Your browser doesn't support javascript.
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 20 de 802
Filtrar
1.
Int J Cardiol ; 2019 Nov 06.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-31718825

RESUMO

BACKGROUND: The aim of this study was to compare the 12-month clinical outcomes of patients treated with Magmaris or Orsiro. Second generation drug-eluting absorbable metal scaffold Magmaris (Dreams 2G) has proved to be safe and effective in the BIOSOLVE-II study. Similarly, biodegradable polymer sirolimus-eluting stent, Orsiro has shown notable clinical results even in all-comer populations. METHODS: Magmaris group patients were taken from the BIOSOLVE-II and BIOSOLVE-III trials, while the patients from Orsiro group were enrolled in BIOFLOW-II trial. The primary outcome was explored using a time-to-event assessment of the unadjusted clinical outcomes for target lesion failure (TLF) at 12 months, followed by a multivariate analysis adjusting for all the significantly different covariates between the groups. RESULTS: The study population consisted of 482 patients (521 lesions), 184 patients (189 lesions) in Magmaris group and 298 patients (332 lesions) in Orsiro group. The mean age was 65.5 ±â€¯10.8 and 62.7 ±â€¯10.4 years in Magmaris and Orsiro groups, respectively (p = 0.005). Magmaris and Orsiro unadjusted TLF rates were 6.0 and 6.4% with no significant difference between the groups (p = 0.869). In the multivariate analysis, there were no meaningful differences between Magmaris and Orsiro groups. Finally, none of the groups presented device thrombosis cases at 12 months. CONCLUSION: At 12 months there were no significant differences between Magmaris and Orsiro groups neither in the unadjusted assessment nor in the multivariate analysis for target lesion failure. These results should be taken as hypothesis generating and may warrant a head to head comparison on a randomized fashion.

2.
J. Am. Coll. Cardiol. ; 74(13 supl.): 46-46, Oct., 2019.
Artigo em Inglês | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1024901

RESUMO

BACKGROUND: Bioresorbable vascular scaffolds (BRS) provide temporary mechanical support and may help restore normal vessel reactivity, positive remodeling, and reduce chronic inflammation. The Fantom scaffold (REVA Medical) is a sirolimus-eluting BRS, with a TyroCoreTM radiopaque tyrosine analog polymer. METHODS: FANTOM II is a prospective, multi-center, safety and performance study of patients with myocardial ischemia or a positive functional study. The study included patients with single de novo lesions in native coronary vessels ranging in diameter from 2.5 to 3.5 mm and lesion lengths up to 20 mm. The primary objective of the study is to demonstrate safety and performance of the Fantom sirolimus-eluting bioresorbable scaffold by assessing the incidence of Major Adverse Cardiac Events (MACE) and Late Lumen Loss at 6 months. RESULTS: FANTOM II enrolled 240 patients across 28 clinical centers in 8 countries. Two separate sequential cohorts followed patients with a 6-month (Cohort A, N=117) versus 9-month (Cohort B, N=123) angiographic assessment. A sub-set of Cohort A patients, returned for serial angiographic follow-up at 24-month. We report 24-month adjudicated clinical endpoints. Acute technical success, acute procedural success, and clinical procedural success were 95.8%, 99.1% and 99.6%, respectively. The primary safety endpoint of MACE at 24 months was 5.0%. Late Lumen Loss at 6 months in the Cohort A was 0.25 ± 0.35mm In-Scaffold and 0.17 ± 0.29mm In-Segment. At 24-months the subset of Cohort A patients (n=36) demonstrated stable late lumen loss values of 0.23 ± 0.49mm In-Scaffold and 0.21 ± 0.49mm In-Segment. CONCLUSION: FANTOM II demonstrates safe and stable performance of the REVA BRS at 24-months. (AU)


Assuntos
Doença da Artéria Coronariana/terapia , Tecidos Suporte , Stents Farmacológicos , Intervenção Coronária Percutânea
3.
J. Am. Coll. Cardiol. ; 74(13 supl.): 115-115, Oct., 2019.
Artigo em Inglês | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1024911

RESUMO

BACKGROUND: The development of bioresorbable vascular scaffold (BRS) offers a new treatment strategy for coronary artery lesion by replacement of a permanent metallic scaffold with a temporary scaffold and eradicating a nidus for very late adverse events. The first-in-human MeRes-1 trial reported favorable safety and efficacy of thin-strut (100 mm) MeRes100 sirolimus-eluting BRS (Meril Life Sciences Pvt. Ltd., India) in patients with de novo coronary artery lesions. Hence, to reaffirm the outcomes of the MeRes-1 trial, the MeRes-1 Extend trial sought to evaluate the safety and efficacy of the MeRes100 BRS in diverse patient population in Europe, Brazil, South Africa, and Asia Pacific. METHODS: The MeRes-1 Extend was a multicenter, prospective, single-arm study of MeRes100 BRS in 64 patients from Spain, Macedonia, Brazil, South Africa, Malaysia, and Indonesia. The safety endpoint was major adverse cardiac events (MACE), which composed of cardiac death, myocardial infarction (MI), and ischemia-driven target lesion revascularization (ID-TLR). Quantitative coronary angiography and optical coherence tomography (OCT) imaging was performed at baseline and 6-month follow-up. RESULTS: Among 64 enrolled patients (mean age: 58.30 _ 9.02 years), 26.56% had diabetes mellitus and 68.75% patients presented with stable angina. Of 69 target lesions, 71.01% were classified as type B2/C; average lesion length was 14.37 _ 5.89 mm and mean reference vessel diameter was 3.03 _ 0.35 mm. Procedural and device success was achieved in 64 and 62 patients, respectively. MACE was reported in 1 patient (1.61%) at 24-month follow-up in the form of ID-TLR with absence of MI, cardiac death, or scaffold thrombosis. At 6-month angiographic follow-up in a subset of 32 patients, mean in-scaffold LLL was 0.18 _ 0.31 mm. OCT analysis (n » 21) reported 97.95 _ 3.69% strut coverage with mean scaffold area of 7.56 _ 1.79 mm2 and no evidence of strut malapposition. CONCLUSION: Based on 2-year clinical and 6-month imaging outcomes, the MeRes-1 Extend trial established favorable safety and efficacy of MeRes100 sirolimus-eluting BRS in patients with de novo coronary artery lesions. (AU)


Assuntos
Doença da Artéria Coronariana , Tecidos Suporte , Stents Farmacológicos
4.
J. Am. Coll. Cardiol. ; 74(13 supl.): 176-176, Oct., 2019.
Artigo em Inglês | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1024953

RESUMO

BACKGROUND: The Fantom sirolimus-eluting bioresorbable coronary scaffold (BRS) (REVA Medical, San Diego, California) was previously studied with angiographic late lumen loss at 6, 9, and 24 months with clinical events being followed through 36 months. However, a functional evaluation has not previously been performed. The aim of this study was to assess serial functional changes after percutaneous coronary intervention (PCI) with the Fantom BRS implantation. METHODS: The FANTOM II trial was a prospective, multicenter, single-arm study that enrolled 240 patients with stable coronary artery disease or unstable angina and single de novo native coronary lesions, of which 235 patients received the Fantom BRS and are included in the present analysis. Serial quantitative flow ratio (QFR) analysis was performed in an independent core laboratory at baseline, after PCI, and at 6- or 9-month and 24-month follow-up. RESULTS: QFR was analyzable in 178 patients at baseline, 185 post-PCI, 178 at 6- or 9-month follow-up, and 31 at 24-month follow-up. At baseline, 59 patients (33.1%) had QFR >0.80, whereas 12 (6.5%) at post-PCI, 13 (7.3%) at 6- or 9-month followup, and 3 (9.7%) at 24-month follow-up had QFR _0.80. In the paired analyses, QFR was significantly increased from baseline to post-PCI (0.73 _ 0.12 vs. 0.94 _ 0.07; p < 0.001), while it decreased from post-PCI to 6- or 9-month follow-up (0.94 _ 0.07 vs. 0.92 _ 0.08; p < 0.001) and from 6- or 9-month to 24-month follow-up (0.93 _ 0.07 vs. 0.91 _ 0.09; p » 0.03). CONCLUSION: Serial angiographic analysis showed significant increase in QFR values between baseline and post-PCI. A slight decrease was observed in QFR values with the Fantom BRS over 24 months. (AU)


Assuntos
Angiografia/métodos , Stents Farmacológicos , Intervenção Coronária Percutânea
5.
J. Am. Coll. Cardiol. ; 74(13 supl.): 187-187, Oct., 2019.
Artigo em Inglês | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1024965

RESUMO

BACKGROUND: Assessment of the safety and clinical performance of the Sirolimus-Eluting Bioabsorbable Magnesium Scaffold (DREAMS 2G) from the combined analysis of BIOSOLVE- II and -III studies at 36 months. METHODS A total of 184 subjects have been enrolled in the BIOSOLVE-II and -III studies. Clinical follow-ups are scheduled at 1, 6, 12, 24, and 36 months plus 60 months for BIOSOLVE-II. Angiographies are planned at 6 months and voluntarily at 12 and 36 months in BIOSOLVE-II, and 1 angiography is mandatory at 12 months in the BIOSOLVE-III study. Dual antiplatelet therapy is recommended for a minimum of 6 months. The angiographic results are analyzed by an independent core laboratory and all clinical events were adjudicated by an independent clinical events committee. RESULTS A total of 117 men and 67 women with 189 lesions, mean age 65.5 _ 10.8 years, were enrolled at 18 sites in Europe, Brazil, and Singapore. Hypertension was presente in 79.3% of the subjects and 62% had hyperlipidemia. The mean lesion length was 12.6 _ 5.1 mm with a mean reference vessel diameter of 2.70 _ 0.43 mm. At 12 months, 97 patients had available angiographic follow-up. There was no difference in late lumen loss between the 2 studies; in the overall population, it was 0.25 _ 0.31 mm in-segment and 0.39 _ 0.34 mm in-scaffold. The target lesion failure (TLF) rate of the combined population was 3.3%, including 2 cardiac deaths (1.1%), 1 target vessel myocardial infarction (0.6%), and 3 clinically driven target lesion revascularizations (1.7%). The 36-month clinical data of BIOSOLVE- II study are available. Target lesion failure occurred in 8 patients (6.8%) and included 2 cardiac deaths (1.7%), 1 target vessel myocardial infarction (0.9%), and 5 clinically driven target lesion revascularizations (4.3%). No definite or probable scaffold thrombosis was observed. The 36- month clinical visits are ongoing for BIOSOLVE-III patients and data of the combined cohort will be available upon presentation. CONCLUSION The 36-month results of DREAMS 2G, meaning 2 years beyond the completion of resorption, are encouraging on safety and clinical performance standpoints. They will be presented for a larger population of subjects enrolled in the BIOSOLVE-II and -III studies. (AU)


Assuntos
Reestenose Coronária , Stents Farmacológicos
6.
Arq. bras. cardiol ; 113(2 supl.1): 242-242, set., 2019.
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1021270

RESUMO

INTRODUÇÃO: As doenças cardiovasculares estão entre as principais causas de mortalidade global e, dentre elas, destaca-se a doença arterial coronariana (DAC), cujos diagnóstico precoce e prevenção ainda continuam sendo a melhor forma de tratamento. O conhecimento do perfil clínico e angiográfico dos pacientes portadores de DAC é extremamente importante para a avaliação de risco, a partir da quantificação da extensão e gravidade da doença, assim como para o planejamento terapêutico e sucesso do tratamento. O nosso objetivo foi avaliar o perfil clínico e angiográfico dos pacientes submetidos a exame diagnóstico de cineangiocoronariografia em centro clínico de alto volume. MÉTODOS: Foi realizado um estudo retrospectivo e descritivo do perfil clínicoangiográfico dos pacientes maiores de 18 anos submetidos à cineangiocoronariografia diagnóstica em serviço terciário de janeiro de 2011 a dezembro de 2018, excluindo os pacientes com cirurgia de revascularização prévia e doença valvar associada. Os dados foram obtidos por meio de um banco de dados institucional. Resultados: Um total de 25649 pacientes foram incluídos, sendo 59,4% do sexo masculino, com média das idades de 66,1 anos. Os fatores de risco cardiovascular mais encontrados foram: hipertensão arterial sistêmica (80,5%), dislipidemia (60,5%), diabetes mellitus (32,3%), tabagismo (40,9%) e doença renal crônica (21,5%). O quadro clínico era de angina estável em 32,5%, síndrome coronariana aguda (SCA) sem supra de ST em 20,4% incluindo SCA com supra de ST em 6,1%, e isquemia silenciosa/assintomáticos em 37,5%. A doença arterial coronariana obstrutiva significativa (>50%) foi uni-, bi- ou triarterial em, respectivamente, 25,7%, 17,5% e 12,22%, além do tronco da a. coronária esquerda em 1,4%. A partir do exame diagnóstico, a intervenção coronária percutânea (ICP) foi realizada em 14,7% dos pacientes, predominantemente naqueles com apresentação clínica de SCA. Os vasos coronários mais tratados foram a. descendente anterior em 40,9%, a. coronária direita em 29,5% e a. circunflexa em 23,2%. O sucesso angiográfico foi evidenciado em 99,2% dos casos. Em relação aos desfechos clínicos na fase intra-hospitalar, foi reportada a ocorrência de óbito em 0,3% dos pacientes. CONCLUSÃO: A população estudada apresentou elevada prevalência de fatores de risco cardiovascular e de doença coronariana obstrutiva significativa. Os pacientes submetidos a ICP subsequente apresentaram elevadas taxas de sucesso no procedimento. (AU)


Assuntos
Humanos , Doenças Cardiovasculares , Cineangiografia , Risco
7.
Arq. bras. cardiol ; 113(2 supl.1): 137-137, set., 2019.
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1017353

RESUMO

INTRODUÇÃO: A doença cardiovascular e, em particular, a doença arterial coronariana, são as principais causas de morbidade e mortalidade em pessoas muito idosas (> 80 anos) em todo o mundo. Esses pacientes representam uma coorte em rápido crescimento para intervenção coronária percutânea (ICP). Os pacientes, geralmente, apresentam doença coronariana complexa, avançada, com extensa calcificação, anatomia vascular tortuosa, múltiplas comorbidades e maior taxa de mortalidade que levam a uma menor indicação do procedimento neste subgrupo. OBJETIVO: Avaliar o perfil e principais indicações dos pacientes muito idosos submetidos a intervenção coronária percutânea em um hospital terciário de Cardiologia. METODOLOGIA: Estudo retrospectivo, descritivo e observacional, realizado de janeiro de 2013 a abril de 2017. Variáveis quantitativas foram analisadas por média e desvio padrão, e variáveis qualitativas em valores absolutos e/ou percentuais. RESULTADOS: De 166 octogenários, idade média de 82 anos, 58% do sexo masculino e 42% do sexo feminino com prevalência de disfunção de renal (Clearance de Creatinina < 45 ml/min) de 34%, disfunção ventricular (Fração de Ejeção < 50%) de 25% e lesão grave de Tronco de Coronária esquerda (TCE > 50%) de 42%. Entre as indicações: Angina Estável: 33%, Infarto sem Supra de ST: 31%, Angina Instável: 13%, Infarto com Supra de ST (IAMSST): 13% e eletivos: 10%. Foi evidenciado mortalidade intra-hospitalar de 5%, dentre elas de causas cardíacas: 3%, sendo choque cardiogênico o mais prevalente. CONCLUSÃO: Observou-se uma predominância na indicação de ICP por IAMSST com alta prevalência de Lesão grave de TCE em octogenários e baixa mortalidade intra-hospitalar de causa cardíaca, estando de acordo com os dados da literatura atual. (AU)


Assuntos
Humanos , Doença da Artéria Coronariana , Intervenção Coronária Percutânea
8.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-31489742

RESUMO

OBJECTIVES: To evaluate the long-term safety and efficacy of the novel combined sirolimus-eluting endothelial progenitor cell capture Combo stent (OrbusNeich, Fort Lauderdale, FL) at 5 years in the REMEDEE (Randomized study to Evaluate the safety and effectiveness of an abluMinal sirolimus coated bio-Engineered stEnt) trial. BACKGROUND: Drug-eluting stents have limited restenosis and reintervention but are complicated by late and very late thrombosis and accelerated neoatherosclerosis. Alternative or adjunctive technologies are needed to address these limitations. METHODS: A total of 183 patients with de novo lesions in native coronary arteries were randomized 2:1 to Combo (n = 124) or Taxus Liberté (n = 59). Primary endpoint was 9 month angiographic in-stent late lumen loss and the secondary endpoint was the occurrence of major adverse events (MACE) through 5-year follow-up. RESULTS: Compared with Taxus, after 5 years the Combo stent was associated with similar rates of MACE (18.3% vs. 16.9%, p = .89), cardiac death (0.8% vs. 5.1%, p = .07), myocardial infarction (4.1% vs. 3.4%, p = .81), target lesion (9.4% vs. 10.2%, p = .78), and target vessel revascularization (14.4% vs. 11.9%, p = .73). No cases of definite stent thrombosis were reported in the Combo group. The follow-up rate at 5 years was 97.7%. CONCLUSION: At 5-year follow-up, the Combo stent remained clinically safe and effective with an overall low rate of MACE comparable to Taxus.

9.
Am. heart j. ; 214: 134-141, Jul. 2019. ilus, tab
Artigo em Espanhol | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1009228

RESUMO

BACKGROUND AND RATIONALE: Polymer-free drug-eluting stent (DES) implantation in combination with 1-month dual antiplatelet therapy (DAPT) has shown superior safety and efficacy outcomes compared with bare-metal stents among patients with high-bleeding risk (HBR) treated with 1-month DAPT. The safety and efficacy of the newer-generation durable-polymer DES Resolute Onyx compared with polymer-free DES among HBR patients treated with 1-month DAPT is unknown. TRIAL DESIGN: The Onyx ONE global randomized trial is an international, prospective, randomized, blinded, controlled study enrolling HBR patients undergoing percutaneous coronary intervention. The trial will randomize up to 2,000 patients in a 1:1 fashion to receive either the durable-polymer Resolute Onyx DES or the polymer-free Biosensors BioFreedom DES. After index procedure, patients in both arms will be treated with 1month of DAPT (aspirin and oral P2Y12 inhibitor), followed by single antiplatelet therapy thereafter. The primary end end point of cardiac death, myocardial infarction, or stent thrombosis at 1-year follow-up. The powered secondary end point is target lesion failure (defined as the composite of cardiac death, target vessel myocardial infarction, or clinically driven target lesion revascularization) at 1year. Patient follow-up is planned for 1, 2, and 6months and 1 and 2years after the procedure. CONCLUSIONS: The Onyx ONE global randomized trial is the first study to directly compare the safety and efficacy of a durable polymer DES (Resolute Onyx) with a polymer-free DES (BioFreedom) in HBR patients treated with 1month of DAPT.


Assuntos
Inibidores da Agregação de Plaquetas , Stents , Hemorragia
10.
Echocardiography ; 36(7): 1263-1272, Jul. 2019. ilus, tab
Artigo em Inglês | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1009243

RESUMO

BACKGROUND: A weak correlation has been reported between left ventricular filling pressures and the traditional echocardiographic tools for the evaluation of diastolic function in patients with coronary artery disease (CAD) and preserved left ventricular ejection fraction (LVEF). On the other hand, studies that compared invasive measurements with speckle tracking echocardiography have shown promising results, but they were not exclusively targeted on this specific population. METHODS AND RESULTS: Immediately before the left heart catheterization, a comprehensive two-dimensional Doppler echocardiography and speckle tracking analysis was prospectively performed in outpatients referred for coronary angiography. Left ventricular end-diastolic pressure (LVEDP) was measured before any contrast exposure. Eighty-one patients with coronary artery disease were studied, and the group with high LVEDP (n = 40) showed increased left atrial volume index (22 +/- 6 mL/m(2) vs 26 +/- 8.26 mL/m(2) , P = 0.04), E-wave velocity (65 +/- 15 cm/s vs 78 +/- 20 cm/s, P = 0.02), E/e` (average) ratio (8.14 +/- 2.0 vs 11.54 +/- 2.7, P = 0.03), and E/global circumferential strain rate E peak ratio (E/GCSRE ) (39 cm vs 46 cm, P < 0.01). There was a positive correlation between LVEDP and E/e` (rho = 0.56; P = 0.03), and between LVEDP and E/GCSRE ratio (rho = 0.43; P < 0.01). The area under the receiver operating characteristics (ROC) curve was 0.83 and 0.73, respectively (P < 0.05). E/e` and E/GCSRE were both independent predictors of elevated LVEDP (P < 0.05, with a higher C-statistic for the model including E/e` (0.89 vs 0.85). CONCLUSION: The E/e` ratio was able to identify elevated LVEDP in CAD patients with preserved LVEF with more accuracy than the E/GCSRE ratio.(AU)


Assuntos
Humanos , Ecocardiografia , Doença das Coronárias , Insuficiência Cardíaca Diastólica , Disfunção Ventricular Direita
11.
Rev. Soc. Cardiol. Estado de Säo Paulo ; 29(3): 249-254, jul.-set. 2019. tab, graf
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-1023040

RESUMO

Nesta breve análise crítica, discutiremos três estudos com potencial de alterar a prática clínica e as principais diretrizes internacionais no que tange à doença valvar. O estudo PARTNER III foi um estudo que randomizou 1000 pacientes de baixo risco cirúrgico entre troca valvar transcateter e cirurgia convencional, com superioridade da técnica transcateter em um desfecho primário combinado de mortalidade de todas as causas, acidente vascular cerebral (AVC) e re-hospitalização em doze meses de seguimento (8,5%vs.15,1%, p = 0,001). Já o estudo Evolut Low Risk randomizou 1468 pacientes entre as duas técnicas, com um desfecho primário de mortalidade ou AVC incapacitante ao final de dois anos de seguimento que atingiu não-inferioridade na comparação Bayesiana (5,3% transcateter vs . 6,7% cirurgia). Finalmente, discutimos também o estudo COAPT, no qual 614 pacientes foram randomizados entre o dispositivo edge-to-edge MitraClip e o tratamento clínico da insuficiência mitral secundária. Nesses pacientes selecionados, a taxa anualizada de hospitalizações por insuficiência cardíaca foi de 35,8% por paciente-ano no grupo MitraClip, comparado com 67,9% no grupo controle (HR 0,53, IC 95% 0,4-0,7).Nas novas diretrizes, pode-se razoavelmente esperar uma indicação I para a troca valvar transcateter em pacientes de baixo risco e uma indicação IIa para a técnica edge-to-edge em pacientes com características semelhantes aos do COAPT. Esses procedimentos devem ser considerados no contexto do Heart Team para que sejam atingidos os melhores resultados


In this short critical review, we will discuss three trials with the potential to alter clinical practice and the main international guidelines regarding valvular heart disease. The PARTNER III trial was a study of 1000 low surgical risk patients randomized between transcatheter aortic valve replacement (TAVR) and conventional surgery, showing the superiority of the transcatheter technique with a combined primary endpoint of all-cause mortality, stroke and rehospitalization over twelve months of follow-up (8.5%vs. 15.1%, p = 0.001). The Evolut Low Risk trial randomized 1468 patients between the two techniques with a primary endpoint of death or incapacitating stroke at the end of two years of follow-up, achieving non-inferiority in a Bayesian comparison (5.3% TAVR vs. 6.7% surgery). Finally, we also will discuss the COAPT study, in which 614 patients were randomized between the edge-to-edge MitraClip device and clinical treatment for secondary mitral regurgitation. Among these selected patients, the annual rate of hospitalizations for heart failure was 35.8% per patient-year in the MitraClip group, compared with 67.9% in the control group (HR 0.53, 95% CI 0.4-0.7). Under the new guidelines, we may reasonably expect a class I indication for transcatheter valvular replacement in low-risk patients and a class IIa indication for the edge-to-edge technique in patients with characteristics similar to those of the COAPT study. These procedures should be considered within the context of the Heart Team so that the best results are achieved


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Idoso , Guias como Assunto/normas , Prática Clínica Baseada em Evidências , Doenças das Valvas Cardíacas/terapia , Valva Aórtica , Estenose da Valva Aórtica , Fatores de Risco , Substituição da Valva Aórtica Transcateter/métodos , Valva Mitral , Insuficiência da Valva Mitral/terapia
12.
EuroIntervention ; 15(7): 607-614, 2019 Sep 20.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-31147308

RESUMO

AIMS: Although the proof of concept of the bioresorbable vascular scaffold (BRS) is well documented, device-related adverse outcomes with first-generation BRS indicate longer-term surveillance. The current study provides insights into the safety and performance of the MeRes100, a novel second-generation sirolimus-eluting BRS, beyond one-year up to three-year follow-up (FU). METHODS AND RESULTS: A total of 108 enrolled patients with de novo coronary artery lesions who underwent implantation of MeRes100 as part of the first-in-human MeRes-1 trial were followed up clinically beyond one year at two and three years and with multiple modality imaging at six months and two years. At three-year FU, the cumulative major adverse cardiac events rate was 1.87%, in the form of two ischaemia-driven target lesion revascularisations. No scaffold thrombosis was reported. Between six months and two years at quantitative coronary angiography, in-segment late lumen loss (LLL) (0.15±0.22 mm vs. 0.23±0.32 mm; p=0.18) and in-scaffold LLL (0.13±0.22 mm vs. 0.24±0.34 mm; p=0.10) changed insignificantly. IVUS subset analysis revealed a non-significant reduction in mean lumen area (6.17±1.28 mm2 vs. 5.47±1.50 mm2; p=0.21) and minimum lumen area (5.14±1.19 mm2 vs. 4.05±1.42 mm2; p=0.10) at two years compared to post-procedural measurements. OCT subset analysis demonstrated 99.24±2.27% neointimal strut coverage. CONCLUSIONS: The extended outcomes of the MeRes-1 trial demonstrated sustained efficacy and safety of the MeRes100 BRS with maintained lumen patency up to two years by multimodality imaging and no very late scaffold thrombosis up to three-year clinical FU.The MeRes-1 trial is registered at the Clinical Trials Registry-India. CTRI Number: CTRI/2015/04/005706.


Assuntos
Implantes Absorvíveis , Fármacos Cardiovasculares/administração & dosagem , Doença da Artéria Coronariana/terapia , Vasos Coronários/efeitos dos fármacos , Stents Farmacológicos , Everolimo/administração & dosagem , Intervenção Coronária Percutânea/instrumentação , Sirolimo/administração & dosagem , Fármacos Cardiovasculares/efeitos adversos , Angiografia Coronária , Doença da Artéria Coronariana/diagnóstico por imagem , Vasos Coronários/diagnóstico por imagem , Everolimo/efeitos adversos , Seguimentos , Humanos , Índia , Intervenção Coronária Percutânea/efeitos adversos , Sirolimo/efeitos adversos , Resultado do Tratamento
13.
Rev. Soc. Cardiol. Estado de Säo Paulo ; 29(Suppl. 2b): 221-221, Jun. 2019.
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1010330

RESUMO

INTRODUÇÃO: Em pacientes com infarto agudo do miocárdico com supradesnivelamento do segmento ST (IAMCSST), apresentando-se em hospital dotado de sala de cateterismo, com tempo do início dos sintomas inferior a 12 horas, a intervenção coronária percutânea (ICP) primária é a estratégia de reperfusão preferencial. No presente relato, apresentamos um caso de difícil decisão, em que esta abordagem seria equivocada. RELATO DO CASO: Mulher de 77 anos, diabética e hipertensa apresentou-se com quadro de dor precordial opressiva e de forte intensidade, iniciada 2 horas antes durante discussão com o marido. ECG inicial mostrou elevação do segmento ST de V2-V6. Cinecoronariografia de emergência revelou estenose longa e moderadano segmento médio da artéria descendente anterior (DA) (Figura 1). Embora a lesão na DA estivesse em consonância com a localização eletrocardiográfica do infarto, chamou atenção a ausência de trombo intraluminal e/ou radiolucência no local da lesão, com fluxo normal. Procedemos com a ventriculografia esquerda, que revelou acinesia dos segmentos médio e apical do ventrículo esquerdo (VE), com grande "balonamento" da sua porção apical, sugestiva da cardiomiopatia de Takotsubo. Para avaliar associação da lesão na DA com o evento em curso, realizamos tomografia de coerência óptica (OCT) (Figura 2). Observamos doença aterosclerótica estável, fibrocalcificada, com área luminal mínima de 1,48 mm2.No entanto, não havia ruptura ou erosão da placa, nem trombo intraluminal. ICP não foi realizada. Ressonância magnética (RNM) cardíaca confirmou os achados do VE. A paciente recebeu alta hospitalar no sexto dia de internação, após hospitalização sem intercorrências. Com 4 semanas, já havia retomado suas atividades diárias, e encontrava-se assintomática. RNM do coração mostrou resolução completa das alterações do VE, com ausência de defeitos de perfusão. DISCUSSÃO: Adequado julgamento clínico não deve ser negligenciado, mesmo em situações em que o médico é pressionado para rápida tomada de decisão. Presença de lesão na DA durante IAMCSST anterior, poderia ter levado ao tratamento equivocado da paciente. Ademais, ausência de doença coronária obstrutiva ou evidência de ruptura aguda da placa são condições necessárias para o diagnóstico de Takotsubo ­ diagnóstico desafiador ante a concomitância de doença aterosclerótica em paciente diabética de 77 anos. Neste contexto, a OCT foi fundamental para excluir a doença coronária como causa do evento agudo, e confirmar a cardiomiopatia de Takotsubo. (AU)


Assuntos
Humanos , Diagnóstico , Cardiomiopatia de Takotsubo , Infarto do Miocárdio
14.
Rev. Soc. Cardiol. Estado de Säo Paulo ; 29(Suppl. 2b): 230-230, Jun. 2019.
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1010343

RESUMO

INTRODUÇÃO: A valvoplastia mitral percutânea com balão (VMP), sempre que tecnicamente viável, é a opção de tratamento preferencial para a estenose mitral, particularmente aquelas secundárias à doença cardíaca reumática. No entanto, a reestenose valvar mitral pode se desenvolver em um número significativo de pacientes submetidos a esse procedimento, com fatores de risco ainda pouco claros para tal ocorrência. MÉTODOS: Trata-se de uma análise de centro único de uma coorte grande e consecutiva de pacientes tratados com VMP entre 1987 e 2010, que desenvolveram reestenose. O desfecho primário foi determinar os preditores independentes desse evento, definido como perda de mais de 50% do aumento original na área valvar mitral máxima (AVM) ou AVM menor que 1,5 cm2. RESULTADOS: Um total de 1.794 pacientes consecutivos submetidos a VMP em um único centro, instituição terciária de alto volume, foram incluídos neste registro. Reestenose da valva mitral foi observada em 26% dos casos (n = 483). A média de idade da população foi de 36 anos, com a maioria dos pacientes sendo do sexo feminino (87%). A duração média do acompanhamento foi de 4,8 anos. Na análise multivariada, os preditores independentes de reestenose foram: diâmetro atrial esquerdo [RR (risco relativo): 1,03; IC (intervalo de confiança) 95%: 1,01-1,04; p <0,01]; gradiente máximo pré-procedimento (RR: 1,01; IC 95%: 1,00-1,03; p = 0,02 ) e Wilkins score maior que 8 (RR: 1,37; IC 95%: 1,13-1,66; p <0,01). CONCLUSÕES: No seguimento em longo prazo, a reestenose da valva mitral foi observada em até 25% da população submetida à VMP. Os achados ecocardiográficos pré-procedimento, incluindo o diâmetro do átrio esquerdo, o gradiente valvar máximo e o escore de Wilkins, foram os únicos preditores independentes desse desfecho desfavorável. (AU)


Assuntos
Humanos , Valva Mitral
15.
Rev. Soc. Cardiol. Estado de Säo Paulo ; 29(Suppl. 2b): 11-11, Jun. 2019.
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1008850

RESUMO

INTRODUÇÃO: Cerca de 20% das intervenções percutâneas envolvem bifurcação, sendo um assunto de interesse devido a menor taxa de sucesso do procedimento (< 90%) e taxas relativamente elevadas de recorrências no seguimento tardio. A compreensão dos mecanismos de falência são fundamentais para o aprimoramento da intervenção coronária percutânea (ICP). Os métodos de imagem invasivos como ultrassom intracoronário (USIC) e tomografia de coerência ótica (TCO) são utilizados para avaliar a eficácia e segurança tardia de dispositivos coronários. O nosso objetivo foi avaliar a correlação destes métodos à angiografia coronária quantitativa (ACQ) em lesões de bifurcação coronária tratadas com stents dedicados a bifurcação. MÉTODOS: Estudo prospectivo, não-randomizado, de braço único, envolvendo um centro clinico que avaliou a correlação entre diferentes métodos de avaliação de imagem (ACQ, USIC e TCO) na avaliação tardia (9 meses) de pacientes com lesões de bifurcação tratados com o stent farmacológico liberador de sirolimus dedicado BiOSS. Foram incluídos 35 pacientes (36 lesões) tratadas entre Jan/16 a Fev/17. RESULTADOS: A maior parte das lesões (69%) envolveram bifurcação na artéria descendente anterior. Em relação ao envolvimento dos segmentos da bifurcação, 42.2% foram classificadas como lesões verdadeiras (Medina 111 11.1%, 011 22.8%, e 101 8.3%). Em relação a técnica de tratamento, a estratégia provisional foi planejada na totalidade dos casos, sendo necessário o implante de stent no ramo lateral em 25% dos casos. No reestudo protocolar aos 9 meses, realizado em 100% dos casos, a perda tardia do lumen (PTL) no vaso principal e no ramo lateral foram, respectivamente, 0,29 mm e 0,18 mm. Considerando os subsegmentos intra-stent proximal, carina e intra-stent distal no vaso principal, a PTL foi 0,23 mm, 0,29 mm e 0,33 mm, respectivamente; ja a área mínima do lúmen (AML) pelo TCO e USIC foram, respectivamente, 8,60 mm2 e 5,68 mm2, 8,18 mm2 e 5,32 mm2, e 6,29 mm2 e 3,99 mm2. Pelo método de Pearson, a TCO e o USIC demonstraram elevada correlação para as medidas de AML (r = 0,75; p < 0,05) no segmento intra-stent e área mínima do stent (r = 0,79). Já a ACQ não demonstrou correlação significativa com os métodos invasivos. CONCLUSÕES: Nesta investigação, os métodos de imagem invasivos (TCO e USIC) demonstraram alta correlação em termos de AML e área mínima do stent em lesões de bifurcação tratadas com stent farmacológico dedicado. (AU)


Assuntos
Humanos , Stents , Angioplastia
16.
Rev. Soc. Cardiol. Estado de Säo Paulo ; 29(Suppl. 2b): 15-15, Jun. 2019.
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1008857

RESUMO

INTRODUÇÃO: Intervenção coronária percutânea (ICP) guiada por ultrassom intracoronário (USIC) associou-se com menor ocorrência de eventos adversos em comparação com ICP guiada por angiografia. A tomografia de coerência óptica (TCO) possui resolução 10 vezes maior que a do USIC. No entanto, seu papel como guia de ICP foi pouco estudado. Nosso objetivo primário é avaliar a não inferioridade da ICP guiada por TCO em comparação com a guia por USIC quanto ao desfecho primário de expansão dos stents ao final do procedimento de ICP. MÉTODOS: Pacientes com ≥ 1 lesão em coronárias nativas com 2,25-4,0 mm de diâmetro, foram randomizados (1:1:1), em blocos de 9, para ICP guiada por angiografia, USIC, e TCO. Com um α unicaudal de 0,05 e margem de não inferioridade de 6,85% para expansão dos stents, 150 pacientes (50 em cada grupo) fornece poder de 80% para investigar a não inferioridade da ICP guiada por TCO em comparação com guia por USIC. Caso a não inferioridade fosse alcançada para o desfecho primário, testamos, de forma hierárquica, a superioridade da ICP guiada por TCO vs. ICP guiada por USIC e angiografia, e ICP guiada por USIC vs. ICP guiada por angiografia. RESULTADOS: 151 pacientes foram randomizados para ICP guiada por TCO (n=51), USIC (n=51) e angiografia (n=49). A área mínima do stent pós-ICP foi semelhante entre os grupos (TCO: 7,18 ± 2,66 mm vs. USIC: 6,97 ± 2,09 mm vs. angiografia: 7,26 ± 2,48 mm, p=0.820). A expansão dos stents foi 98,01 ± 16,14% nas ICP guiadas por TCO, 91,69 ± 15,75% nas guiadas por USIC e 90,53 ± 14,84% nas guiadas por angiografia (p=0.035). Expansões obtidas sob guia da TCO foram não inferiores às obtidas com USIC (diferença TCO-USIC: 7,00; IC 95%: -0,39 a 14,39, p<0,001). Na análise hierárquica, expansão por TCO foi superior à angiografia (p=0,041), mas não superior ao USIC (p=0,067). ICP guiada por USIC não foi superior à guiada por angiografia (p=0.923). O porcentual de hastes dos stents mal apostas foi menor em ICP guiadas por TCO (TCO: 1.74 ± 1.49% vs. USIC: 3.35 ± 4.03% vs. angiografia: 4.20 ± 6.85%, p=0.035). Não houve diferença significativa quanto à ocorrência de dissecção de bordas (TCO: 15,7% vs. USIC: 15,7% vs. angiografia: 22,6%, p=0,610), e complicações dos procedimentos. CONCLUSÕES: ICP guiada por TCO gerou expansão dos stents não inferiores às obtidas com USIC, e superiores às obtidas por angiografia, com melhor aposição das hastes e sem aumento de complicações. Estes resultados indicam que TCO pode ser utilizada com segurança para guiar ICP. Seu impacto clínico deve ser futuramente investigado. (AU)


Assuntos
Humanos , Tomografia de Coerência Óptica , Intervenção Coronária Percutânea
17.
Rev. Soc. Cardiol. Estado de Säo Paulo ; 29(Suppl. 2b): 121-121, Jun. 2019.
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1009295

RESUMO

INTRODUÇÃO: A estenose aórtica (EAo) constitui uma das principais valvopatias encontradas, estando associada a grande morbimortalidade ao iniciarem os seus sintomas. O implante de bioprótese aórtica transcateter (do inglês transcatheter aortic valve implantation ­ TAVI) constitui em modalidade mais recente no tratamento intervencionista da estenose aórtica, revolucionando a propedêutica de muitos pacientes antes considerados inoperáveis. Grande preocupação é dada as complicações de sangramento submetidos pós-TAVI. Objetiva-se avaliar a incidência e fatores clínicos associados ao sangramento tardio (≥ 30 dias) em pacientes submetidos a TAVI e analisar o impacto do sangramento tardio nesses indivíduos. Além disso, buscou-se correlacionar a ocorrência de sangramento com escores de risco já estabelecidos em outros cenários clínicos. MÉTODOS: Trata-se de pesquisa observacional e retrospectiva através de análise de banco de dados de um único centro composto de pacientes consecutivos submetidos a TAVI. A definição de sangramentos tardios foram baseados nos critérios definidos pelo Valve Academic Research Consortium 2 (VARC-2). O nível de significância adotado foi para valores de p < 0,05. RESULTADOS: De uma população de 371 pacientes, há um predomínio do sexo feminino (54%), com idade média de 67 anos, obtendo-se taxa de sangramentos tardios de 10%, valores semelhantes aos encontrados na literatura. Dentre os fatores associados, a presença de doença carotídea >50% (p=0,021), hipertensão pulmonar (p=0,023), refluxo aórtico (p=0,014), HAS-BLED (p<0,001), uso de anticoagulação oral (p<0,001), ácido acetilsalicílico (p=0,001), disfunção diastólica (p=0,032) e a ocorrência de fibrilação atrial/flutter seja de maneira paroxística (p<0,01) ou permanente (p<0,001) estiveram associados a maior ocorrência de sangramento tardio. De maneira semelhante a outros estudos na literatura, fatores como a terapia antitrombótica e até mesmo refluxo aórtico tiveram grande influência na ocorrência dos eventos de sangramento. CONCLUSÃO: A TAVI é um procedimento inovador e cada vez importante no tratamento da estenose aórtica. O conhecimento dos fatores relacionados ao sangramento tardio são de grande importância na redução de efeitos adversos em pacientes submetidos a TAVI, uma vez que estão associados a grande impacto na morbimortalidade desses doentes. (AU)


Assuntos
Humanos , Estenose da Valva Aórtica , Implante de Prótese de Valva Cardíaca , Hemorragia
18.
Rev. Soc. Cardiol. Estado de Säo Paulo ; 29(Suppl. 2b): 122-122, Jun. 2019.
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1009299

RESUMO

INTRODUÇÃO: A reserva de fluxo fracionada é um índice fisiológico invasivo extensamente validado, que demonstrou custo-efetividade e melhora de desfechos clínicos quanto utilizada para indicar a necessidade de revascularização em pacientes com doença arterial coronária. No entanto, sua utilização na prática clínica ainda é bastante restrita. Um novo índice, que possibilita estimar o significado funcional de estenoses coronárias, sem a necessidade de manipulação do vaso coronário e sem custo adicional à angiografia diagnóstica, tem potencial de ampliar a aplicação de índices funcionais às tomadas de decisão clínica. Com isso, o objetivo do presente trabalho é avaliar o desempenho diagnóstico de um novo índice fisiológico invasivo ­ o QFR (do inglês, quantitative flow ratio) ­ que estima o significado funcional de estenoses coronárias a partir de modelos de dinâmica de fluido computacional aplicadas em modelos geométricos tridimensionais das artérias coronárias obtidas durante a cinecoronariografia. MÉTODOS: O QFR foi derivado de 2 modelos de fluxo: (1) com velocidade hiperêmica de fluxo fixa (fQFR) e (2) com velocidade de fluxo hiperêmico ajustada de acordo com o tempo de trânsito do meio de contraste ao longo do segmento estenótico (cQFR). A FFR foi mensurada com guia de pressão específico sob hiperemia máxima induzida com adenosina (140 µg/Kg/min) e foi considerada o método de referência. As análises de QFR foram feitas de forma cega aos valores de FFR. RESULTADOS: QFR foi computado em 37 segmentos vasculares com estenoses coronárias epicárdicas de grau intermediário (diâmetro de estenose do diâmetro entre 40% e 70%) de 31 pacientes diabéticos submetidos à avaliação fisiológica invasiva com mensuração da FFR. A maioria (54,8%) dos pacientes apresentou-se com angina estável. O vaso mais frequentemente investigado foi a artéria descendente anterior (43,3%). A média dos valores de FFR foi 0,84 ± 0,08, com 29,7% das estenoses apresentando um FFR < 0,80. A média do fQFR foi 0,82 ± 0,08, com elevada correlação (r=0,86, p<0,0001) e concordância com os valores de FFR (diferença média: 0,022 ± 0,043, p=0,236). O cQFR apresentou correlação (r=0,94, p<0,0001) e concordância (diferença média: 0,010 ± 0,027, p=0,559) ainda maiores com a FFR. A acurácia diagnóstica do fQFR foi de 86,5%, com sensibilidade, especificidade, valor preditivo positivo e negativo de 81,8%, 88,5%, 75,0%, e 92,0%, respectivamente. CONCLUSÕES: O QFR apresentou elevada acurácia diagnóstica em comparação com o método invasivo de referência FFR em uma população complexa de pacientes diabéticos. (AU)


Assuntos
Humanos , Pacientes , Diabetes Mellitus , Reserva Fracionada de Fluxo Miocárdico
19.
Rev. Soc. Cardiol. Estado de Säo Paulo ; 29(Suppl. 2b): 122-122, Jun. 2019.
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1009304

RESUMO

INTRODUÇÃO: enxertos de veia safena (VS), comumente utilizados em cirurgias de revascularização miocárdica, habitualmente cursam com aterosclerose e degeneração aceleradas. Apesar dos avanços técnicos e farmacologia adjunta, a intervenção coronária percutânea (ICP) de tais enxertos permanece um desafio, com altas taxas de complicações agudas (infarto peri-procedimento) e tardias (reestenose). No presente estudo, visamos avaliar o papel do pré-tratamento com heparina de baixo peso molecular (HBPM) no grau de degeneração do enxerto de VS antes da ICP. METODOLOGIA: Estudo unicêntrico e retrospectivo em que registros médicos e angiografias de todos os pacientes submetidos à ICP de enxertos de VS entre julho de 2008 e julho de 2018 foram revisados. Dados de pacientes submetidos à pré-tratamento com HBPM após a cinecoronariografia diagnóstica foram inseridos em banco de dados dedicado. As angiografias dos enxertos de VS antes e após o pré-tratamento com HBPM foram analisadas por operador experiente, cego ao momento em que a angiografia foi realizada, em programa validado de angiografia coronária quantitativa. Escore de degeneração, computando todas as áreas de ectasias, estenoses e trombos foi computado em cada período de avaliação. RESULTADOS: Dentre as 554 ICP em VS realizadas no período do estudo, 90 (16.2%) pacientes receberam pré-tratamento com HBPM. Destes, 67 pacientes, com 72 enxertos tratados, possuíam angiografias adequadas para análise. A maioria (75%) dos pacientes era masculina, 54% diabéticos e 57% tiveram síndrome coronariana aguda como apresentação inicial. O vaso-alvo de implante do enxerto mais comum foi a coronária direita (36,1%), e 80% das lesões localizavam-se no corpo dos enxertos. O tempo de pré-tratamento com HBPM foi de 5,6 dias. O comprimento médio analisado dos enxertos mediu 84,09 mm. Não houve diferença na presença de ectasias (12,48 vs 11,53mm) ou estenoses (21,73 vs 22,98mm), nem no escore de degeneração (1,22 vs 1,02) dos enxertos antes e depois do uso de HBPM. Trombo intraluminal foi visto inicialmente em 38 enxertos (52,7%). Pré-tratamento com HBPM reduziu significativamente a carga trombótica (12,56 mm vs. 6,07 mm, p<0,05), com redução em 21 (55.2%) enxertos e remissão completa em 7 (18.4%). Melhora do fluxo TIMI foi observada em 13 enxertos (fluxo TIMI pré: 2,7 vs. Pós: 2,86). (AU)


Assuntos
Humanos , Heparina de Baixo Peso Molecular , Intervenção Coronária Percutânea
20.
Rev. Soc. Cardiol. Estado de Säo Paulo ; 29(Suppl. 2b): 213-213, Jun. 2019.
Artigo em Português | Sec. Est. Saúde SP, SESSP-IDPCPROD, Sec. Est. Saúde SP | ID: biblio-1010252

RESUMO

INTRODUÇÃO: Intervenção coronária percutânea (ICP) em enxertos venosos degenerados associa-se com maiores taxas de reestenose e trombose em comparação com ICP de vasos nativos. Pouco se sabe sobre os mecanismos de falência tardia de stents implantados em enxertos venosos degenerados. RELATO DO CASO: Homem de 64 anos, diabético, foi submetido à cirurgia de revascularização miocárdica em 1998. Em 2011, foi submetido à ICP com implante de stent não farmacológico no corpo de um enxerto venoso da aorta para o primeiro ramo obtuso marginal, por degeneração do enxerto com estenose importante. Em 2018, apresentou quadro de síndrome coronária aguda sem supradesnível do segmento ST (SCA SSST), com stent farmacológico implantado no mesmo enxerto por reestenose do stent prévio. Permaneceu assintomático por seis meses, quando deu entrada com novo quadro de SCA SSST. Cinecoronariografia revelou fluxo lentificado (TIMI 2) no mesmo enxerto, com imagem radiolucente no interior dos stents implantados, sugestiva de trombo intraluminal. Após cruzarmos a obstrução com guia 0.014", e o posicionarmos no leito distal do ramo obtuso marginal, não conseguimos avançar filtro de proteção embólica através dos stents, à despeito de bom suporte fornecido pelo cateter-guia ­ evento inesperado para um vaso de grande calibre com trombo em seu interior. Para esclarecer o mecanismo de falência, realizamos imagens com OCT. Visualizamos longo segmento de trombo predominantemente vermelho associado com má aposição das hastes do stent na sua porção distal, importante subexpansão na sua porção média, e sinais de neoaterosclerose com calcificação do tecido neointimal, e projeção de nódulos calcificados para o interior do lumen vascular na porção proximal (figura). Utilizando as informações da OCT, implantamos stent farmacológico liberador de everolimus 4.0 x 28 mm. Otimizamos a expansão com o balão não complacente 4.0 x 15 mm, insuflado até 30 atm. Controle com OCT revelou completa aposição das hastes do novo stent, com adequada expansão do dispositivo, sem dissecção de suas bordas (figura). CONCLUSÃO: O alto grau de degeneração dos enxertos, desprovidos de nutrição adequada por vasa-vasorum, e sem camada muscular lisa, cria ambiente pró-aterogênico e pró-trombótico, que contribuem para falência dos stents. No presente caso, o avançado grau de neoaterosclerose no interior de stent farmacológico implantado seis meses antes, somado com imperfeições técnicas dos procedimentos anteriores, contribuíram para a sucessão de falências. (AU)


Assuntos
Humanos , Stents , Intervenção Coronária Percutânea
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA