúde, transformando a nutrição em uma ciência matemática e puramente biológica, na qual comer significa ingerir calorias e nutrientes. Associada ao saudismo e ao nutricionismo, a noção de responsabilidade individual surge nos discursos analisados combinada a um sentimento de culpa que se transforma em carga moral. Esta prescrição moral facilita a proliferação de dietas da moda e uso de substâncias, suplementos e alimentos-remédios como atalhos para alcançar o corpo ideal, a saúde perfeita e a vida longa. Argumentamos que a complexidade da Ciência da Nutrição é maior do que recomendações métricas e quantificadas e os sentidos do comer são bem mais amplos e profundos do que nutrientes ou calorias que ingerimos. Os discursos sobre a comida e o comer, quando impregnados da ideologia do Nutricionismo, distorcem este processo íntimo e social que, acima de tudo, deveria ser mediado por experiências e, não, por números ou nutrientes


Assuntos
Humanos , Alimentos, Dieta e Nutrição , Dieta , Meios de Comunicação de Massa , Controles Informais da Sociedade , Magreza
8.
Physis (Rio J.) ; 28(2): e280210, 2018.
Artigo em Espanhol | LILACS | ID: biblio-955477

RESUMO

Resumen El trabajo problematiza sobre el uso de metáforas biomédicas para interpretar fenómenos del mundo social contemporáneo. A partir de la Teoría Lingüística Cognitiva y la Crítica Postcolonial se analizan las metáforas del "Cuerpo Social" y la "Semántica Inmunitaria" como productos históricos de transformaciones tecnológicas y socio-políticas cuyo carácter es altamente conflictivo. Este tipo de metáforas evocarían una secuencia unilineal de examen/diagnóstico/terapia social que facilitaría cierto manejo centralizado y racional del poder. Se concluye que ciencias biomédicas, ciencias sociales y esfera pública del Norte Global compartirían una matriz metafórica asociada a una racionalidad moderna (capitalista/colonial/patriarcal) plegada sobre sí misma, que comienza, sin embargo, a ser progresivamente fisurada por "otras metáforas" producidas en el Sur Global.


Resumo O artigo discute o uso de metáforas biomédicas para interpretar os fenômenos do mundo social contemporâneo. Utilizam-se a Teoria Linguística-Cognitiva e a Crítica Pós-Colonial das Ciências para analisar as metáforas do "Corpo Social" e a "Semântica Imune" da bibliografia selecionada como produtos históricos de transformações tecnológicas e sociopolíticas, cujo caráter é altamente controverso. Este tipo de metáforas evoca uma sequência unilinear de exame/diagnóstico/terapia que socialmente facilitaria uma gestão centralizada e racional do poder. Conclui-se que Ciências Biomédicas, Ciências Sociais e esfera pública do Norte Global compartilham uma matriz metafórica comum associada com a racionalidade moderna (capitalista /colonial/patriarcal) dobrada sobre si mesma, mas que começa gradualmente a ser fissurada por "outras metáforas" produzidas no Sul global.


Abstract This paper problematizes the use of biomedical metaphors to interpret the contemporary social world. Using the Cognitive Linguistic Theory and the Postcolonial Studies of Sciences, it analyzes the metaphors of the "Social Body" and the "Immunitarian Semantics" from a selected bibliography as historical products of technological and socio-political transformations of conflicting characteristics. This kind of metaphors evokes a sequence of examination/diagnosis/social-therapy that facilitates a centralized and rational management of power. Finally, the text suggests that Biomedical Sciences, Social Sciences, and the public sphere of the Global North share a common metaphoric matrix associated with the modern (capitalist/colonial/ patriarchal) rationality, folded over itself, which progressively begins to be fissured by "other metaphors" produced in Global South.


Assuntos
Humanos , Controles Informais da Sociedade , Ciências Sociais , Formação de Conceito , Conhecimento , Metáfora , Percepção Pública da Ciência , Ciências da Saúde
9.
Physis (Rio J.) ; 28(2): e280204, 2018. tab
Artigo em Inglês | LILACS | ID: biblio-955479

RESUMO

Abstract Global AIDS guidelines have prioritized the expansion of HIV testing among the groups most exposed to the virus, such as those referred to as men who have sex with men (MSM). This paper analyses the relationships between the production of prevention strategies and sexual moralities based on the results of a systematic review of academic literature about testing with gays and MSM (2005-2015, using the PubMed, Sociological Abstract and Lilacs databases). The analysis of 65 articles reveals the recruitment strategies for identifying target-subjects and how they are held responsible for their serological self-surveillance, including routine tests. The findings also point to a diversification of testing locations. Implicit assumptions about sexuality and gay affection are conveyed through the interventions' emphasis on sociability spaces and occasional sex, especially when facilitated by the use of apps. Attentive to the symbolic dimensions of the new prevention technologies and strategies, we argue that the expansion of testing with a focus on "MSM" signals a displacement of health interventions. If before actions to control the epidemic sought to intervene in sexual practices, the current efforts are concentrated on promoting self-surveillance of one's serological status.


Resumo As diretrizes globais de prevenção da Aids têm priorizado a ampliação da testagem do HIV entre grupos mais expostos ao vírus, como os denominados homens que fazem sexo com homens (HSH). Com base em revisão sistemática da produção acadêmica (2005-2015) nas bases PubMed, Sociological Abstract e Lilacs, sobre testagem com gays e HSH e formas de captação para diagnóstico, este trabalho analisa as relações entre produção de estratégias de prevenção e moralidades sexuais. O exame dos 65 artigos revela os modos de identificação dos sujeitos-alvo das estratégias de captação e de responsabilização pela própria vigilância sorológica, incluindo a testagem de rotina. Os achados apontam ainda a diversificação de lugares para testagem. Os pressupostos implícitos sobre sexualidade e afetividade gay se exprimem através da ênfase das intervenções nos espaços de sociabilidade e de sexo ocasional, particularmente quando facilitado pelo uso de aplicativos. Atentos à dimensão simbólica das novas estratégias e tecnologias de prevenção, argumentamos que a ampliação da testagem com foco nos "HSH" opera um deslocamento da intervenção sanitária. Se antes as medidas de controle da epidemia visavam intervir no exercício da sexualidade dos sujeitos, os esforços atuais se concentram em promover a autovigilância do estado sorológico.


Assuntos
Humanos , Masculino , Controles Informais da Sociedade , Testes Sorológicos/tendências , HIV , Homossexualidade Masculina , Sexualidade , Autoavaliação Diagnóstica , Estigma Social , Moral
10.
Rio de Janeiro; s.n; 2018. 262 f p.
Tese em Português | LILACS | ID: biblio-909424

RESUMO

Esta tese discute distintos enquadres (frames) da intersexualidade através do exame das representações biomédicas, midiáticas e do ativismo intersexo no Brasil. Atualmente, a intersexualidade tem sido nomeada pela medicina como desordem do desenvolvimento sexual e se refere a um conjunto extenso de variações em que cromossomos, níveis hormonais, órgãos sexuais internos e externos estariam em desacordo com o regime binário de sexo/gênero. A hipótese desta tese é a de que, para além de sua definição terminológica, intersexualidade e desenvolvimento (social, econômico, cultural, moral) entrelaçam-se e servem de meio de expressão recíproca em diferentes planos e narrativas. O trabalho desenvolve-se através da análise de material sobre intersexualidade divulgado pela mídia brasileira entre os anos de 2000-2017; em observações realizadas em evento médico internacional e quatro entrevistas com médicos em serviço especializado da cidade de Fortaleza; e entrevistas com seis ativistas intersexo brasileiros. A análise percorreu os múltiplos sentidos de desenvolvimento (biológico, sexual, social, econômico, político e moral) interseccionados a marcadores sociais da diferença, através dos quais se produzem enquadramentos sobre a intersexualidade. Como resultado, desenha o panorama de uma distribuição diferencial de visibilidades, sofrimentos, e narrativas no âmbito da regulação de corpos e identidades não-conformes ao regime binário sexual e de gênero


Assuntos
Humanos , Transtornos do Desenvolvimento Sexual , Ativismo Político , Minorias Sexuais e de Gênero , Sexualidade , Controles Informais da Sociedade , Brasil
11.
Physis (Rio J.) ; 27(1): 61-77, jan.-mar. 2017.
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-955465

RESUMO

Resumo O artigo objetiva relacionar as possibilidades de produção de subjetividade singularizada no serviço de CAPS de Alegrete-RS, entendendo-se a necessidade de identificar as aproximações e distanciamentos das práticas desenvolvidas e dos objetivos propostos a partir da reforma psiquiátrica nesse serviço. Utilizou-se a modalidade de estudo de caso com abordagem qualitativa descritiva e analítica. Foram efetuadas entrevistas semiestruturadas com 11 usuários e 21 trabalhadores e observação participante, perfazendo um total de 253 horas. Encontraram-se nos espaços do serviço aspectos de inovação nas práticas e dinâmicas propostas para pensar, criar e resistir, potencializando a subjetivação e os processos de singularização das pessoas envolvidas na atenção psicossocial. As relações construídas mobilizam para o desenvolvimento de múltiplos recursos individuais, coletivos e sociais para um modo singular de viver em sociedade, com respeito às diferenças, aos desejos, aos modos de relação e de concepção de mundo.


Abstract The article aims to report the possibilities of production of singularized subjectivity or singularization processes in the service of Alegrete-RS, Brazil, considering the need to identify the proximities and distances of proposed practices and goals since the psychiatric reform related to this service. A case study was conducted whose data was obtained from semi-structured interviews with 11 users and 21 workers, and also from participant observation which totalized 253 hours. Aspects of innovation in practices and dynamics with the purpose to promote thinking, creativity and resistance were found potentiating the subjectivity and processes of singularization of the people involved in the psychosocial attention. The relations built lead to the development of multiple individual, collective and social resources, to a particular way to live in society, respecting differences, desires, kinds of relationship and conception of the world.


Assuntos
Humanos , Saúde Mental/tendências , Serviços de Saúde Mental/tendências , Controles Informais da Sociedade , Sistema Único de Saúde/tendências , Brasil , Autonomia Pessoal , Individuação
13.
Rio de Janeiro; s.n; 2017. 260 f p. tab.
Tese em Português | LILACS | ID: biblio-906248

RESUMO

Esta tese versa sobre as tensões entre diversas dimensões institucionais e possibilidades produzidas no cuidado a mulheres acometidas por câncer de colo de útero a partir de etnografia em uma instituição de referência para o tratamento do câncer ginecológico. O objetivo é analisar como se materializa o ideal de autonomia no processo de tratamento para a doença, em situações cotidianas e singulares, nas quais a tomada de decisões é efetivamente exercida por profissionais e pacientes. Foi traçado um panorama sobre a doença e a história das explicações e intervenções construídas pela biomedicina para o tratamento. Essa análise evidenciou que as tecnologias e saberes biomédicos, além das formas como as terapias são ofertadas nas políticas e serviços de saúde, foram modeladas pelos referenciais do Norte global. Quando esses padrões são exportados para locais com características socioculturais diversas, em geral ignoram os diferenciais no modelo de pessoa e experiências de saúde, doença e cuidado. A análise das práticas no campo de pesquisa revela uma miríade de tensões e potencialidades. As tensões referem-se aos conflitos entre o ideário de autonomia do paciente e o modelo de interação paternalista; às formas como o cuidado é oferecido na instituição; às dificuldades de tradução das informações médicas às pacientes destituídas de capital escolar; à comunicação de notícias difíceis relativas ao câncer; aos protocolos de tratamento, cujos efeitos permanecem ao longo da vida das pacientes, nos sentidos material e simbólico; às questões de gênero. As potências encontram-se na produção singular do cuidado. Conclui-se que as análises críticas sobre as ações de saúde não devem positivar a autonomia, entendida como modelo de escolha individual e autodeterminada, escapando de reflexões sobre os modos de regulação biomédica produzidos nesse campo. É necessário incluir as prescrições, os atores sociais envolvidos nessas produções e em que medida elas consideram a agência, desejos e valores das pacientes, que por sua vez são atualizados e modulados a partir de uma matriz inescapavelmente social


Assuntos
Humanos , Feminino , Assistência à Saúde , Autonomia Pessoal , Pesquisa Qualitativa , Controles Informais da Sociedade , Neoplasias do Colo do Útero , Saúde da Mulher , Brasil , Atenção Primária à Saúde , Sistema Único de Saúde
14.
Physis (Rio J.) ; 26(4): 1313-1333, Out.-Dez. 2016. tab
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-842086

RESUMO

Resumo O estudo explora as percepções e experiências dos homens sobre o planejamento familiar (PF) em dois contextos do sul de Moçambique: na localidade de Macarretane (província de Gaza) e no bairro da Mafalala (cidade capital, de Maputo). Combinando métodos qualitativos, exploram-se os conhecimentos e práticas dos homens sobre o PF, bem como percebem seu papel (e envolvimento) na saúde sexual reprodutiva e as formas de diálogo e negociação com suas parceiras sobre o PF. O PF foi definido apenas como barreira às gravidezes indesejadas. Os conhecimentos dos homens sobre o PF do ponto de vista biomédico são fracos. Existe a percepção de que os contraceptivos modernos criam efeitos secundários no corpo da mulher, colocando em risco sua capacidade reprodutiva e o prazer sexual. A capacidade ou incapacidade de negociar o uso do PF pelas mulheres é influenciada pelas normas de gênero e pelas masculinidades vigentes. Os homens consideram que o seu papel no PF é de consentir que as parceiras façam planejamento. O diálogo e a articulação em torno do uso dos serviços de PF também são influenciados pelas normas de gênero e padrões de masculinidade.


Abstract The study explores the perceptions and experiences of men about family planning (FP) in two contexts of southern Mozambique: in the locality of Macarretane (Gaza province) and in the Mafalala neighborhood (capital city of Maputo). Combining qualitative methods, men's knowledge and practices about FP are explored, as well as perceiving their role (and involvement) in reproductive sexual health and the forms of dialogue and negotiation with their partners about FP. PF was only defined as a barrier to unwanted pregnancies. Men's knowledge about FP from a biomedical point of view is weak. There is a perception that modern contraceptives create side effects on a woman's body, putting her reproductive capacity and sexual pleasure at risk. The capacity or inability to negotiate the use of FP by women is influenced by gender norms and masculinities in force. Men feel that their role in FP is to allow their partners to plan. Dialogue and articulation around the use of FP services are also influenced by gender norms and patterns of masculinity.


Assuntos
Humanos , Masculino , Planejamento Familiar , Masculinidade , Moçambique/etnologia , Percepção , Saúde Sexual e Reprodutiva , Controles Informais da Sociedade
15.
Physis (Rio J.) ; 26(2): 611-632, abr.-jun. 2016.
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-789493

RESUMO

Resumo Apresentam-se, em um ensaio crítico, a ideia e os fundamentos da vigilância civil da saúde. Trata-se de proposta elaborada por Victor Valla na década de 1990, que incorpora à vigilância em saúde a participação da população por meio da educação popular de Paulo Freire. Com o aporte de recursos da Antropologia Interpretativa e da História Nova, faz-se um contraponto entre a vigilância em saúde tradicional, modelada pela vigilância epidemiológica, e a vigilância civil da saúde. Evidenciam-se, então, permanências culturais marcantes na prática da vigilância em saúde desenvolvida hegemonicamente no Brasil. A prerrogativa de cientificidade, que leva à subordinação ao modelo clínico biomédico, a vinculação política à ideia de segurança social e o critério imperativo de urgência, características da vigilância em saúde tradicional, bloqueiam ou dificultam a participação popular. Ao final, vincula-se a vigilância civil da saúde à epistemologia do sul de Boaventura de Sousa Santos. O desenvolvimento da vigilância civil da saúde, que incorpora a participação popular à vigilância em saúde, vem ao encontro das propostas historicamente inscritas na concepção e na evolução da saúde coletiva e do SUS.


Abstract The idea and the grounds for health civil surveillance are presented here in a critical essay. This is a proposal developed by Victor Valla in the 1990s, which incorporates the participation of the population into health surveillance through Paulo Freire's popular education. With the resources input from both interpretative anthropology and the new history, a counterpoint is made between the traditional health surveillance, modelled by the epidemiological surveillance, and the health civil surveillance. Remarkable cultural permanencies in the health surveillance practice hegemonically developed in Brazil are then made clear. The prerogative of scientificity, which brings about the subordination to the biomedical clinical model, the political entailment to the idea of social security and the imperative criterion of urgency, characteristics of the traditional health surveillance, block off or raise difficulties to the popular participation. At the end, the health civil surveillance joins the Southern Epistemology by Boaventura de Sousa Santos. The development of health civil surveillance, which incorporates popular participation into health surveillance, meets the proposals historically inscribed in the collective health and conception and evolution of the SUS.


Assuntos
Humanos , Controles Informais da Sociedade , Educação em Saúde , Epidemiologia/tendências , Participação da Comunidade , Pesquisa Qualitativa , Vigilância em Saúde Pública
16.
Arch. latinoam. nutr ; 66(2): 129-134, June 2016. tab
Artigo em Inglês | LILACS, LIVECS | ID: lil-785932

RESUMO

The objective of this study was to evaluate the prevalence of risk behaviors related to eating disorders and body image satisfaction among Brazilian dietitians and undergraduate Nutrition students. The national representative sample was composed of 427 undergraduate students of Nutrition and 318 dietitians. Data were collected via an online questionnaire. Body image satisfaction was assessed by the Body Shape Questionnaire, and attitudes suggestive of an eating disorder (called positive EAT) were assessed by the Eating Attitudes Test. Adjusted Prevalence Ratios were performed by Poisson’s regression. More than 50.0% of women were dissatisfied with their body image, but severe dissatisfaction was more prevalent among students (26.7% versus 16.0%). There was no difference in the prevalence of positive EAT test between both groups. Students with positive EAT had more chance of body dissatisfaction (PRadj 1.31; 95%CI 1.03-1.66). Dietitians with positive EAT had 35% more chance of being dissatisfied with their body image (PRadj 1.35; 95%IC 1.01-1.80). Undergraduate Nutrition students and dietitians are likely to develop attitudes suggestive of an eating disorder and being dissatisfied with their body image. The susceptibility of developing an eating disorder might have a relation with their professional field(AU)


O objetivo deste estudo foi avaliar a prevalência de comportamentos de risco relacionados com distúrbios alimentares e satisfação com a imagem corporal entre mulheres nutricionistas e estudantes de Nutrição brasileiras. Adotou-se uma amostra representativa nacional, composta por 427 estudantes de Nutrição e 318 nutricionistas. Os dados foram coletados por meio de um questionário on-line. A satisfação com a imagem corporal foi avaliada pelo Body Shape Questionnaire, e as atitudes sugestivas de transtorno alimentar (denominadas EAT positivo) foram avaliadas por meio do Eating Attitudes Test. Razões de Prevalências Ajustadas foram calculadas usando Regressão de Poisson. Mais de 50,0% das mulheres estavam insatisfeitas com sua imagem corporal, mas a insatisfação severa foi mais prevalente entre as estudantes (26,7% versus 16,0%). Não houve diferença na prevalência de EAT positivo entre os grupos. Estudantes com EAT positivo tinham mais chances de ter insatisfação corporal (PRadj 1,31; 95%CI 1,03-1,66). Nutricionistas com EAT positivo tinham 35% mais chances de estarem insatisfeitas com sua imagem corporal (PRadj 1,35; 95%IC 1,01-1,80). Estudantes de Nutrição e nutricionistas tendem a desenvolver atitudes sugestivas de transtornos alimentares e estarem insatisfeitas com sua imagem corporal. Sua susceptibilidade a transtornos alimentares pode ter uma relação com sua área de atuação profissional(AU)


Assuntos
Humanos , Feminino , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Controles Informais da Sociedade , Imagem Corporal , Transtornos da Alimentação e da Ingestão de Alimentos , Emprego , Ciências da Nutrição
17.
Rio de Janeiro; s.n; 2016. 90 f p. il.
Tese em Português | LILACS | ID: biblio-905016

RESUMO

O estudo toma como objeto a Marcha das Vadias do Rio de Janeiro, movimento político que, ancorado no paradigma dos direitos sexuais e reprodutivos, articula a luta contra a violência de gênero a demandas referentes à autonomia feminina no tocante à sexualidade e à defesa da diversidade sexual. O foco recai sobre as controvérsias em torno desse movimento, a partir da constatação de que as slutwalks valorizam a pluralidade e a diversidade, mas são confrontadas por críticas centradas na reivindicação de identidades específicas baseadas em diferenças. Ao longo de 2014 realizou-se observação participante de reuniões e eventos organizados pelas ativistas da Marcha das Vadias do Rio de Janeiro, posteriormente complementada por entrevistas semiestruturadas. Buscou-se compreender como as especificidades desse ato político enquanto modalidade de ativismo influenciam a maneira pela qual são pensadas igualdade/diferença e políticas de identidade. Um questionamento perpassa toda a dissertação: qual é a possibilidade de alianças entre mulheres, tendo em vista as diferenças e desigualdades entre elas? As análises apontam que mulheres negras e de periferia caracterizam a Marcha das Vadias como um feminismo "elitista e branco", questionando a dimensão libertadora atribuída ao termo "vadia". A despeito do comprometimento das ativistas com preceitos democráticos - resumidos no ideal de "horizontalidade" -, as interações foram marcadas por denúncias de hierarquizações, nas quais os marcadores raça e geração foram centrais. Por fim, os significados atribuídos às figuras de vítima/agressor, que nas dinâmicas internas se desdobraram em opressoras/oprimidas, apontam para possibilidades e limites de estratégias políticas nas quais a vulnerabilidade não é associada a falta de agência


Assuntos
Humanos , Feminino , Feminismo , Violência de Gênero , Ativismo Político , Pesquisa Qualitativa , Controles Informais da Sociedade , Distância Social , Valores Sociais
18.
Fortaleza; s.n; 2016. 229 p. ilus, tab, graf.
Tese em Espanhol | LILACS | ID: biblio-971983

RESUMO

O SUS brasileiro é fruto de uma reflexão revolucionária no pensamento da construção social em Saúde, iniciada em um período de grande efervescência política de luta pela redemocratização do País. Na construção do SUS, dois textos são fundantes: A Constituição Federal de 1988 e a lei 8080/90. Ambos pertencem ao domínio discursivo jurídico. Essa reflexão revisitou os chamados princípios doutrinários do SUS, apoiados sobre os seguintes fundamentos: igualdade, universalidade, solidariedade, integralidade e saúde como direito de todos e dever do Estado brasileiro, premissas que dão sustentação ao Sistema de Saúde brasileiro, essências pelas quais não há sustentação do ponto de vista da construção semiótica, para a existência do SUS, por serem estes o enunciado e os valores euforizados, modalizantes, para o saber fazer do Estado na consecução do objeto Saúde. O Estado, no texto, tem a função social precípua da proteção de proprietários e a viabilização da propriedade. O SUS por meio das leis federais nº 8.080/90 e 8.142/90, leis orgânica da saúde e do controle social,ou da participação comunitária, respectivamente, insere-se significantemente no sentido das esferas social de Arendt e pública política de Habermas. Para a análise da Saúde nesse contexto optamos pela abordagem Semiótica proposta por Greimas...


The Brazilian SUS is the result of a revolutionary thought in the thinking of social construction in Health, started in a period of great political ferment of struggle for democratization of the country the construction of SUS, two (2) texts are founding:The Federal Constitution of 1988 and the law nº 8080/90. Both belong to the legal discursive domain. For the analysis of Health in this context we opted for the Semiotics approach proposed by Greimas...


Assuntos
Humanos , Valores Sociais , Assistência Integral à Saúde , Conformidade Social , Normas Sociais , Controles Informais da Sociedade
19.
Rev. polis psique ; 5(3): 156-178, dez. 2015. ilus
Artigo em Português | LILACS, Index Psicologia - Periódicos técnico-científicos | ID: lil-778986

RESUMO

A emergência das sociedades de controle trouxe um novo agenciamento que reformulou as formações sociais. O objetivo deste artigo é refletir sobre as novas configurações das instituições a partir da intensificação da axiomática do capital e do surgimento do diagrama de controle. Realizamos uma revisão bibliográfica sobre a obra de Gilles Deleuze e de pensadores contemporâneos. Diferenciamos as instituições abstratas e as instituições concretas para nos referir ao complexo fenômeno das instituições. Discutimos a troca do código pela axiomática do capital enquanto mecanismo predominante de operação social. Esta substituição fez que as instituições tradicionais entrassem num processo de transição a uma nova forma social que denominamos de instituições imateriais. Ao mesmo tempo em que os códigos são descodificados, são reterritorializados a partir da axiomática do capital.


The emergence of societies of control has brought a new type of assemblage that is reformulating social formations. The purpose of this paper is to reflect on new institutional configurations from the point of view of the intensification of the axiomatics of capital and the emergence of the diagram of control. Through a literature review on the work of Gilles Deleuze and other contemporary thinkers, we differentiate between abstract and concrete institutions to express to the complex phenomenon of institutions. We discuss the replacement of the code by the axiomatics of capital as the predominant mechanism of social operation. This substitution has required traditional institutions to embark on a transitional process towards a new social form which we call immaterial institutions. At the same time that codes are decoded, they are reterritorialized through the axiomatics of capital.


La emergencia de las sociedades de control trajo un nuevo agenciamiento que ha reformulado las formaciones sociales. El objetivo de este artículo es reflexionar sobre las nuevas configuraciones de las instituciones desde la intensificación de la axiomática del capital y del surgimiento del diagrama de control. Realizamos una revisión bibliográfica sobre el trabajo de Gilles Deleuze y de pensadores contemporáneos. Diferenciamos las instituciones abstractas de las concretas para nos referir al complejo fenómeno de las instituciones. Discutimos el cambio del código por la axiomática del capital mientras mecanismo predominante de operación social. Esta sustitución hizo que las instituciones tradicionales entrasen en un proceso de transición a una nueva forma social que llamamos de instituciones inmateriales. Al mismo tiempo en que los códigos son descodificados, son reterritorializados desde la axiomática del capital.


Assuntos
Psicologia Social , Controles Informais da Sociedade , Organizações , Capitalismo
20.
Hist. ciênc. saúde-Manguinhos ; 22(supl): 1637-1651, oct.-dic. 2015.
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-769735

RESUMO

Resumo O Facebook é apresentado como uma plataforma de relacionamento social on-line transnacional em que ocorrem debates e interações públicas. O texto traz um levantamento sobre o controle privado das expressões culturais e políticas realizadas pelos gestores da plataforma, que pode ser definido como censura privada. Casos de remoção de conteúdo são apresentados, e são expostas as políticas de controle do Facebook. O texto mostra ainda que as regras do Facebook trazem fortes componentes discricionários e uma estética que pode ser apresentada como um tipo de biopolítica da sociedade informacional.


Abstract Facebook is examined as a transnational online social networking platform where public discussions and interactions take place. The study surveys the private control of cultural and political expressions exercised by the platform’s managers, which can be defined as private censorship. Cases of removal of content are presented and Facebook’s political control policies discussed. The article also shows how Facebook rules display highly discretionary components and an aesthetic that can be portrayed as a kind of biopolitics of the information-age society.


Assuntos
Política , Controles Informais da Sociedade , Mídias Sociais/organização & administração , Direitos Civis , Rede Social
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA