Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 9 de 9
Filtrar
Mais filtros










Intervalo de ano de publicação
1.
Interface (Botucatu, Online) ; 23: e180217, 2019. tab, graf
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-1002340

RESUMO

O presente artigo trata da problemática do cuidado com a vida, da produção de autonomia, cooperação e vínculo nos serviços públicos de saúde. Tem como objetivos: mapear as estratégias de formação/educação permanente dos profissionais de saúde que utilizam o dispositivo grupal e as narrativas; identificar suas matrizes teórico-metodológicas e analisar as concepções sobre o cuidado das experiências levantadas. Realizou-se revisão de literatura sobre as experiências publicadas entre 2000 e 2017. Como resultados, verificou-se que as publicações são apoiadas nas teorias interacionistas, construtivistas e problematizadoras. As experiências analisadas utilizaram mais de uma estratégia grupal, sendo predominantes os grupos focais; as narrativas orais foram as principais modalidades, abordando temas variados em torno do cuidado. Conclui-se pela importância do uso das narrativas compartilhadas em grupos para a transformação das práticas e a reconstrução de sentidos e significados do cuidado em saúde.


El presente artículo trata de la problemática del cuidado con la vida, de la producción de autonomía, cooperación y vínculo en los servicios públicos de salud. Tiene como objetivos mapear las estrategias de formación/educación permanente de los profesionales de salud que utilizan el dispositivo grupal y las narrativas, identificar sus matrices teórico-metodológicas y analizar las concepciones sobre el cuidado de las experiencias encontradas. Se realizó una revisión de la literatura sobre las experiencias publicadas entre 2000 y 2017. Como resultados, se verificó que las publicaciones se apoyan en las teorías interaccionistas, constructivistas y problematizadoras. Las experiencias analizadas utilizaron más de una estrategia grupal, siendo predominantes los grupos focales; las narrativas orales fueron las principales modalidades, abordando temas variados alrededor del cuidado. Se concluyó sobre la importancia del uso de las narrativas compartidas en grupos para la transformación de las prácticas y la reconstrucción de sentidos y significados del cuidado de la salud.


This article deals with the set of problems surrounding care's strategies for life, the setting up of patient's autonomy, cooperation and bonding regarding public health care services. Its objectives are to to map the continuing education strategies of the health professionals who use the group device and the narratives to identify their theoretical-methodological matrices and to analyze the conceptions about the care of the experiences under study. A review of the literature on the experiences published between 2000 and 2017 was carried out. As a result, it was verified that the publications have foundations on the interactionist, constructivist and problematizing theories. The analyzed experiences used more of a group strategy, being predominant the focus groups; the oral narratives were the main modalities, addressing varied themes around care. It concludes by the importance of the use of shared narratives in groups for the transformation of practices and the reconstruction of senses and meanings of health care.


Assuntos
Humanos , Narração , Educação Continuada/métodos , Empatia , /educação
2.
Saúde debate ; 40(111): 302-311, dez. 2016.
Artigo em Português | LILACS-Express | LILACS | ID: biblio-846114

RESUMO

RESUMO Este trabalho pretende traçar um paralelo acerca da dinâmica de grupos constituídos em dois hospitais públicos ao realizarem um curso de Gestão de Emergências, a partir de relatos de experiências das suas respectivas facilitadoras de aprendizagem. Realizaram-se reflexões embasadas na psicossociologia francesa, psicanálise e psicodinâmica do trabalho. Enquanto um grupo viu o curso como meio para expressar o sofrimento pelo não reconhecimento às suas demandas, o outro o percebeu como forma de assumir o protagonismo de suas mudanças. Ambos puderam ter, nesses encontros, a possibilidade de produção de sentidos para suas práticas.


ABSTRACT This study intends to draw a parallel about the dynamics of groups constituted in two public hospitals when taking an Emergency Management course, from experience reports of their respective learning facilitators. The authors have conducted reflections from the perspective of French social psychology, psychoanalysis and psychodynamics of work theory. Whereas a group identified this course as a means to express their suffering with the fact that their demands are not recognized, the other realized that this fact would be the chance to take the command of their changes. Both groups were able to have, at those meetings, the opportunity to produce the meanings of their practices.

3.
Rev. homeopatia (Säo Paulo) ; 74(3,n.esp): 17-17, 2011.
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-620739

RESUMO

Esta pesquisa tematiza o conceito saúde na perspectiva dos modelos médicos vitalistas, situando-se no eixo da dimensão doutrina médica das racionalidades médicas, e temcomo objeto de estudo os vitalismos de Hahnemann e Nietzsche. A partir dolevantamento e análise bibliográfica de textos e da abordagem disciplinar histórica e filosófica, teve como objetivos analisar os conceitos de vida, saúde, doença e cura presentes nos pensamentos desses autores, traçar correspondências e explicitar asdiferenças dos pensamentos envolvidos. Como apoios teóricos, utilizaram-se ostrabalhos de Canguilhem, Luz e Foucault.


Assuntos
Filosofia Homeopática , Vitalismo
4.
Rev. homeopatia (São Paulo) ; 74(3,n.esp): 17-17, 2011.
Artigo em Português | HomeoIndex - Homeopatia | ID: hom-10584

RESUMO

Esta pesquisa tematiza o conceito saúde na perspectiva dos modelos médicos vitalistas, situando-se no eixo da dimensão doutrina médica das racionalidades médicas, e temcomo objeto de estudo os vitalismos de Hahnemann e Nietzsche. A partir dolevantamento e análise bibliográfica de textos e da abordagem disciplinar histórica e filosófica, teve como objetivos analisar os conceitos de vida, saúde, doença e cura presentes nos pensamentos desses autores, traçar correspondências e explicitar asdiferenças dos pensamentos envolvidos. Como apoios teóricos, utilizaram-se ostrabalhos de Canguilhem, Luz e Foucault.


Assuntos
Vitalismo , Filosofia Homeopática
5.
Rev. homeopatia (Säo Paulo) ; 73(1/2): 80-80, 2010.
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-552713

RESUMO

Tese de doutorado em Saúde Coletiva, apresentada a Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Esta pesquisa tematiza o conceito saúde na perspectiva dos modelos médicos vitalistas, situando-se no eixo da dimensão doutrina médica das Racionalidades Médicas e tem como objeto de estudo os vitalismos de Hahnemann e Nietzsche. A partir do levantamento e análise bibliográfica de textos e da abordagem disciplinar histórica e filosófica, teve como objetivos analisar os conceitos de vida, saúde, doença e cura presentes nos pensamentos destes autores, traçar correspondências e explicitar as diferenças dos pensamentos envolvidos. Como apoios teóricos os trabalhos de Canguilhem, Luz e Foucault. Partindo da ênfase na atitude vital do sujeito em seu processo de saúde-doença-convalescença-cura que ambos pensadores destacam buscou-se avaliar as hipóteses de o vitalismo hahnemanniano se assemelhar ao nietzscheano e se seria possível afirmar que a busca da “grande saúde” equivaleria à meta do tratamento homeopático ao contemplar a “liberdade do espírito” na conquista da ampliação da normatividade vital. Concluiu-se que os vitalismos de Hahnemann e Nietzsche são semelhantes na medida em que as bases de seus pensamentos ressaltam a vida enquanto um jogo de forças e luta, onde enfatizam a irredutibilidade dos fenômenos dos vivos às propriedades físico-químicas; a concepção dos seres humanos como totalidades únicas e singulares nas quais há um jogo de forças atuantes, promovendo diferentes saúdes no mesmo indivíduo, de acordo com as variadas fases da vida; e as hierarquias existentes entre as forças, resultando em análises diagnósticas, possibilidades de intervenção terapêutica e acompanhamento do processo saúde-doença.


Assuntos
Homeopatia , Vitalismo
6.
Rev. homeopatia (São Paulo) ; 73(1/2): 80-80, 2010.
Artigo em Português | HomeoIndex - Homeopatia | ID: hom-10321

RESUMO

Tese de doutorado em Saúde Coletiva, apresentada a Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Esta pesquisa tematiza o conceito saúde na perspectiva dos modelos médicos vitalistas, situando-se no eixo da dimensão doutrina médica das Racionalidades Médicas e tem como objeto de estudo os vitalismos de Hahnemann e Nietzsche. A partir do levantamento e análise bibliográfica de textos e da abordagem disciplinar histórica e filosófica, teve como objetivos analisar os conceitos de vida, saúde, doença e cura presentes nos pensamentos destes autores, traçar correspondências e explicitar as diferenças dos pensamentos envolvidos. Como apoios teóricos os trabalhos de Canguilhem, Luz e Foucault. Partindo da ênfase na atitude vital do sujeito em seu processo de saúde-doença-convalescença-cura que ambos pensadores destacam buscou-se avaliar as hipóteses de o vitalismo hahnemanniano se assemelhar ao nietzscheano e se seria possível afirmar que a busca da “grande saúde” equivaleria à meta do tratamento homeopático ao contemplar a “liberdade do espírito” na conquista da ampliação da normatividade vital. Concluiu-se que os vitalismos de Hahnemann e Nietzsche são semelhantes na medida em que as bases de seus pensamentos ressaltam a vida enquanto um jogo de forças e luta, onde enfatizam a irredutibilidade dos fenômenos dos vivos às propriedades físico-químicas; a concepção dos seres humanos como totalidades únicas e singulares nas quais há um jogo de forças atuantes, promovendo diferentes saúdes no mesmo indivíduo, de acordo com as variadas fases da vida; e as hierarquias existentes entre as forças, resultando em análises diagnósticas, possibilidades de intervenção terapêutica e acompanhamento do processo saúde-doença.


Assuntos
Vitalismo , Homeopatia
7.
Rio de Janeiro; s.n; 2010. 215 p.
Tese em Português | LILACS | ID: lil-601252

RESUMO

Esta pesquisa tematiza o conceito saúde na perspectiva dos modelos médicos vitalistas, situando-se no eixo da dimensão doutrina médica das Racionalidades Médicas, e tem como objeto de estudo os vitalismos de Hahnemann e Nietzsche. A partir do levantamento e análise bibliográfica de textos e da abordagem disciplinar histórica e filosófica, teve como objetivos analisar os conceitos de vida, saúde, doença e cura presentes nos pensamentos desses autores, traçar correspondências e explicitar as diferenças dos pensamentos envolvidos. Como apoios teóricos os trabalhos de Canguilhem, Luz e Foucault. Partindo da ênfase na atitude vital do sujeito em seu processo de saúde doença convalescença-cura, que ambos pensadores destacam, buscou-se avaliar as hipóteses de o vitalismo hahnemanniano se assemelhar ao nietzscheano e se seria possível afirmar que a busca da “grande saúde” equivaleria à meta do tratamento homeopático ao contemplar a “liberdade do espírito” na conquista da ampliação da normatividade vital. Concluiu-se que os vitalismos de Hahnemann e Nietzsche são semelhantes na medida em que as bases de seus pensamentos ressaltam a vida enquanto um jogo de forças e luta, onde enfatizam a irredutibilidade dos fenômenos dos vivos às propriedades físico-químicas; a concepção dos seres humanos como totalidades únicas e singulares nas quais há um jogo de forças atuantes, promovendo diferentes saúdes no mesmo indivíduo, de acordo com as variadas fases da vida; e as hierarquias existentes entre as forças, resultando em análises diagnósticas, possibilidades de intervenção terapêutica e acompanhamento do processo saúde-doença. Correspondem a formas de olhar a vida humana de modo dinâmico, valorizando todos os aspectos físicos, mentais, emocionais e as interações/relações com o meio em que vive...


Assuntos
Humanos , Energia Vital em Homeopatia/história , Filosofia Homeopática/história , Filosofia Homeopática/tendências , História da Homeopatia/tendências , Homeopatia/métodos , Vitalismo/história , Cura em Homeopatia/história , Cura em Homeopatia/métodos , Cura em Homeopatia/tendências , Nível de Saúde , Vida
8.
Rio de Janeiro; s.n; 2006. 160 p.
Tese em Português | HomeoIndex - Homeopatia | ID: hom-8102

RESUMO

Este trabalho tem como objeto as trajetórias da medicina hipocrática no pensamento médico ocidental. Através da análise bibliográfica de textos e documentos, objetivou-se compreendercomo os conceitos de vida e do processo saúde-doença, partindo de uma mesma raiz, foram se definindo em sistemas médicos baseados em paradigmas distintos. Para tanto, inicialmente,procurou-se levantar e analisar o nascimento e desenvolvimento da medicina hipocrática, com ênfase em seu método de observação clínica e em sua proposta terapêutica. Em seguida, foi realizada a análise do histórico e das dimensões das racionalidades médicas homeopatia ebiomedicina, avaliando o papel dos conceitos sobre physis, vida e vis medicatrix naturae em cada paradigma. Na abordagem dos referidos conceitos, Canguilhem e Jacob foram osprincipais apoios teóricos. Conclusões: Para a medicina homeopática, tal como para a medicina hipocrática, o adoecer e o curar são processos de equilíbrio e desequilíbrio que fazem parte da vida do ser humano e, por isso, também considerados únicos e individuais.Hahnemann criou uma terapêutica baseada no reconhecimento da pessoa enferma como um indivíduo único, singular, dotado de capacidade automantenedora e auto-restauradora,levando em conta a idéia de natureza que se manifesta em singularidades plurais a cada momento e, portanto, a prescrição medicamentosa é individualizada e mobilizadora da vismedicatrix naturae. A racionalidade médica homeopática compartilha dos conceitos hipocráticos tanto em sua doutrina, quanto nos seus sistemas diagnóstico e terapêutico. Apesar de a biomedicina ter em suas bases a medicina hipocrática, ao se tornar uma ôciência das doençasõ, não mais compartilhou dos conceitos hipocráticos que permitiriam uma abordagem de saúde positiva e de um enfoque terapêutico baseado no sujeito como um ser único. (AU)


The main purpose of this essay is to analyze the courses of Hipocratic medicine throughout the western medical knowledge. It was aimed, through the analysis of literary texts anddocuments, to understand how concepts of life and health-sickness process, derived from the same origin, developed themselves into medical systems, based on distinct paradigms. Thebirth and development of Hipocratic medicine are studied, emphasizing its clinical observation method and therapeutic proposition. Following, the account of historical and dimensions of medical rationalities were studied û Homeopathy and Biomedicine ûappraising the role of those concepts on physis, life and vis medicatriz naturae, in each paradigm. Canguilhem and Jacob were the principal theorical support to undertake this study. Conclusions: Both Ho meopathy and Hipocratic medicine consider that illness and healing arepart of human life, a matter of more or less equilibrium, an unique and individual process in oneÆs life. Hahnemann created a therapeutic system based on recognizing the sick one as a singular and unique person, with peculiar ability, to restore and maintain his life, observing the concept of nature, that appears as plural singularities, at each moment, originating a therapeutic prescription which is individual and mobilizes the vis medicatriz naturae. Homeopathic rationality shares Hipocratic concepts, both diagnosis and therapeutic systems.Although biomedicine has its basis settled down on Hipocratic medicine, as long as it became the science of illness, biomedicine neglected its origin: a positive health approach as personified therapeutic, for an unique individual is no longer allowed. Homeopathy affirmsitself as a medicine that places health as the central category in its paradigm, instead of illness, both part of lifeÆs phenomena. Therefore, at this path, life gains value and heads towards the ôGreat HealthÆsõ way, assuming its creative potential, able to ôtransmute valuesõ.(AU)


Assuntos
História da Medicina , Homeopatia
9.
Rio de Janeiro; s.n; 2006. 160 p.
Tese em Português | LILACS | ID: lil-441210

RESUMO

Este trabalho tem como objeto as trajetórias da medicina hipocrática no pensamento médico ocidental. Através da análise bibliográfica de textos e documentos, objetivou-se compreendercomo os conceitos de vida e do processo saúde-doença, partindo de uma mesma raiz, foram se definindo em sistemas médicos baseados em paradigmas distintos. Para tanto, inicialmente,procurou-se levantar e analisar o nascimento e desenvolvimento da medicina hipocrática, com ênfase em seu método de observação clínica e em sua proposta terapêutica. Em seguida, foi realizada a análise do histórico e das dimensões das racionalidades médicas homeopatia ebiomedicina, avaliando o papel dos conceitos sobre physis, vida e vis medicatrix naturae em cada paradigma. Na abordagem dos referidos conceitos, Canguilhem e Jacob foram osprincipais apoios teóricos. Conclusões: Para a medicina homeopática, tal como para a medicina hipocrática, o adoecer e o curar são processos de equilíbrio e desequilíbrio que fazem parte da vida do ser humano e, por isso, também considerados únicos e individuais.Hahnemann criou uma terapêutica baseada no reconhecimento da pessoa enferma como um indivíduo único, singular, dotado de capacidade automantenedora e auto-restauradora,levando em conta a idéia de natureza que se manifesta em singularidades plurais a cada momento e, portanto, a prescrição medicamentosa é individualizada e mobilizadora da vismedicatrix naturae. A racionalidade médica homeopática compartilha dos conceitos hipocráticos tanto em sua doutrina, quanto nos seus sistemas diagnóstico e terapêutico. Apesar de a biomedicina ter em suas bases a medicina hipocrática, ao se tornar uma “ciência das doenças”, não mais compartilhou dos conceitos hipocráticos que permitiriam uma abordagem de saúde positiva e de um enfoque terapêutico baseado no sujeito como um ser único.


The main purpose of this essay is to analyze the courses of Hipocratic medicine throughout the western medical knowledge. It was aimed, through the analysis of literary texts anddocuments, to understand how concepts of life and health-sickness process, derived from the same origin, developed themselves into medical systems, based on distinct paradigms. Thebirth and development of Hipocratic medicine are studied, emphasizing its clinical observation method and therapeutic proposition. Following, the account of historical and dimensions of medical rationalities were studied – Homeopathy and Biomedicine –appraising the role of those concepts on physis, life and vis medicatriz naturae, in each paradigm. Canguilhem and Jacob were the principal theorical support to undertake this study. Conclusions: Both Ho meopathy and Hipocratic medicine consider that illness and healing arepart of human life, a matter of more or less equilibrium, an unique and individual process in one’s life. Hahnemann created a therapeutic system based on recognizing the sick one as a singular and unique person, with peculiar ability, to restore and maintain his life, observing the concept of nature, that appears as plural singularities, at each moment, originating a therapeutic prescription which is individual and mobilizes the vis medicatriz naturae. Homeopathic rationality shares Hipocratic concepts, both diagnosis and therapeutic systems.Although biomedicine has its basis settled down on Hipocratic medicine, as long as it became the science of illness, biomedicine neglected its origin: a positive health approach as personified therapeutic, for an unique individual is no longer allowed. Homeopathy affirmsitself as a medicine that places health as the central category in its paradigm, instead of illness, both part of life’s phenomena. Therefore, at this path, life gains value and heads towards the “Great Health’s” way, assuming its creative potential, able to “transmute values”.


Assuntos
História da Medicina , Homeopatia
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA