Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 2 de 2
Filtrar
Mais filtros










Filtros aplicados
Intervalo de ano de publicação
1.
Rev. Bras. Saúde Mater. Infant. (Online) ; 18(4): 735-743, Oct.-Dec. 2018. tab
Artigo em Inglês | LILACS | ID: biblio-1013109

RESUMO

Abstract Objectives: to evaluate the drug prescriptions for pregnant women in the Legal Amazon during prenatal care. Methods: this is a pharmacoepidemiological, descriptive, retrospective and cross-sectional study. Medical records included sociodemographic variables, prenatal care, most frequent pharmacological classes prescribed, risk classification of drugs and possible drug-drug interactions among pregnant women. Results: a total of 159 records from pregnant women, enrolled in the Unified Health System were used. Most pregnant women began prenatal consultations in the first trimester of pregnancy (53.3%) whereas most of the drugs were prescribed in the second gestational trimester (55.5%). The most used pharmacological classes, classified according to the National List of Essential Drugs were: antianemic preparations (52.9%), vitamins (12.5%) and analgesic (10.6%). According to the risk classification, the highest prevalence of prescribed drugs belongs to category A (46.8%), followed by category C (28.9%), category B (20.0%) and category D (4.3%). Eight possible drug-drug interactions were found, being considered with mild severity, and six classified with moderate risk. Conclusions: the results demonstrate a lack of information regarding prescription drugs for pregnant women and this may endanger maternal and fetal health. It is essential that medical records be an effective therapeutic tool, which should be read, analyzed and reviewed in order to ensure effective and safe medical treatment.


Resumo Objetivos: avaliar a prescrição de medicamentos para gestantes da Amazônia Legal, durante o pré-natal. Métodos: trata-se de um estudo farmacoepidemiológico, descritivo, retrospectivo e transversal. Através de prontuários médicos foram avaliados variáveis sociodemográficas, assistência pré-natal, classes farmacológicas mais prescritas, classificações de risco e possíveis interações medicamentosas nas gestantes. Resultados: foram utilizados 159 prontuários de gestantes usuárias do Sistema Único de Saúde. A maioria das grávidas iniciaram as consultas do pré-natal no primeiro trimestre gestacional (53,3%) e a maior parte dos medicamentos prescritos foram no segundo trimestre gestacional (55,5%). As classes mais utilizadas conforme a Relação Nacional de Medicamentos Essenciais foram: preparações antianêmicas (52,9%), vitaminas (12,5%) e analgésico (10,6%). De acordo com a classificação de risco, a prevalência maior dos medicamentos prescritos pertence à categoria A de risco (46,8%), seguido da categoria C (28,9%), categoria B (20,0%) e categoria D (4,3%). Foram encontradas oito possíveis interações medicamentosas, sendo duas consideradas de risco leve e seis de risco moderado. Conclusões: os resultados demonstram falhas na prescrição de medicamentos para gestantes o que pode colocar em risco a saúde materna e fetal. É fundamental que o prontuário médico seja uma ferramenta terapêutica efetiva, o qual deve ser lido, analisado e revisado a fim de garantir um tratamento medicamentoso eficaz e seguro.


Assuntos
Humanos , Feminino , Gravidez , Cuidado Pré-Natal , Prescrições de Medicamentos , Gestantes , Interações Medicamentosas , Uso de Medicamentos , Brasil , Epidemiologia Descritiva , Estudos Transversais , Estudos Retrospectivos , Farmacoepidemiologia , Ecossistema Amazônico , Classificação e Identificação de Substâncias, Produtos e Materiais
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA