Your browser doesn't support javascript.
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 3 de 3
Filtrar
Mais filtros










Tipo de estudo
Intervalo de ano de publicação
1.
Rev Saude Publica ; 53: 92, 2019.
Artigo em Inglês, Português | MEDLINE | ID: mdl-31644723

RESUMO

OBJECTIVE: To estimate the use of the first dose of antibiotics in the health care unit in children from the 2015 Pelotas Birth Cohort at 24 months. METHODS: A total of 4,014 children were monitored. We used descriptive statistics and Poisson regression to analyze the association between socioeconomic and demographic variables, participation in daycare units, in the activities of the Pastoral da Criança and in the Primeira Infância Melhor program, low birth weight, hospitalization between 12 and 24 months, place of medical appointment, prevalence of medical appointment in the last 30 days, prescription of antibiotics, and administration of the first dose in the health care unit. RESULTS: A total of 1,044 children had medical appointments in the last 30 days, of which 45% were prescribed antibiotics and only 10.5% were administered the first dose of this medication in the health care unit. Children with brown, yellow or indigenous skin color were administered 2.5 times more antibiotics than white children. Children whose mothers had 12 years or more of education were administered 83.0% fewer antibiotics than those whose mothers had up to 4 years of education. Among those who were hospitalized for 12 to 24 months, the use of antibiotics was almost four times higher than among those who were not. Among the children served by the Brazilian Unified Health System (SUS), only 15.3% were administered the first dose of antibiotic in the health care unit. When compared with children served by private health care or health plan, administration of the first dose in the SUS was 76.0% higher. CONCLUSIONS: Despite the efforts related to the Pastoral da Criança campaign "Antibiotic: first dose immediately," adherence to the provision of antibiotics in the health care unit is still low. Strategies are necessary and urgent so children have access to the first dose of antibiotics in the health care unit.


Assuntos
Antibacterianos/administração & dosagem , Pesquisas sobre Serviços de Saúde/estatística & dados numéricos , Adulto , Agendamento de Consultas , Brasil/epidemiologia , Saúde da Criança/estatística & dados numéricos , Pré-Escolar , Estudos de Coortes , Prescrições de Medicamentos/estatística & dados numéricos , Feminino , Hospitalização/estatística & dados numéricos , Humanos , Lactente , Masculino , Mães , Programas Nacionais de Saúde , Prevalência , Fatores Socioeconômicos , Fatores de Tempo , Adulto Jovem
2.
Rev. saúde pública (Online) ; 53: 92, jan. 2019. tab
Artigo em Inglês | LILACS-Express | ID: biblio-1043338

RESUMO

ABSTRACT OBJECTIVE To estimate the use of the first dose of antibiotics in the health care unit in children from the 2015 Pelotas Birth Cohort at 24 months. METHODS A total of 4,014 children were monitored. We used descriptive statistics and Poisson regression to analyze the association between socioeconomic and demographic variables, participation in daycare units, in the activities of the Pastoral da Criança and in the Primeira Infância Melhor program, low birth weight, hospitalization between 12 and 24 months, place of medical appointment, prevalence of medical appointment in the last 30 days, prescription of antibiotics, and administration of the first dose in the health care unit. RESULTS A total of 1,044 children had medical appointments in the last 30 days, of which 45% were prescribed antibiotics and only 10.5% were administered the first dose of this medication in the health care unit. Children with brown, yellow or indigenous skin color were administered 2.5 times more antibiotics than white children. Children whose mothers had 12 years or more of education were administered 83.0% fewer antibiotics than those whose mothers had up to 4 years of education. Among those who were hospitalized for 12 to 24 months, the use of antibiotics was almost four times higher than among those who were not. Among the children served by the Brazilian Unified Health System (SUS), only 15.3% were administered the first dose of antibiotic in the health care unit. When compared with children served by private health care or health plan, administration of the first dose in the SUS was 76.0% higher. CONCLUSIONS Despite the efforts related to the Pastoral da Criança campaign "Antibiotic: first dose immediately," adherence to the provision of antibiotics in the health care unit is still low. Strategies are necessary and urgent so children have access to the first dose of antibiotics in the health care unit.


RESUMO OBJETIVO Estimar o uso da primeira dose do antibiótico no local de atendimento nas crianças da Coorte de Nascimentos de Pelotas de 2015 aos 24 meses. MÉTODOS Foram acompanhadas 4.014 crianças. A associação entre variáveis socioeconômicas e demográficas, participação em creche, nas ações da Pastoral da Criança e no programa Primeira Infância Melhor, baixo peso ao nascer, internação entre 12 e 24 meses, local da consulta, prevalência de consulta nos últimos 30 dias, prescrição de antibióticos e recebimento da primeira dose no local de atendimento foi analisada por meio de estatística descritiva e regressão de Poisson. RESULTADOS Tiveram consulta nos últimos 30 dias 1.044 crianças, das quais 45% receberam prescrição de antibiótico e apenas 10,5% receberam a primeira dose dessa medicação no local de atendimento. Crianças de cor da pele parda, amarela ou indígena tiveram um uso de antibiótico 2,5 vezes maior que o das brancas. Já as crianças cujas mães tinham 12 anos ou mais de escolaridade usaram 83,0% menos antibióticos que aquelas cujas mães tinham até quatro anos de estudo. Entre aquelas que foram internadas entre 12 e 24 meses, o uso de antibiótico foi quase quatro vezes maior do que entre as que não foram. Entre as crianças atendidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS), apenas 15,3% receberam a primeira dose do antibiótico no local de atendimento. Quando comparado com o de crianças atendidas por financiamento particular ou convênio, o recebimento da primeira dose no SUS chegou a ser 76,0% superior. CONCLUSÕES Apesar dos esforços relacionados à campanha da Pastoral da Criança "Antibiótico: primeira dose imediata", ainda é baixa a adesão ao fornecimento de antibióticos no local de atendimento. Estratégias são necessárias e urgentes para que as crianças tenham acesso à primeira dose de antibióticos no local de atendimento.

3.
São Paulo; s.n; 2008. 59 p.
Tese em Português | LILACS | ID: lil-481693

RESUMO

Introdução: O estudo dos fatores comportamentais associados ao estado nutricional na adolescência é relevante para a análise da tendência de aumento do excesso de peso observada nas últimas décadas entre os adolescentes do Brasil. Objetivo: Estimar a prevalência de excesso de peso e os principais comportamentos associados ao excesso de peso entre adolescentes da rede escolar do município de São Paulo/SP. Métodos: Foram estudados 759 adolescentes matriculados nas redes pública e privada do Distrito de Pinheiros do Município de São Paulo. Foram coletados dados de peso, altura, consumo alimentar e atividade física. O excesso de peso foi classificado segundo valores Índice de Massa Corporal (IMC) recomendados pela IOTF. A análise da associação entre excesso de peso e características do consumo alimentar ou da atividade física foi estratificada por sexo e de rede escolar. Resultados: A prevalência de excesso de peso foi de 25,2 por cento (homens 27,3 por cento; mulheres 23,8 por cento). O excesso de peso se mostrou positivamente associado à prática de dieta e inversamente associado ao consumo de alimentos não-saudáveis na rede escolar a ao consumo de alimentos saudáveis em escolas privadas. Não houve associação entre excesso de peso e omitir/substituir refeições ou praticar atividade física dentro ou fora do colégio. Conclusões: Prevalências elevadas de excesso de peso foram encontradas entre os adolescentes estudados. Há necessidade de novos estudos para dimensionar o problema na rede escolar do Município de São Paulo e de ações para promover comportamentos ativos e saudáveis no grupo social analisado.


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Adolescente , Comportamento do Adolescente , Consumo de Alimentos , Atividade Motora , Obesidade , Prevalência , Ensino Fundamental e Médio , Comportamento Alimentar , Estilo de Vida , Setor Privado , Setor Público , Estudantes
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA