Your browser doesn't support javascript.
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 8 de 8
Filtrar
Filtros adicionais











Tipo de estudo
Intervalo de ano
1.
SMAD, Rev. eletrônica saúde mental alcool drog ; 14(4): 211-218, out.-dez. 2018. tab
Artigo em Português | LILACS, Index Psicologia - Periódicos técnico-científicos | ID: biblio-1004520

RESUMO

OBJETIVO: analisar as repercussões perinatais do uso de drogas por gestantes atendidas em um ambulatório de alto risco. MÉTODO: estudo caso-controle, no qual foram avaliados 920 prontuários, no período de 2012-2013. O grupo caso foi constituído pelas gestantes usuárias de drogas lícitas/ilícitas (41) e o controle por gestantes de risco não usuárias (82). RESULTADOS: as gestantes usuárias apresentaram risco aumentado para prematuridade (RR=2,64, p=0,02), baixo peso ao nascer (RR=5,42, p=0,01) e baixo índice de Apgar no 1º minuto (RR=2,97, p=0,01). CONCLUSÃO: os resultados indicam que gestantes usuárias de drogas apresentam desfechos perinatais desfavoráveis à gestação.


OBJECTIVE: to analyze the perinatal repercussions of drug use by pregnant women treated in a high risk outpatient clinic. METHOD: a case-control study in which 920 medical records were evaluated in the period 2012-2013. The case group consisted of pregnant women who used licit/illicit drugs (41) and the control group of non-user pregnant women (82). RESULTS: pregnant women using drugs presented increased risk for prematurity (RR = 2.64, p = 0.02), low birth weight (RR = 5.42, p = 0.01) and low one-minute Apgar score (RR = 2.97, p = 0.01). CONCLUSION: the results indicate that pregnant women who use drugs have unfavorable perinatal outcomes during gestation.


OBJETIVO: analizar los resultados perinatales de consumo de drogas por mujeres embarazadas en una clínica de alto riesgo. MÉTODO: estudio de casos y controles, que evaluó 920 registros médicos, en 2012-2013. El grupo de casos estaba compuesto de las mujeres embarazadas que drogas lícitas/ilegales (41) y el control del riesgo de las mujeres embarazadas no consumidores (82). RESULTADOS: las mujeres embarazadas que se encontraban en mayor riesgo de parto prematuro (RR = 2,64, p = 0,02), bajo peso al nacer (RR = 5,42, p = 0,01) y la puntuación de Apgar baja a 1 minuto (RR = 2,97, p = 0,01). CONCLUSIÓN: los resultados indican que las mujeres embarazadas que tienen las drogas adversos del embarazo los resultados perinatales.


Assuntos
Humanos , Feminino , Gravidez , Complicações na Gravidez , Drogas Ilícitas , Enfermagem Materno-Infantil , Transtornos Relacionados ao Uso de Substâncias
2.
Nursing (Säo Paulo) ; 21(247): 2518-2523, dez.2018.
Artigo em Português | LILACS, BDENF - Enfermagem | ID: biblio-970958

RESUMO

O presente estudo objetivou identificar na produção científica existente, como vem sendo utilizado o referencial metodológico avaliação de quarta geração nas pesquisas em saúde. Trata-se de uma revisão integrativa a partir de publicações levantadas nas bases de dados PubMed, Banco de Dados em Enfermagem, Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde e Scientific Electronic Library Online, no período de 2005 a 2015. Utilizou-se a combinação dos descritores avaliação de quarta geração e avaliação qualitativa, em todos os idiomas, totalizando 27 estudos analisados. O processo de análise permitiu a construção de duas categorias temáticas: Potencialidades e desfechos da avaliação de quarta geração e Limitações da metodologia atreladas com estratégias no campo da pesquisa. Observou-se predomínio de estudos brasileiros na área de saúde mental e escassez de estudos internacionais. Aspectos positivos foram encontrados devido à escolha do referencial metodológico, principalmente no que se refere em dar voz aos grupos de interesses estudados. As publicações evidenciam a relevância do rigor metodológico a ser seguido quando se trabalha com a avaliação de quarta geração, uma vez que é necessário adotar os critérios estabelecidos pelos autores deste referencial.(AU)


Assuntos
Pesquisa Qualitativa , Avaliação da Pesquisa em Saúde , Publicações Científicas e Técnicas , Avaliação de Políticas de Pesquisa
3.
Nursing (Säo Paulo) ; 21(247): 2513-2517, dez.2018.
Artigo em Português | LILACS, BDENF - Enfermagem | ID: biblio-970954

RESUMO

Objetiva-se analisar a influência da idade materna com os desfechos perinatais em gestações de alto risco. Trata-se de um estudo exploratório, descritivo com abordagem quantitativa. O estudo foi composto por gestantes de alto risco atendidas de setembro de 2012 a setembro de 2017. A variável independente foi a idade materna e as variáveis dependentes foram aquelas relacionadas com o recém-nascido: baixo peso ao nascer (< 2.500 g), prematuridade (idade gestacional < 37 semanas), baixo índice de Apgar no 1° e 5º minutos de vida (< 7), óbito fetal e óbito neonatal. Verificou-se que as adolescentes (≤19 anos) possuem chances maiores de terem filhos com baixo peso ao nascer (p=0,008), baixo escore de Apgar no 1° minuto (<7) (p<0,001) e óbito neonatal (p=0,037). No grupo de gestantes, ≥ 35 anos (gestação tardia), observa-se que estas possuem maiores chances de terem filhos prematuros (p=0,019). Os resultados deste estudo apontaram que na gestação de alto risco a idade materna também é um fator que está associado aos desfechos perinatais desfavoráveis. O estudo identificou associação da prematuridade com a idade avançada na gestação e o baixo peso ao nascer, baixo escore de Apgar no 1° minuto e óbito neonatal com a gestação na adolescência.(AU)


Assuntos
Humanos , Feminino , Gravidez , Complicações na Gravidez , Fatores de Risco , Idade Materna , Gravidez de Alto Risco , Cuidado Pré-Natal , Saúde Materno-Infantil
4.
Nursing (Säo Paulo) ; 21(247): 2524-2530, dez.2018.
Artigo em Português | LILACS, BDENF - Enfermagem | ID: biblio-970966

RESUMO

Objetiva-se identificar fatores que promovam falhas no cuidado obstétrico e comprometam a segurança da gestante e do bebê. Trata-se de uma revisão integrativa, realizada nas bases de dados: MEDLINE, LILACS, BDENF, no período de janeiro de 2006 a janeiro de 2016 com uso das palavras-chaves: "enfermagem", "segurança do paciente", "obstetrícia" e "maternidade". Foram selecionados oito estudos elegíveis. A análise dos artigos resultou nas categorias: Comunicação interpessoal e trabalho em equipe no cuidado obstétrico e práticas e condutas que afetam a assistência segura à saúde materna e perinatal. Conclui-se que para um cuidado seguro, é necessário cuidados respaldados pelas técnicas fundamentadas na literatura em conjunto ao comprometimento profissional e visão holística do paciente, para que possa oferecer uma assistência materno-infantil segura.(AU)


Assuntos
Humanos , Feminino , Gravidez , Saúde Materno-Infantil , Segurança do Paciente , Enfermagem Obstétrica , Publicações Científicas e Técnicas , Serviços de Saúde Materno-Infantil
5.
Rev Esc Enferm USP ; 51: e03208, 2017 Apr 03.
Artigo em Inglês, Português | MEDLINE | ID: mdl-28380160

RESUMO

OBJECTIVE: To identify the factors associated with intra-hospital neonatal mortality based on the individual characteristics of at-risk pregnant mothers, delivery and newborns. METHOD: This was a cross-sectional epidemiological study of live newborns delivered by women attended at the high-risk outpatient unit of a philanthropic hospital in Maringá, Paraná, Brazil between September 2012 and September 2013. RESULTS: Six hundred and eighty-eight women participated in the study. The neonatal mortality coefficient found was 17.7/1,000 live births, most in the early neonatal phase. Premature labor, fetal malformation and multiple gestations were associated with neonatal death. Premature, very low birth weight newborns and those with an Apgar score of less than seven, five minutes after birth were at high risk of death. CONCLUSION: Identifying risk factors can help plan actions to consolidate the perinatal network. Specific programs should be incentivized in other countries, in the search for significant perinatal results such as reducing neonatal mortality. OBJETIVO : Identificar os fatores associados à mortalidade neonatal intra-hospitalar com base nas características individuais de gestantes de risco, do parto e do recém-nascido. MÉTODO : Estudo epidemiológico do tipo transversal, realizado com crianças nascidas vivas de partos hospitalares de mulheres acompanhadas pelo ambulatório de alto risco de um hospital filantrópico de Maringá, Paraná, Brasil, no período de setembro de 2012 a setembro de 2013.RESULTADOS Fizeram parte da pesquisa 688 mulheres. O coeficiente de mortalidade neonatal foi de 17,7 óbitos/1.000 nascidos vivos, sendo sua maioria no período neonatal precoce. Trabalho de parto prematuro, malformação fetal e gestação múltipla foram as intercorrências associadas ao óbito neonatal. Recém-nascidos prematuros, com muito baixo peso ao nascer e Índice de Apgar menor que sete no quinto minuto de vida apresentaram risco elevado de morte. CONCLUSÃO : A identificação de fatores de risco pode auxiliar no planejamento de ações para consolidação da rede perinatal. Programas específicos devem ser incentivados em outros países, na busca de resultados perinatais expressivos, como a redução da mortalidade neonatal.

6.
REME rev. min. enferm ; 21jan.2017. tab
Artigo em Português | BDENF - Enfermagem | ID: bde-32667

RESUMO

Esta pesquisa teve como objetivo analisar os resultados perinatais de gestantes de alto risco com síndrome hipertensiva. Estudo transversal, de base documental, com 920 prontuários de gestantes de um ambulatório de alto risco. A variável independente foi a síndrome hipertensiva, considerando a hipertensão arterial como condições preexistentes, pré-eclâmpsia como antecedente obstétrico e doença hipertensiva específica da gestação (DHEG) como intercorrência clínica. As variáveis dependentes foram prematuridade, baixo peso ao nascer, Apgar inferior a sete no 1° e 5° minutos, morte fetal, morte infantil, parto normal e parto cesáreo. Para analisar a associação entre as variáveis, utilizou-se o teste qui-quadrado e comparou-se o risco relativo no intervalo de confiança (IC) a 95%. Da amostra estudada, 25,32% apresentaram síndrome hipertensiva; 14,36% foram classificadas com hipertensão arterial (grupo 1), 6,73% com pré-eclâmpsia (grupo 2); 4,02% apresentaram DHEG (grupo 3); e 30,65% eram normotensas (grupo 4). No grupo 1 constatou-se risco elevado para morte fetal e o parto normal foi fator de proteção. No grupo 2 verificou-se risco elevado para parto cesáreo. No grupo 3, constituiu risco elevado para prematuridade e baixo peso ao nascer. Os três grupos apresentaram risco elevado para Apgar baixo no 1º e 5º minuto. As síndromes hipertensivas na gestação relacionaram-se a resultados perinatais desfavoráveis, evidenciando a necessidade de cuidados especializados à gestante, por meio de um pré-natal especializado e de qualidade.(AU)


Assuntos
Humanos , Feminino , Gravidez , Gravidez de Alto Risco , Complicações na Gravidez , Serviços de Saúde Materna , Saúde Materna , Hipertensão , Fatores de Risco
7.
Rev. Esc. Enferm. USP ; 51: e03208, 2017. tab
Artigo em Inglês | LILACS-Express | ID: biblio-842730

RESUMO

Abstract OBJECTIVE To identify the factors associated with intra-hospital neonatal mortality based on the individual characteristics of at-risk pregnant mothers, delivery and newborns. METHOD This was a cross-sectional epidemiological study of live newborns delivered by women attended at the high-risk outpatient unit of a philanthropic hospital in Maringá, Paraná, Brazil between September 2012 and September 2013. RESULTS Six hundred and eighty-eight women participated in the study. The neonatal mortality coefficient found was 17.7/1,000 live births, most in the early neonatal phase. Premature labor, fetal malformation and multiple gestations were associated with neonatal death. Premature, very low birth weight newborns and those with an Apgar score of less than seven, five minutes after birth were at high risk of death. CONCLUSION Identifying risk factors can help plan actions to consolidate the perinatal network. Specific programs should be incentivized in other countries, in the search for significant perinatal results such as reducing neonatal mortality.


Resumen OBJETIVO Identificar los factores asociados con la mortalidad neonatal intrahospitalaria con base en las características individuales de gestantes de riesgo, del parto y del recién nacido. MÉTODO Estudio epidemiológico del tipo transversal, realizado con niños nacidos vivos de partos hospitalarios de mujeres seguidas en el ambulatorio de alto riesgo de un hospital filantrópico de Maringá, Paraná, Brasil, en el período de septiembre de 2012 a septiembre de 2013. RESULTADOS Hicieron parte de la investigación 688 mujeres. El coeficiente de mortalidad neonatal fue de 7,7 defunciones/1.000 nacidos vivos, siendo su mayoría en el período neonatal precoz. Trabajo de parto prematuro, malformación fetal y gestación múltiple fueron los sucesos asociados con la defunción neonatal. Recién nacidos prematuros, con muy bajo peso al nacer e Índice de Apgar menor que siete el quinto minuto de vida presentaron riesgo elevado de muerte. CONCLUSIÓN La identificación de factores de riesgo puede auxiliar la planificación de acciones para consolidación de la red perinatal. Se deben incentivar programas específicos en otros países, en la búsqueda por resultados perinatales considerables, como la reducción de la mortalidad neonatal.


RESUMO OBJETIVO Identificar os fatores associados à mortalidade neonatal intra-hospitalar com base nas características individuais de gestantes de risco, do parto e do recém-nascido. MÉTODO Estudo epidemiológico do tipo transversal, realizado com crianças nascidas vivas de partos hospitalares de mulheres acompanhadas pelo ambulatório de alto risco de um hospital filantrópico de Maringá, Paraná, Brasil, no período de setembro de 2012 a setembro de 2013. RESULTADOS Fizeram parte da pesquisa 688 mulheres. O coeficiente de mortalidade neonatal foi de 17,7 óbitos/1.000 nascidos vivos, sendo sua maioria no período neonatal precoce. Trabalho de parto prematuro, malformação fetal e gestação múltipla foram as intercorrências associadas ao óbito neonatal. Recém-nascidos prematuros, com muito baixo peso ao nascer e Índice de Apgar menor que sete no quinto minuto de vida apresentaram risco elevado de morte. CONCLUSÃO A identificação de fatores de risco pode auxiliar no planejamento de ações para consolidação da rede perinatal. Programas específicos devem ser incentivados em outros países, na busca de resultados perinatais expressivos, como a redução da mortalidade neonatal.

8.
REME rev. min. enferm ; 21: [1-6], 2017. tab
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-907932

RESUMO

Esta pesquisa teve como objetivo analisar os resultados perinatais de gestantes de alto risco com síndrome hipertensiva. Estudo transversal, de base documental, com 920 prontuários de gestantes de um ambulatório de alto risco. A variável independente foi a síndrome hipertensiva, considerando a hipertensão arterial como condições preexistentes, pré-eclâmpsia como antecedente obstétrico e doença hipertensiva específica da gestação (DHEG) como intercorrência clínica. As variáveis dependentes foram prematuridade, baixo peso ao nascer, Apgar inferior a sete no 1° e 5° minutos, morte fetal, morte infantil, parto normal e parto cesáreo. Para analisar a associação entre as variáveis, utilizou-se o teste qui-quadrado e comparou-se o risco relativo no intervalo de confiança (IC) a 95%. Da amostra estudada, 25,32% apresentaram síndrome hipertensiva; 14,36% foram classificadas com hipertensão arterial (grupo 1), 6,73% com pré-eclâmpsia (grupo 2); 4,02% apresentaram DHEG (grupo 3); e 30,65% eram normotensas (grupo 4). No grupo 1 constatou-se risco elevado para morte fetal e o parto normal foi fator de proteção. No grupo 2 verificou-se risco elevado para parto cesáreo. No grupo 3, constituiu risco elevado para prematuridade e baixo peso ao nascer. Os três grupos apresentaram risco elevado para Apgar baixo no 1º e 5º minuto. As síndromes hipertensivas na gestação relacionaram-se a resultados perinatais desfavoráveis, evidenciando a necessidade de cuidados especializados à gestante, por meio de um pré-natal especializado e de qualidade.


This study aimed to analyze the perinatal outcomes of high risk pregnancies of women with hypertensive syndrome. It was a cross-sectional study,with a documental basis, with 920 records of pregnant women from a high-risk outpatient clinic. The independent variable was hypertensivesyndrome, considering arterial hypertension as pre-existing conditions, pre-eclampsia as obstetric antecedents and heart disease of pregnancy(HDP) as clinical complications. The dependent variables were prematurity, low birth weight, Apgar score below than seven in the 1st and 5thminutes of life, fetal death, infant death, normal delivery and cesarean delivery. To analyze the association between the variables, the Chi-squaretest was used and Relative Risk was compared in the 95% confidence interval (CI). Of the sample studied, 25.32% presented hypertensive syndrome;14.36% were classified with arterial hypertension (group 1), 6.73% with preeclampsia (group 2); 4.02% presented DHEG (group 3) and a total of30.65% normotensive (group 4). In group 1, there was a high risk for fetal death and normal delivery was a protective factor. In group 2, there was ahigh risk for cesarean section. In group 3, it was a high risk for prematurity and low birth weight. The three groups were at high risk for low Apgarat the 1st and 5th minute. Hypertensive syndromes during pregnancy were associated with unfavorable perinatal outcomes, evidencing the needfor specialized care to the pregnant woman through a specialized prenatal and quality.


En esta investigación se busca analizar los resultados perinatales de embarazadas de alto riesgo con síndrome hipertensivo. Estudio transversal,de base documental con 920 registros de embarazadas de una clínica ambulatoria de alto riesgo. La variable independiente fue el síndrome hipertensivo, considerando la hipertensión arterial como condición preexistente, la preeclampsia como antecedente obstétrico y la enfermedad hipertensiva específica del embarazo (DHEG) como intercurrencia clínica. Las variables dependientes fueron prematuridad, bajo peso al nacer,Apgar inferior a siete en el 1 ° y 5 ° minutos, muerte fetal, muerte infantil, parto normal y cesárea. Para analizar la asociación entre las variables seutilizó la prueba Chi-cuadrado y se comparó el riesgo relativo en el intervalo de confianza (IC) al 95%. De la muestra estudiada, 25,32% presentaron síndrome hipertensivo; 14,36% se clasificaron con hipertensión arterial (grupo 1), 6,73% con preeclampsia (grupo 2); 4,02% presentaron DHEG(grupo 3) y un total de 30,65% normotensas (grupo 4). En el grupo 1 se constató riesgo elevado para la muerte fetal y el parto normal fue unfactor de protección. En el grupo 2 se observó riesgo elevado para la cesárea. En el grupo 3, riesgo elevado para la prematuridad y el bajo peso alnacer. Los tres grupos presentaron riesgo elevado para Apgar bajo el primero y quinto minutos. Los síndromes hipertensivos en el embarazo serelacionaron con resultados perinatales desfavorables, evidenciando la necesidad de cuidados especializados a la embarazada, por medio de un prenatal especializado y de calidad.


Assuntos
Feminino , Humanos , Gravidez , Hipertensão , Saúde Materna , Serviços de Saúde Materna , Complicações na Gravidez , Gravidez de Alto Risco , Fatores de Risco
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA