Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 2 de 2
Filtrar
Mais filtros










Filtros aplicados
Intervalo de ano de publicação
1.
Rev. bras. med. fam. comunidade ; 11(38): 1-5, jan./dez. 2016.
Artigo em Português | LILACS, Coleciona SUS | ID: biblio-878289

RESUMO

Provavelmente sim. Não existem evidências que comprovem a segurança do uso de larvicidas em água potável. Entretanto, os poucos estudos que existem avaliando o efeito em população de mamíferos, assim como as avaliações de biodisponibilidades e citotoxicidade, demonstram que em baixa concentração são seguros e não há efeitos carcinogênicos ou genotóxico. Os larvicidas avaliados e autorizados para uso em água potável pela Organização Mundial de Saúde, destinada para consumo humano são: DIFLUBENZUROM, METOPRENO, NOVALUROM, Pirimifós/, PIRIPROXIFEM, ESPINOSADE, TEMEFÓS, além do Bacillus thuringiensis israelensis (BTI). Recomenda-se sempre usar a dose correta dos larvicidas. O temephós é utilizado para tratamento de focos, mas não deve ser utilizado em aquários com peixes. Aprovado para uso em água de consumo humano. O pyriproxyfen é um éter e não há evidências que comprovem que cause dano em fetos de mamíferos. BTI é recomendado como larvicida para uso em saúde pública, é uma bactéria que em contato com a água libera substâncias tóxicas para as larvas de alguns insetos. A aplicação deverá ser realizada por profissional treinado. O BTI não apresenta ingesta diária aceitável, entretanto a orientação de uso deve ser de 1-5mg/litro. A avaliação de substâncias químicas de qualquer natureza sempre deve salientar a possibilidade de bioacumulação. As substâncias que não são biodegradadas, são biopersistentes e mantêm-se em altas quantidades nos tecidos dos seres vivos. Portanto, mesmo que as substâncias não sejam para consumo humano direto a avaliação do seu uso na agricultura, leito de rio e pastos deve ser avaliada criteriosamente.


Probably yes. There is no evidence to prove the safety of the use of larvicides in drinking water. However, there are few studies evaluating the effect on the population of mammals, as are the bioavailabilities and cytotoxicity reviews show that in low concentrations are safe and no genotoxic or carcinogenic effects. Larvicides evaluated and authorized for use in drinking water by the World Health Organization, intended for human consumption are: DIFLUBENZUROM, METOPRENO, NOVALUROM, Pirimifós/, PIRIPROXIFEM, ESPINOSADE, TEMEFÓS, beyond Bacillus thuringiensis israelensis (BTI). It is recommended to always use the correct dose of larvicides. Temephos is used to treat outbreaks, but should not be used in fish tanks. Approved for use in drinking water. The pyriproxyfen is an ether and there is no evidence to support that it causes damage in mammalian fetuses. BTI are recommended as larvicides for use in public health, it is a bacterium that contact with water releases toxic to the larvae of some insects. The application should be performed by trained professional. BTI has no acceptable daily intake, however the guidance of use should be 1-5mg/liter. The evaluation of chemicals of any kind should always stress the possibility of bioaccumulation. Substances that are not biodegraded are biopersistent and remain at high levels in the tissues of living things. So even if the substances are not for direct human consumption, an appraisal of its use in agriculture, river bed and pastures should be carefully evaluated.


Probablemente sí. No hay evidencia para demostrar la seguridad del uso de larvicidas en la agua potable. Sin embargo, hay pocos estudios que evalúan el efecto sobre la población de mamíferos, como son los biodisponibilidad y las revisiones de citotoxicidad muestran que en concentraciones bajas son seguros y sin efectos genotóxicos o cancerígenos. Larvicidas evaluadas y autorizadas para su uso en la agua potable por la Organización Mundial de Salud, destinados al consumo humano son: DIFLUBENZUROM, METOPRENO, NOVALUROM, Pirimifós/, PIRIPROXIFEM, ESPINOSADE, TEMEFÓS, más allá de Bacillus thuringiensis israelensis (BTI). Se recomienda utilizar siempre la dosis correcta de larvicidas. Temephos se utiliza para tratar los brotes, pero no se debe utilizar en los tanques de peces. Aprobado para uso en la agua potable. El piriproxifeno es un éter y no hay evidencia para apoyar que causa daños en los fetos de mamíferos. Se recomienda BTI como larvicida para uso en la salud pública, es una bacteria que en contacto con el agua tóxicas para las larvas de algunos insectos. La aplicación debe ser realizada por profesionales capacitados. BTI no tiene ninguna ingesta diaria admisible, sin embargo, la orientación de uso debe ser 1-5 mg/litro. La evaluación de los productos químicos de cualquier tipo siempre se debe hacer hincapié en la posibilidad de bioacumulación. Las sustancias que no se biodegradan, son biopersistente y se mantienen en niveles altos en los tejidos de los seres vivos. Así que incluso si las sustancias no son para el consumo humano directo, una apreciación de su uso en la agricultura, lecho del río y pastos debe ser cuidadosamente evaluada.


Assuntos
Humanos , Aedes , Larvicidas , Microcefalia , Saúde Pública , Disponibilidade Biológica , Substâncias, Produtos e Materiais Carcinogênicos , Água Potável/parasitologia , Genotoxicidade
2.
Arq. ciências saúde UNIPAR ; 16(2): 73-78, maio-ago. 2012. ilus, tab
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-737268

RESUMO

Yerba mate (Ilex paraguariensis A. St.-Hil.: Aquifoliaceae) is the basis for a hot drink very common in southern Brazil and other countries such as Argentina, Paraguay and Uruguay: the mate. However, the available data about its effect on DNA are still controversial. In this research, we evaluated the mutagenic and antimutagenic activity of mate with the Allium cepa assay, analyzing the frequency of micronucleus (MN), cromossomal aberrations (CA) and the mitotic index (MI) from treatments with mate only and treatments with mate and the positive control Methyl Methanesulfonate (MMS) being administered previously, simultaneously and subsequently. Mate itself did not show mutagenic potential. However, the protocols which MMS was administered simultaneously and subsequently, it potentiated the mutagenic effect of the drug. There was no significant increase in the previous treatment with MMS, indicating that there wasn?t a positive or negative influence of the mate on the DNA repair system and other mechanisms for reversing damage on meristematic cells of Allium cepa. Therefore, our results suggests that substances present in mate can act potentiating mutagenic and carcinogenic agents present in other compounds or perhaps damaging cells barriers from certain substances that harm the genetic material.


A erva-mate (Ilex paraguariensis A. St.-Hil.: Aquifoliaceae) é a base de uma bebida quente muito comum no sul do Brasil e em outros países tais como Argentina, Paraguai e Uruguai. No entanto, os dados disponíveis sobre seu efeito no DNA são ainda controversos. Nesta pesquisa, nós avaliamos a atividade mutagênica e antimutagênica do mate no sistema teste de Allium cepa, analisando a frequência de micronúcleos (MN), aberrações cromossômicas (CA) e o índice mitótico (MI) de tratamentos somente com mate e tratamentos com mate e o controle positivo Metil Metano Sulfonase (MMS) sendo administrado anteriormente, simultaneamente e posteriormente. O mate sozinho não apresentou potencial mutagênico. Porém, nos protocolos com MMS sendo administrados simultaneamente e posteriormente, o mate potencializou o efeito mutagênico da droga. Não houve aumentos significativos nos protocolos de tratamento anterior com MMS, indicando que não houve uma influência positiva ou negativa do mate no sistema de reparo de DNA ou outros mecanismos de reversão dos danos nas células meristemáticas da cebola. Desta forma, nossos resultados sugerem que substâncias presentes no mate podem agir potencializando agentes mutagênicos e carcinogênicos presentes em outros compostos ou talvez possam danificar as barreiras celulares a certos compostos que agridem o material genético.


Assuntos
Antimutagênicos , Substâncias, Produtos e Materiais Carcinogênicos , DNA , Ilex paraguariensis , Carcinógenos
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA